quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Todo falso mestre tem um verdadeiro discípulo do erro.

Que nos últimos dias se levantariam falsos profetas em nome de Cristo todos nós já sabemos, não é mesmo? Mas, porque será que ainda muita gente cai na conversa desses falsários, hereges e pervertidos? Eu penso que há duas razões para isso:

Os falsos mestres são falsos, mas, também são mestres

A habilidade com que eles pregam suas ideias é digna de mestres. Usam palavreado chocante, sabem mexer com as emoções das pessoas, e, manipulá-las.

Eles nunca dizem abertamente suas heresias, pois, se assim o fizessem até mesmo os que não são filhos de Deus os rejeitariam. O apóstolo Pedro disse que eles: “…introduzirão, dissimuladamente, heresias destruidoras, até ao ponto de renegarem o Soberano Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição” (2Pedro 2.1). Eles são dissimulados. Eles quase sempre evitam falar coisas contra a Pessoa de Jesus, por isso, preferem chama-Lo de “espírito de luz”, “ser iluminado”, ou até mesmo “Filho de Deus” mas, sem com isso, afirmarem que Jesus é Deus, em vez disso, afirmam que Ele é o primeiro ser criado por Deus. Outros falsos mestres pregam uma mensagem com aparência de Evangelho, mas, que na verdade carregam heresias destruidoras. Certa vez ouvi um pastor dizer coisas como: o divórcio é uma solução para um casamento em crise; um homossexual mesmo convertido a Cristo, não deixa de ser homossexual; que o crente tem de ser livre em sua consciência e com isso ele quis dizer que o crente não deve se prender a um ascetismo, podendo viver “livremente” (entenda-se aqui “libertinamente”). Mas o que 2Pe 2.1 nos ensina é que quem prega heresias destruidoras, sofrerá repentina destruição.

Os falsos mestres são habilidosos em mexer com as emoções das pessoas. Certa vez numa reportagem, um ator se fez passar por médium para uma plateia. Usando palavras sugestivas tais como: “Aqui entre nós existe uma pessoa que perdeu um filho”. Observando as reações das pessoas, viu que duas senhoras “morderam a isca”. Continuou: “Rapaz tão jovem para morrer”. Uma das senhoras meneou a cabeça como que dizendo: “Não é comigo, pois, foi minha filha quem morreu”. Enquanto que a outra mulher, já em prantos prestava toda atenção ao suposto médium. E ele ia jogando palavras subjetivas e sugestivas ao vento e conforme a mulher reagia ele continuava. No final ele disse: “Não sou médium. Sou apenas um ator”. Aquela mãe se levantou e disse: “Você está enganado. Você é médium sim. Só que você não sabe. Deixe de brincar com coisa séria e pratica esse dom que Deus lhe deu”. Não obstante o ator insistisse que ele não era médium, a mulher não lhe deu ouvidos, porque segundo ela ele acertou tudo. O ator então disse: “Senhora, eu só segui as suas dicas. Conforme a senhora reagia em falava”. Ela saiu dali crente num ator que se passara por médium porque cria que ele era um médium sem saber.

Já ouvi pastores pregando coisas que agradam o público. Suavizam o pecado em vez de mostrar-lhes que Cristo destrói o poder do pecado em vez de amenizá-lo. Tornam a Bíblia palatável, porém, totalmente sem consistência. Tal como Paulo disse: “…tendo forma de piedade, negando-lhe, entretanto, o poder” (2Timóteo 3.5).

Os falsos mestres manipulam as pessoas para estas façam o que eles querem. Para os falsos mestres, a vontade de Deus sequer é cogitada. Para eles o que importa é que suas vontades sejam feitas pelos seus seguidores. E é justamente aqui que se encontra a segunda razão para que os falsos mestres continuem atuando em nosso meio.

Os que seguem os falsos mestres o fazem porque são movidos por sua própria ganância

Durante muito tempo eu tinha pena daqueles que são enganados pelos falsos mestres, até que me deparei com a seguinte verdade em 2Timóteo 4.3,4: “Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos;  4 e se recusarão a dar ouvidos à verdade, entregando-se às fábulas”. 

As pessoas são enganadas:

(1) por não suportarem a sã doutrina: Quando o que a Bíblia diz torna-se “pesado” demais, as pessoas não suportam. Já aconteceu algumas vezes comigo, pessoas me procurarem dizendo: “Pastor, você precisa deixar de falar sobre o pecado. O povo precisa de mensagens de consolo que lhes tragam alegria”. Com a graça de Deus não dei ouvidos e nunca darei a tais pedidos.

(2) por cercarem-se de mestres segundo suas próprias cobiças: quando alguém engole essas heresias ensinadas pelos pregadores da teologia (?) da prosperidade, tais como: “Dê tanto para Jesus e amanhã Ele lhe dará o triplo”, ou acreditam nas toalhinhas, lenços, água e óleo ungidos (a lista desses produtos é muito maior), há bem da verdade elas são levadas por suas próprias cobiças. É querendo ficar rico que o sujeito dá até o que não tem; é querendo ser curada que a pessoa chega a cair na idolatria, pois, confia num objeto, ou num sujeito (que em vez de por os mesmos objetos ungidos sobre si mesmo quando está doente – Valdemiro Santiago está tratando do seu joelho com os médicos! Será que a toalhinha dele não funciona com ele mesmo?) que é tão pecador quanto, em vez de confiar somente em Deus e buscar entender o propósito de tal enfermidade. Assim, sendo, essas pessoas não são inocentes sendo enganadas por espertalhões. Elas são os carrascos de si mesmas. Ouvirem o que os falsos mestres têm a lhes ensinar causar aquele comichãozinho gostoso que um cotonetes causa quando se limpa os ouvidos. Mas, a Palavra de Deus lhes causa repúdio.

Cuidado, todo falso mestre tem um verdadeiro discípulo do erro!

Ninguém poderá se desculpar diante de Deus no Dia do Juízo alegando ter sido enganado por um falso mestre. Lá todos se depararão com a verdade de que eles seguiram seus próprios desejos.

Não caia no conto dos falsos mestres. Para isso a Palavra de Deus deve ser conhecida, vivida e praticada por você o tempo todo. Desconfie de ensinos que “facilitam” as coisas. Fuja de qualquer ensino que o faça mais libertino e licencioso. Lembre-se que o caminho que conduz a vida é apertado (Mateus 7.14).

Rev.Olivar Alves Pereira


Fonte: http://www.noutesia.com.br
Imagem: Google

0 comentários: