segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Leandro Quadros: cair no ‘espírito’ não pode... mas Ellen White podia?!


Os adventistas perderam o senso crítico e de julgamento imparcial. Dois pesos e duas medidas. Isso pode ser visto na postagem que o Titã Adventista, Leandro Quadros, colocou no site Na Mira da Verdade.

Ali ele criticou os pentecostais (e a 'demagogia é impressionante, chamou os pentecostais de 'irmãos'!... seria um sentimento verdadeiro?). Na postagem, ele critica 'o cair no ‘espírito' tão comum em muitos cultos pentecostais.

Primeiro, tenho certeza que tal prática é um exagero litúrgico e falta de equilíbrio entre o emocional e o espiritual. Essa é a minha opinião, jamais saí disso. Podem procurar no Blog o que eu sempre disse a respeito dos pentecostais. E aqui não tem hipocrisia para disfarçar o proselitismo. São meus irmãos em Cristo mesmo, evangelizo com eles e tomo a Santa Ceia com eles. Agora, adventistas chamar outros de ‘irmãos’... bem, sabemos a ladainha.

Segundo o Titã Quadros, existe a influência demoníaca sob tais manifestações. Além do próprio exagero. O problema é: Será que ele diria o mesmo da profetisa alucinada do Adventismo? Veja se Ellen White iria se identificar com o Adventismo atual ou com o Benny Hinn:

“o fundador dos mórmons, Joseph Smith, recebia "revelações" de Deus. Na década de 1830, propagou-se verdadeira epidemia de visões pelas comunidades dos quacres; mocinhas "começaram a cantar, a falar de anjo, e a descrever uma viagem que faziam, sob condução espiritual, a lugares celestiais”. Com frequência, os afetados "caíam ao solo, onde jaziam como mortos, ou lutavam angustiados, até que alguém que estava próximo os levantava, e então começavam a falar com grande claridade e compostura." O movimento milerita teve sua própria quota de profetas. John Starkweather, um milerita, e pastor assistente na Capela de Joshua Himes, em Chardon Street, experimentava o que alguns críticos descreviam como ataques "catalépticos e epilépticos" que desconcertavam a seus colegas mais calmos. Finalmente, foi expulso da congregação quando seus dons espirituais resultaram ser contagiosos. Foi durante esses anos impressionáveis da adolescência que a jovem Ellen teve a oportunidade de associar-se com os "profetas" do movimento milerita. Estava bastante familiarizada pelo menos com os profetas mileritas. Em 1842, um milerita afroamericano chamado William Foy começou a receber o que cria serem visões de Deus. Passou a percorrer a Nova Inglaterra pregando, e Ellen foi ouvi-lo falar no Beethoven Hall de sua cidade natal de Portland, Maine. Mais tarde, ela também viajou com seu pai para ouvi-lo falar na cidade próxima de Cape Elizabeth.”

Esse foi o contexto religioso que ‘formatou’ e espiritualidade dessa adolescente. Veja o seu comportamento:

“Isaac Wellcome, um ministro adventista que presenciou várias das primeiras visões, descreve-as como segue: "Ellen G. Harmon... estava estranhamente inquieta em corpo e mente... caindo sobre o soalho... (recordamos que a seguramos duas vezes para impedir que caísse sobre o piso)... Nas reuniões falava com grande veemência e rapidez até que caía; nesse momento, como ela afirmava, eram-lhe mostradas maravilhosas cenas do céu e o que sucedia ali. Afirmava haver visto que Cristo tinha deixado o ofício de mediador e assumido o de Juiz, havia fechado a porta da misericórdia, e estava apagando os nomes do livro da vida... Vimo-la em Poland, Portland, Topsham, e Brunswick durante o começo de sua carreira, e a ouvimos falar amiúde, e a vimos cair várias vezes, e a ouvimos relatar maravilhas que dizia que seu Pai celestial lhe permitia ver. Suas visões sobrenaturais ou anormais não foram entendidas em seguida como visões, mas como cenas espirituais de coisas invisíveis, o que era bastante comum entre os metodistas... Essas visões não eram senão os ecos do Pr. [Joseph] Turner e a pregação de outros, e as consideramos como resultado da sobre-excitada imaginação de sua mente, e não como fatos.”

 
"Amiúde, estive em reuniões com Ellen G. Harmon e Tiago White em 1844 e 1845. Várias vezes a sustive enquanto caía ao solo, -- às vezes quando desmaiava durante uma visão.”

(*As citações foram extraídas de A Nuvem Branca).

Talvez, para Ellen White serviria o conselho de Leandro Quadros: “cair no Espírito” não é um fenômeno de origem divina e, portanto, deve ser abandonado, antes que a vida espiritual do cristão seja ainda mais comprometida.”


CONCLUSÃO

Obviamente o Titã dirá: ‘O mentiroso MCA não usou as fontes primárias, mas usou afirmações de um apóstata, perseguidor, cego e orgulhoso’... sei lá, acho que o ‘mensalão’ e ‘o cachoreira’ também seriam justos com as fontes primárias!

Leandro Quadros, Deus sabe o quanto você está branqueando a história para fortalecer o mito ‘Ellen White’. Deus o sabe. Espero que você pense nisso, Deus te julgará por promover uma mentira. E você sabe disso. Arrependa-se, e confie no Cristo Gracioso e Profeta exclusivo da Igreja. Abandone essa causa, para servir a Cristo livre das interpolações religiosas e das heresias Adventistas. Cada vez que você usar sua capacidade intelectual para minimizar o que desabonaria o mito Ellen White, espero que Deus te lembre dessa advertência

Fonte: http://mcapologetico.blogspot.com.br/2012/08/leandro-quadros-cair-no-espirito-nao.html

0 comentários: