sábado, 26 de setembro de 2009

Adventistas alteram o Decálogo

Quem diria que um dia isso fosse acontecer? Os adventistas, que sempre se ufanaram ser os exclusivos defensores da guarda do sábado semanal, por fim, viessem a alterar os dez mandamentos e acrescentar mais dois mandamentos a eles de modo que não se podendo falar mais em decálogo? Pela suposta guarda do sábado se identificam os adventistas como integrando a igreja remanescente, aquela igreja exclusiva que possui duas características principais: a guarda do sábado e possuir “o espírito de profecia” localizado na sua papisa Ellen Gould White.


O QUE ACONTECEU?

Jó escreveu, “Porque aquilo que temia isso me sobreveio; e o que receava me aconteceu”.(Jó 3.25) Vou contar o que aconteceu. Os evangélicos sempre ensinaram que a Bíblia fala de dois concertos. O primeiro concerto teve como mediador Moisés e era de abrangência exclusiva do povo israelita. Estes prometeram solenemente guardar os preceitos do concerto estabelecido com eles logo na saída do Egito, quando acampados no Monte Sinai.”E subiu Moisés a Deus, e o SENHOR o clamou do monte, dizendo: Assim falarás à casa de Jacó, e anunciarás aos filhos de Israel: Vós tendes visto o que fiz aos egípcios, como vos levei sobre asas de águias, e vos trouxe a mim. Agora, pois, se diligentemente ouvirdes a minha voz e guardardes a minha aliança, então sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos, porque toda a terra é minha. Então todo o povo respondeu a uma voz, e disse: Tudo o que o SENHOR tem falado, faremos. E relatou Moisés ao SENHOR as palavras do povo.”(Ex 19.3-6,8)

Este concerto foi ratificado posteriormente por Moisés, “Veio, pois, Moisés, e contou ao povo todas as palavras do SENHOR, e todos os estatutos; então o povo respondeu a uma voz, e disse: Todas as palavras, que o SENHOR tem falado, faremos. Moisés escreveu todas as palavras do SENHOR, e levantou-se pela manhã de madrugada, e edificou um altar ao pé do monte, e doze monumentos, segundo as doze tribos de Israel; E enviou alguns jovens dos filhos de Israel, os quais ofereceram holocaustos e sacrificaram ao SENHOR sacrifícios pacíficos de bezerros. E tomou o livro da aliança e o leu aos ouvidos do povo, e eles disseram: Tudo o que o SENHOIR tem falado faremos, e obedeceremos.” (Êx 24.3-5,7) Ocorre que, embora tenha demonstrado tanta disposição de obedecer a tudo o que Deus mandara por meio de Moisés, o povo israelita violou a lei. Fabricaram um bezerro de ouro e se prostraram diante dele tecendo louvores e praticando imoralidades (Ex 32.7-10). Deus então, por meio de Jeremias 31.33-34, prometeu um novo concerto esclarecendo, textualmente, que não seria igual ao primeiro concerto. O texto é bem claro,”Não conforme o concerto que fiz com seus pais...porque eles invalidaram o meu concerto, apesar de eu os haver desposado, diz o Senhor.” (Jr 31.32). Não afirma o texto que a mudança de um concerto para o outro seria apenas de lugar: das taboas pedras para as taboas de carne do coração. (2 Co 3.6-14) Obviamente deveria ocorrer mudanças de mandamentos.


O QUE DIZ PAULO

Paulo, se reportando ao primeiro concerto e expondo sua substituição pelo Novo Concerto declara o seguinte:

“ O qual nos fez também capazes de ser ministros de um novo testamento,não da letra, mas do espírito; porque a letra mata e o espírito vivifica. E, se o ministério da morte, gravado com letras em pedras, veio em glória, de maneira que os filhos de Israel não podiam fitar os olhos na face de Moisés, por causa da glória do seu rosto, a qual era transitória, Como não será de maior glória o ministério do Espírito? Porque, se o ministério da condenação foi glorioso, muito mais excederá em glória o ministério da justiça. Porque também o que foi glorificado nesta parte não foi glorificado, por causa desta excelente glória. Porque, se o que era transitório foi para glória, muito mais é em glória o que permanece. Tendo, pois, tal esperança, usamos de muita ousadia no falar. E não somos como Moisés, que punha um véu sobre a sua face, para que os filhos de Israel não olhassem firmemente para o fim daquilo que era transitório. Mas os seus sentidos foram endurecidos; porque até hoje o mesmo véu está por levantar na lição do velho testamento, o qual foi por Cristo abolido.” (2 Co 3.6-14)

Paulo entra em minúcias acerca das mudanças ocorridas entre o Antigo Concerto e o Novo e aponta as seguintes diferenças “ Portanto ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, os dos sábados, que são sombras das coisas futuras, mas o corpo é de Cristo.” (Cl 2.16-17). Enfaticamente Paulo aponta certas ordenanças que foram cravadas na cruz (Cl 2.14) e, dentre elas, algumas são destacadas como sucumbindo na sua vigência dentro do Novo Concerto. Os adventistas se sublevam e teimam em afirmar que a palavra ” sábados” do v. 16 não se refere ao sétimo dia da semana, ou seja, o sábado semanal. Esforçam-se denodadamente em justificar que se trata dos sábados anuais ou cerimoniais de Levitico 23.4-43. Damos a palavra ao um adventista de renome, reconhecida autoridade bíblica entre os próprios adventistas. Reconhece ele que o Antigo Concerto abrangia: “preceitos, holocaustos, ofertas, formalidades sacerdotais, ritual do santuário, festas anuais, luas novas, abluções, manjares, sábados”.(Subtilezas do Erro, p. 70 – Edição 1965 - CASA).


OPINIÃO DE SAMUELLE BACCHIOCHI SOBRE CL 2.16-17

“O sábado em Colossenses 2.16: O tempo sagrado prescrito por falsos mestres referem-se como sendo ‘um sábado festival’ ou a lua nova ou um sábado. – ‘eortes e neomnia o sabbaton.’ (2.16). O consenso unânime de comentaristas é que estas três expressões representam uma lógica e progressiva seqüência (anual, mensal e semanal). Este ponto de vista é válido pela ocorrência desses termos... Um outro significativo argumento contra os sábados cerimoniais ou anuais é o fato de que estes já estão incluídos nas palavras ‘dias de festa...’Esta indicação positivamente mostra que a palavra SABBATON como é usada em Cl 2.16 não pode se referir aos sábados festivais, anuais ou cerimoniais”.

Determinar o sentido de uma palavra baseando-se exclusivamente em conceitos teológicos em prejuízo de evidências lingüísticas e contextuais é estar contra as regras de hermenêuticas bíblicas. Ademais, a interpretação que o Comentário Adventista dá à palavra ‘sábados’ de Cl 2.16 é difícil de ser sustentada, desde que temos visto que o sábado pode legitimamente ser tido como ‘sombra’ ou símbolos preparatórios de bênçãos da salvação.”“.


O NOVO TESTAMENTO NÃO REPETE O QUARTO MANDAMENTO

Não há dúvida de que o Novo Testamento cita mandamentos do Velho Testamento. Cita mandamentos indistintamente de toda a Lei de Moisés, mas não repete o quarto mandamento em nenhum lugar. Façamos uma comparação dos dez mandamentos dentro do Novo Testamento:

VELHO TESTAMENTO

1. mandamento - Ex 20.2,3

2. mandamento - Ex 20.4-6

3. mandamento - Ex 20.7

4. mandamento - Ex 20.8-11

5. mandamento - Ex 20.12

6. mandamento - Ex 20.13

7. mandamento - Ex 20.14

8. mandamento - Ex 20.15

9. mandamento - Ex 20.16

10. mandamento - Ex 20.17


NOVO TESTAMENTO

1. mandamento - At 14.15

2. mandamento - 1 Jo 5.21

3. mandamento - Tg 5.12

4. mandamento - Não existe

5. mandamento - Ef 6.1-3

6. mandamento - Rm 13.9

7. mandamento - 1 Co 6.9,10

8. mandamento - Ef 4.28

9. mandamento - Cl 3.9

10. mandamento - Ef 5.3


DÉCIMO PRIMEIRO MANDAMENTO

Recebi, sem me tornar assinante, a revista adventista ADOS edição n. 4, de julho/agosto – 2002 e na página 8 tomo conhecimento, pela primeira vez, que agora já temos onze mandamentos, em lugar de dez como consta de Ex 20.1-17. Sabe qual o 11o. mandamento? Santificar o inverno. Sim santificar o inverno. Na ânsia de encontrar uma justificativa para apoiar a vigência do quarto mandamento dentro do Novo Concerto os adventistas se viram obrigados a recorrer a Mt 24.20, que consta, “Orai para que a vossa fuga não se dê no inverno, nem no sábado”.Ora, qualquer pessoa que leia o texto em apreço entenderá que ele aponta dois tempos mencionados por Jesus: o inverno e o sábado. Obviamente se um se torna obrigatório, sem dúvida nenhuma o outro também. Os adventistas no seu afã de tentar justificar o que Paulo, em Cl 2.14-17, deixou bem claro: a não obrigação de o cristão, que vive dentro do Novo Concerto, ou sob a lei de Cristo (1 Co 9.21) de guardar os dias festivos da lei mencionados em Lv 23, tentam sustentar a validade da guarda do sábado e acrescentaram a guarda do inverno. Lembrem-se todos: o inverno deve ser santificado. Foi Jesus quem disse!


MATEUS 24.20

A fuga a que Jesus se referia deu-se historicamente no ano 70 A D. Jesus não tinha em vista a guarda do sábado, mas manifestava ele preocupação com a segurança dos seus seguidores em duas situações.

Observando o contexto de Mt 24.20 notamos que Jesus dá orientação para eles fugirem para os montes (v. 16); aconselha-os a não entrarem na casa (v. 17); não retornarem à cidade de Jerusalém (v. 18); fala Jesus ainda do sofrimento das mulheres que eventualmente estivessem amamentando (v. 19) e, por fim, para orarem para que a fuga da cidade não ocorresse nem no inverno e nem no sábado (v. 20) E por que esse cuidado de Jesus com os seus seguidores no inverno? Porque, fugindo no inverno, poderiam morrer de frio nos campos. Da mesma maneira, fugindo no sábado, encontrariam as portas da cidade fechadas, impossibilitando a sua fuga e, conseqüentemente, morreriam na cidade. Agora, o que os adventistas não podem deixar de reconhecer é que Jesus previne contra dois perigos – o perigo do inverno e o perigo do sábado. Se alguém interpreta com isso que o sábado deve ser guardado deduzindo tal situação das palavras de Jesus, deve ser coerente: admita também que o inverno deve ser santificado. Dessa conclusão não se pode escapar. Logo, deve ser acrescentado ao Decálogo o mandamento de Jesus para santificar o inverno. O que fica óbvio: 10+1= 11.


ONZE OU DOZE?

Mas agora mais uma surpresa: no surpreendente esforço de provar biblicamente que o sábado deve ser guardado, eis que um prócer adventista que se intitula professor (Azenilto G. Brito), falando em nome dos adventistas mandou-nos um e-mail tentando provar a validade da guarda do sábado na nova terra com Is 66.23. Diz ele textualmente, “Assim, na Nova Terra, quando não houver mais pecados e pecadores, pois ali ”habita a justiça” (2 Pe 3.13) o sábado continuará sendo um dia especial, juntamente com alguma comemoração mensal “a lua nova”, ambos os eventos festivos aplicados às novas circunstâncias.” (e-mail datado de 7 de dezembro de 2002, 17,14 horas). Ora, se alguém cita Is 66.23 como prova da guarda do sábado na nova terra e o sábado vem agregado à lua nova, então ambos são preceitos permanentes. Não poderia Deus manter o sábado citado em Cl 2.16 e excluir as luas novas mencionadas no mesmo texto. Seria isso muita parcialidade!


ANÁLISE DE IS 66.23

Qualquer pessoa que ler o texto sem preconceitos adredemente em mente, jamais poderia chegar à conclusão de que o texto em tela antecipa a guarda do sábado na nova terra. O que se tem em mente é continuidade da adoração, sem intervalos de semana em semana ou de mês em mês, a Deus.Se alguém dissesse que iria visitar sua noiva de sábado a sábado, ou de lua nova à lua nova, isso implicaria que iria visitá-la diariamente e não apenas no dia de sábado ou da lua nova. Logo, a interpretação correta é que, no futuro, não iremos adorar a Deus em épocas especiais, mas permanentemente, sem interrupção.

Pronto: agora não se pode mais falar em Decálogo. São doze os mandamentos. Os dois novos mandamentos são: santificar o inverno e guardar as luas novas mensais. Temos: 10+1+1= 12.

Tenhamos presente, entretanto, o solene aviso de Ap 22.18, “ Porque eu testifico a todo aquele que ouvir as palavras da profecia deste livro que, se alguém lhes acrescentar alguma coisa, Deus fará vir sobre ele as pragas que estão escritas neste livro.” (Ap 22.18) Acréscimo à palavra de Deus traz maldições.


Autor : Pr. Natanael Rinaldi

2 comentários:

Venâncio disse...

isso é mentira, não é verdade:

19. Law of God:
The great principles of God's law are embodied in the Ten Commandments and exemplified in the life of Christ. They express God's love, will, and purposes concerning human conduct and relationships and are binding upon all people in every age. These precepts are the basis of God's covenant with His people and the standard in God's judgment. Through the agency of the Holy Spirit they point out sin and awaken a sense of need for a Saviour. Salvation is all of grace and not of works, but its fruitage is obedience to the Commandments. This obedience develops Christian character and results in a sense of well-being. It is an evidence of our love for the Lord and our concern for our fellow men. The obedience of faith demonstrates the power of Christ to transform lives, and therefore strengthens Christian witness. (Ex. 20:1-17; Ps. 40:7, 8; Matt. 22:36-40; Deut. 28:1-14; Matt. 5:17-20; Heb. 8:8-10; John 15:7-10; Eph. 2:8-10; 1 John 5:3; Rom. 8:3, 4; Ps. 19:7-14.)

http://www.adventist.org/beliefs/fundamental/index.html

O Peregrino disse...

ah ha!