quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Mateus 3:11

[João Batista disse:] "Ele vos batizará no Espírito Santo, e em fogo".

Segundo o livro da Sociedade Torre de Vigia de 1982, You Can Live Forever in Paradise on Earth, (Poderá Viver Para Sem­pre no Paraíso na Terra), (p.40), "João, o Batista, disse que Jesus iria batizar no espírito santo, assim como João havia batizado em água. Assim, da mesma maneira que a água não é uma pessoa, o espírito santo também não é uma pessoa" (Mat. 3:11).

Qual a validade do arrazoado das testemunhas de Jeová contra a personalidade do Espírito Santo? Não é válido de forma alguma! ‑ porque o mesmo "argumento do batismo" poderia ser usado contra a personalidade de Jesus Cristo, que obviamente andou na terra como uma pessoa. Por exemplo, Romanos 6:3 diz: " Ou, por­ventura, ignorais que todos quantos fomos batizados em Cristo Jesus fomos batizados na sua morte? (grifo acrescentado). "Da mesma forma que a morte não é uma pessoa, Jesus Cristo também não é uma pessoa" ‑ este argumento poderia também ser usado. Gálatas 3:27 diz que:"Porque todos quantos fostes batizados em
Cristo vos revestistes de Cristo". Aqui, o raciocínio poderia ser: "Já que as pessoas podem ser batizadas em Cristo e revestidas de Cristo, ele não pode ser uma pessoa". Estas comparações contes­tam a personalidade de Cristo? Não! Então o "argumento do batismo" também não contesta a personalidade do Espírito Santo.
(Veja também as considerações sobre o "derramamento" e o "enchimento" com o Espírito Santo em Atos 2:4. Para mais evidências da personalidade e divindade do Espírito Santo, veja também João 16:13; Atos 5:3, 4; Romanos 8.26,27; e I Coríntios 6:19.)


Mateus 6:9

Portanto, orai vós deste modo: Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome.

As testemunhas de Jeová argumentam que o nome de Deus deve ser santificado, assim elas "provam" que nós devemos usar o nome Jeová, para que as nossas orações sejam ouvidas por Deus. Mas foi isto o que Jesus nos ensinou? Ele começou suas próprias orações com a expressão "Deus Jeová", como fazem as testemunhas de Jeová?

Absolutamente não! Ao mesmo tempo que se mostrava zeloso na oração para que o nome de Deus fosse santificado ou consa­grado (reverenciado como sagrado ou santo), Jesus ensinou os seus discípulos a orar ao "nosso Pai" não a "Deus Jeová". Ele disse: "Portanto, orai vós deste modo: Pai nosso..."

Muitas das orações pessoais de Jesus são registradas na Bíblia, e nestas orações ele deu o mesmo exemplo:
Pai, eu te agradeço... (João 11:41, Tradução do Novo Mundo).
Aba, Pai, todas as coisas são possíveis... (Mar. 14:36, Tradução do Novo Mundo).
Pai, veio a bom... (João17:1, Tradução do Novo Mundo).

As testemunhas de Jeová podem objetar dizendo, "Jesus tinha uma relação íntima e especial com o Pai. É por isso que ele não se dirigia a Deus como 'Jeová'". Nós podemos reconhecer que  há  alguma verdade nisto,  mas o propósito de Jesus era
levar todos os seus discípulos a uma relação íntima e especial com Deus. "Nin­guém vem ao Pai senão por mim", Jesus ensinou (João 14:6, Tra­dução do Novo Mundo). A respeito dos cristãos que chegaram ao Pai através de Cristo, a Bíblia diz "...mas recebestes o espírito de adoção, como filhos, pelo qual clamamos: Aba, Pai! O próprio espírito dá testemunho com o nosso espírito de que somos filhos de Deus" (Rom.8:15,16,Tradução do Novo Mundo).
É óbvio que as palavras de Jesus em Mateus 6:9 definitivamente não ensinam que haja necessidade de se usar o nome Jeová na oração.

Mateus 24:3,4

E estando ele sentado no Monte das Oliveiras, chegaram‑se a ele os seus discípulos em particular, dizendo: Declara‑nos quando serão essas coisas, e que sinal haverá da tua vinda e do fim do mundo. Respondeu‑lhes Jesus: Acautelai‑vos, que ninguém vos engane.

Infelizmente, as testemunhas de Jeová já foram enganadas por alguém, e nós devemos cuidar para que elas não nos enganem. A Sociedade Torre de Vigia também usa a palavra "vinda" em sua Tradução do Novo Mundo, usando esta passagem como base para ensinar seus seguidores que Jesus retornou invisivelmente no ano de 1914, e que ele tem estado presente desde então. Fazendo o quê? Dirigindo a Sociedade Torre de Vigia, naturalmente!
No mesmo contexto, Jesus advertiu contra tal engano: "...hão de surgir muitos falsos profetas, e enganarão a muitos; ...Se, pois, alguém vos disser: Eis aqui o Cristo! ou: Ei‑lo aí! não acrediteis; porque hão de surgir falsos cristos e falsos profetas,  e  farão  grandes  sinais  e  prodígios;  de  modo que,  se   possível   fora,
enganariam até os escolhidos. Eis que de antemão vo-lo tenho dito. Portanto, se vos disserem: Eis que ele está no deserto; não saiais; ou: Eis que ele está no interior da casa; não acrediteis" (v. 11, 23-26).
Na verdade, os líderes da Sociedade Torre de Vigia afirmam que Cristo está nas "dependências internas" de sua organização. Você deve vir às Testemunhas de Jeová para receber instruções dele. Felizmente, no entanto, há um número de evidências que ajudam uma testemunha de Jeová a perceber que isto não passa de um grande engano.
Primeiramente, há a questão da profecia. A Sociedade Torre de Vigia tem tamanha história de profecias fracassadas que se qualifica para o rótulo de "falso profeta" muitas vezes. (Veja nossas considerações sobre Deut. 18:20-22 para exemplos específicos do que a organização profetizou para os anos de 1914, 1925 e 1975.)

Há também o fato de que a história delas continua se modificando. Uma coisa é alegar que Cristo retornou invisivelmente em 1914, mas outra é fazer esta alegação depois de passar cinqüenta anos dizendo às pessoas que ele retornou invisivelmente em 1874 - e então mudar de idéia. Ainda assim, a Sociedade Torre de Vigia fez exatamente isso. Quando a revista A Sentinela começou a ser publicada em 1879, seu título original era Zion's Watch Tower and Herald of Christ's Presence (A Sentinela de Sião e Arauto da Presença de Cristo). E, 50 anos depois, no livro Prophecy (A Profecia) de J. F. Rutherford, esta "presença" de Cristo desde 1874 estava sendo proclamada: "A prova escritural [bíblica] é que a segunda presença do Senhor começou em 1874". (p. 65). Agora a Sociedade Torre de Vigia diz que ele retornou em 1914. Assim, elas próprias admitem que agiram como falsos profetas, anunciando a presença de Cristo que não estava aqui, desde 1874 até 1914.
Alegando que Jesus está invisivelmente presente e governando a terra através dos líderes da Sociedade Torre de Vigia, as testemunhas ensinam a seus seguidores que: "No primeiro século, Jerusalém foi lugar de onde foi dada instrução à organização cristã (At. 15:1,2). Mas hoje a orientação vem de Brooklyn, Nova York" (A Sentinela, 01/12/82, p. 23, edição norte-americana). Em vista de tal evidência, no entanto, uma  testemunha  de  Jeová  deveria,  individualmente,  continuar  com  a
obediência a esses homens que lhe é imposta pelo medo? Ouçamos a resposta das Escrituras: "Quando o profeta falar em nome do Senhor e tal pa­lavra não se cumprir, nem suceder assim, esta é a palavra que o Senhor não falou; com presunção a falou o profeta; não o temerás" (Deut.18:22).


Mateus 24:14

E estas boas novas do reino serão pregadas em toda a terra habitada, e m testemunho a todas as nações; e então virá o fim (Tradução do Novo Mundo).

Este versículo é um dos favoritos das testemunhas de Jeová em qualquer situação. Mas elas lêem nele um número de idéias que vão além daquilo que realmente diz. Acreditam que Jesus voltou invisi­velmente no ano 1914 e "estabeleceu" o reino de Deus no céu naquela época, com a Sociedade Torre de Vigia como sua organização visível na terra. Assim, para que recebam vida eterna, as pessoas precisam "vir à organização de Jeová para salvação" (A Sentinela, 15/11/81, p.21, edição norte‑americana).
Quando as testemunhas de Jeová pregam seu "evangelho" ou "boas‑novas" do reino, estão, na verdade, pregando a doutrina do retorno invisível de Cristo em 1914. Reconhecem livremente que "as boas‑novas" que pregam não são o mesmo que o evangelho ou boas‑novas, pregadas pelos cristãos através dos séculos. Mas pensam que é maravilhoso que tenham boas‑novas diferentes.

... o testemunho do reino das testemunhas de Jeová desde 1914 tem sido algo muito diferente daquilo que os missionários da cristandade têm pu­blicado tanto antes quanto desde 1914. "Diferente" ‑ como assim? ... O que as testemunhas de Jeová têm pregado ao mundo desde 1918 é algo único... a pregação dessas boas‑novas do reino messiânico como tendo sido estabelecido nos céus em 1914... (A Sentinela, 01/10/80, p. 28‑29, edição norte‑americana).

Mas a Bíblia adverte claramente sobre a pregação de outro evangelho:

No entanto, mesmo que nós ou um anjo do céu vos declarássemos como boas‑novas algo além daquilo que vos declaramos como boas‑novas, seja amaldiçoado. Como já dissemos, tanibé m digo agora novamente:
Quem quer que vos esteja declarando conto boas‑novas algo além daquilo que aceitastes, seja amaldiçoado (Gál.1:8,9, Tradução do Novo Mundo).

Pergunte à testemunha de Jeová, "o apóstolo Paulo ensinou a seus discípulos na Galácia que Cristo retornaria em 1914 e que esta­beleceria uma organização visível com sede em Brooklyn, Nova York?" Se não, então, as boas‑novas dos líderes da Torre de Vigia são "algo além" daquilo que os gálatas aceitaram ‑ o que os coloca debaixo da maldição de Deus por ensinar outro evangelho.


Mateus 24:34

Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas essas coisas se cumpram.

Que geração? Este assunto é um ponto de debate entre os leito­res cristãos d a Bíblia ‑ mas não entre as testemunhas‑de‑Jeová, porque sua organização disse especificamente que "a evidência aponta para a geração de 1914 como a geração sobre a qual Jesus falou. Assim, `esta geração não passará, de forma alguma, até que estas coisas (incluindo o Apocalipse) ocorram' " (A Sentinela, 15/02/86,p.5,edição norte‑americana).
Por muitos anos, cada edição da revista Despertai! tem apresen­tado sua declaração de intenções na página 2: "Mais importante, esta revista edifica a fé na promessa do Criador de uma nova ordem pacífica e serena antes que a geração que viu os eventos de 1914 pereça." A edição de Despertai!, de 8 de outubro de 1968, definiu essa geração ainda mais precisamente dizendo: "Jesus estava obviamente falando sobre aqueles que eram velhos o bastante para testemunhar com entendimento sobre o que aconteceu ",sugerindo que esses seriam "jovens de 15 anos de idade" (p. 13). Eles dis­seram com toda segurança que "a `geração' logicamente não se aplicaria a bebês nascidos durante a I Guerra Mundial" (A Sen. tinela,01/10/78,p.31,edição norte‑americana).
É preciso apenas calcular que alguém que tivesse 15 anos em 1914 estaria com 25 anos em 1924,35 em 1934 ‑ e 85 em 1984 ‑ para perceber que a geração da Torre de
Vigia "que não passará" estaria quase extinta em meados dos anos 80. A profecia estava quase fracassando. Mas eles não mudaram a profecia, antes os lideres das Testemunhas de Jeová simplesmente estenderam a geração. Ao invés de 15 anos de idade, de quem poderia teste­munhar "com entendimento" o que aconteceu em 1914, eles começaram a indicar que a geração seria formada daqueles que "nasceram por aquele tempo" (os mesmos bebês que haviam ex­cluído anteriormente!), dizendo: "Se Jesus usou 'geração' neste sentido e nós a aplicarmos para 1914, então os bebês daquela geração têm hoje 70 anos de idade ou mais" (A Sentinela, 15/05/84, p.5, edição norte‑americana).

Cristãos genuínos oram ansiosamente pelo retorno do Senhor. E nós esperamos e espreitamos a sua vinda. Mas aqueles que fazem falsas profecias se encaixam na categoria daqueles acerca dos quais o Senhor nos preveniu dizendo: "porque hão de surgir falsos cristos e falsos profetas, e farão grandes sinais e prodigios; de modo que, se possível fora, enganariam até os escolhidos" (Mat. 24:24).
(Para obter maiores informações sobre a história centenária da Sociedade Torre de Vigia como falso profeta, veja nossas consi­derações sobre Deuteronômio 18:20‑22.)

Mateus 24:45‑47

Quem é realmente o escravo fiel e discreto a quem eu, o seu anjo, designou sobre os seus domésticos para dar‑lhes o alimento no tempo apropriado? Feliz aquele escravo, se o seu amo, ao chegar, o achar fazendo assim. Deveras eu vos digo: Ele o designará sobre todos os seus bens (Tradução do Novo Mundo).

Este é um texto‑chave para as testemunhas de Jeová. Elas apli­cam uma única interpretação a esta parábola. Ao invés de a enten­derem como uma exortação a cada cristão, desafiando‑o a ser um "escravo" fiel e diligente para Cristo, acreditam que a sua organi­zação representa o escravo fiel e discreto, ungido por Deus para prover "alimento espiritual" para os domésticos da fé. Esta inter­pretação dá à sede da Torre de Vigia uma tremenda autoridade e poder aos olhos das testemunhas de Jeová.
Por exemplo, note como A Sentinela, de l° de dezembro de 1981, eleva a organização acima da Biblia e cria um contingente daqueles que ganham a vida eterna seguindo a Sociedade Torre de Vigia:

O Deus Jeová também nos deu sua organização visível, seu "escravo fiel e discreto", formado por aqueles que são ungidos pelo espírito para ajudar cris­tãos em todas as nações a compreender e aplicar a Bíblia de maneira apro­priada em suas vidas. A menos que estejamos em contato com este canal de comunicação que Deus está usando, nós não alcançaremos progresso na estra­da para a vida, não importa o quanto leiamos a Bíblia (p.27).

Bem‑aventurados, na verdade, são aqueles que servem lealmente ao lado desta organização que é o "Escravo fiel e discreto", o agente visível de comunicação usado por Deus! Sua escolha é sábia, porque o seu caminho leva ao objetivo precioso da vida eterna... (p. 31).

Talvez eu deva mencionar aqui, como um comentário pessoal, que a declaração acima, especialmente a da página 27, que eleva a organização acima da Bíblia, se tornou a "última gota" ‑ a gota que fez transbordar o copo ‑ no meu relacionamento com a Sociedade Torre de Vigia. Foi depois de ler esta declaração que eu levantei a minha voz, questionando os argumentos da organização, publicamente, em encontros nos Salões do Reino e secretamente publicando meu boletim, Comments from the Friends (Comentá­rios dos Amigos), cuja primeira edição trata do texto mencionado acima. (Veja o capitulo 7, "O Testemunho do Autor", para mais detalhes.) Infelizmente, a vasta maioria das testemunhas de Jeová continua condicionada a tal ponto que aplaude este tipo de decla­ração e, cegamente, segue a Sociedade para onde quer que a conduza.
Originalmente, foi Charles Russell, o fundador e primeiro pre­sidente da Sociedade Torre de Vigia, quem foi visto pessoal e individualmente como "o servo sábio e fiel" de Mateus 24:45. Depois de sua morte houve uma grande divisão dentro da organiza­ção, com adeptos do novo presidente, Joseph F. Rutherford, assumindo controle completo, e os membros fiéis ao Pastor Russell saindo para formar outras seitas,  algumas  das  quais  existem  até  hoje. Esses grupos russelitas
modernos continuam a imprimir os livros do pastor, respeitando‑o como o mensageiro especial de Deus para a igreja. Os seguidores de Rutherford insistem que Russell nunca alegou ser o "servo sábio e fiel", mas que a Sociedade Torre de Vigia como um todo era o instrumento escolhido de Deus.
É muito difícil dissuadir as testemunhas de Jeová de sua crença. Aceitam qualquer coisa que a Sociedade diga porque a Sociedade é o canal de comunicação de Deus, que, por sua vez, elas acreditam ser a única organização religiosa em toda a terra que ensina a verdade ‑ uma conclusão que defendem porque acreditam em qualquer coisa dita pela Sociedade. Embora este seja um argu­mento circular, ele descreve a maneira de pensar das testemunhas ­de Jeová. Em algum momento depois do chamado "estudo da Biblia", ou programa doutrinário, que originalmente traz o indi­víduo para a organização, seus argumentos são torcidos e conec­tados de ponta a ponta, de modo que a testemunha de Jeová pensa em círculos, não numa seqüência linear. Esta é a razão pela qual você pode ir e vir com uma testemunha de Jeová e não chegar a lugar algum. Também poderíamos chamar este processo de lavagem cerebral.
A chave para se quebrar este circulo vicioso é dar ao individuo alguma informação que abale seus pensamentos o suficiente para tirar da sua cabeça as marcas que o fazem andar e pensar desta maneira. Este processo pode ser lento e demorado. Mas pode ser feito.
(Para auxiliá‑lo, veja também o capitulo 6 sobre as técnicas para compartilhar o evangelho).



Mateus 26:27

E tornando um cálice, rendeu graças e deu‑lho, dizendo: Bebei dele todos.

A Sociedade Torre de Vigia tem ensinado aos seus seguidores a não cumprir esta instrução claramente dada por Jesus Cristo. Quando as testemunhas de Jeová promovem a sua celebração de comunhão, que é feita anualmente, o pão e o cálice passam de mão em mão e muito poucos tomam parte deles. (Estatísticas relatadas em A Sentinela, 01/10/86, revelaram que de 7.792.109 pessoas presentes à celebração em 1985, apenas 9.051 participaram. Desta forma, da maior parte das 49.716 congregações das testemunhas de Jeová espalhadas pelo mundo, não houve um único participante.)
Ao não cumprirem as instruções de Jesus "Bebei dele todos", as testemunhas de Jeová estão obedecendo a instruções dadas por seus líderes, que os têm ensinado que os novos crentes desde o ano de 1935 não podem compartilhar da Nova Aliança mediada por Jesus Cristo (Heb. 12:24); "Aqueles que pertencem à classe das 'outras ovelhas' não pertencem à nova aliança e dela não tomam parte" (A Sentinela, 15/02/86, p.15, edição norte‑americana).

Mas, falando a respeito da aliança redentora representada na comunhão, Jesus disse: "A menos que comais a carne do Filho do homem e bebais o seu sangue, não tendes vida em vós mesmos" (João 6:53, Tradução do Novo Mundo). Se as testemunhas se excluem da Nova Aliança, elas se excluem da vida eterna.
Peça à testemunha de Jeová para lhe mostrar um verso bíblico no qual Jesus estabelece o ano de 1935 como a data na qual deveria se inspirar suas instruções a respeito da comunhão. Não existe tal verso. Ao invés disso, Jesus disse: "Persisti em fazer isto em memória de mim" (Luc. 22:19, Tradução do Novo Mundo).
Extraido do livro As Testemunhas de Jeová refutada versículo por versículo. 

0 comentários: