segunda-feira, 25 de novembro de 2019

Sem as Doutrinas da Graça o homem sequer entendeu o Evangelho.


Muitos pregam as Doutrinas da Graça, só para logo depois falarem que elas não são essenciais. O que é um absurdo completo, já que o homem só pode ser salvo pela Graça soberana - e não podemos ser salvos por aquilo que não cremos, ou pior, não gostamos.
Um dos textos mais poderosos sobre como o homem é salvo é Ezequiel 36.32: “Não é por amor de vós que eu faço isto, diz o Senhor DEUS; notório vos seja; envergonhai-vos, e confundi-vos por causa dos vossos caminhos” - Ezequiel 36:32. Poderíamos juntar a este texto o apóstolo Paulo dizendo: “Mas Deus escolheu as coisas loucas do mundo para envergonhar os sábios, e escolheu as coisas fracas do mundo para envergonhar as fortes. Ele escolheu as coisas insignificantes do mundo, as desprezadas e as que nada são, para reduzir a nada as que são, para que ninguém se vanglorie diante dele. É, porém, POR INICIATIVA DELE que vocês estão em Cristo Jesus, o qual se tornou sabedoria de Deus para nós, isto é, justiça, santidade e redenção, para que, como está escrito: "Quem se gloriar, glorie-se no Senhor". - 1 Coríntios 1:27-31.

Há dois pecados do homem que são formados em seus ossos e que continuamente fluem na sua carne. Um é a auto-dependência e o outro é auto-exaltação. É muito difícil, mesmo para o melhor dos homens, se manterem longe do primeiro erro em várias áreas da vida. O mais santo dos cristãos, e aqueles que melhor entendem o evangelho de Cristo, encontram em si mesmos ainda uma inclinação constante para olhar para o poder da criatura, em vez de olhar para o poder de Deus e o poder de Deus somente. Repetidas vezes, a Sagrada Escritura tem que nos lembrar daquilo que nunca devemos esquecer, que a salvação é a obra de Deus, do começo ao fim, e não é do homem, nem pelo homem. Mas assim é, este velho erro tão arraigado - que devemos nos salvar, ou que devemos fazer algo pelo em matéria da nossa salvação – este erro sempre se ergue, e nos vemos continuamente tentados a nos afastar da simplicidade de nossa fé no poder do Senhor nosso Deus somente salvando soberanamente.

Ora, o próprio Abraão não estava livre do grande erro de confiar em sua própria força. Deus havia prometido a ele que lhe daria um filho - Isaque, o filho da promessa. Abraão acreditou, mas enfim, cansado de esperar, adotou o expediente carnal de tomar para si mesmo Hagar, como mulher, e imaginou que Ismael seria certamente o cumprimento da promessa de Deus; mas em vez de Ismael ajudar a cumprir a promessa, ele trouxe tristeza ao coração de Abraão, pois Deus não o teria e Ismael não deveria habitar com Isaque. “Expulsa”, disse a Escritura, “a serva e seu filho; porque o filho da escrava não será herdeiro com o filho da mulher livre”.

Agora nós, em matéria de salvação, estamos aptos a pensar que Deus está demorando muito no cumprimento de sua promessa, e nos preparamos para trabalhar fazer alguma coisa e o que fazemos? Afundar-nos mais no lodo e acumular para nós mesmos uma reserva de futuros problemas e provações. Nós não lemos que isso entristeceu o coração de Abraão ao ter que enviar Ismael embora? Ah! e muitos cristãos têm se entristecido com as obras da natureza que ele realizou com o objetivo de ajudar o Deus da graça.

Nós nos encontraremos frequentemente tentando fazer a tarefa tola de ajudar a Onipotência e ensinar o Onisciente. Em vez de olharmos para a graça somente para nos santificar, nos vemos adotando regras e princípios inventados que pensamos que realizarão a obra divina. Nós conseguimos apenas danos a Verdade e a verdadeira santificação - Vamos trazer pesar em nossos próprios espíritos. Mas se, em vez disso, nós, em toda obra, olharmos para o Deus de nossa salvação em busca de ajuda e força, graça e assistência, então nosso trabalho prosseguirá para nossa própria alegria e conforto, e para a glória de Deus.

Esse erro, então, eu digo, está em nossos ossos e entranhas, e sempre irá habitar conosco e, portanto, as palavras desse texto são colocadas como um antídoto contra esse erro. É claramente afirmado no texto que a salvação é de e por Deus somente. "Não por sua causa eu faço isso." Ele não diz nada sobre o que fizemos ou podemos fazer. Todo o precedente e todos os versículos seguintes falam do que Deus faz. “Eu te tirarei dentre os gentios.” “Eu borrifarei água limpa sobre você.” “Eu lhe darei um novo coração.” “Eu colocarei meu Espírito dentro de você.” É tudo de e por Deus: portanto, novamente recordemos a nossa lembrança desta doutrina e abandonemos toda a dependência de nossa própria força e poder. 

O outro erro ao qual o homem é muito propenso é o de confiar em seu próprio mérito. Embora não haja retidão em nenhum homem, ainda assim, em cada homem há uma tendência a confiar em algum mérito imaginário. É estranho que assim seja, mas os personagens mais reprováveis ainda têm alguma “virtude” sobre a qual pensam merecer algo, sobre a qual confiam. Você encontrará o orgulho no bêbado mais destruído de que ele pelo menos não é um ladrão. Você encontrará o orgulho blasfemo de bêbado de que pelo menos ele é honesto. Você encontrará homens sem outra virtude no mundo, exaltando o que eles imaginam ser uma virtude – que é o fato de que eles não professam ter qualquer virtude; e eles se julgam extremamente excelentes, porque têm honestidade ou insolência suficiente para confessar que são totalmente desprezíveis.

De alguma forma, a mente humana se apega ao mérito humano; ela sempre se apegará a ele, e quando você tira tudo em que acredita ele poder contar, em menos de um minuto ela cria algum outro motivo de confiança em si mesmo. A natureza humana, no que diz respeito ao seu próprio mérito, é como a aranha, sustenta-se do seu próprio corpo tecendo e parece que continuaria girando nisso por toda a eternidade. Você pode varrer uma teia, mas logo se forma outra; você pode pegar o fio de um lugar, e você vai encontrá-lo agarrado ao seu dedo, e quando você procura jogá-lo para baixo com uma mão, você o encontra agarrado a outra. É difícil se livrar; está sempre pronto para girar sua teia e se ligar a algum falso fundamento de confiança no nele mesmo, em seu mérito... É contra todos os méritos humanos que eu vou falar, e sinto que muitas pessoas (ditas cristãs) ficarão ofendidas. Estou prestes a pregar uma doutrina que é fel e vinagre para carne e sangue, que fará os moralistas justos rangeram os dentes. No entanto, essa consequência é uma que eu não fugirei grandemente, se conectado a ela houver pela graça soberana corações conquistados por esta verdade gloriosa, e uma renúncia a todo poder e capacidade humana para nada em nossa salvação, e se  a graça de Deus brilhar sozinha – graça que nunca nos salvou ou salvará, a menos que antes nos prepare  para deixar somente a Graça ter toda a glória. 

Quero primeiro me esforçar para expor em linhas gerais a doutrina contida neste texto; em seguida, mostrar sua força e veracidade; e então, em terceiro lugar, aplicar as lições úteis e práticas que devem ser tiradas dele. 

Olhemos para o texto: “Não por amor de você, faço isso, diz o Senhor Deus.” O motivo para a salvação deve ser encontrado no coração de Deus, e não no caráter ou condição de qualquer homem. Duas raças se revoltaram contra Deus – Seres angélicos e humanos. Quando uma parte da raça angélica se revoltou contra o Altíssimo, a justiça rapidamente os alcançou; foram varridos de seus assentos estrelados no céu e, desde então, foram reservados em trevas para o grande dia da ira de Deus. Nenhuma misericórdia lhes foi apresentada, nenhum sacrifício jamais foi oferecido por eles; mas eles estavam sem esperança e misericórdia, para sempre consignados à cova do tormento eterno.

A raça humana, muito inferior em termos de inteligência, também pecou e pecou com atrocidade; De qualquer forma, se os pecados da humanidade de que ouvimos falar e os nossos forem reunidos e devidamente ponderados, seria impossível entender como os pecados dos demônios poderiam ser mais negros do que o pecado da humanidade. No entanto, o Deus que em sua infinita justiça passou sobre os anjos, e permitiu que eles experimentassem suas ofensas no fogo do inferno, ficou satisfeito em olhar para o homem de forma diferente. Aqui houve Eleição em grande escala; a eleição de homens que ele deu a Cristo e a reprovação final dos anjos. Qual foi a razão para isso? A razão estava na mente de Deus, uma razão inescrutável que não conhecemos e que, se soubéssemos, provavelmente não poderíamos entender.

Se você e eu tivéssemos sido convidados a decidir quem deveria ter sido poupado, acho que seria provável que tivéssemos escolhido aqueles anjos caídos que deveriam ter sido salvos ou haver um plano de salvação para eles. Eles não são mais brilhantes? Eles não têm a maior força mental? Se eles tivessem sido redimidos, não teriam glorificado mais a Deus, como julgamos, do que a salvação de vermes como nós? Aqueles seres brilhantes - aquelas estrelas que andavam em seu caminho eterno - se tivessem sido lavados no sangue redentor, se tivessem sido salvos pela soberana misericórdia, que canção eles teriam levantado para o Mais alto e eterno Deus! Mas Deus, que faz o que quer com o que é seu próprio, e não dá conta de seus assuntos a ninguém, mas que lida com suas criaturas como o oleiro lida com seu barro, não tomou sobre si mesmo a natureza dos anjos, mas tomou sobre si a semente de Abraão, e escolheu os homens para serem os vasos de sua misericórdia. Este fato nós sabemos, mas onde está sua razão? Certamente não no homem. “Não por amor de vós, ó casa de Israel, envergonhem-se e confundam-se por seus próprios caminhos.” 

Agora vamos revisar esta doutrina longamente. Somos ensinados na Sagrada Escritura que, muito antes de este mundo ser feito, Deus decretou a morte de Seu Filho – Ele é o “Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo!” – O mundo foi criado para aquela Sexta-feira no Calvário - pois isso mostraria eternamente de maneira completa a beleza infinita do Filho que o Pai contemplou por toda a eternidade. O Pai Decretou então, também escolher homens que seriam redimidos para mostrar as belezas infinitas de Seu Filho mostrando a glória da Sua graça. Homens que só mereceriam a sua Ira – como os anjos caídos – em sua mente soberana foram escolhidos e esta porção imensa de miseráveis resgatados deveria ser feita para sempre a imagem do seu Filho.

Quanto ao resto da humanidade, Ele os deixou para seguirem seus próprios corações, andar em seus próprios desertos, para semear o vento e colher o furacão, para espalhar o crime e herdar a punição, para desprezarem Deus e colhera a Ira. Agora, no grande decreto de Eleição, a única razão pela qual Deus selecionou os vasos de misericórdia foi porque ele desejou fazê-lo. Ele, que faz tudo segundo o beneplácito de sua vontade. Não havia nada em nenhum deles que fizesse com que Deus os escolhesse. Todos éramos todos iguais, todos perdidos, todos arruinados pela queda; todos sem a menor reivindicação de sua misericórdia; todos, de fato, merecendo sua maior vingança. Sua escolha de qualquer pessoa, e sua escolha de todo o seu povo, é sem causa, no que diz respeito a qualquer coisa neles. Era o efeito de sua vontade soberana, e de nada que eles fizessem, pudessem fazer ou mesmo fariam; pois assim diz o texto: "Não por causa de vós eu faço isto, ó casa de Israel!" 

Quanto ao fruto de nossa eleição, no devido tempo Cristo veio a este mundo e comprou com seu sangue todos aqueles que o Pai escolheu. Agora venha para a cruz de Cristo; Traga esta doutrina com você, e lembre-se que a única razão pela qual Cristo entregou sua vida para ser um resgate por suas ovelhas foi porque ele amava seu povo, todos os que o Pai deu a Ele (“Eu rogo por eles. Não estou rogando pelo mundo, mas por aqueles que me deste, pois são teus.” - João 17:9) mas não havia nada em seu povo que o fizesse morrer por eles. Se algum homem imaginasse que o amor de Deus por nós é causado por qualquer coisa em nós, seria como se um homem pudesse olhar para um poço para encontrar as fontes do oceano, ou cavar em um formigueiro para encontrar uma montanha. O amor de Deus é tão imenso, tão ilimitado e tão infinito, que você não pode conceber por um momento que poderia ter sido causado por qualquer coisa em nós.

Não é que é pequeno bem que existe em nós - porque não há nenhum - não poderia ter causado o amor infinito, sem fundo, sem margens, sem limites, que Deus revela ao seu povo. Fique ao pé da cruz, você que se deleita em suas próprias obras; e responda a esta pergunta. Você acha que o Senhor da vida e da glória poderia ter sido trazido do céu, poderia ter sido formado como homem e ter sido levado a morrer por qualquer mérito seu? Devem estas veias sagradas ser abertas com qualquer lança a menos que afiada por seu infinito amor? Você concebe que seus pobres e imaginários méritos, como eles são, poderiam ser tão eficazes a ponto de pregar o Redentor no madeiro e fazê-lo dobrar os ombros sob a enorme carga de culpa dos eleitos? Você não pode imaginar isso. A consequência é tão grande, comparada com o que você supõe ser o caso em si mesmo, que sua lógica falha em um momento.

Você pode conceber que um inseto pode desfazer uma montanha por sua multidão e por seus muitos anos de trabalho; mas você não pode conceber que todos os méritos acumulados da humanidade, se houvesse tal coisa chamada mérito humano, poderiam ter trazido o Eterno do trono de sua majestade e se humilhado até a morte da cruz: isso é uma coisa claramente impossível para qualquer mente que pensa. Nem demônios teriam um orgulho tão grande para se verem assim valiosos. Isso é a própria impossibilidade. Não; da cruz vem o grito - "Não por causa de vós eu faço isto, ó casa de Israel." 

Sobre a falta de qualquer misericórdia para os anjos muito poucos homens se opõem – se é que alguém se opõe. Notamos que, se falamos sobre a eleição de homens e a não eleição de anjos caídos, ninguém objetou por um momento. Todo homem aprova o calvinismo até sentir que é o perdedor; mas quando começa a tocar seu próprio osso e sua própria carne, ele chuta contra ele. Venha, então, devemos ir mais longe.

A única razão pela qual um homem é salvo, e não outro, não está, em nenhum sentido, no homem salvo, mas no coração de Deus. A razão pela qual este dia o evangelho é pregado a você e não aos pagãos longínquos, não é porque, como raça, somos superiores aos pagãos; não é porque merecemos mais das mãos de Deus; sua escolha de atingir nosso país enquanto outros existiram na escuridão, na eleição desse privilégio exterior, não é causada pela excelência de uma nação ou povo, mas inteiramente por causa de sua própria misericórdia e de seu próprio amor soberano. Não há razão em nós por que devemos ter o evangelho pregado a nós mais do que qualquer outra nação ou era que jamais ouviu. Hoje, alguns de nós receberam o evangelho, e foram transformados por ele, e se tornaram herdeiros da luz e da imortalidade, enquanto outros ainda são os herdeiros da ira. Mas não há nenhuma razão em nós, falando particularmente agora, porque deveríamos ter sido levados e outros deixados.

Depois da morte de Cristo, vem, em seguida, a obra do Espírito Santo. Aqueles que o Pai escolheu, e que o Filho redimiu, no devido tempo o Espírito Santo chama “das trevas para a sua maravilhosa luz”. Agora, o chamado do Espírito Santo é sem qualquer consideração em qualquer mérito em nós. Se este dia o Espírito Santo chamar um número de homens no mundo, e tira-los de seu estado de pecado levando a  um estado de justiça -  você poderia  trazer todos estes homens que o Espírito chamou eficazmente no mundo hoje, e deixá-los marchar para uma revisão, e se você pudesse ler seus corações e mentes até o momento do Chamado, você seria compelido a dizer: “Não vejo razão para que o Espírito de Deus tenha operado sobre eles. Não vejo nada que possa ter merecido uma graça como essa - nada que pudesse ter causado as operações e movimentos do Espírito para trabalhar nesses homens. ”Pois, olhe aqui. Por natureza, diz-se que os homens estão mortos em pecado. Se o Espírito Santo vivificar, não pode ser por causa de qualquer poder nos homens mortos, ou qualquer mérito neles, pois eles estão mortos, corruptos e podres no túmulo de seus pecados. Se então, o Espírito Santo diz: "Venha e viva", não é por causa de nada nos ossos secos, deve ser por algum motivo em sua própria mente, mas não em nós. Portanto, saibam isto, que todos nós estamos no mesmo nível. Nada há em nós que possa nos recomendar a Deus; e se o Espírito escolher operar em nossos corações para a salvação, ele deve ser movido a deve fazê-lo por seu próprio amor supremo, pois ele não pode ser movido a fazê-lo por qualquer boa vontade, bom desejo, ou boa ação, que habita em nós por natureza. 

Para ir um pouco mais longe: esta verdade, que é válida até agora, é válida até o fim. O povo de Deus, depois de serem chamados pela graça, é preservado em Cristo Jesus; eles são “guardados pelo poder de Deus através da fé para a salvação”; não lhes é permitido perder sua herança eterna – mas somente porque Aquele que começou a boa obra há de termina-la -  à medida que o pecado os escurece, eles são novamente lavados e novamente purificados. Mas note, a razão pela qual Deus mantém seu povo é o mesmo que o fez seu povo - sua própria graça soberana e livre. Se você foi livre da cair na hora da tentação, faça uma pausa e lembre-se de que você não foi guardado por seu próprio bem. Não havia nada em você que merecesse a libertação de novo. Se você foi alimentado e suprido em sua hora de necessidade, não é porque você tem sido um servo fiel de Deus, ou porque você tem sido um cristão que ora; é simplesmente e só por causa da misericórdia de Deus. Ele não é movido a fazer qualquer coisa que ele faça por você por qualquer coisa que você faça por ele;  - suas orações, culto... são aceitas por causa somente do Sangue e pela ação do que o Sangue comprou para os eleitos – mesmo a habitação do Espírito Santo que opera em nós o querer e o efetuar. O motivo de Deus para abençoar você está total e inteiramente nas profundezas de seu próprio coração. Bendito seja Deus, seu povo será mantido até o fim – “E esta é a vontade daquele que me enviou: que eu não perca nenhum dos que ele me deu, mas os ressuscite no último dia.” - João 6:39.  “Meu Pai, que as deu para mim, é maior do que todos; ninguém as pode arrancar da mão de meu Pai.” - João 10:29.

 Mas por que? Por que eles são santos? Por que eles são santificados? Por que eles servem a Deus com boas obras? Não, mas porque ele, em sua soberana graça, os amou, os ama e os amará até o fim e opera isso neles.

E agora, para concluir nosso breve olhar sobre este texto, isso deve ser válido no próprio céu. O dia está chegando quando todo o que foi dado pelo Pai ou Filho e por isso foi comprado pelo sangue, lavado no sangue do filho de Deus, percorrerá as ruas douradas, vestidos de branco. Nossas mãos logo levarão palmas; nossos ouvidos se deleitarão com melodias celestes e nossos olhos se enchem de visões inimagináveis da glória de Deus. Mas observe, a única razão pela qual Deus nos levará ao céu será seu próprio amor, e não porque o merecemos. Nós devemos lutar a luta, mas nós não ganhamos a vitória porque nós combatemos; devemos trabalhar, mas o salário no final do dia será um salário de graça e não de dívida. Ele opera tudo em todos os eleitos. Devemos honrar a Deus aqui, procurando a recompensa da recompensa; mas essa recompensa não será dada em uma base legal, porque nós merecemos, (A Lei apenas condena), mas nos foi dada inteiramente porque Deus nos amou, por nenhuma razão que estivesse em nós. Quando você e eu e cada um de nós entrarmos no céu, nosso cântico será: “Não a nós, não a nós Senhor, mas ao teu nome seja toda a glória”; e isso será verdade, não será um mero exagero de gratidão. Isso será verdade; seremos obrigados a cantá-lo, porque não poderíamos cantar mais nada. Não poderíamos acrescentar nada sobre nós a essa canção. A não ser nossa iniquidade que foi expiada. Sentiremos que não fizemos nada, e que não éramos nada, mas que Deus fez tudo – e será verdade, porque não somos mesmo – Sentiremos que não tínhamos nada em nós para ser o motivo dele fazer isso, mas que seu motivo estava em Si mesmo; por isso, para Ele, haverá toda a partícula da honra para todo o sempre. 

Agora, isto é o claro significado do texto; é desagradável para a grande maioria, mesmo de cristãos professos nesta época. É uma doutrina que requer muito sal, ou então poucas pessoas a receberão. É muito desagradável para eles. No entanto, aí está. "Seja Deus verdadeiro, e todo homem mentiroso." Sua verdade é que devemos pregar, e isso devemos proclamar. A salvação não é dos homens, nem pelo homem; não da vontade da carne, nem do sangue”,  mas da vontade soberana de Deus, e somente de Deus. 

Agora vamos ilustrar um pouco isso. Considere por um momento o caráter do homem. Isso nos humilhará e tenderá a confirmar essa verdade em nossas mentes.

Deixe-me dar uma ilustração. Eu considerarei o homem como um criminoso. Ele certamente é tal aos olhos de Deus (todo homem é), e eu não vou caluniá-lo dizendo isso. Suponha agora que algum grande criminoso seja finalmente surpreendido em seu pecado e preso num presídio de segurança máxima. Ele cometeu alta traição, assassinato, rebelião e toda iniquidade possível. Ele quebrou todas as leis do reino - todas elas. O clamor público está em toda parte - “Este homem deve morrer; as leis não podem ser mantidas a menos que ele seja um exemplo de seu rigor. Quem não leva a espada em vão, deve desta vez deixar a espada provar o sangue. O homem deve morrer; ele merece isso ricamente. ”Você examina seu caráter: não consegue ver um único traço solitário que seja redentor. Ele é um velho infrator; ele perseverou por muito tempo em sua iniquidade que você é compelido a dizer: “O caso é impossível para esse homem não receber punição justa; seus crimes têm tal agravamento que não podemos fazer um pedido de desculpas por ele, mesmo que devamos tentar.

Nenhuma astúcia dos juristas poderia conceber qualquer pretensão de desculpa, ou qualquer esperança de um apelo a esse desgraçado abandonado; deixe-o morrer! ”Agora, se um Rei, tendo em suas mãos o poder soberano de vida e morte, escolher que este homem não morrerá, mas que ele será poupado, você não vê como a luz do dia, que a única razão que pode move-la para poupar esse homem, deve ser seu próprio amor, sua própria compaixão? Pois, como já vimos, não há nada no caráter desse homem que possa ser um pedido de misericórdia, mas que, pelo contrário, todo o seu caráter clama por vingança contra o seu pecado. E não é óbvio que o Rei ao fazer isso – não só não devia isso a esse homem, como não deve a qualquer outro criminoso vil porque agiu aqui assim? Quer gostemos ou não, isso é apenas a verdade sobre nós mesmos. Este é apenas o nosso caráter e posição diante de Deus. Ah! você pode se virar resmungar com raiva, enojado e ofendido – porque nenhum criminoso vê justiça na justa lei que o condena – e isso só mostra mais a sua maldade. Mas quem é levado a ver essa realidade em sua própria vida – que só não pode ser vista naturalmente porque o homem é trevas, beberá na doutrina, pois é o único modo pelo qual ele pode ser salvos.

Mas talvez haja outros dizendo que pecaram tão terrivelmente que não há uma entrada para um raio solitário de esperança em seu caráter. Que adicionou aos seus pecados esse grande pecado, que você se rebelou contra o Altíssimo arbitrariamente e perversamente. Se você não cometeu todos os pecados no calendário do crime, foi porque a providência restringiu sua mão, seu coração foi negro o suficiente para tudo isso. Você sente que a vileza de sua imaginação e desejos alcançou a consumação da culpa humana e, além disso, você não poderia ir. Seus pecados prevaleceram contra você e passaram sobre sua cabeça. Agora, você vê - o único fundamento sobre o qual Deus pode salvar você é o seu próprio amor. Ele não pode salva-lo porque você merece, porque você não merece, porque não há desculpas que possam ser feitas para o seu pecado. Não, você está sem desculpa, e você sente isso. Então louve Seu santo Nome, que Ele tenha planejado esse caminho, pelo qual ele pode salvá-lo sobre a base de seu próprio amor soberano e graça sem limites, sem nada em você.

Voltemos novamente para este criminoso num presídio de segurança máxima. Supomos agora que este criminoso é visitado pessoalmente por sua majestade.

Ele vai até ele e lhe diz: “Rebelde, traidor, assassino, tenho em meu coração compaixão por você; você não merece isso; mas hoje venho a você com misericórdia...” Suponha que este homem, se levantando, o amaldiçoe - amaldiçoe este anjo de misericórdia, cuspindo sobre ele  blasfêmias completas e maldições imprecisas sobre sua cabeça. Ele se vai; mas tão grande é sua compaixão, que no dia seguinte ela envia um mensageiro, e dias, e semanas, e meses e anos, ela continuamente envia mensageiros, e estes vão até ele, e eles dizem: “Se você se arrepender da sua transgressões terás misericórdia; não porque você merece, mas porque sua Majestade é compassiva... Você se arrependerá?” Suponha que esse homem amaldiçoe o mensageiro, tape os ouvidos para a mensagem, cuspa nele, diga que não se importa... Ou suponha um caso melhor - suponha que ele se vire em seu assento e diga: “Eu não me importo; se sou enforcado ou não; Eu vou aproveitar minha chance junto com outras pessoas; Eu não tomarei conhecimento de você.” E suponha que pior do que isso, levantando-se de sua cadeira, ele se entrega novamente em todos os crimes pelos quais ele já foi condenado, e mergulhe de cabeça nos mesmos pecados que colocaram seu pescoço sob a corda da forca. Agora, se a sua Majestade poupasse um homem assim, em que condições ela poderia fazer isso? Você diz: “Ora, ele não pode, a menos que faça por ele mesmo em sua soberania,.. ele não pode fazer isso por causa de qualquer mérito nele, porque uma besta como essa deveria morrer.” E agora, o que você e eu somos por natureza, senão assim? O que é isso, senão uma foto sua? Deus não visitou a sua consciência? e ele não disse a você várias vezes o mesmo?  “Pecador! venha, vamos raciocinar juntos; ainda que os teus pecados sejam tão escarlates, serão como a lã.” E o que todo homem natural faz? Fecha os ouvidos contra a voz da consciência - amaldiçoou e amaldiçoou a luz – A luz veio ao mundo mas o homem amou as trevas - blasfemou seu santo nome, desprezou sua Palavra e protestou contra a verdade pregada.

Se o homem natural for deixado em si mesmo ele vai rir da mensagem - será sempre um Saulo e nunca um apóstolo Paulo – Ele desprezará Deus um milhão de vezes – a mente do homem natural é INIMIZADE contra Deus. Você não vê, então, que se Deus algum dia te salvar, ou te salvou, não pode ser por sua causa; mas deve ser do seu amor soberano infinito agindo para Sua própria glória? Não pode ser por qualquer outra razão, desde que você rejeitou e rejeitaria a Cristo e Verdade da cruz que diz que você é totalmente mau e está sob a Ira infinita de Deus - Se ele te salva, deve ser graça livre e livre graça.

Mas agora imagine um pouco mais sobre esse criminoso em no presídio. Não contente em ter acrescentado pecado ao pecado, e por ter rejeitado a misericórdia por si mesmo, esse miserável se emprega diligentemente em ir ao redor de todas as celas onde os outros estão confinados, e endurecendo seus corações também contra a misericórdia do Rei. Ele mal consegue ver uma pessoa que ele começa a maculá-lo com a blasfêmia de seu próprio coração; ele profere coisas injuriosas contra a Majestade que o poupa por tanto tempo, e se esforça para fazer outros tão desprezíveis quanto ele mesmo. Agora, o que a justiça diz? Se este homem não deve morrer por conta todos os seus crimes que tem isso como pena, ainda assim ele deve morrer pelo bem dos outros; e se ele é poupado, não é tão claro como o nariz em seu rosto que ele não pode ser poupado por causa de qualquer razão nele? Deve ser por causa da compaixão inconquistável do soberano. E agora olhe aqui: não é este o caso de muitos de nós? Não somente você se peca, mas leva os outros ao pecado. Eu sei que esta foi uma das minhas pragas e tormentos, quando primeiro Deus me trouxe para si mesmo. Quantos outros eu levei à tentação? Não influenciamos os outros com nossa vida de pecados? Não há pais aqui que ajudaram a destruir as almas de seus próprios filhos? Você estica seus galhos, e de cada folha cai veneno sobre aqueles que vêm abaixo de seu alcance mortal. Não há aqui alguns que seduziram e enganaram e que tão endurecidos estavam que até se gloriavam nisso? Não contentes em estarem debaixo da maldição, procuraram em tudo levar outros também ao poço. Pensando que não era suficiente estar em inimizade com Deus, você quer imitar Satanás arrastando os outros com você - aumentando e estimulando de várias maneiras a inimizade que eles já tinham para com Deus. Não é esse o seu caso? Não era o meu caso? Seu coração não confessa isso? E a lágrima não flui pela pelo seu rosto ao olhar para trás? Lembre-se, então, isso necessariamente tem que ser verdade: se Deus o salvou ou vai salvá-lo, deve ser porque ele deseja fazê-lo por Ele mesmo. Não pode ser porque há algo de bom em você, pois agora você merece morrer, merece ira infinita, e se ele poupar você deve ser amor soberano e graça soberana.

Olhemos apenas uma outra ilustração e, então, acho que o texto terá ficado claro o suficiente. Não há tanta diferença entre o preto e um tom mais escuro de preto quanto o branco e o preto. Todos podem ver isso. Então não há tanta diferença entre o homem e os demônios quanto entre Deus e o homem. Deus é perfeição; nós somos escuridão com o pecado – Deus é luz e nele não a trevas alguma. O diabo é apenas um tom mais escuro que nós?   Tão grande quanto possamos imaginar ser a diferença entre nosso pecado e o pecado de Satanás, ainda assim não é tão grande quanto a diferença infinita entre a perfeição de Deus e a nossa completa imperfeição e escuridão. Agora, imagine por um minuto que em algum lugar numa terra mítica houvesse uma tribo de demônios vivos, que você e eu tivéssemos o poder de salvar – de salvar esses demônios de alguma ira infinita que os ameaçasse inexoravelmente. Se você ou eu deveríamos ir lá e morrer para salvar esses demônios, qual poderia ser o nosso motivo? Pelo que sabemos sobre o caráter de um demônio, o único motivo que poderíamos ter para fazer isso deveria estar em nós mesmos. Misericórdia soberana. Não poderia haver outro motivo. Deve ser simplesmente porque tínhamos em nossos corações um plano que poderíamos soberanamente até abraçar e alcançar esses demônios. Bem, agora, não há muita diferença entre o homem e o diabo entre Deus e o homem. Se, então, o único motivo que poderia fazer os homens salvarem um demônio seria uma misericórdia soberana do homem, isso não segue com força irresistível, que o único motivo que poderia levar Deus a salvar os homens deve ser sua misericórdia e seu próprio amor soberano dispensado como Ele quiser? De qualquer forma, se essa razão não for convincente, o fato é indiscutível - "Não por sua causa faço isto, ó casa de Israel". Deus nos vê abandonado, perverso, maus e merecedores de sua ira infinita; se ele nos salva, é o seu amor soberano ilimitado e insondável que o leva a fazê-lo - absolutamente nada em nós tem relação com isso. 

Tendo visto a clareza da doutrina bíblica - podemos chegar a uma APLICAÇÃO PRÁTICA muito solene.  

Primeiro, desde que esta doutrina é verdadeira, quão humilde o homem cristão deveria ser. Se você é salvo, você não teve nada a ver com isso; Deus fez isso. Se você é salvo, você não mereceu isso. É misericórdia imerecida que você recebeu. Às vezes tenho ficado encantado quando vejo a gratidão de pessoas que vivem no abandono quando recebem ajuda de qualquer espécie. Me lembro de visitar um abrigo. Havia uma pobre garota lá que tinha caído em pecado por um longo tempo, e quando ela se viu gentilmente recuperada e reconhecida pela sociedade, e viu um Cristão desejando o bem de sua alma, isso quebrou seu coração. O que poderia fazer essa pessoa se importar com ela? ela era tão vil...

Nenhuma história nesse mundo, por mais incrível que seja, pode se comparar a dos eleitos.  Meu Deus! Eu me revoltei contra Ti e, no entanto, me amaste! Como pode ser? Eu não posso me levantar com orgulho, devo me curvar diante de Ti em gratidão sem palavras. Que parte da minha salvação eu poderia atribuir a mim. Cada parte foi comprada com o Sangue e me dada como um dom. Ele realmente é o Autor da minha Fé.

Mas devemos lembrar que não é apenas a misericórdia soberana que você e eu recebemos - mas que ela nunca foi pedida. Nós fomos escolhidos na eternidade! É verdade que você “procurou” por misericórdia, mas não antes que a misericórdia primeiro te buscasse. É verdade que você orou, mas não até que a graça livre fizesse você orar. Você teria sido, até hoje, endurecido no coração da forma mais vil, sem Deus e sem Cristo, se a graça soberana não te salvasse. Você pode se orgulhar então? - orgulhoso de misericórdia que, se posso usar o termo, foi forçada sobre você? - orgulhoso da graça que foi dada a você contra a sua vontade, até que sua vontade foi mudada pela graça soberana?

E pense novamente. Toda a misericórdia que você tem uma vez você recusou. Cristo está com você; não se orgulhe de sua companhia como se tivesse feito algo para tê-la. Lembre-se, houve um dia, antes do Chamado Eficaz e soberano do Espírito,  em que ele bateu e você recusou – Você amava tanto o pecado e a escuridão – a luz era um aborrecimento – todos nascemos assim - quando ele chegou à porta antes do chamado eficaz e disse: “Minha cabeça está molhada de orvalho, e meus cabelos com as gotas da noite...;”; você bateu a porta  na cara dele. É o que todo homem natural faz – a mente dele é inimizade contra Deus.  Não fique orgulhoso, então, do que você tem, quando se lembra que uma vez o rejeitou e o rejeitaria eternamente sem o Chamado Eficaz. Deus te abraça em seus braços de amor? Lembre-se, uma vez que você levantou sua mão de rebelião contra ele – e fez isso por anos até o Chamado Eficaz chegar. O seu nome está escrito no livro dele? Ah! Houve um tempo em que, se estivesse em seu poder, você teria apagado as linhas sagradas que continham sua própria salvação, as linhas que foram escritas antes da fundação do mundo. Santidade era um horror pra você. Ser feito a imagem de Cristo era algo oposto a todos os desejos do teu coração. Podemos nós, ousar, erguer nossa cabeça perversa com orgulho, quando todas essas coisas nos obrigam a abaixar a cabeça na mais profunda humildade? Essa é uma lição: vamos aprender outra. 

Esta doutrina é verdadeira e, portanto, deve ser um assunto da maior gratidão. Ao meditar sobre este texto, o efeito que teve sobre mim foi de elevação e alegria. Oh! Eu pensei, em que outra condição eu poderia ter sido salvo? E eu olhei de volta para minha vida passada; Eu me vi piedosamente treinado e educado por meus pais, mas me revoltando contra tudo isso. Vi em vão as lágrimas de uma mãe derramadas sobre mim e a admoestação de um pai perdida sobre mim; todavia, encontrei-me salvo pela graça e só pude dizer: “Senhor, te louvor por ser por Graça Soberana, porque se tivesse que ser por algum mérito eu nunca teria sido salvo. Se Tu tivesse esperado até que houvesse algo de bom em mim, Tu terias que esperar até eu afundar na perdição final no inferno, pois nunca haveria algo bom no homem caído, no homem natural, a menos que Tu não tivesse primeiro colocado lá.

Um pecador (você) diz que não ousa ir a Cristo porque não tem nada para lhe recomendar. Ele não quer nada que te recomende; ele não te salvará, se você tiver alguma coisa para recomendá-lo, pois Ele diz: "Não por amor de vós faço isso". Vá a Cristo com brincos em seus ouvidos e joias sobre você; lava o teu rosto, e se cubra de ouro e prata, e vai diante dele e diga: “Senhor, salva-me; Eu me lavei e me vesti; me salve! ” Ele dirá -  “Não por amor de vós o farei... ”  Volte a ele e diga: “Senhor, pus uma corda no pescoço e um pano de saco nos meus lombos; veja como estou arrependido, veja como sinto minha necessidade; veja minha humildade... agora me salve! ”“ Não ”, ele diz,“ eu não salvaria você por causa de suas vestes vistosas, e agora eu não vou salvá-lo por causa de seus trapos; Eu te salvarei por nada que esteja em você mesmo; se eu te salvar, será por algo em meu coração, não algo que você sente.!” Mas se hoje você vai a Cristo e diz: “Senhor Jesus, não há razão no mundo para eu ser salvo - Senhor, eu não posso fazer qualquer apelo, eu mereço estar perdido, eu mereço a Ira infinita, isso seria simplesmente justiça.  Não tenho desculpas por todos os meus pecados, não posso expiá-los, não posso provê esse sacrifício expiatório que aplaca a ira - nenhuma desculpa para oferecer; Senhor, eu mereço a Ira, e não há nada em mim por que eu deveria ser salvo, pois se Tu me salvasse, eu seria ainda assim apenas um pobre cristão, afinal; Nada posso dar a Ti hoje e nem por toda a eternidade. Temo que meus trabalhos futuros não sejam uma honra para você - eu gostaria que eles pudessem ser, mas sua graça deve torná-los bons ou ainda assim serão maldade -, eles ainda serão ruins e trapos imundos a menos que os opere e os veja através do Sangue do Seu Filho. Mas, Senhor, embora eu não tenha nada para trazer, e nada para te dar no futuro e na eternidade - e nada para dizer por mim mesmo, eu digo isto: Eu ouvi que Tu vieste ao mundo para salvar os pecadores - oh Senhor, salve-me!  Eu sou o principal dos pecadores.

Confesso que não sinto isso como deveria sentir, não lamento como deveria lamentar; Não tenho a qualidade de arrependimento  para me recomendar; não, Senhor, também não tenho fé que me recomente – tudo tem que vir de ti mesmo – cada uma dessas coisas -  porque não acredito na sua promessa como deveria; mas ai! Eu me apego a este texto. Senhor, Tu disseste que não fará por minha causa. Eu te agradeço que tenha dito isso. Tu não poderias fazer isso por minha causa, pois não tem razão nenhuma em mim para o fazeres. Senhor, eu me apego a sua promessa graciosa. "Seja misericordioso comigo, sê propício a mim, o pecador". – Esse clamor verdadeiro é a evidência do Chamado Eficaz – Ele dá toda glória a Deus ao salvar filhos da Ira.

Ah! Mas para pessoas “Boas”, essa doutrina não serve; é muito humilhante, não é? Mas a verdade é que não há diferença – Todos estão em pé de igualdade em sua maldade diante de  - ninguém nunca buscou a Deus - Como está escrito: "Não há nenhum justo, nem um sequer; não há ninguém que entenda, ninguém que busque a Deus. Todos se desviaram, tornaram-se juntamente inúteis; não há ninguém que faça o bem, não há nem um sequer". "Suas gargantas são um túmulo aberto; com suas línguas enganam". "Veneno de serpentes está em seus lábios". "Suas bocas estão cheias de maldição e amargura". "Seus pés são ágeis para derramar sangue; ruína e desgraça marcam os seus caminhos, e não conhecem o caminho da paz". "Aos seus olhos é inútil temer a Deus". - Romanos 3:10-18.

O mesmo e único evangelho da graça soberana que combina com a pessoa que o mundo diz ser mais vil, me convém. Aquela graça livre que salvou Saulo de Tarso que odiava Cristo, deve me salvar, ou então eu nunca serei salvo. Venha, vamos todos juntos. Somos todos culpados - todos irremediavelmente culpados. Vamos juntos ao escabelo de sua misericórdia e, embora não ousemos olhar para cima, vamos deitar-nos no pó e suspirar outra vez: “Senhor, tem misericórdia mim, O pecador”.  Esse é o sinal que eu fui Chamado eficazmente e Regenerado soberanamente – e salvo pelo Evangelho da Graça soberana.



Artigo baseado livremente num sermão de Spurgeon by O Apedeuta.

Fonte: www.oapedeuta.com

0 comentários: