quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Deve o cristão guardar o sábado?

Por Ronald E. Watterson

O sábado é mencionado frequentemente na Bíblia, especialmente no Velho Testamento. Estas constantes menções indicam que o assunto é muito importante e merece um estudo cuidadoso.
Em nossos dias é um assunto polémico, mas nem por isso devemos deixar de examiná-lo. Devemos, sim, deixar de lado o que os homens falam e considerar o que as Escrituras Sagradas dizem a respeito. Vamos observar primeiramente o que a Bíblia revela sobre

A História do Sábado
Embora não encontremos a palavra "sábado", na Bíblia, até chegarmos em Êxodo capítulo 16, cerca de 2.500 anos depois de Adão, a doutrina do sábado começa com a criação do homem, quando Deus trabalhou seis dias e no sétimo dia descansou de toda a Sua obra. “E abençoou Deus o dia sétimo, e o santificou" (Gn 2.3).
Apesar do silêncio da Palavra de Deus quanto ao sábado, nos primeiros 2.500 anos da história humana, é provável que os fiéis o observassem durante aquele tempo. Quando Israel estava no deserto, Deus lhes deu o maná durante seis dias e avisou que no sétimo dia não haveria maná, pois aquele dia era "o santo sábado do Senhor" (Ex 16.23). Esta declaração, sem nenhuma explicação, leva-nos a crer que o sábado não lhes era desconhecido. Notemos, a seguir,

O Sábado Dado a Israel
Nos dias de Moisés o sábado foi dado à nação de Israel (Ex 16.29) e a partir daquele tempo a sua história fica mais clara. Ele foi incluído nas leis da aliança que Deus fez com Israel, sendo escrito pelo dedo de Deus na tábua de pedra, e também por Moisés no livro da lei (Ex 24.4; Dt 31.24).
Entre as outras leis, o sábado assumiu um lugar destacado para Israel, pois Deus o deu por sinal da aliança. Assim como Deus estabeleceu a circuncisão como sinal da aliança que fez com Abrão (Gn 17.11), o sábado foi estabelecido como sinal da aliança entre o Senhor e Israel (Ex 31.13,17 e Ez 20.12).
O sábado não foi dado às outras nações, mas exclusivamente a Israel, como sinal da sua posição privilegiada, em concerto com o Senhor. Este facto é confirmado quando Moisés exortou o povo e disse: “E que gente há tão grande, que tenha estatutos e juízos tão justos como toda esta lei que hoje dou perante vós?” (Dt 4.8). A lei, incluindo o sábado, foi dada com exclusividade a Israel. Notemos, ainda,

O Sábado Ampliado
Ao dar o sábado a Israel, Deus o ampliou. A partir daquele tempo o sábado não seria apenas o sétimo dia de cada semana: mais dias além do sábado seriam “sábados do Senhor”. O Dia da Expiação, por exemplo, que é o décimo dia do sétimo mês, seria “sábado de descanso” (Lv 16.29-31), mas este dia poderia cair no começo, no meio, ou no fim da semana, dependendo do ano.
A terra também teria o seu sábado. O povo poderia cultivar a terra seis anos, mas o sétimo seria “sábado de descanso para a terra, um sábado ao Senhor” (Lv 25.4). Naquele ano não poderiam semear o campo, nem podar a vinha. Mas convém que notemos, agora,

O Sábado Profanado
Israel foi infiel; não guardou os sábados ao Senhor. Profanou o sábado ainda no deserto, antes mesmo de entrar na terra prometida.
Referindo-se àqueles anos no deserto, Deus disse: "Também lhes dei os meus sábados... mas... Israel se rebelou contra mim no deserto... e profanaram grandemente os meus sábados” (Ez 20.12-13). Após a entrada na terra, a avareza levou o povo a considerar o sábado como um peso desagradável e difícil de suportar. Diziam: “Quando passará o sábado, para abrirmos os celeiros de trigo, diminuindo o efa, e aumentando o siclo”(Am 8.5). Tal hipocrisia era insuportável a Deus e a repreensão veio nas palavras do profeta: “O incenso é para mim abominação... e os sábados; ... não posso suportar iniqüidade, nem mesmo o ajuntamento solene" (Is 1.13).

O Sábado Interrompido
Por causa daquela iniquidade e hipocrisia, Deus tirou de Israel os Seus sábados. Ele disse, por intermédio do profeta: Farei cessar todo o seu gozo, as suas festas, as suas luas novas, e os seus sábados...”(Os 2.11). Ele afirmou ainda, através de Jeremias: “O Senhor em Sião pôs em esquecimento a solenidade e o sábado, e na indignação da Sua ira rejeitou com desprezo o rei e o sacerdote” (Lm 2.6).

O Sábado Reestabelecido
Apesar da profanação do sábado por parte de Israel, Deus não abandonou o Seu propósito. Ele ainda há de restaurar o Seu povo e esta nação ainda guardará os sábados ao Senhor. As promessas feitas a Abrão serão cumpridas e o sábado será observado. Descrevendo aqueles dias gloriosos que ainda estão por vir, Ezequiel fala dos holocaustos e das ofertas que serão trazidas nas luas novas e nos sábados (Ez 45.17). O mesmo profeta fala da porta do átrio interior do templo que será reconstruído e diz que “estará fechada durante os seis dias, que são de trabalho; mas no dia de sábado ela se abrirá” (Ez 46.1; veja também Ez 46.3, 4, 12). Agora, voltemos a nossa atenção para

Um Detalhe Importante
Considerando a história do sábado, é importante observar que não há mandamento algum para a igreja guardar o sábado. E isto não é uma omissão. Deus não omitiu da Sua Palavra coisa alguma que fosse necessária ao Seu povo (veja 2 Tm 3.17). Longe de apresentar qualquer mandamento para guardar o sétimo dia, o Novo Testamento mostra que o cristão que estima um dia acima do outro é um cristão fraco (Rm 14.1-6). Reforçando isto, Paulo disse, escrevendo aos Colossenses: “Portanto ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados” (Cl 2.16). Vemos, ainda, que, na carta aos Gálatas, escrita a igrejas que estavam começando a guardar dias, Paulo disse: “... Agora, conhecendo a Deus... como tornais outra vez a estes rudimentos fracos e pobres, aos quais de novo quereis servir? Guardais dias... receio de vós, que não haja trabalhado em vão para convosco” (Gl 4.9-11). Esta preocupação do apóstolo com relação aos gálatas deixa muito claro que o cristão que guarda o sábado, ou qualquer outro dia, está cometendo um erro gravíssimo e está jogando por terra a obra que Deus está fazendo.

O Propósito e o Significado do Sábado
Um dia, quando o Senhor passava pelas searas, com Seus discípulos, estes começaram a colher espigas e foram severamente criticados pelos fariseus (veja Marcos 2.23-28). Respondendo as críticas, o Senhor afirmou ser o Senhor do sábado e revelou, pelo menos em parte, o propósito do mesmo.

Para o Homem
Ele disse: “O sábado foi feito por causa do homem, e não o homem por causa do sábado” (v. 27). O sábado nunca foi uma restrição, ou uma exigência pesada que Deus impôs ao homem, mas sim uma bênção. Deveria ser uma ocasião alegre e benéfica para o homem.
No Velho Testamento vemos a maneira como este dia deveria ser uma bênção para o homem. Traria benefícios físicos, pois seria um dia de descanso depois de seis dias de trabalho (Êx 20.10). Quando esta lei foi dada a Israel, Deus relacionou este descanso semanal com a Sua própria obra na criação: “Porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, o mar, e tudo que neles há, e ao sétimo dia descansou: portanto abençoou o Senhor o dia de sábado, e o santificou”(Êx 20.11). Quando, porém esta lei foi repetida na campina ao oriente do Jordão, Deus mencionou outro propósito do sábado. “Guarda o dia de sábado...seis dias trabalharás... mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus; não farás nenhuma obra nele...Porque te lembrarás que foste servo na terra do Egito, e que o Senhor teu Deus te tirou dali com mão forte e braço estendido” (Dt 5.l2-13).
O sábado, portanto, seria um dia de descanso físico e também seria um dia de recordação das bênçãos recebidas do Senhor. Seria uma bênção para o corpo e também para a alma.

Para Deus
Foi de facto uma dádiva preciosa que Deus deu ao povo de Israel (Êx 16.29), mas convém observar que não é somente “o sábado do Senhor” (Êx 16.23), é também “um sábado ao Senhor” (Êx 31.15). Ao mesmo tempo que proporcionava descanso e refrigério ao homem, deveria proporcionar algo também a Deus. Ao deixar de lado a preocupação com as coisas materiais, o homem deveria ocupar-se com as coisas espirituais, e assim Deus receberia adoração e louvor.
Além do propósito imediato de proporcionar ao homem descanso e trazer a Deus honra e louvor, havia algo mais, na celebração do sétimo dia. Era uma sombra “das coisas futuras” (Cl 2.17). Vejamos vários aspectos disto.

O Descanso em Canaã
Logo que o pecado entrou no jardim do Eden, o descanso de Deus foi interrompido e Ele se pôs a trabalhar (Jo. 5.17). O sábado não seria mais uma expressão do descanso do Criador, mas sim, uma sombra dum descanso futuro, baseado na obra perfeita terminada pelo Senhor Jesus Cristo.
Em primeiro lugar, prefigurava o descanso que Deus queria dar ao povo de Israel em Canaã. Moisés disse àquele povo: “Até agora não entrastes no descanso ...mas passareis este Jordão, e habitareis na terra que vos fará herdar o Senhor vosso Deus; e vos dará repouso dos vossos inimigos... ”(Dt 12.9-10).
Num sentido limitado, este descanso foi alcançado nos dias de Josué, pois “o Senhor lhes deu repouso em redor, conforme a tudo quanto jurara a seus pais”(Hb. 4.8).
O descanso em Canaã não permaneceu, e Deus falou ainda dum descanso futuro (Sl 95.8-11).

Descanso para o Mundo no Milênio
Um dia Satanás será preso no abismo (Ap 20.1-3); todo inimigo será derrotado (1 Co 15.25); a criação deixará de gemer (Rm 8.22-23); e a terra há de gozar o seu sábado. O profeta anunciou isto ao dizer: “Já descansa, já está sossegada toda a terra! exclamam com júbilo” (Is 14.7). O mesmo profeta ainda disse: ”As nações perguntarão pela raiz de Jessé, posta por pendão dos povos, e o lugar do seu repouso será glorioso”(Is 11.10).

O Descanso Eterno
Este maravilhoso descanso milenar, porém não perdurará. Satanás será solto da sua prisão e sairá para enganar as nações que estão nos quatro cantos da terra, liderando uma última rebelião contra Deus.
Mas ele será derrotado, e lançado no lago de fogo. Os mortos serão julgados e haverá um novo céu e uma nova terra onde habita a justiça (2 Pe 3.13 e Ap 21.1). Deus será tudo em todos e será glorificado naquele descanso eterno.

O Descanso presente em Cristo
O sábado é a sombra; a substância é Cristo (Cl 2.16-17). Por isto, não nos ocupamos mais com a sombra; temos a substância. Não guardamos o sábado; descansamos em Cristo. Esta verdade é apresentada mais detalhadamente na carta aos Hebreus.
O Sábado à Luz de Hebreus 3 e 4
A carta aos Hebreus mostra a superioridade de Cristo. Ele é Deus (cap. 1) e, portanto, superior aos anjos. Ele Se fez homem (cap. 2), mas continua superior a todos os homens. Os capítulos que estamos considerando mostram como Ele é superior a Moisés e a Josué. Estes não conseguiram dar ao povo aquele descanso verdadeiro, mas nós, pela fé no Senhor Jesus Cristo, já entramos no repouso (4.3).

O Repouso
A questão do repouso é introduzida com uma citação do Velho Testamento, tirada do Salmo 95.8-11, já anteriormente citada no capitulo 3.7-11. O escritor quer demonstrar que o Senhor Jesus é maior do que todos os homens. Os que sairam do Egito deveriam ter entrado no descanso em Canaã, mas pela desobediência e incredulidade, seus corações foram endurecidos e Deus jurou na Sua ira que não entrariam no Seu descanso. Este facto serve de exortação aos leitores, para que não venham a cair no mesmo erro (3.12-13). Poderiam ter ouvido as boas novas, mas se o coração se endurecesse pelo engano do pecado não entrariam no repouso desejado (3.13).
Muitos têm mal interpretado esta passagem e, nela baseados, afirmam que o crente pode perder a salvação, mas veja bem que não é isso o que o texto sagrado diz. O Deus afirma e: “A qual casa somos nós, se tão-somente conservarmos firme a confiança e a glória da esperança até ao fim” (3.6). Note bem que não diz que “seremos”, mas que “somos”, agora, no presente, a casa de Deus. Ele não diz que somos enquanto conservarmos firme, mas que já somos a casa de Deus se conservarmos firme. Isto é, a palavra “se”, neste caso, não introduz uma condição, mas, sim, uma evidência. Os hebreus, a quem a carta foi dirigida, professavam ser a casa de Deus, mas alguns poderiam não ser verdadeiros. A realidade da sua profissão seria manifesta pela sua permanência. Veja isto com mais clareza no versículo 14 – “...nos tornamos participantes de Cristo, se retivermos firmemente o princípio da nossa confiança até ao fim”. O verbo “tornamos”refere-se a algo já acontecido — é o tempo perfeito no texto original. Ele não está dizendo que vamos participar de Cristo se retivermos firmemente, e, sim, que já participamos de Cristo há muito tempo. A palavra se, no caso, não é condicional, pois se o fora, o versículo não teria sentido. O ensino claro destes dois versículos é que aquele que permanece é aquele que creu e aquele que não permanece demonstra que nunca creu.
No capítulo 4 o Espírito volta a destacar o perigo de não entrar no repouso de Deus: “Temamos, pois que, porventura, deixada a promessa de entrar no seu repouso, pareça que algum de vós fica para trás” (v. 1). Observe, porém, que o texto não fala da possibilidade de ser expulso dum repouso já alcançado, mas, sim, da possibilidade de não chegar a entrar no repouso esperado. É isto o que vemos no Salmo 95: a geração que saiu do Egito não entrou em Canaã. É isto, também, o que Hebreus 4 ensina: alguns que querem entrar no repouso de Deus poderão não entrar. Aqueles que saíram do Egito ouviram as boas novas e esperavam entrar, mas cairam no deserto. Como o texto afirma, nada disto lhes aproveitou, porquanto não estava misturado com a fé. É possível ouvir as boas novas e abandonar o mundo e, contudo, não entrar no descanso porque, na realidade, não creu.
Mas o contraste no versículo seguinte é notável: “Nós, os que temos crido, entramos no repouso” (v. 2). Aqui vemos novamente que a fé é o meio pelo qual entramos no repouso. Eles (v. 2) não entraram porque não creram; nós (v. 3) entramos (presente) porque temos crido (passado). Quem não crê, não entra. Quem creu, já entrou.
Tudo é relacionado com o descanso de Deus no sétimo dia (v. 4), mostrando que aquele repouso de Deus na obra completada pela criação era uma sombra do repouso que o crente tem agora em Cristo. No versículo 5 vemos mais uma vez que o incrédulo jamais entrará neste descanso.
A partir do versículo 6, o Espírito Santo torna a falar do descanso concedido em Canaã, mostrando que não correspondeu plenamente à sombra, pois, de outra sorte, Davi não teria, no Salmo 95, falado de outro dia. Isto leva logicamente à conclusão de que “resta ainda um repouso (literalmente, “um sábado de repouso”) para o povo de Deus” (v. 9).
O sábado do Velho Concerto, portanto, era uma sombra do descanso que gozamos hoje em Cristo. O assunto é concluído com uma afirmação e uma exortação.
A afirmação: “Aquele que entrou no seu repouso, ele próprio repousou das suas obras, como Deus das suas” (v. 10). Quando descobrimos que as nossas tentativas de alcançar a vida eterna eram inúteis e deixamos de confiar em nossas justiças, orações, obras, etc., e confiamos no Senhor Jesus Cristo e no valor da obra consumada na cruz, descansamos das nossas obras e entramos no descanso de Deus.
A exortação: É dirigida àqueles que ainda não entraram no repouso de Deus e diz: “Procuremos entrar... para que ninguém caia no mesmo exemplo de desobediência” (v. 11).

A Conclusão
O Sábado foi uma dádiva preciosa que Deus concedeu ao povo de Israel, mas aquele povo não apreciou. Era uma parte integrante daquela lei do velho concerto e traz lições preciosas para nós, cristãos, no dia de hoje, sendo uma sombra do nosso descanso espiritual em Cristo.
Mas aquela “cédula que era contra nós” foi riscada (literalmente, apagada, como quando se apaga o que foi escrito numa lousa) e tirada do meio de nós pela cruz de Cristo (Cl 2.14). Continuando este ensino, o Espírito Santo pergunta: “Se, pois, estais mortos com Cristo quanto aos rudimentos do mundo, por que vos carregam AINDA de ordenanças...?” (Cl 2.20).

Nesta Escritura Deus mostra claramente que o cristão não deve guardar a lei do velho concerto (isto inclui o sábado), pois tal lei foi apagada e tirada do meio de nós. Na carta aos Gálatas, porém, Deus apresenta, por meio duma alegoria, a nossa responsabilidade nesta parte.

Abraão teve dois filhos, um da escrava e outro da livre. Na alegoria, Agar, a escrava, representa o velho concerto firmado no monte Sinai, enquanto Sara representa o novo. Na conclusão da alegoria, Deus diz: “Lançai fora a escrava e seu filho, porque de modo algum o filho da escrava herdará com o filho da livre” (v. Gl 4.21-31). Temos a responsabilidade de lançar fora o velho concerto, bem como as conseqüências que ele produz, pois de modo algum poderão os dois concertos conviver um com o outro.
Portanto, em Colossenses vemos o lado divino desta mudança — Ele apagou a “cédula”, tirando-a do meio de nós (Cl 2.14), mas em Gálatas vemos o lado humano — nossa responsabilidade de lançar fora o velho concerto, inclusive o sábado.

42 comentários:

Nuno disse...

Já fiz a exegese de Col. 2:14ss e provei que esse versículo não aboliu o Sábado nem o Decálogo (dez mandamentos)

http://correa62.blogspot.com/2009/11/ainda-mais-sobre-o-sabado.html


...por isso nada de novo.

Nuno disse...

(continuação do comentário anterior)

A conclusão baseia-se TRES VEZES em Colo.2:14ss para justificar que o Sábado foi abolido.

por isso é que citei anteriormente que esta demonstração não prova que Colo.2:14ss anula o Sábado e o decálogo.

http://correa62.blogspot.com/2009/11/ainda-mais-sobre-o-sabado.html

Nuno disse...

"pois Deus o deu por sinal da aliança."

O povo de Deus é um povo santo, um povo de sacerdotes, e a sua Lei não é um sinal, mas sim,

- separa-os (para serem diferentes)
- Santifica-os (para serem como Deus)

"Aqui está a perseverança dos santos, daqueles que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus." Ap. 14:12

O próprio Sábado tem essas características:

(Gn 2:2 [JFA-RA(Pt)])
Ora, havendo Deus completado no dia sétimo a obra que tinha feito, descansou nesse dia de toda a obra que fizera.

(Gn 2:3 [JFA-RA(Pt)])
Abençoou Deus o sétimo dia, e o santificou; porque nele descansou de toda a sua obra que criara e fizera.

O Sábado é um dia posto de parte, diferente dos outros dias, um dia Santo.

Alberto disse...

O texto mencionado "Deve o cristão guardar o sábado?" é de uma distorção das escrituras incrível. Estão ajustando a bíblia à sua crença e não a sua fé com as escrituras. Jesus fala com sua própria boca, afirmativamente sem margem para dúvidas:

Mateus 5-17 ¶ Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas: não vim ab-rogar, mas cumprir(plêrôsai).

O termo "plêrôsai" traduzido para o português como cumprir, tem o sentido original no grego de completar. E foi o que Jesus veio fazer, completar nosso entendimento das Leis de Deus e não aboli-las.

Acreditem nas palavras que sairam da boca do Senhor Jesus e não inventem conclusões forçadas das escrituras. Fujam dos enganos!

Anônimo disse...

Os adventistas, regra geral, são sabatistas, mas parece não haver um consenso. Entre 1955 e 1956, o dr. Walter Martin, apologista da fé cristã, entrevistou 250 conceituadíssimos líderes adventistas. O resultado dessas entrevistas foi publicado no livro “Adventistas do Sétimo Dia Respondem Perguntas sobre Doutrina”, de 720 páginas. Esses destacados líderes concluíram o seguinte:
1) Sabatismo: A guarda do sábado não propicia salvação. O cristão que observa o domingo não está em pecado. Não é cúmplice do papado.

2) Ellen G. White: Os escritos de Ellen White [profetiza do adventismo] não devem ser colocados em pé de igualdade com a Bíblia.

3) Santíssimo: Cristo entrou no Lugar Santíssimo por ocasião de sua ascenção, e não em 22 de outubro de 1844. Assim, as doutrinas do santuário celestial ser purificado e do juízo investigativo não tinham base bíblica.

Nuno disse...

"Sabatismo: A guarda do sábado não propicia salvação."

Vemos o que Jesus diz:

Marcos 10:17-21
"17 Bom Mestre, que hei de fazer para herdar a vida eterna?"
"18 Respondeu-lhe Jesus: Por que me chamas bom? ninguém é bom, senão um que é Deus."
"19 Sabes os mandamentos: Não matarás; não adulterarás; não furtarás; não dirás falso testemunho; a ninguém defraudarás; honra a teu pai e a tua mãe."
(...)
"21 E Jesus, olhando para ele, o amou e lhe disse: Uma coisa te falta; vai vende tudo quanto tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, segue-me."

Jesus apresenta os mandamentos como base para a vida eterna. no versículo 19 apresenta os mandamentos direccionados para o homem, nos versículos 18 e 21, Jesus apresenta os restantes 4 mandamentos e acrescenta "e vem, segue-me".

Eu procuro seguir a Jesus quando guardo o Sábado como Ele fez(João 15:10; Lucas 4:6):
"Se me amardes, guardareis os meus mandamentos." João 14:15

"Em verdade, em verdade vos digo: Aquele que crê em mim, esse também fará as obras que eu faço," João 14:12

a agora pergunto, quem é seguidor de Jesus?

Anônimo disse...

Interessante que Jesus não fez menção ao sábado, falou de todos os mandamentos, menos em guardar o sábado. Muito interessante!

Nuno disse...

é verdade,
e em relação ao mandamento:

"Ex. 20:2-3
Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirei da terra do Egipto, da casa da servidão.
Não terás outros deuses diante de mim."

...este é que é o mais importante, não achas? e também não está lá.
Em que é que ficamos?

na mesma história, Mateus acrescenta:

"...mas se é que queres entrar na vida, guarda os mandamentos." Mateus 19:17

O Peregrino disse...

Em relação ao ladrão e sua exposição ou pergunta eu tenho a dizer que não tenho condições de guardar a lei, sou um pecador.
Sem derramamento não há remissão (Hb.9:22)

Cristo é o meu sábado, se tu cumpre o sábado cumpre toda a lei então.

O Peregrino disse...

Estava lendo em Gálatas hoje, TODA a lei se cumpre em duas...

Alberto disse...

Cotinue lendo mais irmão ! E que Deus te abençoes !!

O Peregrino disse...

Amém!

Nuno disse...

"Estava lendo em Gálatas hoje, TODA a lei se cumpre em duas..."

continua a ler ! e que o Senhor te abençoe


"eu tenho a dizer que não tenho condições de guardar a lei"

ora aqui tens mais alguns versículos para leres:

"Porque este é o amor de Deus, que guardemos os seus mandamentos; e os seus mandamentos não são penosos" 1 João 5:3

Alberto disse...

Que bom! Pra quem a Lei já não existia mais, ter duas já é um bom começo !

Alberto disse...

Em gálatas vimos que jesus nos resgata da maldição da lei, de sua punição e não da obediência a ela.

Gálatas 3.13 Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro;

24 De maneira que a lei nos serviu de aio, para nos conduzir a Cristo, para que pela fé fôssemos justificados.

25 Mas, depois que veio a fé, já não estamos debaixo de aio.

Ou seja, em Jesus cristo não seremos condenados por pecarmos (por transgredirmos a Lei).

Em Joao 8.11 Jesus perdoou a mulher do adultério, ou seja perdoou da condenação da Lei, mas orientou que não pecasse mais, ou seja, que continuasse a andar conforme a Lei de Deus. Como poderia então Jesus ter abolido a Lei de Deus ?

Joao 8.11 E ela disse: Ninguém, Senhor. E disse-lhe Jesus: Nem eu também te condeno; vai-te, e não peques mais.

O Peregrino disse...

Disse tudo! É por isso que não guardo sábado, pois não tenho condições de guardar como manda a lei, mas Jesus levou minhas transgressões na cruz do calvário, isso é o mais importante.

Nuno disse...

Peregrino,

explica-nos melhor porque é que "não tenho condições de guardar como manda a lei".

- Já agora, aquilo que te disse por email está a acontecer: bloqueaste os "comentários".
E tu disseste:

"Eu não bloqueei os comentários, e não vou bloquear, apenas tranquei para que eu possa fazer uma alteração no meu blog, domingo estará aberto."
email recebido em 20 de Novembro de 2009 21:25.

Domingo já foi à 3 dias...

Anônimo disse...

Os comentários estão em aberto, já liberei no sábado.
Me diga qual você não consegue postar, pois estão desbloqueados.

Nuno disse...

eu não consigo responder às seguintes apresentações:

# A LEI ESTÁ DIVIDIDA EM DUAS ?
# Ninguém vos Julgue pelos sábados!

a opção "comentários" em azul, não aparece para clicarmos. Será algum problema do site?

O Peregrino disse...

Já está ok agora.

Alberto disse...

Quando Jesus perdoa nossos pecados, ele nos pede para que não pequemos mais(que não transgredamos a Lei de Deus), como aconteceu em João 8.11 com a adúltera.

Como Jesus já perdoou seus pecados porque vc não o obedece procurando não pecar mais (ou seja, não transgredindo a Lei de Deus) como ele pediu para a adúltera em joao 8.11 após perdoar seus pecados ?

Alberto disse...

Seguir o exemplo que Jesus demonstrou para a adúltera é errado ?

Anônimo disse...

Só que na guarda do sábado deve-se guardar conforme os judeus guardam, e da forma que eles guardam não temos condições de guardar, olho por olho, dente por dente.
E tem mais, se eu pegar um adventista transgredir a lei (não guardando o sábado), esse deve morrer apedrejado.
Não houve mudança na lei da guarda do sábado até hoje.

Alberto disse...

Eu não acho que devemos guardar o sábado como os judeus e sim como Cristo nos orientou ! Pois não guardar o sábado é pecado, pelo fato de ser um dos dez mandamentos.

Conforme a bíblia pecar é transgredir a Lei de Deus.

Ou vc houve Jesus, ou não adianta nada ele limpar os seus pecados !

Alberto disse...

Jesus não disse para a adúltera:
- Vá minha filha, uma vez perdoada salva para sempre !

Ele apenas disse:
- agorá vá e não peques mais.

O Peregrino disse...

Meu amigo, se você guardar o sábado terás de cumprir as outras 613 leis,
pois no Torah não há divisão alguma das leis.

(ÊX 35:2) "Seis dias se trabalhará, mas o sétimo dia vos será santo, o sábado do repouso ao SENHOR; todo aquele que nele fizer qualquer trabalho morrerá." Onde mudou essa lei? (SEIS DIAS HEIN? E NÃO CINCO)

ÊX 20:10;35:3; AM 8:5; NE 10:31;13:16; JR 17:21 e tem muito mais, me mostre na Bíblia que foi mudada essas leis, não me venha com argumento que Jesus mudou, se Ele mudou me mostre onde.
Me diz onde no Novo Testamento alguém falou no 4º mandamento, todos os outros é falado porém o 4º ninguém menciona. Estranho não acha? Se fosse algo de importância para nós Jesus teria falado para guardarmos o sábado, muito pelo contrário, Ele disse que o próprio era Senhor do sábado.
O sábado foi feito para o homem e não o homem para o sábado.
Já falei um milhão de vezes, sábado não te traz salvação, coloque isso na sua cabeça, se tu queres guardar o sábado faz bem, mas não obrigues outras pessoas a guardarem esse dia, pois faz parte da velha aliança (judaica).

Alberto disse...

Jesus é a verdade e está por toda a biblia.

Os textos que você apresentou foram fácilmente explicados pela própria bíblia conforme comentários anteriores.

Porém os trechos que apresentamos da bíblia vc não justificou nenhum pela mesma.

Conclui-se então que seu interesse é denfender a sua crença e não o que a bíblia apresenta. Desta forma somente Cristo poderá lhe mostrar a verdade. Que Deus de abençoe.

Anônimo disse...

Claro que Jesus é a verdade, tanto que o mesmo aboliu o sábado.
Entendo que os senhores não leram os artigos que postei, mas apenas tratam de expor suas teses referindo-se ao sábado. Nos artigos postados há provas suficientes da abolição do sábado, na verdade tu me falas da minha crença, mas o que vocês fazem é um prosélito, nada mais.
Onde está a mudança dos versículos apontados referente a guarda do sábado pelos judeus? Me mostre por favor. A verdade é que, ou tu guarda toda a lei ou não guarda conforme está escrito em Gálatas.
Já falei, se o sábado é algo de valioso para a salvação onde está no Novo Testamento o dito do quarto mandamento? Hebreus explica que Jesus fez uma "nova" aliança, trocando as coisas que os judeus não conseguem cumprir (o sábado é um deles).

Nuno disse...

"Nos artigos postados há provas suficientes da abolição do sábado,"

Nem um deles é verdadeiro. Ainda não provaram que o Sábado foi abolido. Em Colossenses 2:15 e versículos seguintes a palavra presente é "Sábados" ou seja repousos (festas e feriados Judeus). A palavra que foi proferida na Lei de Deus em Êxodo 20 e Deut. 5 foi Sábado (singular) - o 7º dia de uma semana. Mais uma vez volto a frisar que não existe nem um versículo que prove que o Sábado não está em vigor... De facto o Sábado foi o único dia da semana que Deus santificou e abençoou, e segundo a Bíblia o que Deus abençoa é para sempre.

"Já falei, se o sábado é algo de valioso para a salvação onde está no Novo Testamento o dito do quarto mandamento?"

Lê o capítulo de Hebreus 4, pois está lá em todo o Capítulo mas mostro-te aqui alguns versículos:

"pois em certo lugar disse ele assim do sétimo dia: E descansou Deus, no sétimo dia, de todas as suas obras;" (Hebreus 4:4)

o mesmo versículo da Lei de Deus:

"Porque em seis dias fez o Senhor o céu e a terra, o mar e tudo o que neles há, e ao sétimo dia descansou; por isso o Senhor abençoou o dia do sábado, e o santificou." Êxodo 20:11

e continua...

(Hb 4:7-9)
"... Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais os vossos corações.

Porque, se Josué lhes houvesse dado descanso, não teria falado depois disso de outro dia.

Portanto resta ainda um repouso sabático para o povo de Deus."

- Lá Paulo justifica que a guarda do Sábado está em vigor (Jesus já tinha morrido na cruz)

Não te esqueças das palavras de Jesus: "...O sábado foi feito por causa do homem..." Marcos 2:27

...a não ser que não sejas homem.

Nuno disse...

Em relação a Gálatas 5, Paulo refere-se à abolição das leis cerimoniais que Cristo aboliu.

Lê Êxodo 20 e vê se está as leis de circuncisão. (claro de que não estão)

Em relação aos temas apresentados pelo vosso pastor e o sobre a diferença entre as duas Leis, eu ainda não tive tempo de vos ensinar os versículos que não conhecem ainda que Paulo e mesmo JEsus distinguem claramente as duas Leis... em breve o farei, depois de fazer os exames que tenho de Grego e Hebraico nesta 6ª feira e 2ª feira.

Anônimo disse...

Acharam o autor de Hebreus então!

O Peregrino disse...

Por favor, escreva diretamente ao Pr. Natanael, eu já mandei o endereço dele pra você.

Obrigado!

Nuno disse...

"Acharam o autor de Hebreus então!"

Essa afirmação é de alguém que deve ter a idade de uma criança.

Não tem graça nenhuma pois falei a verdade quando disse que vou ter esses exames pois sou estudante universitário de Teologia.


"Por favor, escreva diretamente ao Pr. Natanael, eu já mandei o endereço dele pra você."

Está bem, assim o farei.
Obrigado peregrino.
E se me permites, incluirei tb o que acho aqui no teu blog: acho que valoriza o teu site.

O Peregrino disse...

Conheço pessoas que nem o ginásio tem, mas homens cheio do Espírito Santo, bom ter conhecimento, mas sem o Espírito Santo não somos nada.


Conhece aquela que o pastor chupou a laranja e perguntou ao sábio que gosto ela tinha?

O Peregrino disse...

Amado, estais livre para fazer tudo quanto achares necessário no meu blog, menos usar nome das pessoas.

Nuno disse...

"Conheço pessoas que nem o ginásio tem, mas homens cheio do Espírito Santo, bom ter conhecimento, mas sem o Espírito Santo não somos nada.


Conhece aquela que o pastor chupou a laranja e perguntou ao sábio que gosto ela tinha?"

o que é que queres dizer com isto?
Era aqui que querias colocar isto?

Nuno disse...

"Se, pois, estais mortos com Cristo quanto aos rudimentos do mundo, por que vos carregam AINDA de ordenanças...?” (Cl 2.20).

Nesta Escritura Deus mostra claramente que o cristão não deve guardar a lei do velho concerto (isto inclui o sábado)"

O Sábado não é uma ordenança,(nesse momento nem o povo sabia o que era uma ordenança)e é um dia da Semana que se encontra no decálogo (10 palavras, ou dez mandamentos). Em breve colocarei na outra "postagem" mais recente que fala da distinção das leis, o que Jesus, Pedro e Paulo falam quando fazem a distinção desses 2 tipos de leis.

Nuno disse...

Peregrino,

não conhecia esse versículo de (Cl 2.20)

agora que o examinei melhor, reparo que é mais um versículo que prova que as ordenanças foram abolidas com a morte de Cristo. Quando Paulo diz "Se morrestes com Cristo", esta-se a referir ao baptismo: quando somos baptizados morremos para o mundo e pertencemos a Cristo assim como aceitamos Cristo como nosso Senhor.

Há algum versículo que fale que os dez mandamentos foram abolidos assim? Como te disse, se provares isso então mudo para a tua igreja pois eu mesmo procuro a verdade na Bíblia. Obrigado

O Peregrino disse...

Oséias 2.11¬ "Farei cessar todo o seu gozo, as suas festas, as suas luas novas, os seus sábados e todas as suas solenidades." Paulo usa o mesmo agrupamento em (Colossenses 2.16). Por que haveria alguém de torcer suas palavras para fazer com que significasse festas anuais quando ele fala de sábados?

Nuno disse...

... porque Jesus diz para guardar o Sábado. Quem é que criou o Sábado? Jesus, pois claro.
Oseias e Col.2:14 falam ambos de dias cerimonias e não de reposo para adoração a Deus.

Relembro que as leis cerimonias foram escritas em papel e o decálogo em tábuas de pedra. Em Col.2:14 quando Paulo fala em pregar na cruz a lei as ordenanças, foram aquelas escritas em papel... as tábuas de pedra que forma escritas pelo dedo de Deus, não dão para pregar pois foram escritas em pedra - é esse o sentido do versículo.

Se Jesus é o Senhor do Sábado, achas que Ele mentiria ao dizer que o Sábado é o dia de descanso?

"Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa." Números 23:19

"...mas se é que queres entrar na vida, guarda os mandamentos" Mateus 19:17

Se existe uma contradição é na interpretação que fazes, senão chamas o teu Deus de mentiroso. Se Ele mudou o Sábado, quero saber qual é o versículo em que Ele diz que muda o Sábado sff

Nuno disse...

Refiro também que a palavra do Senhor diz que os homens da parte de Deus escrevem movidos pelo Espírito Santo (2Pedro 1:20-21) e isto indica-nos que o mesmo Espírito instruiu os profetas da mesma forma e por isso não há contradições no que eles dizem e na verdade.

Alberto disse...

Perceba Isaías 1:13 "Não continueis a trazer ofertas vãs; o incenso é para mim abominação, e as luas novas, e os sábados, e a convocação das assembléias; não posso suportar iniqüidade, nem mesmo a reunião solene."
Será que aqui no velho testamento o Sábado estava sendo abolido ? Com certeza não, e o entendimento do que Paulo escreveu é identico a este, inclusive até as palavras usadas! Parece que Paulo ao escrever suas cartas fez uma referência idêntica ao escrito em Isaías com a mesma interpretação.