domingo, 1 de dezembro de 2019

A solidão nossa de cada dia

Clarice Lispector escreveu o seguinte sobre a solidão: “Minha força está na solidão. Não tenho medo nem de chuvas tempestivas nem das grandes ventanias soltas, pois eu também sou o escuro da noite”. A solidão, em certo sentido, não é algo ruim. Quem é escritor, poeta, pensador, por exemplo, geralmente é uma pessoa solitária, mesmo rodeado de pessoas. Particularmente eu gosto muitas vezes de ficar sozinho, tranquilo com meus pensamentos. Como sou poeta e escritor, o sossego é essencial.

Ficar sozinho de vez em quando é normal. O problema é quando nos isolamos das outras pessoas por causa de alguma fobia social ou algum outro problema. As causas da solidão são as mais diversas: causas sociais, psicológicas, circunstanciais, etc. Estar sozinho algumas vezes é uma coisa, viver solitário é outra. Não podemos fugir sempre das relações humanas, porque elas são fundamentais para nosso crescimento e saúde emocional e mental. O próprio Deus quando criou o homem disse: “Não é bom que o homem viva só: far-lhe-ei uma auxiliadora que lhe seja idônea” (Gênesis 2.18).

Nos dias hodiernos as redes sociais têm sido, em alguns casos, um meio de algumas pessoas conseguirem, em algum sentido, aplacar um pouco sua solidão. No entanto, em outros casos é apenas um escape para que algumas pessoas não busquem relações sociais longe do “mundo virtual”. E esse “mundo” tem seus limites. Muitos apenas conhecem esse mundo de faz de contas e quando se deparam com a realidade da vida não sabem como agir. Em alguns casos mais radicais, essa mania de viver apenas no “mundo virtual”, é uma porta para uma depressão aguda. Alguns estudos estão sendo feitos para mais aprofundamento no assunto. O fato é que relacionalidades virtuais não tem cheiro, abraço, beijo, calor humano, coisas essências para um bom desenvolvimento físico e psíquico.

O ser humano é um ser complexo. Algumas pessoas sofrem de fobia social, outros de ansiedades incompreensíveis, medo de avaliação negativa, extremos angustiantes, etc. E daí essas coisas maximizam a ansiedade e suas crenças negativas levando-as a se encaramujar socialmente e levando-as a uma solidão extrema.

Os perigos da solidão são também diversos. Um dos mais graves é o desenvolvimento de uma baixa autoestima e de pensamentos derrotistas, inclusive levando, em alguns casos, ao suicídio. Criar vínculos afetivos e mantê-los é uma necessidade de conectividade social. Cuidar desses relacionamentos desembocam em mais saúde mental e física. Pode melhorar a autoestima, fazendo com que as pessoas sejam mais generosas e felizes na vida.

O ser humano é um ser relacional. E nem sempre estar acompanhado significa não estar solitário, todos sabemos disso. Para se enfrentar a solidão pode-se fazer várias coisas. Entendo, por exemplo, que quem gosta de ler nunca se sentirá solitário. Sozinho, sim, solitário jamais. Ou talvez, se você não está aguentando a solidão pode ser que sua companhia não seja agradável a você mesmo. Tem gente que não sabe ficar só consigo mesmo. Pessoas que ficam agoniadas nos momentos de solidão. Em outro polo, existem aqueles que vivem sempre ligando para alguém; sempre arranjando compromissos ou indo para os ajuntamentos sociais, mesmo sem gostar, para poder estar sempre em companhia, mesmo sentindo as maiores agonias na alma.

A solidão pode atingir qualquer um. O salmista Davi viveu momentos de solidão. Ele disse:  “Olha para mim, e tem piedade de mim, porque estou solitário e aflito” (Salmo 25.16). Mas, nosso maior modelo de como viver a vida de forma plena é Jesus. Ele gostava de momentos solitários, mas não dispensava momentos de interação social. A Bíblia diz em Mateus 14.23-24 “Tendo-as despedido, subiu ao monte para orar à parte. Ao anoitecer, estava ali sozinho”. Ainda em Marcos 1.35 está escrito: “De madrugada, ainda bem escuro, levantou-se, saiu e foi a um lugar deserto, e ali orava”. Mas, logo em seguida Ele disse no verso 38: “E ele lhes disse: Vamos às aldeias vizinhas, para que eu ali também pregue; porque para isso vim”. 

Quando as pessoas queriam sufocá-lo, Ele se afastava e buscava refúgio no Pai. Jesus gostava de ficar sozinho para estar consigo mesmo e com o Pai celestial. Essa é a diferença da religião e da comunhão com Deus. E a religião é um lugar onde os solitários se escondem na capa da espiritualidade de fogos de artifícios. Muitos nos púlpitos são alegres e espontâneos, mas na solidão do seu quarto são pessoas tão escondidas em si mesmas que o único barulho que escutam é silêncio ensurdecedor da dor desértica da alma. Pode ser pastor, padre, budista ou qualquer líder religioso.

É preciso entender também que quem conhece Deus, pode até se sentir solitário de vez em quando, mas nunca estará sozinho. Ele não nos deixou órfãos. Temos um que vive em nós e consola nossa alma nos momentos de angústia: o Espírito Santo (João 14.16-18). Nunca estamos completamente sozinhos. Está escrito em Hebreus 13.5: “Ele mesmo disse: Não te deixarei, nem te desampararei”. Ele está mais perto do que você imagina.



Fonte: Napec.org

0 comentários: