quinta-feira, 4 de agosto de 2016

As Testemunhas de Jeová e ‘oposição ao sangue’

O Corpo Governante, mentores absolutos das crenças e da vida das Testemunhas de Jeová, impõe aos seus seguidores, uma interpretação de Atos 15.29 que tem implicações funestas, visto que proíbe aos adeptos da religião não aceitarem transfusões de sangue. O que geralmente dizem é que apenas as Testemunhas de Jeová respeitam a ‘santidade do sangue’ ordenada na Bíblia, por não aceitarem transfusão de sangue. Em 1983 a liderança TJ chegou ao absurdo de escrever que receber transfusão de sangue é um desrespeito pela morte do Senhor Jesus!!!

“a santidade do sangue do próprio Jesus é destacada pela lei de Deus que proíbe qualquer outro uso do sangue. Disso se pode ver que qualquer uso errado do sangue mostra grave desrespeito pela provisão de salvação por Jeová feita mediante seu Filho.” (Unido na Adoração, p. 160).

No entanto, não foi sempre assim. Como é normal na práxis da Liderança das Testemunhas de Jeová, novas crenças e mudanças doutrinárias são bem comuns, à medida que os oráculos da Torre de Vigia, mudam ou possuem uma ‘nova luz’. O problema, em especial, além do próprio peso divino que qualquer interpretação do Corpo Governante possui na mentalidade e na convivência da comunidade TJ, o que pesa ainda mais é quando tais crenças custam vida e a esperança dessas pessoas.

A prática de transfusão de sangue, ou reposição do liquido sanguíneo, existe desde há muito tempo. E embora tentativas mal sucedidas desafiassem a medicina nos séculos passados, é dito que

“Em 1788, Pontick e Landois, obtiveram resultados positivos realizando transfusões homólogas, chegando à conclusão de que poderiam ser benéficas e salvar vidas. A primeira transfusão com sangue humano é atribuída a James Blundell, em 1818, que após realizar com sucesso experimentos em animais, transfundiu mulheres com hemorragias pós-parto.”
(https://pt.wikipedia.org/wiki/Transfus%C3%A3o_de_sangue. )

Portanto, quando os Estudantes da Bíblia surgiram pelos idos de 1870-79, antigo nome das Testemunhas de Jeová, antes de 1931, já era conhecido o recurso medicinal de reposição do liquido sanguíneo. Os Estudantes da Bíblia praticavam isso normalmente, e até mesmo foi publicado elogios à pratica de transfusões de sangue. Rejeitar transfusões de sangue não era uma lei da Liderança TJ sobre seus seguidores. No início da década de 40, esse quadro mudou.

"desde a década de 1940, as testemunhas de Jeová têm recusado dar ou aceitar transfusões de sangue, ao passo que antes disso não adotavam tal atitude." – (A Sentinela de 15/02/73, p. 117).

Algo ocorreu na cabeça dos chefes das Testemunhas de Jeová. A investida das publicações foi a divulgação dos perigos clínicos da transfusão de sangue, com um marketing pesado. E especialmente a interpretação bíblica nessa direção, foi massificada, de tal forma que passou ser a verdade, desconhecida até a década de 40.

Segundo essa seita, ela foi ‘escolhida espiritualmente em 1919’. Até os anos 1940 esse ‘pecado’ não era combatido pela ‘ÚNICA RELIGIÃO VERDADEIRA’. Considerando seu surgimento histórico, 61 anos de silencio (desde a independência da revista A Sentinela em 1879). Considerando sua escolha ‘espiritual’ em 1919, 21 anos de silêncio...

No entanto, havia um alivio. As Testemunhas de Jeová eram deixadas em sua consciência se iria aceitar (ou doar) transfusão de sangue, e se fosse o caso, morrer. Não havia uma expulsão do convívio dos burgos da Torre de Vigia, se um dentre eles decidissem receber sangue. Veja esse relato em uma A Sentinela, onde relata a experiência de uma pessoa da suposta classe ‘ungida’, ou integrante dos 144 mil:

“Uma das testemunhas de Jeová, que afirma ser ela do restante ungido, esteve recentemente, hospitalizada e aceitou voluntariamente uma transfusão de sangue. Deve-lhe permitir que participe dos emblemas do pão e do vinho na ocasião do Memorial? – R. J. Estados Unidos. “Acreditamos que ela fez a coisa errada, contra a vontade de Deus. Todavia, nunca se deu instrução às congregações no sentido de desassociarem os que voluntariamente recebem transfusões de sangue ou os que as aprovam... Visto que a pessoa não é desassociada por causa de ter recebido voluntariamente uma transfusão de sangue ou por ter aprovado que um ente querido seu aceitasse uma transfusão de sangue, não se tem o direito de excluir essa irmã da celebração da Refeição Noturna do Senhor.” (A Sentinela, 1959 p. 255).

Interessante...

Mais uma vez, porém, esse quadro também mudou.

“Se, no futuro ele persistir em aceitar transfusões de sangue ou em doar sangue [...] deve ser cortado por ser desassociado” – (A Sentinela – 01/12/1961, p.736).

"a partir de 1961, quem quer que desconsiderasse esse requisito divino, aceitando transfusão de sangue, e manifestasse uma atitude impenitente seria desassociado da congregação das Testemunhas de Jeová." – (Proclamadores do Reino de Deus, p. 183).

Sendo irônico, diante desse quadro histórico, as Testemunhas de Jeová não deveria incomodar ninguém a respeito desse tema. Afinal, se seus Lideres Totalitários demoraram tanto para compreenderem isso, outras religiões devem ser deixadas ao seu tempo...

O Texto de Atos

O texto bíblico, mal interpretado, que gera essa celeuma toda, diz:

“Que vos abstenhais das coisas sacrificadas aos ídolos, e do sangue, e da carne sufocada, e da fornicação, das quais coisas bem fazeis se vos guardardes. Bem vos vá.” (At 15.29).

Em um primeiro momento, só o fato de não existir transfusão de sangue na época bíblica, qualquer leitura nessa direção é uma importação ao texto (eisegese), um anacronismo e totalmente subjetivo. No máximo você pode apenas especular, mas nunca fechar uma doutrina de maneira tão enfática e dogmática. Em segundo lugar, o abster-se de sangue no texto está delineado em não se alimentar dele, como a Bíblia estabeleceu anteriormente em textos como Gênesis (9.4) e Levítico (17.10). No caso, comer e/ou beber o sangue. É isso que o texto está proibindo. A transfusão de sangue não destrói o sangue de seu padrão e objetivo original, ao passo que para alimentação sim. Transfusão de sangue em certo sentido é um transplante de órgão. Até mesmo em uma publicação o Corpo Governante reconhece, de forma bem mais enfática, que a transfusão de sangue é um transplante:

“Quando os médicos realizam um transplante de coração, do fígado, ou de outro órgão, o sistema imunológico do receptor pode detectar a presença do tecido estranho, e rejeitá-lo. Todavia uma transfusão é um transplante de tecido.” (Como pode o sangue salvar sua vida, p. 8).

Podemos fazer uma comparação - se a Bíblia prescrevesse, dentro de contexto de alimento, ‘abstenhais-vos de coração’ – concluiríamos de boi, ou de frango, etc, em hipótese alguma isso seria uma proibição para o transplante de coração humano em nossos dias.

Sabemos que a militância do Corpo Governante contra o sangue, é injustificável do ponto de vista hermenêutico, e do ponto do vista da teologia bíblica. Não respeita nenhum dos postulados da interpretação bíblica. Não possui obviamente nenhuma base exegética. Quando os argumentos partem para o campo médico, aí é outra questão, e se há ou não pontos positivos e/ou negativos, não nos interessam como doutrina cristã, a não ser que o cristão tomará decisões tendo vista os recursos disponíveis e acessíveis, para preservar sua saúde e vida, em obediência ao sexto mandamento (Ex 20.13; Mc 2.17; ITm 5.23).

*Nota: curiosamente, o capítulo onde se encontra esse absurdo no livro Unidos na Adoração do único Deus Verdadeiro, não apareceu quando esse livro foi revisado em 2002, com um novo título Adore o único Deus Verdadeiro. Houve nessa revisão uma alteração também na proibição do serviço militar alternativo, conforme constava no livro Unidos, essa doutrina alterada em 1996

Fonte: http://mcapologetico.blogspot.com.br/
Foto: Google

0 comentários: