sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Mais uma falácia



Esse garoto aí no vídeo tenta desculpar as falsas profecias da Torre de Vigía, datas profetizada por esta seita que a muitos enganou dizendo que o fim do mundo estaria chegando, ele diz que as profecias predita pelas Testemunhas de Jeová são falíveis, mas, muitos dos artigos desta seita provam o contrário.
Assista o vídeo e depois compare com o outro vídeo abaixo, veja a contradição deste garoto.

O que diz uma das revistas:

"Não vemos qualquer razão para mudar os números — nem poderíamos mudá-los se quiséssemos. Estas são, como cremos, datas de Deus, não nossas. Mas tenham em mente que o fim de 1914 não é a data do início, mas do fim do tempo de tribulação." - A Sentinela, 15/07/1894 (=Reimpressões, pág. 1677), em inglês.





Leia o artigo abaixo, e reflita.


"O que Jesus queria dizer ao mencionar que seu escravo fiel seria discreto?"

(A Sentinela, 1º de setembro de 2007, p. 31)



Por fim, em junho de 1939, quando eu tinha 18 anos de idade, fui batizado no rio Severn. No mesmo a no fui também designado servo e ncarregado do som. Naqueles dias usávamos um fonógrafo com amplificador e alto-falante que tocava em praças públicas a mensagem “A Religião É Laço e Extorsão”. Naquele tempo dava-se ênfase a expor a hipocrisia e os ensinos falsos da cristandade.

Certa vez eu estava na frente dum desfile, com uma faixa que proclamava num lado “A Religião É Laço e Extorsão” e no outro “Sirva a Deus e a Cristo, o Rei”. Acompanhava-nos um pônei com grandes cartazes em ambos os lados, anunciando o discurso público. Que cena deve ter sido este desfile na cidade muito religiosa de Gloucester!

Relato de John Wynn, publicado na "Sentinela" de 1º de setembro de 1997.



Gravuras: Livro "Proclamadores", p. 87 e "Sentinela", 01/04/88, p. 16



Ao longo das décadas, o "escravo fiel e discreto" (i.e., a Torre de Vigia) tem pregado a sua mensagem de diversas maneiras, dentre elas: carros com amplificadores, fonógrafos às portas de residências, passeatas com cartazes e "homens sanduiches", testemunho de casa em casa etc. Ao fazer este trabalho, o "escravo fiel" diz que está simplesmente seguindo a "orientação" que recebe de Jeová, de maneira semelhante aos antigos profetas de Israel, conforme deixa bem claro a revista "Sentinela":

"As pessoas hoje podem ver as obras criativas. Têm em mãos a Bíblia, mas ela é pouco lida ou compreendida. Portanto, tem Deus algum profeta para ajudá-las, para adverti-las dos perigos e para declarar-lhes coisas futuras? Identificação do profeta: A estas perguntas pode-se responder na afirmativa. Quem é este profeta?.... Hoje são conhecidos como testemunhas cristãs de Jeová." - A Sentinela, 01/10/1972, p. 581.

Diversos ensinos muito ousados já foram publicados pela Torre de Vigia no decorrer dos anos. Vejamos, então, algumas mensagens que o "profeta fiel e discreto" já declarou:

"Não vemos qualquer razão para mudar os números — nem poderíamos mudá-los se quiséssemos. Estas são, como cremos, datas de Deus, não nossas. Mas tenham em mente que o fim de 1914 não é a data do início, mas do fim do tempo de tribulação." - A Sentinela, 15/07/1894 (=Reimpressões, pág. 1677), em inglês.

"Antes dessa data [1914] o Reino de Deus, organizado em poder, estará na terra e então golpeará e esmagará a imagem gentia (Dan. 2: 34) - e consumirá completamente o poder destes reis." - Vol. II da série Aurora do Milênio, mais tarde chamada de Estudos das Escrituras, de 1889, pp. 77, 78, em inglês. (Algumas das predições foram ligeiramente alteradas em edições posteriores).

"À luz dos textos bíblicos supracitados se prova que a primavera de 1918 trará à cristandade um espasmo de angústias ainda maiores do que as experimentadas no outono de 1914.... As repúblicas desaparecerão no outono de 1920. Todo o reino da terra passará, será tragado pela anarquia." - Livro O Mistério Consumado, de 1917, pp. 62, 258.

"Portanto, podemos seguramente esperar que 1925 marcará a volta às condições de perfeição humana, de Abraão, Isaac, Jacob e os antigos profetas fiéis." - Livro Milhões que Agora Vivem Nunca Jamais Morrerão, de 1920, p. 112.

"Nenhum menino entrou na arca [de Noé] nem tão pouco nasceu algum ali, e, portanto, nenhum saiu da arca. Somente oito pessoas entraram e oito saíram da arca.... Isso pareceria indicar ser próprio para aqueles que formarão a 'grande multidão' esperar até depois do Armagedom para gerarem filhos." – Livro Filhos, de 1941, pp. 241, 242.

"Ao receberem o presente [o livro "Filhos", escrito por Rutherford] as crianças em fila o abraçaram, não como um brinquedo ou passatempo, mas como o instrumento provido pelo Senhor para a maior parte do trabalho efetivo nos meses que restam antes do Armagedom." - A Sentinela, 15/09/1941, p. 288, em inglês.

"O irmão Rutherford anunciou o lançamento do livro Children (Filhos), que foi recebido com brados de alegria e tremendos aplausos. Depois disso, o orador, um homem alto, participou na distribuição de exemplares grátis do livro ao passo que uma longa fileira de jovens subia à tribuna e passava diante dele. Esta cena fez muitos chorar de emoção." - Livro Testemunhas de Jeová, Proclamadores do Reino de Deus, de 1993, p. 86.

“Se é jovem, também precisa encarar o fato de que jamais se tornará velho no atual sistema de coisas. Por que não? Porque toda evidência em cumprimento da profecia bíblica indica que este corrupto sistema de coisas deverá terminar dentro de poucos anos.” - Despertai!, 22/11/1969, p. 15, § 3.

"Dentro em breve, no nosso século vinte, começará a 'batalha no dia de Jeová'." - Livro As Nações Terão que Saber que Eu Sou Jeová, de 1973, p. 200, § 9.

"Por que se edita 'Despertai!": .... esta revista gera confiança na promessa do Criador sobre um novo mundo pacífico e seguro, antes que desapareça a geração que viu os acontecimentos de 1914." - Despertai!, 08/01/.1989, p. 4.

“Receberam-se notícias a respeito de irmãos que venderam sua casa e propriedade e que planejam passar o resto dos seus dias neste velho sistema de coisas empenhados no serviço de pioneiro. Este é certamente um modo excelente de passar o pouco tempo que resta antes de findar o mundo iníquo.” - Ministério do Reino, julho de 1974.

Muitos críticos das Testemunhas de Jeová, ao verem as enfáticas declarações acima, dizem que o texto de Deuteronômio 18:21, 22 se aplica à Torre de Vigia. Esta passagem bíblica diz:

"Como saberemos qual a palavra que Jeová não falou? Quando o profeta falar em nome de Jeová e a palavra não suceder nem se cumprir, esta é a palavra que Jeová não falou. O profeta proferiu-a presunçosamente. Não deves ficar amedrontado por causa dele.’ "

Também mencionam a advertência que Jesus deu aos apóstolos, de que eles não deviam se preocupar com datas ou expectativas sobre o tempo do fim e o estabelecimento do reino:

"Tendo-se eles então reunido, perguntavam-lhe: 'Senhor, é neste tempo que restabeleces o reino a Israel?' Disse-lhes ele: 'Não vos cabe obter conhecimento dos tempos ou das épocas que o Pai tem colocado sob a sua própria jurisdição.' " - Atos 1:6-7.

Certamente alguns se perguntam como homens que já publicaram profecias erradas que diziam ser de Deus e de maneiras nem sempre tão discretas, podem ser chamados de "escravo fiel e discreto". Talvez seja por isso que a Torre de Vigia resolveu explicar, nesta edição da "Sentinela" de 1º de setembro de 2007, em que sentido o seu grupo de escritores é "fiel e discreto".


Sentinela, 01/09/2007

Dentre outras coisas, o artigo diz: "O seguidor discreto, ou prudente, de Jesus é o que prevê as más conseqüências de seguir a sabedoria humana. Seu discernimento e bom senso o levam a firmemente basear sua fé, ações e ensinamentos no que Jesus ensinou. 'O escravo fiel e discreto' também age assim.... Assim, quando Jesus disse que o escravo fiel era discreto, ele indicou que os representados por esse escravo mostrariam discernimento, prudência e bom senso porque baseariam sua fé, ações e ensinamentos na Palavra de Deus."

O artigo, entretanto, não mencionou os ensinos errados que foram citados acima, os quais na época que foram publicados eram considerados como vindo do próprio Jeová! Portanto, não se explicou como eles foram resultado de "discernimento, prudência e bom senso" e nem em que sentido eles eram baseados na Bíblia, visto que a Bíblia não os mencionam...


1 comentários:

Nuno disse...

Vendo o primeiro video das TJ, se na sua revista de 15 Dezembro 1896 dizem que os seus escritos não são escritos infalíveis e se se consideram profetas, ou sejam e que pregam a mensagem de Deus, então só podemos tirar daqui duas conclusões credíveis:

1 – Que as TJ pregam uma mensagem que pode não ser infalível, logo a mensagem não vêm de Deus e sim, vem da própria intituição que são homens.
2 – Que as TJ não são profetas da parte de Deus pois não falam em nome de Deus pois Deus nunca falha. Ora se não são profetas da parte de Deus, são então, falsos profetas.


Fundamentos Bíblicos:

“Eis que vou hoje pelo caminho de toda a terra; e vós sabeis em vossos corações e em vossas almas que não tem falhado uma só palavra de todas as boas coisas que a vosso respeito falou o Senhor vosso Deus; nenhuma delas falhou, mas todas se cumpriram.” (Josué 23:14)

“Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa. Porventura, tendo ele dito, não o fará? ou, havendo falado, não o cumprirá?” (Números 23:19)

“Se algum homem, andando em espírito de falsidade, mentir, dizendo: Eu te profetizarei acerca do vinho e da bebida forte; será esse tal o profeta deste povo.” (Miqueias 2:11) – e podemos concluir que esse profeta é só desse povo e não é um profeta de Deus pois não fala mediante a vontade de Deus.

“Não que a palavra de Deus haja falhado. Porque nem todos os que são de Israel são israelitas” (Romanos 9:6)

“Porque a profecia nunca foi produzida por vontade dos homens, mas os homens da parte de Deus falaram movidos pelo Espírito Santo.” (2 Pedro 1:21)

“A testemunha mentirosa perecerá; mas o homem que ouve falará sem ser contestado.” (Provérbios 21:28)