segunda-feira, 25 de junho de 2018

Perguntas aos adeptos da doutrina do Santuário

1) Se Jesus fará uma suposta investigação de pecados para saber quem será salvo ou não, por que Paulo nos diz que nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus (Rm 8.1. Cf. Jo 5.24; II Tm 2.19)?

2) O que dizer de Enoque, Moisés e Elias que já estão no céu; os três patriarcas que já têm seu lugar no céu (Mt 8.11); os heróis da fé que já têm garantida uma cidade celestial e sua ressurreição (Hb 11.16,35); o ladrão da cruz, do qual Jesus disse que estaria com ele no paraíso (Lc 23.43) e os apóstolos que tem o nome na Nova Jerusalém (Ap 21.14) eles também passarão pelo juízo investigativo para só depois deste tal juízo ficarem sabendo se seus nomes serão “aceitos ou rejeitados” ? Se sim ou não. Por quê?

3) Se o Yom Kippur em Lv. 16 é uma réplica ipsis litteris do que Cristo fez no santuário celestial, porque então Jesus precisou ficar 1800 anos no primeiro compartimento do santuário, sendo que o sumo sacerdote entrava no mesmo dia da expiação no santíssimo?

4) O livro de Hebreus mostra constantemente textos sobre “expiação” na cruz e “intercessão” no céu, mas porque nunca menciona sobre um tal juízo investigativo sendo levado a cabo por Cristo (no futuro) como parte de seu trabalho sacerdotal no santíssimo?

5) Qual versículo da carta aos Hebreus mostra Jesus oficializando apenas no primeiro compartimento para só então, depois de 1800 anos, entrar no Santo dos Santos?

6) Pode me citar um verso de todo o NT, onde algum escritor ensina que Jesus não subiu imediatamente a presença de Deus, mas teve que esperar no primeiro compartimento por 1800 anos?

7) Qual versículo de Hebreus mostra que os pecados dos santos foram transferidos para o santíssimo, contaminando-o?

8) Por que em Hebreus há ausência total de uma narrativa, por mais simples que seja, de Jesus fazendo o mesmo serviço literalmente que o sumo sacerdote fazia no santuário terrestre, já que tudo deveria ser cópia um do outro?

9) Já que tudo na tipologia deve seguir uma réplica fiel, então qual versículo de Lv 16 pode ser apresentado para representar essa “longa espera” de Cristo no primeiro compartimento? O sumo sacerdote no Yom Kippur esperava quanto tempo com o sangue do animal, no primeiro compartimento (para só depois de algum tempo entrar no santo dos santos do santuário)? 10. Se Jesus é nosso precursor no santo dos santos (Hb 6.20), mas que, entretanto, só pode entrar nele em 1844, quer dizer que todos os apóstolos, os cristãos primitivos e os reformadores ficaram sem acesso a presença de Deus durante todo esse tempo (Hb 4.16)?

10) Se há um juizo investigativo onde os pecados estão perdoados e não cancelados, porque o escritor aos Hebreus (10.14 e 17) afirma que “com uma só oferta aperfeiçoou para sempre os que são santificados.” e que “jamais me lembrarei de seus pecados e de suas iniquidades.”? Porque Deus haveria de relembrar dos pecados dos santos se ele acabou de afirmar que os que foram aperfeiçoados pela expiação na cruz JAMAIS teriam seus pecados lembrados por Ele mesmo?

11) Qual verso bíblico de Hebreus pode ser apresentado para fundamentar que os cristãos “somente terão seus pecados apagado sou cancelados quando forem chamados a julgamento” e não na hora do seu arrependimento?

12) Se, de acordo com a crença adventista, este tabernáculo celestial é uma réplica em tudo do terreno, quando o celestial foi erguido? Antes da fundação do mundo ou depois dela? Se foi antes da fundação do mundo, então a Trindade nunca pode entrar neste santíssimo, só tendo oportunidade para isso APENAS em 1844?

Fonte: CACP

sábado, 23 de junho de 2018

Por que o Adventismo não crê na inspiração verbal das Escrituras?

Quando colocamos lado a lado aquilo que chamamos de ortodoxia cristã protestante, com a teologia adventista, e avaliando seus pressupostos menos conhecidos, sua reflexão acadêmica teológica, é inevitável algumas conclusões: O Adventismo do Sétimo Dia não é ortodoxo em assuntos de peso - na salvação pela graça na suficiente mediação de Cristo – quando pesado as implicações da doutrina de 1844 e do sábado como selo escatológico; não é ortodoxo na doutrina da Trindade, - quando pesado suas implicações de uma nova definição trinitariana com base nas visões de Ellen White e na rejeição da teologia trinitariana tradicional; não é ortodoxo na sua eclesiologia -quando pesado em sua medíocre crença de que são os ‘remanescentes’; não são ortodoxos na rejeição da inerrância da Escritura, ao recorrem a isso para justificar os erros de Ellen White, e consequentemente o assunto dessa postagem – também não são ortodoxos na crença na inspiração verbal da Escritura Sagrada.

Mais uma vez tal postura se deve à cega crença de Ellen White era/é profetisa dessa igreja, e visto que ela rejeitou a inspiração verbal (obviamente por causa de seus tropeços como escritora ‘inspirada’), eles também rejeitam a doutrina da inspiração verbal da Escritura. Ainda assim, a IASD se declara ‘protestante’:

“Numa resposta mais detalhada, pode-se dizer que os adventistas são uma corporação protestante e conservadoras de cristãos evangélicos [...]” (Tratado de Teologia Adventista do Sétimo Dia, p. 1).

Mas como é comum entre os adventistas, ‘falar com dois lados da boca’, como dizia o Pastor Natanael Rinald, prática iniciada no livro Questões Sobre Doutrina, você encontra autores adventistas, e a própria teologia oficial adventista, dizendo que as palavras da bíblia foram inspiradas (Tratado de Teologia Adventista do Sétimo Dia, p. 45). Mas quando dizem isso, dizem como produto geral e final, não as palavras usadas imediatamente pelo autor inspirado; [ou talvez façam isso para evitar problemas – ‘um dilema desnecessário’ (ibidem, p. 45)]. Porém, veja o que afirmava Ellen White:

“Não são as palavras da Bíblia que são inspiradas, mas os homens é que foram. A inspiração não atua nas palavras do homem ou em suas expressões [...]” (Em Busca de Identidade, p. 137).

“Não por acaso que a maioria dos líderes adventistas mais próximos de Ellen White rejeitaram a inerrância e o verbalismo tanto da Bíblia como dos escritos dela.” (Em Busca de Identidade p. 140).

A Crença Fundamental 1da comunidade adventista não entra em detalhes sobre o processo de inspiração, mas suas explicações oficiais preenchem o vácuo:

“1. As Escrituras Sagradas. As Escrituras Sagradas, o Antigo e o Novo Testamentos, são a Palavra de Deus escrita, dada por inspiração divina por intermédio de santos homens de Deus que falaram e escreveram ao serem movidos pelo Espírito Santo.”

“Tampouco o conceito de inspiração verbal ou mecânica. Já os conceitos de inspiração plena e conceitual foram amplamente aceitos, mas a igreja nunca formulou uma doutrina exata sobre inspiração ou revelação. Por mais de 100 anos, os adventistas repetiram e refinaram as convicções adotadas por seus pioneiros em declarações de crenças fundamentais.” (Tratado de Teologia Adventista do Sétimo Dia, p. 60).

A Bíblia, diferentemente de Ellen White, afirma categoricamente que não apenas as pessoas, mas as palavras que seus autores usaram, foram inspiradas por Deus. Ambos!!! Alguns textos confirmam isso. Por exemplo, O Senhor Jesus disse que nenhum ‘til’ da lei cairia sem se cumprir (Mt 5.17), que a Escritura não pode ser falhar (Jo 10.35) ao mesmo tempo que afirma a autonomia do autor humano (Mt 8.4). Pedro disse que homens santos falaram da parte de Deus (II Pe 1.21), enquanto Paulo também disse a Timóteo que a Escritura e as sagradas letras, foram inspiradas por Deus para a salvação (I Tm 3.15-17).

A crença cristã protestante e conservadora – excetuando-se os liberais, neo-ortodoxos, etc – é que a ‘inspiração da Escritura Sagrada é plenária, dinâmica, verbal e sobrenatural.’ (A Inspiração e Inerrância das Escrituras, pp. 99,100).Essa é a mesma posição de um reconhecido teólogo pentecostal, Myer Pearlman e afirma que a inspiração da Escritura é “Verbal, não apenas conceitual.” (Conhecendo as Doutrinas da Bíblia, pp. 29-33). A Declaração de Chicago resume bem o pensamento cristão a respeito da inspiração verbal:

VI. Afirmamos que a totalidade das Escrituras e todas as suas partes, chegando às próprias palavras do original, foram por inspiração divina. Negamos que se possa corretamente falar de inspiração das Escrituras, alcançando-se o todo, mas não as partes, ou algumas partes, mas não o todo. 

VIII. Afirmamos que Deus, em Sua obra de inspiração, empregou as diferentes personalidades e estilos literários dos escritores que Ele escolheu e preparou. Negamos que Deus, ao fazer esses escritores usarem as próprias palavras que Ele escolheu, tenha passado por cima de suas personalidades [uma explicação das implicações e afirmações da Declaração de Chicago pode ser visto em – Havendo Deus Falado, de J. I. Packer].

A Confissão de Fé de Westminster diz:

[...] foi o Senhor servido, em diversos tempos e diferentes modos, revelar-se e declarar à sua Igreja aquela sua vontade; e depois, para melhor preservação e propagação da verdade, para o mais seguro estabelecimento e conforto da Igreja contra a corrupção da carne e malícia de Satanás e do mundo, foi igualmente servido fazê-la escrever toda.

O Velho Testamento em Hebraico (língua vulgar do antigo povo de Deus) e o Novo Testamento em Grego (a língua mais geralmente conhecida entre as nações no tempo em que ele foi escrito), sendo inspirados imediatamente por Deus e pelo seu singular cuidado e providência [...]

CONCLUSÃO

Diferentemente da Igreja Adventista do Sétimo Dia, as Igrejas Cristã – com o verdadeiro Espirito de Profecia, não tendo um (falso) profeta para ‘justificar’, nem mesmo o mundo secular para temer, não baixa sua posição a respeito da Inspiração para salvar um profeta ou sua aceitação do mundo. No conhecido ditado ‘um abismo chama outro abismo’, percebemos que o Adventismo entrou no mais no abismo herético. Aceitaram uma profetisa inspirada, com isso a suficiência da Escritura foi abalada. Ao depararem com os erros dessa falsa profetisa, detonaram a inerrância da Bíblia. Mas para fazerem isso, precisaram ‘diluir’ a doutrina da inspiração. A Igreja Adventista é uma falsa igreja, é uma seita no pleno sentido*. Lamento que vários no Brasil estão caindo na malha do marketing dessa seita, abrindo o aprisco para as heresias.


*Há alguns apologistas cristãos de renome internacionais que não compartilham a ideia de que a IASD seja uma seita. No Brasil, a maioria das igrejas continua mantendo a postura de que a IASD é uma seita, à medida que a TV Novo Tempo age, e ganha terreno em crentes incautos. Mas até mesmo pastores e pesquisadores no Brasil, já demonstram uma tendência de mudarem de opinião, ou já mudaram. Os que acham que a IASD é uma igreja cristã ortodoxa, não tem condições de defender essa postura em relação aos adventistas sem prejuízos à ortodoxia cristã, nem mesmo sem prejuízos ao que é o adventismo de fato, e até mesmo a essa posição ‘ecumênica’. Já que um dos votos para o batismo na IASD reza: “13. Aceita e crê que a Igreja Adventista do Sétimo Dia é a igreja remanescente da profecia bíblica e que pessoas de toda nação, raça e língua são convidadas afazer parte de sua comunhão e são nela aceitas? Deseja ser membro desta congregação local da Igreja mundial?”

Fonte: MCA
Imagem: Google

terça-feira, 19 de junho de 2018

Livros de Watchman Nee para download





































































Sobre Watchman Nee:

Nee To-sheng ou Watchman Nee, o grande líder cristão chinês, nasceu numa província do Sul da China. Em sua juventude, provou ser um indivíduo dotado de grande inteligência e um futuro promissor. Ele foi consistentemente o melhor aluno da Faculdade Trinity, adquirindo excelente histórico acadêmico. Nee, naturalmente, tinha grandes sonhos e planos para uma carreira cheia de realizações.

Em 1920, aos 17 anos de idade, conheceu o evangelho e depois de algumas lutas internas aceitou Jesus como seu Salvador e Senhor; ao tomar essa decisão deixou a carreira universitária. Desde então, seu ministério passou a ser conhecido como um dos mais espirituais e significativos do século 20. Seu nome anterior era Nee Shu-tsu. Após sua conversão mudou seu nome para Nee To-sheng, devido a um costume local, segundo o qual, se algum fato mudasse a vida de uma pessoa, ela mudaria de nome. No caso de Nee, foi sua conversão ao cristianismo.

Já no início de sua vida cristã começou a escrever. Seu ministério de aproximadamente 30 anos foi uma bênção de Deus para a Igreja chinesa, e seus livros ainda serão por muito tempo um manancial de espiritualidade e inspiração para cristãos em todo mundo, em todas as épocas. Sua obra teve um profundo impacto sobre a divulgação do evangelho e o estabelecimento de centenas de igrejas locais através da Ásia. Por causa da sua fé em Cristo, Nee foi preso em 1952 pelo regime comunista de Mao Tse-tung, permanecendo seus últimos 20 anos de vida na prisão.

No início ele era um cristão metodista, depois, começou ele mesmo a restauração da Igreja nos moldes da Igreja Primitiva, segundo estava nas escrituras. Ele era ferrenho opositor da fragmentação do corpo de Cristo pela criação indiscriminada de denominações e divisões da Igreja. Sua Igreja em Xangai cresceu e chegou a ter 3.000 membros. Orando, decidiu dividi-la em 15 grupos, chamados de "pequenos rebanhos". Cada pequeno rebanho (grupo familiar) chegava a ter 200 membros. No início dos anos 40, a Igreja de Nee já possuía perto de 500 "pequenos rebanhos". Em 1941, Xangai foi invadida pelo exército japonês e a Igreja começou a passar por necessidades financeiras. Ele e seu irmão montaram uma empresa farmacêutica para complementar os recursos para as necessidades da Igreja . Daí pode-se perceber que o sistema de grupos familiares, desenvolvido mais tarde na Igreja sul coreana pelo Pastor Paul Yonggi Cho foi influências do trabalho de Nee.

Em 1949, o Partido Comunista da China derrubou o governo nacionalista e instituiu a Republica Popular da China. A princípio, os comunistas insinuaram um apoio aos líderes cristãos locais, enquanto expulsava os missionários "imperialistas". Dois anos mais tarde, Mao Tse-tung mostrou sua verdadeira intenção - a de controlar as Igrejas. Durante esse tempo, os pequenos rebanhos resistiam a ordem comunista de que todos deveriam ser filiados à Igreja Cristã Nacional, uma organização fantoche. Milhares de membros da Igreja de Nee foram mortos ou colocados em prisões. Havia informantes comunistas se infiltrados entre os grupos.

Os pastores eram rotulados de lacaios dos imperialistas estrangeiros e Nee foi acusado de liderar um grande sistema secreto que envenenava as pessoas com palavras reacionárias. Em 1952 ele foi preso. Antes disso, ajudou a criar várias Igrejas subterrâneas. Em 1956, foi julgado e sentenciado à prisão por 15 anos. Em 1967, ele deveria ser solto, mas com a seguinte condição: de nunca mais voltar a pregar o evangelho. Nee não concordou. Ele foi transferido para outra prisão onde morreu cinco anos mais tarde. Ele preparou a Igreja da China para sobreviver sob a "cortina de bambu" e ela Sobreviveu. Mao se foi, mas Jesus continua na China salvando, batizando e derramando o Espírito Santo.

Fonte: Escola Bíblica



Ao evangelizar um Espírita Kardecista: use apenas os evangelhos

1) A Gênese, IV, 6,7,8,11 página 267 afirma que existem erros na Bíblia e que o espiritismo os corrigiria. Os erros são de natureza doutrinária. León Denis, uma liderança espírita disse no livro Cristianismo e Espiritismo (FEB, 7ª Ed, p. 267):

“[...] não poderia a Bíblia ser considerada a “palavra de Deus” nem uma revelação sobrenatural. O que se deve nela ver é uma compilação de narrativas históricas ou legendárias, de ensinamentos sublimes, de par com pormenores às vezes triviais.”

“Do Velho Testamento já nos é recomendado somente o Decálogo, e do Novo Testamento apenas a moral de Jesus; já consideramos de valor secundário, ou revogado e sem valor algum, mais de 90% do texto da Bíblia.” (Reformador, janeiro de 1953, p. 23).

Compare: Jesus disse: “A tua Palavra é a verdade” (João 17.17). Jesus usou a própria Escritura do Velho Testamento (Lc 4.1-12; Mt 4.1-12) e disse que ela é infalível (Mt 5.18). E usou todo o Velho Testamento (Lc 24.27).

Quando somos confrontados com alguma passagem da Escritura que não entendemos, que seja estranha ao que estamos acostumados, e mesmo depois de um estudo sério e ponderado do assunto, devemos nos lembrar que a dificuldade está em nós entendermos. Talvez, faltam informações que no momento não temos. Ou mesmo, reconhecer que alguns assuntos da Escritura não entenderemos em nossa vida. Mas os assuntos concernentes ao comportamento, aquilo que devemos crer a respeito de Deus, e como obtermos a salvação, são facilmente percebidos na Bíblia (Jo 14.6).

Em Obras póstumas, (FEB, 1973 13º Ed, p.308) Kardec diz: “Aproxima-se a hora em que te será necessário apresentar o Espiritismo qual ele é, mostrando a todos onde se encontra a verdadeira doutrina ensinada pelo Cristo. Aproxima-se a hora em que, à face do céu e da Terra, terás de proclamar que o Espiritismo é a única tradição verdadeiramente cristã e única instituição verdadeiramente divina e humana.”(gripo nosso)

Eles são exclusivistas. E estão certos na abordagem pretendida. Em última instância; ou apenas o Espiritismo está certo, ou apenas o Protestantismo Cristão o está. Ou um, ou outro, deve representar verdadeiramente a doutrina de Cristo Jesus.

2) O Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap. I, 10 diz: “Um dia, Deus, na sua caridade inesgotável, permitiu ao homem ver a verdade dissipar as trevas; esse dia foi o advento de Cristo.”

Compare: Essa afirmação de Kardec, está de acordo com vários textos bíblicos (Jo 1.17; 8.12). Cabe a nós agora fazer algumas perguntas pertinentes.

A) De onde o espiritismo kardecista colheu suas informações sobre a moral de Cristo?

B) Em qual parte dos evangelhos Jesus ensinou o aperfeiçoamento da alma pela reencarnação?

C) Jesus ensinou o inferno (Geena) eterno nos evangelhos (Mt 5.29,30; 8.12; 13.42). O Espiritismo rejeita.

D) Jesus ensinou que morreria como sacrifício em nosso lugar (Mt 20.28). O Espiritismo rejeita.

E) Jesus disse que deveríamos praticar a ceia e o batismo (Lc 22.19). O Espiritismo rejeita.

F) Como pode você confiar na narração moral de Cristo, por parte dos Apóstolos, e não confiar no que eles disseram em outras partes?

  • Existe contradição entre os ensinos de Cristo e Kardec. 'De qual lado você ficará? Do lado da "Luz que dissipa as trevas"?'
Ao conservar com Espíritas Kardecistas, insista no uso dos Evangelhos e das palavras do Senhor Jesus. A experiência pode ser surpreendente!

Fonte: MCA

segunda-feira, 18 de junho de 2018

Mensagens do Pr. Rômulo Weden Ribeiro (Atualizado)


O Pastor Rômulo Weden Ribeiro é o fundador do Templo Batista Maranata de Goiânia, Goiás e do Templo Batista Maranata de Londrina, Paraná. Ele também é co-fundador do Templo Batista Ebenézer de Goiânia, Goiás. Em Goiânia, ele também fundou o Instituto Batista Maranata para a formação de pastores, missionários e obreiros. O lema do ministério do Pastor Rômulo é: “Fique dentro do Livro (Bíblia Sagrada). Não desvie para a esquerda e nem para a direita”. 

Irmãos, esse Pastor é um homem de Deus, suas mensagens são edificantes, refrigério para a nossa alma.











































































































































































































































































Fonte: https://www.youtube.com/user/TBMGYN/videos