terça-feira, 5 de janeiro de 2016

As chaves do Reino de Deus

Você já ouviu a história de que Pedro era um velhinho de barbas brancas com um molho de chaves nas mãos, as quais são das portas de entrada do céu? Daí que surge o ditado popular de que Pedro é o manda chuva, porque é ele quem abre e fecha o céu.
Na verdade o texto de Mateus 16.19[1] não concorda com essa historieta, mas é algo distinto. E é isso que o Catecismo de Heidelberg vai nos mostrar no 31º Dia do Senhor, concluindo a segunda parte[2] do Catecismo a qual começou mostrando que, no 5º Dia, a nossa redenção se deu por intermédio de Jesus Cristo, sendo Ele verdadeiro homem e verdadeiro Deus, e agora, encerrando essa parte, o Catecismo nos mostra que a pregação abre e depois fecha e que a disciplina fecha e depois abre o Reino.
83. Que são as chaves do reino dos céus?
R. A pregação do santo Evangelho e a disciplina cristã. É por estes dois meios que o reino dos céus se abre para aqueles que creem e se fecha para aqueles que não creem (1).
(1) Mt 16:18,19; Mt 18:15-18.
84. Como se abre e se fecha o reino dos céus pela pregação do santo Evangelho?
R. Conforme o mandamento de Cristo, se proclama e testifica aos crentes, a todos juntos e a cada um deles, que todos os seus pecados realmente lhes são perdoados por Deus, pelo mérito de Cristo, sempre que aceitam a promessa do Evangelho com verdadeira fé. Mas a todos os incrédulos e hipócritas se proclama e testifica que a ira de Deus e a condenação permanecem sobre eles, enquanto não se converterem (1). Segundo este testemunho do Evangelho Deus julgará todos, nesta vida e na futura.
(1) Mt 16:19; Jo 20:21-23.
85. Como se fecha e se abre o reino dos céus pela disciplina cristã?
R. Conforme o mandamento de Cristo, aqueles que, com o nome de cristãos, se comportam na doutrina ou na vida como não-cristãos, são fraternalmente advertidos, repetidas vezes. Se não querem abandonar seus erros ou maldades, são denunciados à igreja e aos que, pela igreja, foram ordenados para este fim. Se não dão atenção nem a admoestação destes, não são mais admitidos aos sacramentos e, assim, excluídos da congregação de Cristo, e, pelo próprio Deus, do reino de Cristo. Eles voltam a ser recebidos como membros de Cristo e da sua igreja, quando realmente prometem e demonstram verdadeiro arrependimento (1).
(1) Mt 18:15-18; 1Co 5:3-5,11; 2Co 2:6-8; 2Ts 3:14,15; 1Tm 5:20; 2Jo :10,11.

Abre, depois fecha

Como o próprio Catecismo responde, a primeira chave do Reino é a pregação da Palavra de Deus. Nós não devemos cair no engano de que, se Deus já predestinou alguns para a salvação, nós não devemos pregar o Evangelho. Spurgeon certa vez disse que pregava o evangelho porque os eleitos não possuem listras amarelas nas costas. Ou seja, não há nenhuma identificação no eleito – o qual não ouviu o Evangelho. Devemos anunciar o Evangelho a todos e Deus, a Seu tempo, trará o eleito à Cristo. No entanto, o não eleito, ao ouvir o Evangelho, não aceitará a mensagem de salvação, pois para ele a mensagem da cruz é loucura. Porque “para estes certamente cheiro de morte para morte; mas para aqueles cheiro de vida para vida” (2Co 2.16).

Deus quer que anunciemos as boas novas em Cristo Jesus, mostrando a nossa condição espiritual diante de Deus, condição esta, sem a intercessão de Cristo, faz com que fiquemos debaixo da ira de Deus a qual será manifesta no juízo vindouro.

Fecha, depois abre

Infelizmente não é muito comum nós ouvirmos falar sobre disciplina na igreja. No entanto, o assunto é bíblico e sério. A disciplina exercida pelo governo da igreja não deve ser entendida como algo retrogrado ou desnecessário para os nossos dias. Não obstante, não devemos disciplinar sem amor, pois o próprio Catecismo diz que eles devem ser “fraternalmente advertidos”, pois não deve ser motivo de vanglória disciplinar alguém, mas deve ser algo amoroso, não só da parte do governo da igreja, como também dos irmãos da igreja à este faltoso.

Portanto, o propósito da disciplina não é castigar, mas servir de exemplo para a igreja local e de animosidade pessoal. Exemplo para a igreja, para que ela não se manche com o pecado, e animosidade ao disciplinado porque Deus corrige a quem ama (Hb 12.5-11).

Mas aqueles que insistem em pecar, incessantemente, não dando ouvido às advertências e se recusando a abandonar o pecado, são excluídos da comunhão da igreja, comprovando ser uma árvore má que só dá frutos maus.

Assim como a porta para o reino é fechada pela disciplina na igreja, também a porta é aberta novamente com alegria pela confissão do pecado e pela evidência de um verdadeiro arrependimento.


Notas:
[1] E eu te darei as chaves do reino dos céus; e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus.
[2] A primeira parte (Os nossos pecados e miséria) do 1º Dia ao 4º Dia; A segunda parte (Nossa salvação) do 5º Dia ao 31º Dia; E a terceira parte (nossa gratidão) do 32º Dia ao 52º Dia do Senhor.



Autor: Denis Monteiro
Fonte: Bereianos

0 comentários: