domingo, 13 de março de 2011

Refutações sobre a guarda do sábado II


Por: Emerson de Oliveira (http://www.logoshp.6te.net/)
Este artigo visa responder a Lição Bíblica da igreja Adventista da Promessa de OUT/DEZ 2005 (nº. 273) em defesa do sábado, com o título 'At.20:7', na pg. 62. O texto do artigo, de autoria de Genésio Mendes, está em preto e minhas respostas em azul.
Lucas relata apenas um acontecimento durante essa semana em Trôade: o sono, a queda, a morte e a ressurreição dramática de um jovem chamado Êutico. Mas a história é também instrutiva na área do culto cristão primitivo, porque aconteceu no contexto de um culto. 3
Ele diz isso por causa dessa afirmação de Lucas: ... no primeiro dia semana, ajuntando-se os discípulos para partir o pão, Paulo, que havia de partir no dia seguinte, falava com eles; e alargou a prática até à meia-noite.Esse "primeiro dia da semana" se referia ao sábado à noite ou ao domingo à noite? A interpretação desse "primeiro dia" depende da maneira como pensamos que Lucas contava o dia: como os judeus (a partir do pôr do sol) ou como os romanos (a partir da meia-noite), observa o mesmo Stott.
Lucas estava contando o tempo de acordo com o modo romano. Para ele, os dias eram calculados do amanhecer a amanhecer, não do pôr-do-sol a outro pôr-do-sol (cf. vv. 7, 11).
A NTLH optou pelo sábado à noite: No sábado à noite nós nos reunimos com os irmãos para partir o pão. Paulo falou nessa reunião e continuou falando até a meia-noite, pois ia viajar no dia seguinte.
Aqui vemos a exposição da idéia do autor, de que "não existe no grego a expressão 'primeiro dia da semana'". Vou demonstrar aqui o que é visível para qualquer estudante de grego, que existe sim. Para começarmos, vejamos o que diz o Dicionário Expositório de Palavras do Novo Testamento, de Vine:
SEMANA
sabbaton NT: 4521 é usado (a) no plural na frase "o primeiro dia da semana" em Mt. 28:1; Mc. 16:2, 9; Lc. 24:1; Jo. 20:1, 19At. 20:7 1 Cor 16:2.

E é meio desajeitada a tradução da NTLH, pois o grego não fala nada do sábado do sétimo dia. Vamos ver aqui que Genésio Mendes faz duas afirmações nesta Lição:
1 - Não existe em grego a expressão "primeiro dia da semana"; e
2 - O "partir o pão" era só uma refeição comum.
Vou demonstrar que ambas as alegações são infundadas.
No texto grego, porém, não existe nenhuma expressão que possa ser traduzida por "primeiro dia da semana".
No Novo Testamento Interlinear, que traduz, rigorosamente, palavra por palavra, do grego para o nosso idioma, o versículo encontra-se traduzido da seguinte maneira:
Isto é mentira! Existe sim e qualquer estudante de grego sabe: é mia ton sabbaton. At. 20:7 é um claro exemplo de uma igreja gentílica tendo um encontro num domingo, no qual Paulo é um participante disposto. Lucas, como excelente historiador que é, tem muito cuidado para demonstrar que dia da semana é. Vamos ver o grego mais de perto:
A. Qualquer léxico vai lhe mostrar que "MIA TON SABBATON" significa:
1. "PRIMEIRO DAS SEMANAS": [mia = primeiro] + [ton = da] + [sabbaton (plural) = semanas]
2. "MIA TON SABBATON" é a expressão comum para "primeiro dia da semana".
3. Os únicos que dizem que este é o sábado semanal são aqueles que não tem nenhum conhecimento de grego. Muitos meramente vêem a palavra "Sabbaton" no grego e incorretamente já pensam que se refere ao sábado semanal!
B. Se "MIA TON SABBATON" quer dizer o 7º dia (dia de sábado) então cria uma contradição entre Mc. 16:1 e 2:
Passado o sábado [sabbatou - singular, a expressão normal para o dia de sábado], Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago, e Salomé, compraram aromas para irem embalsamá-lo.
E, muito cedo, no primeiro dia da semana [mia ton sabbaton], ao despontar do sol, foram ao túmulo.
"MIA TON SABBATON" precisa ser diferente de sábado.
Portanto, no grego temos uma frase um pouco esquisita: mia ton sabbaton, que a vulgata traduz por una sabbatorum e que poderíamos traduzir por uma dos sábados, pois dia (Emera) é feminino em grego; ou melhor, pela primeira dos sábados, pois o cardinal faz às vezes de ordinal na Koiné. Como sabbaton era usado no lugar de semana, mia ton sabbaton equivalia ao primeiro dia após o sábado, ou seja, o domingo.
Em, porém, o um dos sábados, tendo conduzido juntos nós quebrar pão, o Paulo discursava-lhe, estando para ir-se de no sobre a manhã, estendeu ao lado e a palavra até meia noite.
Segundo este interlinear está correto, mas a interpretação do autor é que não está. Ele interpreta, erroneamente, literalmente, o "um dos sábados" como o sábado semanal! A renomada versão The Orthodox Jewish Brit Chadasha traduz At.20: 7 assim:
"E no Yom Rishon (primeiro dia), quando nós nos encontramos para um firen tish (era Motzei Shabbos), o rabi Paulo estava lhes dando um shiur (discurso), já que ele teria que partir no boker e estaria tendo que estender a mensagem até chatzot halailah(meia-noite) .
Uma tradução correta desse texto grego seria: No sábado, estando nós reunidos com o fim de partir o pão, Paulo, que devia seguir viagem no dia imediato, exortava-os.
É aqui que o erro se evidencia. Qualquer estudioso de grego saberia que no grego diz "mia ton sabbaton", que SÓ PODE ser traduzido como “primeiro dia da semana”. É torpeza querer torcer o sentido para o sábado semanal.
Seguindo essa tradução, concluímos que o culto em Trôade começou durante o sábado, isto é, antes do pôr-do-sol, e não no domingo à noite, e prolongou-se até a meia-noite.
Incorreto e isto é MEXER na Palavra. O verso não diz "antes do por-do-sol", mas claramente, NO PRIMEIRO DIA DA SEMANA (o domingo). Como você pode ver, mia ton sabbaton é uma expressão idiomática e assim traduzida, parece estranha em português. Versículos para nos dar uma idéia melhor de mia ton sabbaton ou "primeiro dia da semana" são Mt. 28: 1; Mc. 16: 2; Lc. 24: 1; e Jo. 20: 1
Primeiro, não há nenhuma necessidade para presumir qualquer coisa. O texto claramente declara que foi o primeiro dia da semana. Se você usa o sistema de tempo judaico, então significa que eles se encontraram depois do pôr-do-sol no que nós chamamos sábado, mas o que os judeus chamam de princípio do primeiro dia da semana. Se foi o sistema romano, então a reunião aconteceu no que nós chamamos de domingo. Em qualquer caso, permanece o primeiro dia da semana. Deveria ser notado que Trôade é uma cidade gentílica, é nem mesmo perto da fronteira de Israel. O sistema de tempo que eles usaram provavelmente era o sistema romano.
Isto também declara que o primeiro dia da semana era o tempo quando os discípulos SE REUNIAM para PARTIR O PÃO (e este é o objetivo do versículo, que a IAP tenta ocultar). Você tenta banir esta passagem para uma simples reunião, ou despedida, informal, mas duas coisas interferem. Primeiro, a leitura declara que havia uma REUNIÃO REGULAR pelos discípulos no primeiro dia da semana (TODO PRIMEIRO DIA DA SEMANA, veja o grego). Segundo, esta reunião regular tinha o propósito de "partir o pão", a comunhão (bem, eles omitem convenientemente o fato de que a Última Ceia foi primeiramente instituída Mat. 26:26, onde Jesus “partiu” o pão. A mesma palavra grega para dizer “partiu” em Mt. 26:26 é uma variante da palavra grega para dizer “partindo”, em At.20:7. Tratar de provar uma diferença entre a “Ùltima Ceia” e o “partir o pão” não tem nenhuma validez. O significado é o mesmo, mas as palavras são diferentes. Se isso não fosse o suficiente, então continuam dizendo que o versículo não menciona o vinho, pelo qual não pode ser a celebração Eucarística ou comunhão. Isto simplesmente não é verdade, pois existem muitos versículos referentes à celebração da Eucaristia, ou a missa, nos quais não se menciona o vinho. Por exemplo, Lc. 24:30-31:”E aconteceu que, quando estavam à mesa, tomando ele o pão, abençoou-o e, tendo-o partido, lhes deu; então, se lhes abriram os olhos, e o reconheceram; mas ele desapareceu da presença deles”. Não se deu nenhuma palavra aqui sobre o vinho nesta famosa passagem do encontro de Emaús. Notaram que reconheceram a verdadeira presença de Jesus ao partir o pão?). Como sempre, isto você não verá num estudo superficial e rápido, mas somente num estudo profundo e sério. Não dá pra ficar na superfície.
Um outro fato grave que a tradução do Novo Testamento Interlinear deixa claro é que as versões RA e RC traduziram erroneamente o versículo. A NTLH seria perfeita se não tivesse acrescentado, por conta própria, o "à noite", logo depois da expressão "No sábado".
Por que fugir ao óbvio? Não se fala aqui que a reunião foi "antes do por-do-sol" mas NO PRIMEIRO DIA DA SEMANA (o domingo), tão claro quanto possível. O autor, incrivelmente, toma o "sábados" do Interlinear, como o "sábado semanal" da língua portuguesa!
Não! A Interlinear traduziu corretamente. É "o um dos sábados". Só que o Genésio Mendes aparentemente entendeu isto como o sábado semanal e não sabe que sabbaton, em grego, neste caso de At.20:7, significa "semanas". Então, "o um da semana" = "primeiro dia da semana".
Alguns alegam que desde que At. 20:7 diz que "Paulo pretendeu partir no PRÓXIMO DIA" então que o v. 11 diz de fato que Paulo partiu no próximo "amanhecer", que esta deve ter sido uma reunião de comunhão no domingo à noite e Paulo na verdade partiu na manhã de segunda-feira. O argumento inteiro é baseado na suposição que a expressão "próximo dia”, usando o tempo romano, prova que os cristãos se reuniram no domingo à noite. Porém, isto é errado é mal provado porque há 7 passagens onde os judeus aplicam a mesma expressão "próximo dia" para o próximo amanhecer. A verdade é que At. 20.7 é uma reunião noturna no sábado (mas que pela contagem judaica, já é o domingo).
Há 7 passagens que provam que o uso de "próximo dia" era o meio normal para os judeus e romanos descreverem um período das 21h até às 9h. Em outras palavras, se fosse 21h em uma noite de sábado, "o próximo dia" se referia ao período de luz do dia que começa às 6h, o amanhecer, o domingo pela manhã, 9 horas depois.
Ex.: Na LXX (Septuaginta: A LXX foi traduzida por judeus em 250 a.C., embora o evento de Lot ocorreu em 2000 a.C..) em Gn. 19:34: "Assim eles fizeram seu pai beber vinho naquela noite, e a primogênita entrou e se deitou com seu pai; e ele não soube quando ela se deitou ou quando ela se levantou. No dia seguinte, a primogênita disse a mais jovem: ‘Veja, eu me deitei ontem à noite com meu pai; vamos fazer-lhe beber hoje à noite também; então você entra e se deita com ele, para que possamos preservar nossa família por nosso pai’". (Gn. 19:33-34) (o v33 diz que era noite quando elas entraram. O v 34 tem as mesmas palavras gregas para o "próximo dia" como em At. 20:7 e Gn. 19:34 LXX. v34 diz novamente, “ontem à noite”.)
Obviamente, esses problemas de tradução não são produtos de ignorância ou descuido, pois os que fazem parte das equipes de tradução - que são contra a observância do sábado, como dia de adoração e descanso - dominam, mais que qualquer outra pessoa, a língua grega.
Como vimos, quem parece aqui ter agido com descuido e desconhecimento aqui foi o autor, que chamou "sabbaton", de At.20:7, de "sábado semanal". Crasso erro. Isto é querer fazer o grego dizer o que o autor diz, o que não é correto. O autor, aparentemente, tenta fazer de tudo para que o grego diga "sábado". Mas é claro que o grego prova que a Igreja se reunia NO DOMINGO.
Ainda há uma outra questão que merece explicação. Trata-se da expressão "partir o pão" que é usada, como vimos no comentário anterior, como referência à Ceia do Senhor. Essa expressão era usada, naqueles dias, para se referir a uma refeição comum (At 2:46). Pelo avanço da hora, naquela noite, parece-nos mais tratar-se realmente de uma refeição comum.
· Os discípulos comiam a Ceia do Senhor quando eles se reuniam (ICo. 11:20-33) Deus nunca autorizou que os cristãos comessem qualquer outra que não fosse a Ceia do Senhor na Igreja: "Não tendes, porventura, casas onde comer e beber?"? (ICo. 11:22). "Se alguém tem fome, coma em casa, a fim de não vos reunirdes para juízo" (ICo. 11:34). “Porque o reino de Deus não é comida nem bebida” (Rom. 14:17)
· Jesus ordenou aos discípulos que participassem da Ceia do Senhor (Mt. 26:26-28; Lc. 22:19; etc.). Jesus ordenou aos discípulos que se reunissem (Hb.. 10:25). Há uma conexão entre a Ceia do Senhor e assembléia? Aqui temos uma assembléia (ordenada por Jesus: Hb. 10:25). Eles partiram o pão (ordenado por Jesus: ICo. 11:23ss). Eles vieram para tal propósito. Eles fizeram isto no primeiro dia da semana.
· A dicotomia é clara: as refeições comuns são feitas em casa; a assembléia é para a Ceia do Senhor.
· Aqui em At. 20:7 a igreja se reuniu no domingo com a finalidade de uma refeição comum, como quer o pr. Genésio Mendes? Não! Note ICo. 11:33-34: "quando se reunirem para comer" é precisamente paralelo a At. 20:7.
· At. 20:11: "partiu o pão, e o comeu" Esta é a Ceia do Senhor. Exatamente a mesma linguagem usada em ICo. 11:20-22; 33-34 "comam a Ceia do Senhor quando vos reunirdes”.
· Em At. 2:46 não é a Ceia do Senhor mas uma refeição comum. Note que eles estavam individualmente em suas casas DEPOIS QUE tivessem se reunido no templo. A palavra grega para REFEIÇÕES (kat oikon) significa uma refeição comum e NUNCA é usada para a Ceia do Senhor.
· Seria estranho Deus proibir tomar refeições comuns em ICo. 11:20-22; 33-34 e depois só dar um exemplo disto em At. 20:7. Isto prova que At. 20:7 não podia ser uma refeição comum.
Vejamos o que diz o grego: klasai arton (partir o pão). Isto não era uma refeição comum, como diz Genésio Mendes. Vejamos de novo o Dicionário Expositório de Palavras do Novo Testamento, de Vine:
PARTIR
klao ou klazo NT:2806, "partir, partir em peças" é usado de "partir o pão" (b) de "partir o pão" na Ceia do Senhor", Mt. 26:26; Mc. 14:22; Lc. 22:19; At. 20:7; 1 Cor 10:16; 11:24; (c) de uma refeição comum, At. 2:46 Acts 20:11; 27:35;

Vemos aí que Vine resolve tudo. Ao mesmo tempo, revela que o "partir o pão" de At.20.7 é a Ceia do Senhor (Eucaristia) e que At.2.46 é uma refeição comum. Portanto, Genésio não está correto em sua associação com as duas expressões.
Note que todas as dúvidas são dirimidas olhando o grego, não o português. Interessante que a versão siríaca diz em At.20.7: "partir a Eucaristia".
Dois outros textos paralelos utilizados pelos defensores do domingo como dia de adoração a Deus são Jo. 20:26 e I Co 16:2. O primeiro texto diz: Passados oito dias, estavam outra vez ali reunidos os seus discípulos, e Tomé, com eles. Estando as portas trancadas, veio Jesus, pôs-se no meio e disse-lhes: Paz seja convosco!Quem disse que esse texto descreve uma reunião de adoração? O que eles estavam fazendo? Estavam se protegendo ou se escondendo dos judeus. O v. 21 deixa isso claro: Ao cair da tarde daquele dia, o primeiro da semana, trancadas as portas da casa onde estavam os discípulos com medo dos judeus, veio Jesus, pôs-se no meio e disse-lhes: Paz seja convosco!
É estranho que eles estejam se escondendo dos judeus SEMPRE NO PRIMEIRO DIA DA SEMANA. E nos outros? O Dr. Hammond provou de Josefo, que os judeus expressavam uma semana por oito dias.
O outro texto, o de I Co 16:2, onde lemos:...no primeiro dia da semana, cada um de vós ponha de parte, em casa, conforme a sua prosperidade, e vá juntando, para que se não façam coletas quando eu for também não serve para defender o domingo como dia de adoração. Ao recorrermos novamente ao Novo Testamento Interlinear, veremos que, nessa passagem, também há problema nas traduções mais conhecidas: Conforme um de sábado cada um de vós ao lado de si mesmo coloque entesourado o que quer que se seja encaminhado para que não, quando que vá, então coletas venham ocorrer. Nesse texto grego.
Nesse texto grego não aparece nenhuma expressão que possa ser traduzida por "primeiro dia da semana" ou "todos os domingos" (NTLH).
Vejamos o que realmente diz o grego: “kata mian sabbatou”, o qual traduzimos por “no primeiro dia da semana”. Virtualmente TODAS as versões bíblicas traduzem este verso assim. Não há dúvidas: É o primeiro dia da semana. Novamente, o autor parece tentar forçar o grego para dizer “sábado”, o que é indefensável. Macknight traduziu esta frase como "no primeiro dia de todas as semanas" (1). Grosheide declarou o significado como “em todos os domingos" (2) e Hodge disse que significa "a coleção seria feita em todo o dia do Senhor”. (3)
A carta de Plínio para Trajano fornece um testemunho para o fato que os cristãos de sua época (anterior à sua morte em 113 d.C.), eram acostumados a se encontrarem em "um dia" designado; e aqui este dia é um pouco inadvertidamente identificado pelo apóstolo Paulo como todos os domingos.
Aparece, sim, a palavra grega sabatou cujo primeiro significado alistado no Léxico do Novo Testamento Grego/Português é “sábado, o sétimo dia da semana, considerado sagrado pelos judeus”.
Com todo o respeito ao pr. Genésio Mendes, mas ele está equivocado e parece ignorar o contexto todo e o léxico grego. O pr. Genésio parece se esquecer que sabbaton, tanto no singular como no plural, era o meio comum de se referir à semana. Vejamos o que diz o renomado Dicionário Expositório de Palavras do Novo Testamento, de Vine:
sabbaton NT:4521 é usado (a) no plural na frase "no primeiro dia da semana" Mt. 28:1; Mc. 16:2,9; Lc. 24:1; Jo. 20:1,19; At. 20:7 1 Cor 16:2.
Eis a prova. Mais uma? O famoso Léxico do NT Bauer-Danker (BGAD):
b. pl. $h`% mi,a $tw/n% sabba,twn (i.e. h`me,ra) o primeiro dia da semana Mt 28:1b (Just., D. 41, 4; s. Dalman, Gramm. 247; SKrauss, Talm. Archäologie II 1911, 428f; PGardner-Smith, JTS 27, 1926, 179-81); Mc. 16:2; Lc. 24:1; J 20:1, 19; At. 20:7; 1 Cor 16:2 v.l.
Literal e idiomaticamente é «um dos sábados», significando «o primeiro dia depois do sábado»; daí a tradução «primeiro dia da semana». Em ambos os casos, TODOS os léxicos de grego vão mostrar que se trata do primeiro dia da semana, e não do sábado.
A expressão “em casa” também não consta no texto grego.
Correto e não tem mesmo. Mas o mais curioso disto e para demonstrar a incoerência do autor neste ponto, é que em seu livro “A Verdade sobre o drama do Calvário” (doravante VDC), Genésio Mendes entra em contradição com esta lição bíblica:
"Ao primeiro dia da semana cada um de vós ponha em sua casa...".
Isto é luz muito radiante para ser toldada com meros argumentos. Uma vez que essas ofertas eram recolhidas em CADA CASA, não precisava ser em momento marcado, mas a qualquer instante que desejassem os crentes. (pg.139)
Engraçado. Na lição bíblica nº 273 à pág. 66 ele AFIRMA que a expressão “em casa” não consta no texto grego, mas no livro VDC ele AFIRMA que consta! Quanta contradição! Tem ou não? De onde o pr. Genésio achou aqui o “cada casa”?
Logo, a tradução mais apropriada para o versículo seria: Todos os sábados, cada um de vós ponha de parte o que puder ajuntar.
Errado. Nenhuma versão diz isso. kata mian sabbatou se traduz exatamente por “no primeiro dia da semana”, pois sabbatou ousabbaton, era também a maneira do NT de falar da semana.
Fica claro, portanto, que, realmente, no Novo Testamento, nada consta sobre o domingo como dia de repouso. Há, todavia, inúmeras informações de que a igreja reunia-se aos sábados para adoração. O escritor batista Isaltino Coelho Filho, ao comentar sobre o quarto mandamento, honestamente admite isto:
Ainda é cedo para falar isto mas ficou demonstrado que o autor fez duas alegações que não tem base no grego:
1 – Que não existe a expressão “primeiro dia da semana”, sendo que o NT é repleto dela; e
2 – Que “partir o pão” em At.20.7 não é a Eucaristia, sendo que o v. 7 é a Eucaristia, mas o v.11 é uma refeição comum.
As citações que o autor dá para a guarda do sábado, algumas delas, só falam das reuniões no sábado dos judeus nas sinagogas. Era óbvio que Paulo sabia que esta era uma boa hora para pregar a eles. Não é uma comprovação da guarda do sábado por Paulo, mas apenas demonstrando que ele ia à sinagoga, porque era o dia sagrado para os judeus.
Notas:
1 - James Macknight, Apostolical Epistles and Commentary (Grand Rapids, Michigan: Baker Book House, 1969), p. 291.
2 - F. W. Grosheide, The New International Commentary (Grand Rapids, Michigan: Wm. B. Eerdmans Publishing Company, 1953), p. 398.
3 - Charles Hodge, First Epistle to the Corinthians (Grand Rapids, Michigan: Wm. B. Eerdman, Publishing Company, 1974), p. 363.

1 comentários:

Nuno disse...

De facto o Sr. Emerson de Oliveira não esteve bem na tradução do grego. A tradução literal do início de Actos 20:7 é: "mas no 1º da semana". Se lermos o relato da história vemos que a ênfase é posta nos dias: v.6 ...cinco dias... sete dias.... Na análise do grego, o sugeito é retomado do versículo anterior - assim, ficamos com a tradução: "e no primeiro dia da semana....
De facto usar uma versão de lingua corrente não é a melhor opção para fazer análise a textos porque induzem muitos vezes os leitores a erro.

Agora, dizer que o dia de adoração do Senhor é o primeiro dia da semana porque se partiu pão porque Paulo estava só de passagem é que é um pretexto. De facto, Jesus instituiu a santa ceia numa... 5ª feira à noite - isto prova que qualquer dia é bom para praticar a santa ceia. Usar este facto para dizer que o dia é de adoração é um pretexto.