segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

A deidade de Cristo contestada

Respondendo as questões arguidas pelas testemunhas de Jeová, na sua revista despertai!, Edição de 8 de setembro de 1994, p. 11-13, permitimo-nos apontar que uma das doutrinas mais atacadas pelas Testemunhas de Jeová é a doutrina da Trindade. É notório que frequentemente suas edições de a sentinela e despertai! Abordam o assunto e o fazem de modo sarcástico e zombeteiro. Alegam, para suas publicações, o recebimento de orientação teocrática.

Textualmente, afirmam: “a organização visível de Deus hoje também recebe orientação e direção teocrática. Na sede das testemunhas de Jeová no Brooklyn, Nova Iorque, existe um corpo governante de anciãos cristãos de várias partes da terra, que dão a necessária supervisão às atividades mundiais do povo de Deus. Este corpo governante é composto de membros do ‘escravo fiel e discreto’. Os homens desse corpo governante, como os apóstolos e os anciãos em Jerusalém, têm muitos anos de experiência no serviço de Deus… Cujas decisões baseavam-se na palavra de Deus e eram feitas sob a direção do Espírito Santo” (Poderá viver…, p. 195/13).

O que nos surpreende é que os espíritas também negam, com a mesma ênfase, a doutrina da trindade. Ridicularizam a doutrina da mesma forma como o fazem as testemunhas de Jeová. Dizem os espíritas sobre a trindade:

“essa concepção trinitária, tão obscura, tão incompreensível, oferecia, entretanto, grande vantagem às pretensões da igreja. Permitia-lhe fazer de Jesus-Cristo um Deus. Conferia ao poderoso espírito, a que ela chama seu fundador, um prestígio, uma autoridade, cujo esplendor sobre ela recaía e assegurava o seu poder” (cristianismo e espiritismo, León Denis, p. 73).

Essa identidade de opinião sobre a trindade, encontrada entre testemunhas de Jeová e os espíritas é paradoxal. Enquanto a torre de vigia afirma receber orientações teocráticas, ou seja, divinas, dizem também sobre o espiritismo: “que é espiritismo? É entrar em contato com espíritos iníquos, quer diretamente, quer por meio dum médium humano. O espiritismo faz a pessoa cair sob a influência dos demônios” (Poderá viver… p. 95/13).

É de se perguntar: não estariam realmente as testemunhas de Jeová e os espíritas dirigidos pelo mesmo espírito, para ter essa mesma identidade de opinião sobre a trindade?
Certamente essa direção não vem do Espírito Santo, dado que para negar a doutrina da trindade negam a personalidade do espírito santo e, com isso, blasfemam dele e cometem o pecado acerca do qual disse Jesus que não há perdão? (Mt. 12.31-32).

Despertai! – perguntas feitas
  • Se Deus é e sempre foi uma trindade, será que os judeus encontravam este ensino nas escrituras hebraicas?
Resposta cristã: sem dúvida que sim. Bastar ler Gn. 1.26: “e Deus prosseguiu, dizendo: façamos [o] homem à nossa imagem, segundo a nossa semelhança…” (TNM).

Comentário: o verbo ‘façamos’ no plural indica pluralidade de pessoas. O mesmo ocorre com o pronome ‘nossa’. Se Deus é um e somente um (unidade absoluta), por que teria que dizer “façamos” e “nossa”? Porém, não é só isso. Na construção da torre de babel, Deus disse: “eia. Desçamos e confundamos ali a sua língua, para que não entenda um a língua do outro” (gn. 11.7). Ainda lemos em Is. 6.3 a repetição tríplice “santo, santo, santo é o senhor dos exércitos…” por que três vezes os serafins cantavam ‘santo, santo, santo’? O verso 8 desse capítulo 6 de Isaías responde com o pronome pessoal do caso reto ‘nós’ na primeira pessoa do plural: então temos: santo o pai, santo o filho e santo o espírito. Isso é confirmado por Mt. 28.19, onde Jesus recomenda o batismo dentro da fórmula Trinitária.
  • O que dizem as escrituras hebraicas sobre Deus?
Resposta cristã: a TNM nos ajuda a responder essa pergunta: “Jeová apareceu-lhe posteriormente entre as árvores grandes de Manre, enquanto estava sentado à entrada da tenda, por volta do calor do dia” (Gn. 18.1).

“disse então: Jeová, se eu tiver agora achado favor aos teus olhos, por favor, não passes por teu servo (v. 3). Jeová fez então chover enxofre e fogo sobre Sodoma e sobre Gomorra, da parte de Jeová, desde os céus” (Gn 19.24} comentário: quem era o Jeová que estava na terra, enquanto o outro fazia chover desde os céus enxofre e fogo sobre Sodoma e sobre Gomorra?

Quando Abraão levantou os olhos ele viu três varões “e levantou os seus olhos, e olhou, e eis três varões estavam em pé junto a ele” (Gn. 18.2).
  • Será que as escrituras hebraicas mencionam o Espírito Santo?
Resposta cristã: sem dúvida que sim. Basta ler Is. 63.10: “mas eles foram rebeldes, e contristaram o seu Espírito Santo; pelo que se lhes tornou em inimigo, e ele mesmo pelejou contra eles”.

Comentário: imagine só o Espírito Santo como força ativa ser contristado e se tornar em inimigo dos israelitas rebeldes! É possível entristecer uma força ativa? Uma pessoa espiritual pode ser entristecida (Ef. 4.30), mas não uma força ativa impessoal.
  • Nas escrituras hebraicas é o Espírito Santo mencionado como se fosse uma pessoa ou como a força ativa de Deus?
Resposta cristã: o Espírito Santo é mencionado como uma pessoa em gn. 6.3: “então disse o senhor: não contenderá o meu espírito para sempre com o homem…”

Comentário: é possível contender com uma força ativa? É possível contender com uma pessoa!
  • Mencionam as escrituras hebraicas um prometido messias, ou ungido?
Resposta cristã: sem dúvida que sim: Is. 7.14; 9.6; Mq. 5.2; Dn. 9.25-26.
  • Existe algum versículo das escrituras hebraicas que iguale o messias a Deus?
Resposta cristã: sim: “e deveras andarei no vosso meio e mostrarei ser vosso Deus, e vós, da vossa parte, mostrareis ser meu povo” (Lv. 26.12).
“porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; e o domínio principesco virá estar sobre o seu ombro. E será chamado pelo nome de maravilhoso conselheiro, Deus poderoso, pai eterno, príncipe da paz” (Is. 9.6).

“um mero restante retornará, o restante de Jacó, ao Deus poderoso” (Is. 10.21).

Comentário: quem era o Emanuel que andou entre nós? (Mt 1.23). Não é a criação do universo do nada um exemplo da ação do todo-poderoso? (Jo 1.3 cc Hb. 1.10-12). Se Jesus é Deus  poderoso (Is. 9.6) e Jeová é Deus poderoso (10.21), então temos que reconhecer duas pessoas em um só Deus poderoso.
  • Existe algum versículo das escrituras hebraicas que dê base sólida para se crer que jeová são três pessoas em um só Deus?
Resposta cristã: sim: “chegai-vos a mim. Ouvi isto: não falei em segredo desde o princípio; desde o tempo em que aquilo se fez eu estava ali; e agora o senhor Jeová me enviou o seu espírito“ (Is. 48.16).

Comentário: a primeira pessoa que fala é Jesus que diz: “chegai-vos a mim… Não falei em segredo… Desde o tempo em que aquilo se fez eu estava ali” (Jo. 1.1; 17.5); a segunda pessoa que aparece é mencionada como ‘o senhor Jeová’ (Deus, o pai); e, por fim, a terceira pessoa ‘o seu espírito’ (Mt. 3.16-17). Por que será que as tjs são leitoras tão descuidadas da bíblia? Será que ignoravam essa escritura hebraica de Is. 48.16?
  • Quem enviou Jesus à terra? Então quem é superior?
Resposta cristã: O que não perguntam as tjs é, quem era Jesus antes de vir à terra. A resposta está em Fp 2.6-8. “que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus”. O que fez ele então? “mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens, e achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz”.

Comentário: quando Jesus viveu na forma de homem, era 100% homem? Sem dúvida que sim, respondem as tjs. E quando vivia na forma de Deus no céu? Obviamente, era 100% Deus. O texto fala que ele se esvaziou e se fez homem, espontaneamente. Apesar disso, afirmou: “tudo quanto o pai tem é meu” (Jo. 16.15). Ao retornar ao céu, reassumiu a condição que lá ocupava (Mt. 28.18). “porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade” (Cl. 2.9).
  • Disse Jesus alguma vez que era Deus?
Resposta cristã: sim: “… dizia que Deus era seu próprio pai, fazendo-se igual a Deus” (Jo 5.18).

“disse-lhes Jesus: em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse eu sou. Então pegaram em pedras para lhe atirarem” (Jo. 8.58-59). Comparar com Ex 3.14. “eu e o pai somos um. Os judeus pegaram então outra vez em pedras para o apedrejar. Respondeu-lhes jesus: tenho-vos mostrado muitas obras boas procedentes de meu pai; por qual destas obras me apedrejais? Os judeus responderam, dizendo-lhe: não te apedrejamos por alguma obra boa, mas pela blasfêmia, porque, sendo tu homem, te fazes Deus a ti mesmo” (Jo 10.30-33). Como Deus, Jesus perdoou pecados (Mc 2.5-11) e recebeu adoração (Mt 28.9,17).
  • Muitas pessoas viram Jesus, mas será que algum homem já viu Deus?
Resposta cristã: sim: “e Jeová falava a Moisés face a face: assim como um homem fala seu próximo” (Ex. 33.12). “disse-lhe Felipe: Senhor, mostra-nos o pai, o que nos basta. Disse-lhe jesus: estou há tanto tempo convosco, e não me tendes conhecido, Felipe? Quem vê a mim vê o pai; e como dizes tu: mostra-nos o pai?” (Jo. 14.8-9).

Comentário: o que se viu de Jesus foi sua humanidade e não a sua deidade (Mt 11.27).
  • Disse Jesus que ele era o ‘filho de Deus’ ou que era ‘Deus, o filho’?
Resposta cristã: o que Jesus nunca disse foi ser ele Deus pai. Mas afirmou que era filho de Deus, ou o Deus filho: “por isso, pois, os judeus ainda mais procuravam matá-lo, porque não quebrantava o sábado, mas também dizia que Deus era seu próprio pai, fazendo-se igual a Deus” (Jo 5.18; 8.58; 10.30-33.
  • Disse Jesus alguma vez que era igual ao pai?
Resposta cristã: sim. “disse-lhe Jesus: estou há tanto tempo convosco, e não me tendes conhecido, Filipe? Quem me vê a mim vê o pai; e como dizes tu: mostra-nos o pai? Não crês tu que eu estou no pai, e que o pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo de mim mesmo, mas o pai, que está em mim, é quem faz as obras. Crede-me que estou no pai e o pai em mim; crede-me, ao menos, por causa das mesmas obras” (Jo 14.9-11).
  • Será que as palavras ‘eu e o pai somos um’ provam a Trindade?
Resposta cristã: sem dúvida que sim. A prova cabal disso está em que os judeus quiseram apedrejar Jesus pela sua declaração “eu e o pai somos um”. O apedrejamento só se justificava em caso de blasfêmia e disso era Jesus acusado (v.33). “e aquele que blasfemar o nome do senhor, certamente morrerá” (Lv. 24.16).
  •  Quem era Jesus, de acordo com os seus primeiros discípulos?
Resposta cristã: “Tomé respondeu e disse-lhe: senhor meu, e Deus meu!” (Jo. 20.28).
  • Como Deus encarava Jesus?
Resposta cristã: “a pronunciação de Jeová a meu Senhor é: senta-te à minha direita. …o próprio jeová, à tua direita, há de despedaçar reis no dia da sua ira” (Sl 110.1,5). “mas, do filho diz: ó Deus, o teu trono subsiste pelos séculos dos séculos; cetro de equidade é o cetro do reino” (Hb. 1.8).

Comentário: chamava-o de Jeová e Deus.
  • Será que as Escrituras Gregas (Novo Testamento) Contradizem as Escrituras Hebraicas, no que diz respeito ao Espírito Santo ser A Força Ativa De Deus?
Resposta cristã: as escrituras gregas não contradizem as escrituras hebraicas, no que diz respeito ao Espírito Santo ser uma pessoa divina. Como se pode conciliar o ensino das tjs que diz que ser o Espírito Santo uma ‘força ativa’ com o ensino bíblico segundo o qual se pode mentir ao Espírito Santo (At 5.3-4); pode-se entristecer o espírito santo (Ef 4.30); pode-se obedecer ao Espírito Santo (At 10.19.20) e pode-se blasfemar contra o espírito santo? (Mt 12.31-32).
  • Por ocasião do batismo de Jesus, onde estavam o Pai, o Filho, e o Espírito Santo? Eram eles três em um?
Resposta cristã: com relação à trindade afirmamos: 1) quanto à natureza, Deus é um; 2) com respeito às pessoas, Deus é trino; 3) nunca devemos dividir a natureza ou confundir as pessoas. Assim, no batismo de Jesus, o filho estava saindo das águas batismais; o espírito santo descia sobre ele em forma corpórea de uma pomba; e a voz do pai ecoava desde os céus: ”este é o meu filho amado, em quem me comprazo” (Mt 3.16-17).
  • Que posição ocupa jesus nos céus, após sua ressurreição?
Resposta cristã: “e toda criatura que está no céu, e na terra, e debaixo da terra, e o mar, e todas as coisas neles, eu ouvi dizer: ao que está sentado no trono [jeová Deus] e ao cordeiro [jesus cristo] seja a bênção, e a honra, e a glória, e o poderio para todo o sempre“ (Ap 5.13).

Comentário: no livro “Raciocínios à base das escrituras”, p. 300 as TJs reconhecem a igualdade de posição de Jesus após a sua ressurreição, no céu, ao lhe atribuir o título “unificará toda a criação na adoração ao único Deus verdadeiro” – apontando como tal o pai e o filho.
  • Quem deu essa posição enaltecida a Jesus?
Resposta cristã: naturalmente, Deus o pai: “pelo que também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome. Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra. E toda a língua confesse que Jesus Cristo é senhor, para glória de Deus pai” (Fp 2.9-11).

Comentário: o que se pode dizer da verdadeira natureza de Jesus, quando se declara em ap. 5.12-13 estar ele recebendo a mesma adoração tributada ao pai? E não podemos deixar de reconhecer que Fp 2.10-11. É uma citação de Is 45.23 onde se anuncia uma adoração única ao Deus todo-poderoso atribuída a Deus pai nas escrituras hebraicas e transferida, por Paulo, para Jesus, nas escrituras gregas: “por mim mesmo tenho jurado; saiu da minha boca a palavra de justiça, e não tornará atrás: que diante de mim se dobrará todo o joelho, e por mim jurará toda a língua”.
  • Será que isso torna Jesus a mesma pessoa que Deus, ou o torna o segundo no universo, abaixo apenas de Deus?
Resposta cristã: a trindade não define três pessoas em uma pessoa, mas um Deus em três pessoas distintas. As pessoas são distintas, logo pai e filho não são a mesma pessoa, mas duas pessoas distintas. Jesus não é a mesma pessoa que o pai e vice-versa, mas Jesus e o pai são o mesmo Deus: “eu e o pai somos um”, plural, ou seja, o mesmo Deus (Jo 10.30-33).
  • Quem é o soberano supremo do universo?
Resposta cristã: o único Deus, integrado na personalidade do pai, do filho e do espírito santo: “aquele que lhe sujeitou todas as coisas, para que Deus (o Pai, O Filho E O Espírito Santo) seja todas as coisas para com todos” (I Co 15.28).

Comentário: comparações entre o que dizem as escrituras hebraicas e as escrituras gregas no que concerne ao pai e ao filho:
Pai – “dá-me ouvidos, ó Jacó, e tu, ó Israel, a quem chamei; eu sou o mesmo, eu o primeiro eu também o último” (Is 48.12).

Filho – “e eu, quando o vi, caí aos seus pés como morto; e ele pôs sobre mim a sua destra, dizendo-me; não temas; eu sou o primeiro e o último. E o que vivo e fui morto, mas eis que aqui estou vivo para todo o sempre. Amém. E tenho as chaves da morte e do inferno“ (Ap 1.17-18).

“e ao anjo da igreja que está em Esmirna, escreve. Isto diz o primeiro e o último, que foi morto, e reviveu” (Ap 2.8).

Conclusão

Não é de admirar que as tjs se preocupem tão seriamente em negar a doutrina da trindade, dado que se acham sem a orientação do espírito santo, que segundo o ensino de jesus, nos guiaria em toda a verdade e para sempre (Jo 15.26). Ocorre que as tjs afirmam que a missão do espírito santo já terminou: “quando o espírito santo cessou sua missão de confortador e advogado…” (Jeová, p. 204, sociedade torre de vigia de bíblias e tratados).

Jesus prometeu que o espírito santo ficaria conosco para sempre: “e eu rogarei ao pai, e ele vos dará outro consolador, para que fique convosco para sempre” (Jo 14.16). Não é o caso das testemunhas de Jeová, que, infelizmente, deixaram de ser guiadas pelo espírito santo e adotaram o ponto de vista doutrinário dos espíritas, com vistas à negação da doutrina da Trindade.

Fonte: CACP

0 comentários: