sábado, 27 de setembro de 2014

O que fazer quando um ente querido está em uma Seita Religiosa?

O que fazer quando um parente ou amigo está em uma seita? O especialista Vicente Jara, membro da Rede Ibero-Americana para o Estudo das Seitas (RIES), dê-nos a sua resposta. De acordo com ele, nunca devemos perder a esperança, e por isso propõe algumas orientações de como agir, o que se resume a seguir.


Como uma resposta geral à questão, Jara diz que pode ajudar um membro da família ou amigo de uma seita. Não perca a esperança. Mas mais do que um ato particular é um processo, muitas vezes longo. Esse processo deve envolver a família, amigos e talvez especialistas em psicologia clínica.

Geralmente as seitas pregam um fim ou holocausto do qual apenas os seus membros serão salvos. As Testemunhas de Jeová pregam incessantemente que apenas elas sobreviverão ao Armagedon, e todos os demais habitantes da terra serão aniquilados para sempre.

Fora de um culto

O seio das seita nunca é um lugar apropriado para estar. Sabemos também que é possível sair de uma seita. Muitas pessoas permanecem, mas muitos conseguem se libertar. Em suma, quando o grupo não está atendendo às expectativas, e pode-se conseguir realizá-las fora dela, e há também um motivo forte o bastante capaz de superar a resistência, a mudança ocorre, a saída da seita acontece. Não é fácil, é um processo difícil e doloroso.

Hoje em dia, dentro das agrupações sectárias, existem seitas que são de estrutura menos rígida, mais “light”, mais volúvel, mais permeáveis na forma de entrar e também de sair, sobretudo nestes tempos modernos. Nelas, as pessoas entram e saem com grande liberdade, deixam um grupo um curandeiro ou um mestre e vão a outros.

As seitas sempre enganam, porém, oferecem certa segurança e ajuda às suas necessidades. Ademais, são lugares em que se impedem o fluxo de informações com o mundo exterior, os sentimentos, comportamentos e pensamentos do adepto mediante processos de prêmio e castigo, mediante anulação do sentido crítico e coerção psicológica.
Crianças de pais Testemunhas de Jeová são desde pequenos, formatados segundo o padrão estabelecido pela Torre de Vigia. Qualquer tentativa de se libertar da coerção é encarado como rebeldia ou desequilíbrio mental.

Tipos de seguidores

a) Crianças. Se você é menor de idade, a proteção legal e subordinação a seus pais é fundamental para um Estado de Direito. Aqui está o maior problema: Quando os pais membros de seitas inserem seus filhos no contexto sectário sob coerção. Mais grave ainda é quando as crianças nascem no seio da seita e são criadas sob um processo de alienação mental.

b) Adolescentes. Período difícil, em que, no entanto, sendo menores, a atuação dos psicólogos de seitas costumam geralmente ter bons índices de recuperação.

c) Adultos. Eles são antigos. Muitos deles deram quase toda sua juventude à causa da seita e em casos gerais,são  responsáveis ​​por seus atos livres e voluntários. O grande problema é o quanto a liberdade de ação existe nas decisões que são dadas no que diz respeito a uma seita, que engana, engana, escondendo seus interesses e manipulando os seguidores.

d) Doentes e mais velhos. Eles são um grupo altamente exposto às seitas que buscam apenas dinheiro e bens. Por sua própria fraqueza, eles são facilmente manipuláveis​​. Às vezes, as seitas atacam este tipo de pessoas em hospitais, asilos e centros de saúde. É também o caso dos doentes que não encontrando soluções na medicina científica oficial, participam de todos os tipos de curandeirismo.
O Filme dinamarquês “Mundos Separados” conta a história real de pessoas vítimas da seita das Testemunhas de Jeová

23 dicas de ajudas para vítimas de seitas

1.   - Alto envolvimento de familiares, amigos, professores, agentes pastorais, pastores, sacerdotes, etc

2.   - Conte com a ajuda de especialistas em seitas, psicólogos, e advogados às vezes.

3.   - É um processo, às vezes lento e doloroso, com recaídas e retrocessos. Não perca a esperança.

4.   - Às vezes, a pessoa em causa tenha fugido de uma família desesperada ou em situação de vulnerabilidade social, ou procurando o que não fez ou não encontrou em seu ambiente. Você precisa curar e restaurar as pré-condições.

5.   - Não qualificar o grupo como uma seita, que sempre tem conotações negativas.

6.   - A vítima deve ir devagar reconhecendo o grupo como uma seita, mas tem que fazer isso sozinho, por isso nunca por outros diretores. Só então ele vai ver por si mesmo a realidade do grupo sectário.

7.   - Nunca corte as linhas de comunicação com os afetados. Esteja disponível para falar com a confiança afetada. Escute-o e não o rechace.

8.   - Sempre oferecer para a área afetada e amor incondicional. A maioria dos adeptos permanecem na seita porque tem esperança de que seus entes queridos retornem.

9.   - No início, a pessoa pode estar muito longe de suas famílias e amigos. Seja paciente, os afetados foram danificados em seus julgamentos lógicos e críticos de seus próprios sentimentos.

10.               - Diálogo com o tempo deve ser mais frequente, mais íntimo, mais profundo. Será natural e gradual. No começo não trate de questões mais profundas ou conflitantes, mas geralmente dialogue e temas cotidianos superficiais.

11.               - Real interesse nas atividades e grupo sectário que foi ou pertence. A vítima tem de perceber e sentir de forma eficaz que as “coisas” são importantes para sua família e amigos.

12.               - Não sobrecarregar a pessoa com chamadas telefônicas ou mensagens. Esteja disponível para ele; ele vai se recuperar a confiança e superar os medos que você construiu contra o seu antigo mundo.

13.               - Como a informação é adquirida de um grupo sectário e sob processos de recrutamento elaborados por pessoas experientes, deve se comunicá-las aos especialistas e psicólogos que trabalham com sectarismo.

14.               - Avaliar o que o grupo oferece de positivo, mas mostrar que nem tudo é tão perfeito nesse grupo. Ou mostrar que a positividade tem uma má motivação ou um desígnio disfarçado. Faça isso por meio de sugestões.

15.               - Fazer distinção entre a vítima, membros e líderes da seita.

16.               - Evite culpar-se por ter sido vítima de uma seita, ter contribuído com ela ou ter permitido sua influência sobre sua família.

17.               - Não dê dinheiro para a vítima da seita, mas diretamente ajude-o com suas necessidades.

18.               - Traga de volta a memória dos momentos felizes do passado da vítima.

19.               - Auxilie a vítima sectária a projetar uma vida feliz e autônoma, ajudando-o a construir um futuro fora do grupo sectário.

20.               - Procure aconselhamento jurídico, se necessário.

21.               - Conte com a ajuda de especialistas no assunto e se apresse a solo de um processo deste tipo.

22.               - Indo para Deus pedindo o afetado e o bom suporte ao processo de desenvolvimento.

23.               - Você pode pedir ajuda de pessoas que foram também vítimas das seitas e conseguiram se libertar. Muitos grupos em redes sociais são formados para ajudar positivamente uma vítima sectária. Interagir com membros destes grupos bem intencionados, pode ser muito positivo.

0 comentários: