domingo, 26 de junho de 2011

As Testemunhas de Jeová, o Anti-semitismo e o Terceiro Reich

A Tentativa de Colaboração com o Nazismo Protagonizada Pela Sociedade Torre de Vigia

M. James Penton

Ao longo dos anos a Watchtower Bible and Tract Society tem dito às Testemunhas de Jeová que enquanto as igrejas alemãs foram culpadas de colaboração com Hitler e com o Partido Nazi, os seus irmãos alemães, geralmente conhecidos como "Sérios Estudantes da Bíblia," tomaram uma posição firme contra os princípios do Terceiro Reich. Devido à posição corajosa tomada por Testemunhas alemãs face a uma perseguição terrível que a muitas delas custou a vida nos campos de concentração de Hitler, elas têm sido corretamente elogiadas por historiadores seculares.


Por exemplo, a revista Watchtower [Sentinela] de 1.º de Outubro de 1984 (p.8) relatou os resultados das investigações de Christine E. King e Michael Kater relativas ao facto de o número de Testemunhas presas e mortas devido à perseguição Nazi ter sido grandemente subavaliado. Citando a Dr.ª King, a revista declarou:


"'Aderiu-se a princípios Teológicos; as Testemunhas permaneceram 'neutrais,' elas eram honestas e completamente fidedignas e como tais, ironicamente, muitas vezes viram-se empregues como criados das S.S.'"


Contudo, o que não tem sido geralmente conhecido pela maioria das Testemunhas de Jeová nem por muitos eruditos independentes é que enquanto Testemunhas alemãs comuns mantiveram em geral a sua integridade e aderência a princípios, os seus líderes -- Rutherford, Knorr e altos funcionários da Watch Tower alemães -- não o fizeram. Rutherford e os outros líderes da Watch Tower tentaram salvar o ramo alemão do seu movimento fazendo dos judeus bodes expiatórios.


Durante a primeira metade da história dos Estudantes da Bíblia-Testemunhas de Jeová, a sua posição pró-judaísmo era notória. Tal como certos milenaristas protestantes americanos do fim do século dezanove e do início do século vinte, C.T.Russell era um forte apoiante de causas Sionistas. Ele recusou tentar converter os judeus, acreditava no restabelecimento dos judeus na Palestina, e em 1910 dirigiu uma audiência judaica em Nova Iorque no canto do hino Sionista, o Hatikva. Durante algum tempo o Juiz Rutherford seguiu os seus passos. Em 1926 ele escreveu um pequeno livro intitulado Comfort for the Jews [Conforto para os judeus] que sugeria que a migração judaica para a antiga Terra Santa era um cumprimento da profecia bíblica. Quatro anos mais tarde ele escreveu um livro similar, mais extenso, intitulado Life [Vida].

Mas, subitamente, Rutherford repudiou as suas crenças a respeito dos judeus. O livro Life foi retirado de circulação e em 1932 Rutherford proclamou que o "Israel carnal" não tinha nenhum papel específico a desempenhar na história da salvação. Talvez o Juiz estivesse simplesmente ansioso em defender que as Testemunhas de Jeová eram o "verdadeiro Israel de Deus," mas ele pode ter tido outras razões para fazer uma mudança doutrinal dramática desse tipo. No fim da década de 1920 e princípio da década de 1930 o anti-semitismo estava a tornar-se exacerbado nos Estados Unidos e no Canadá com o aparecimento de uma variedade de movimentos, tanto religiosos como políticos. Também nessa altura, com o começo da Depressão em 1929, começou a parecer possível que os Nazis, violentamente anti-judeus, pudessem chegar ao poder na Alemanha -- o que aconteceu em 30 de Janeiro de 1933. Portanto, Rutherford estava provavelmente ansioso em separar de todas as maneiras possíveis as Testemunhas da comunidade judaica. No entanto, isso não pode de maneira nenhuma desculpar o que o presidente da Watch Tower e os seus ajudantes estavam prestes a fazer no primeiro ano do Terceiro Reich.

No princípio de Abril de 1933 os Nazis tomaram ação contra as Testemunhas de Jeová. A sua sede da filial em Magdeburg foi penhorada e as suas atividades religiosas pararam temporariamente. Mas em 28 de Abril as autoridades alemãs devolveram as propriedades à Watch Tower Society, e as Testemunhas começaram a reunir-se novamente para continuar o seu proselitismo de casa em casa. Contudo, os líderes das TJ (e as próprias Testemunhas em geral) sabiam que não eram populares junto dos Nazis. Portanto, foi nesse tempo, segundo a versão tradicional das Testemunhas, que o Juiz Rutherford e a comunidade de Testemunhas alemãs decidiram tomar uma posição destemida contra a ditadura de Hitler. O livro Jehovah's Witnesses in the Divine Purpose [As Testemunhas de Jeová no Propósito Divino] declara:


"O Juiz Rutherford tinha estado a observar de perto a situação alemã e estava bem familiarizado com o seu desenvolvimento pois afetava o trabalho das Testemunhas. Com este sério desenrolar dos acontecimentos, ele não perdeu tempo em ir à Alemanha, acompanhado por N.H.Knorr, para ver o que podia ser feito. Em 25 de Junho [...], foi convocada uma convenção em Berlim. A Declaration of Facts [Declaração de Factos] foi apresentada às 7.000 pessoas na assistência em protesto contra o governo de Hitler pela sua forte interferência com o trabalho de testemunho da Sociedade, e foi unanimemente adoptada. A declaração foi enviada a todos os altos oficiais do governo desde o presidente até aos membros do conselho, e 2.500.000 cópias foram distribuídas ao público. A retaliação veio rapidamente. Três dias depois, em 28 de Junho, a propriedade da Sociedade foi penhorada e ocupada, e as suas instalações de impressão foram fechadas por decreto governamental."

Será que a penhora da propriedade da Watch Tower e a proscrição completa das Testemunhas de Jeová pelo governo alemão aconteceram realmente porque a Declaration of Facts era um firme protesto contra as ações Nazis? Não, muito pelo contrário: aquele documento não passava de uma declaração covarde, interesseira, na qual Rutherford e os seus lacaios tentaram fazer a comunidade das Testemunhas ganhar a simpatia dos Nazis, atacando a Grã-Bretanha, os Estados Unidos, a Liga das Nações, e acima de tudo, os judeus. Numa secção intitulada "Judeus," a declaração diz:

"Somos falsamente acusados pelos nossos inimigos de termos recebido dos judeus apoio financeiro para o nosso trabalho. Nada está mais longe da verdade. Até este momento, nunca houve a mínima quantia de dinheiro contribuída para o nosso trabalho pelos judeus. Nós somos os seguidores fiéis de Cristo Jesus e acreditamos Nele como sendo o Salvador do mundo, enquanto os judeus rejeitam inteiramente Jesus Cristo e negam enfaticamente que ele seja o Salvador do mundo enviado por Deus para o bem do homem. Por si só, isto devia ser prova suficiente em como nós não recebemos nenhum apoio dos judeus e portanto as acusações contra nós são maliciosamente falsas e só podiam vir de Satã, o nosso grande inimigo.


O maior e mais opressivo império na terra é o império anglo-americano. Por este queremos significar o Império Britânico, do qual os Estados Unidos da América são uma parte. Foram os homens de negócios judeus do Império anglo-americano que estabeleceram e têm mantido os Grandes Negócios como um meio de explorar e oprimir os povos de muitas nações. Este facto aplica-se particularmente às cidades de Londres e Nova Iorque, a fortaleza dos Grandes Negócios. Este facto é tão manifesto na América que existe um provérbio a respeito da cidade de Nova Iorque que diz: "os judeus são donos dela, os católicos irlandeses governam-na, e os americanos pagam as faturas." Nós não temos nenhuma luta contra estas pessoas que mencionámos, mas como Testemunhas para Jeová e em obediência ao seu mandamento apresentado nas Escrituras, somos compelidos a chamar a atenção para a verdade acerca deles para que as pessoas possam ser iluminadas a respeito de Deus e do seu propósito."


Isto não é tudo. Além de condenar a Liga das Nações, a declaração dizia:


"O governo atual da Alemanha declarou-se contra os opressores que controlam os Grandes Negócios e em oposição à influência religiosa errada nos assuntos políticos da nação. Essa é exatamente a nossa posição..."


Em seguida proclamou:


"Em vez de sermos contra os princípios advogados pelo governo da Alemanha, nós defendemos sinceramente tais princípios, e sublinhamos que Jeová Deus através de Cristo Jesus trará a realização plena desses princípios."


É claro que, como as Testemunhas descobririam em breve, os Nazis não ficaram impressionados e desencadearam uma onda de perseguição contra eles quase de imediato. Foi então, e só então, que Rutherford, a Watch Tower Society e os líderes das Testemunhas alemãs decidiram opor-se às políticas Nazis de uma maneira intransigente. A Watch Tower Society ainda se gaba da fidelidade das Testemunhas de Jeová alemãs aos princípios cristãos sob o Terceiro Reich, mas também continua a tentar esconder a tentativa de compromisso dos seus líderes com os Nazis em 1933. Embora a Watchtower [Sentinela] de 1.º de Outubro de 1984 cite o livro The Nazi State and the New Religions [O Estado Nazi e as Novas Religiões] de Christine King, não menciona o que a Dr.ª King escreveu acerca da Declaration of Facts [Declaração de Factos] da Sociedade. Por exemplo, numa breve avaliação desse documento, ela faz uma observação que é, se encarada do ponto de vista das Testemunhas, muito incriminatória. Ela declara:


"O documento é uma obra prima no género e digna das outras quatro seitas [os Cientistas Cristãos, os Santos dos Últimos Dias, os Adventistas do Sétimo Dia e membros da Nova Igreja Apostólica], tendo todas elas apoiado, de uma maneira ou de outra, o estado Nazi."


Noutro parágrafo ela diz:


"Tendo tentado assegurar às autoridades, pela Declaration of Facts, que eram bons cidadãos, tendo interpretado e explicado os seus ensinos de um modo que, dadas as preocupações do regime, pretendia acalmar medos e oferecer uma certa medida de compromisso, as Testemunhas parecem ter esperado que daí em diante não teriam mais incómodos. Não se tinha a declaração juntado aos Nazis na condenação da Liga das Nações, não tinha descrito o Nacional Socialismo como estando contra as injustiças que os alemães tinham sofrido desde 1919 e não tinha terminado com um apelo pessoal ao Führer?"


Portanto é francamente impossível que a liderança atual da Sociedade possa estar ignorante a respeito da Declaration e da sua natureza comprometedora e anti-semita. Contudo, quando confrontados com os factos, os porta-vozes da Watch Tower Society negam tudo categoricamente, e na revista Awake! [Despertai!] de 8 de Junho de 1985 (p.10) -- depois de condenarem o clero de outras igrejas por ter apoiado o Nazismo -- proclamaram:


"Contudo, houve um grupo na Alemanha que defendeu corajosamente os princípios cristãos. Esse grupo foram as Testemunhas de Jeová. Contrariamente ao clero e aos seus seguidores, as Testemunhas recusaram colaborar com Hitler e com os Nazis. Elas recusaram-se a violar os mandamentos de Deus. Elas não quebrariam a sua neutralidade cristã em assuntos políticos. (Veja Isaías 2:2-4; João 17:16; Tiago 4:4.) Elas não atribuíram Heil, ou salvação, a Hitler, como fizeram a grande maioria dos rebanhos do clero."


É difícil imaginar como é que os líderes de uma organização religiosa que alega ser o único canal de verdade de Deus na terra podem ser culpados de tais mentiras e hipocrisia descaradas, mas que são culpados são. Os factos falam por si mesmos. Mas há mais a ser dito sobre o assunto além do que é discutido acima. Por causa das suas pretensões ultrajantes, os homens que governam as Testemunhas de Jeová têm sido culpados de muitos outros crimes terríveis.

2 comentários:

pascoalreload disse...

Para saber sobre a discriminação que as Testemunhas de Jeová fazem com ex adeptos e os fundamentalismos que levam pessoas a morrer e não receber transfusão de sangue acessem:

http://extestemunhasdejeova.net/forum/portal.php

http://extestemunhasdejeova.blogspot.com/

pascoalreload disse...

Para saber sobre a discriminação que as Testemunhas de Jeová fazem com ex adeptos e os fundamentalismos que levam pessoas a morrer e não receber transfusão de sangue acessem:

http://extestemunhasdejeova.net/forum/portal.php

http://extestemunhasdejeova.blogspot.com/