sábado, 6 de setembro de 2008

GUIA RÁPIDO SOBRE AS SEITAS

ADVENTISTAS DO SÉTIMO DIA:

Teve início com o pregador batista, William Miller, que pensou ter calculado a vinda de Jesus Cristo para o dia 22 de outubro de 1844, nos EUA. Como nada aconteceu naquela data, ele se decepcionou e voltou para a sua igreja. Contudo, seus seguidores prosseguiram sob a direção de Hiran Edson e Joseph Bates e Helen Harmon White. Hiran ensinou que Jesus tinha voltado realmente no ano de 1844, no tabernáculo celestial, invisivelmente, para começar um “processo investigativo” de nossos pecados. Joseph Bates alegava que era necessário guardar o sábado, em vez do domingo, para alcançar a salvação e Helen White dizia ter o “dom da profecia”. Assim surgiu a Igreja Adventista do Sétimo Dia. O ano de 1844 ficou conhecido como o “grande desapontamento”. Na verdade, a guarda do sábado entre eles só se tornou forte quando a “profetiza” Helen White alegou ter tido uma visão dos Dez Mandamentos com uma auréola de luz ao redor do mandamento sobre o sábado! Eis alguns ensinos conflitantes dos Adventistas:

a) Cálculo da volta de Cristo: William Miller voltou atrás do seu erro, mas Hiran Edson inventou uma “volta invisível ao tabernáculo celestial”, desobedecendo radicalmente às palavras de Jesus: “porém daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, nem o Filho, mas unicamente meu Pai” (Mateus 24:36). Veja também Atos 1:7 “Não vos pertence saber os tempos ou as estações que o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder”.

b) Satanás participa da redenção com Cristo: Esta é uma das doutrinas mais estranha dos adventistas. No livro “O Grande Conflito”, nas páginas 421 e 489 diz-se que “os pecados dos verdadeiros penitentes serão colocados sobre Satanás que os levará com ele para o deserto (da destruição total). Diz, ainda, que um “anjo relator” revelará a Jesus todos os pecados ocultos da humanidade! Refutação: O profeta Isaías já profetizara a respeito de Jesus dizendo: “Ele levou sobre si todas as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si..... Ele foi ferido pelas nossas transgressões, e moído pelas nossas iniqüidades...” (Isaías 53). Veja também Efésios 1:7 e I João 1:7. Também o livro de Hebreus nos revela que Jesus entrou no lugar santíssimo celestial logo após a sua ressurreição (Heb. 6:19-20; 7:23-28; 8:1-2; 9:1-14, 24-26 e 10:19-20).

c) Sono da Alma: Os adventistas do Sétimo Dia ensinaram também isso às Testemunhas de Jeová, ou seja, que a “alma morre”, ou adormece (Vide o “Grande Conflito”). Mas o texto sagrado traz várias passagens que desmentem seus ensinos “conflitantes”! Ex.: Mt. 10:28; Lc. 20:37-38, 23:43; At.7:59; Ap. 6:9-11 etc.

d) Única Igreja Verdadeira: O “Grande Conflito” (livro de Ellen White) diz que devido à transferência da guarda do sábado para o domingo, todas as igrejas da Cristandade se apostataram e receberam a marca da besta: 666! Assim, Deus levantou uma única Igreja que seria representante dEle nos últimos dias: a Igreja Adventista do Sétimo Dia.
Refutação: Nada abalaria a Igreja de Cristo (Mt. 16:16-18; 13:24-30; Ef. 3:20-21). Interessante é que todas as seitas exclusivistas sempre reclamam para si o título de “única verdadeira”!

e) Literaturas “sagradas”: A Bíblia e os escritos de Ellen White, que chamam de “Espírito de Profecia”.

TESTEMUNHAS DE JEOVÁ:

Fundada pelo jovem presbiteriano, Charles Taze Russell, que se envolveu com os recém-formados Adventistas por volta de 1870, nos EUA. Suas idéias chegaram ao Brasil através de oito marinheiros que visitaram Nova Iorque em 1922. Seu nome jurídico é Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados. O nome “Testemunhas de Jeová” foi adotado em 1935, pelo então presidente e diretor J.F. Rutherford, para diferenciar de um grupo dissidente seguidor das idéias de Russell que tinha rompido com Rutherdord. Eram os conhecidos “estudantes internacionais da Bíblia”, ou russelitas.

a)Literaturas “sagradas”: A Bíblia traduzida pela Torre de Vigia e chamada de “Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas”, ou TNM, que ficou pronta entre os anos de 1950 e 1961. Esta bíblia não traz as referências de seus tradutores, nem tampouco seus nomes. Foi totalmente adulterada para concordar com seus ensinos estranhos! Faltam muitos textos e outros foram colocados “entre parênteses” para ‘dar um sentido melhor’ (rsrsrs). As revistas “A Sentinela” e “Despertai” e centenas de livros, brochuras e folhetos. Obs.: A revista A Sentinela afirmou que “só a leitura da Bíblia, sem a Sentinela, levará o seu leitor à escuridão espiritual”! (1º/12/1991. p. 19)

b)Suas Crenças: Jesus foi o primeiro anjo criado por Jeová e se chama Miguel, o arcanjo. Lúcifer era seu irmão que se desviou e se tornou o Diabo. Na terra, Miguel recebeu o nome de Jesus, ou a Palavra. O Espírito Santo é só uma força ativa de Deus. O homem é uma “alma mortal”, e na morte fica inerte até a sua recriação. Dizem que o Inferno é a própria sepultura. Acreditam que a terra será transformada num Paraíso onde só habitarão Testemunhas de Jeová, e que estas não envelhecerão nem morrerão enquanto obedecerem às ordens de Jeová. Pregam o fim de todas as religiões da Cristandade (que chamam de babilônia, a grande). Não aceitam transfusões de sangue, mas apenas certas “frações” do sangue (??). Não comemoram nenhuma festa cívica ou religiosa. Não cantam o hino nacional nem saúdam a bandeira. Não servem ao Exército nem se envolvem em política. Não trabalham como policiais civis ou militares. Não ouvem músicas evangélicas nem podem ler qualquer outra literatura religiosa fora de sua sociedade (a Torre de Vigia). Não podem orar por doentes ou com pessoas de outras denominações religiosas. Acreditam que a diretoria da Torre de Vigia é o “Escravo Fiel e Discreto”, ou o “Corpo Governante”, que Jeová usa para informá-los da “Verdade”. Ensinam que só 144.000 testemunhas de Jeová irão para o céu, para compor um governo com Cristo (arcanjo Miguel), e as demais testemunhas viverão para sempre na terra; e que esta chamada celestial foi encerrada em 1935, num congresso em Cedar Point, Ohio, EUA!!

c)Crenças Antigas (ou “velha Luz”): Já ensinaram, como “luz de Jeová”, que a pirâmide do Egito (Quéops) era uma ‘verdadeira bíblia de pedra', com profecias para a humanidade. Ensinaram também que Jeová morava numa estrela (Alcione). Também proibiram a vacinação e os transplantes de órgãos entre seus seguidores, alegando o mesmo que canibalismo. Incentivaram o celibato até que a terra fosse transformada num paraíso. Previram o fim do mundo (do sistema político e religioso) para várias datas diferentes, porém todas falharam (1874, 1888, 1914, 1918, 1925, 1942, 1975, 2000 e, recentemente, deixaram “no ar” o ano de 2034!). Arrecadaram dinheiro entre seu fiéis para construírem uma “mansão” onde o rei Davi moraria e governaria toda a terra, na sua suposta ressurreição no ano de 1925! Construíram também um abrigo anti-atômico chamado de “Beth-Shan”, na Califórnia, para se prevenirem contra o Armagedom! Ensinaram que o falecido pastor Russell “orientava os diretores da Torre de Vigia diretamente do céu”! (Veja: “Clímax de Revelação”, p.125, parágrafo 17).

Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (Os Mórmons):

Surgiram no ano de 1830, em Vermont, EUA, com o jovem Joseph Smith Jr. que disse ter sido visitado pelo “anjo Moroni” em seu quarto. Segundo Smith, este ‘anjo’ lhe indicara um monte (Cumorrah) onde estaria enterrado um “outro Evangelho de Jesus Cristo!". E este livro fictício, feito de placas de ouro, depois de ‘traduzido’ pelo próprio Smith, foi levado de volta pelo tal anjo! É o que chamam hoje de “Bíblia dos Mórmons”.

a)Doutrinas: Ensinam que Deus já foi um homem imperfeito que foi exaltado; mas existem outros “deuses” semelhantes a ele. Jesus é o irmão mais velho de Lúcifer. O ‘espírito santo’ é uma força fluídica de Deus. Os homens são pré-existentes e vieram de outros planetas para pagarem seus pecados. O negro recebeu esta ‘cor’ como castigo de sua rebelião no outro mundo! Batizam os ‘mortos’ através de parentes vivos que se convertem à seita. Dizem o mesmo que as demais seitas, ou seja, que “ela é a única verdadeira”. Dizem que o reino celestial é dividido em três graus, e mais um inferno para Satanás e os mórmons infiéis!

G12, ou Igreja em Células na Visão dos Doze:

Movimento contemporâneo de crescimento de igrejas. Idealizado por César Castellanos, da Colômbia, através de seu livro “Sonha e Ganharás o Mundo”, em 1991. Neste livro, seu autor declara: “A colheita só poderá ser alcançada por aquelas igrejas que tenham entrado na visão celular. Não há alternativa: a igreja celular é a igreja do século XXI”. Apesar de ser um método de crescimento de igrejas, não havendo daí nenhuma objeção; contudo, segundo o pr. Paulo Romeiro, um dos problemas em relação ao G-12 é a “inserção de práticas, conceitos e ensinos antibíblicos, tais como mapeamento espiritual, regressão psicológica, cura interior, quebra de maldição, escrever os pecados em pedaços de papel e queimá-los na fogueira, revelações extrabíblicas e outros”. Segundo o Conselho de Doutrinas das Assembléias de Deus, o movimento G12 visa arrebanhar membros de igrejas já constituídas com fins declaradamente financeiros! Os adeptos do G12 se auto-intitulam de “Canaã aqui na terra”. O chamado “Encontro” leva os seus encontristas a renunciarem a todo o seu passado de pecados e confessarem os seus erros, mesmo já sendo crentes de outras igrejas evangélicas! As esposas dos pastores também são pastoras e exercem influência sobre os seus seguidores. Pregam a mentoria ministerial, ou seja, seus líderes teriam influências espirituais sobre suas vidas! Assim, todos estariam submissos a eles.


MAÇONARIA E SEUS RITOS:

Muitos pastores se esquivam de falar sobre este tema polêmico. Uns alegam que não conhecem o suficiente sobre o tema para que possam entabular um diálogo ou estudo sobre o mesmo. Outros afirmam que a Bíblia não interfere nas questões pessoais que levam um indivíduo a optar por pertencer a esta ou aquela agremiação. Ainda outros afirmam que muitos dos primeiros missionários cristãos eram maçons, desta forma não devendo ser mal interpretados aqueles que hoje também o são. Finalmente, há muitos que afirmam que a Maçonaria não é religião; logo não haveria nenhum problema o crente de qualquer corrente religiosa pertencer a tal agremiação, ou sociedade. Mas, o que é Maçonaria? Qual o seu perigo, se é que há? Qual o seu verdadeiro objetivo? De que proveito é para o crente cristão? Bem, vamos fazer uma análise crítica do tema usando seus próprios ‘manuais secretos de iniciação’ à Ordem. Tais ‘manuais’ foram doados por membros que se afastaram da Maçonaria e não entregaram seus compêndios à Ordem. São originais selados pela “Grande Loja Maçônica”, ou pelo “Grande Oriente do Brasil”, com o devido respeito e sem o desejo de expor a Ordem ao ridículo. Veja o que eles ensinam:
Grau de Aprendiz, ou 1º grau (rito escocês antigo e aceito):
O iniciante, já apresentado à Ordem por um padrinho, entra numa sala secreta onde há uma ossada humana sobre uma mesinha e alguns desenhos de galo, foice e uma ampulheta nas paredes escuras da sala, e ali faz uma espécie de “testamento” renunciando toda a sua vida anterior. Depois é levado por seu padrinho à porta de entrada da loja maçônica onde dá três pancadas. Ao ser perguntado pelo guarda do templo o que quer, o seu ‘padrinho’ se adianta e diz: “é um profano em estado de cegueira, que deseja ser iniciado nos augustos mistérios da Maçonaria”. Na “câmara de reflexão”, sala secreta onde o iniciado faz o seu ‘testamento filosófico’, também está escrito na parede: “Se perseveras, serás purificado pelos Elementos; sairás do abismo das trevas e verás a Luz”. O padrinho que conduz o iniciado à sala de reflexão, tira-lhe a venda dos olhos e diz: “Breve passareis para uma nova vida....Respondei por escrito as questões que vos são apresentadas e fazei o vosso testamento”. Mais tarde, o iniciado presta um longo juramento de fidelidade à Ordem e seus conselheiros e delegados, e promete jamais revelar qualquer segredo ou ensino sobre a Ordem.

Obs.: Um crente que se submete ser chamado de ‘profano em estado de cegueira e que espera passar para uma nova vida’, mostra que realmente ainda não conhece seu salvador: Jesus Cristo!

GRAU de COMPANHEIRO, ou 2º GRAU (rito escocês antigo e aceito do Grande Oriente do Brasil):
Nesta segunda fase o iniciado se aprofunda na linguagem mística e simbólica da Maçonaria. Recebe outras ‘palavras de passe’ que lhe permite identificar-se entre os membros deste grau. Também aprende outros apertos de mão como meio de reconhecimento. Para a elevação ao 2º grau são feitas várias perguntas ensaiadas, em forma de códigos de linguagem. Algumas são: _ “Em que estado fostes apresentado em Loja?” Resp.: “Vendado... Nem nu, nem vestido”. Perg.: “Por que, meu irmão?” Resp.: “Para ensinarem-me que o luxo é um vício que deslumbra o vulgo e que o homem livre e puro de sentimento não deve ser vaidoso, nem orgulhoso”. Perg.: “Por que vos vendaram?” Resp.: “Para que eu soubesse o quanto as trevas da ignorância e as paixões que alucinam são prejudiciais ao homem”. E assim as perguntas vão levando o Aprendiz a reconhecer que só com a Iluminação das Luzes Maçônicas ele poderá alcançar o aprimoramento do caráter que não conseguiu em outro lugar até aquele dia. Ao receber sua elevação ao 2º grau, o Aprendiz, agora Companheiro, ouve o ‘orador’ da loja: “..........o Grau de Companheiro, simboliza um passo a mais na conquista do desejado aperfeiçoamento interno, tendo em vista a preparação realizada no 1º grau, quando desbastamos a Pedra Bruta, símbolo do primeiro estágio do homem.Criados à imagem do Supremo Arquiteto, não poderíamos permanecer passivos, presos a um condicionamento só admissível aos seres inferiores, cujos instintos naturais e o desenvolvimento mental não permitem uma evolução como a nossa. E assim quebramos os elos que nos mantinham separados do-PAI-, pelo nosso esforço, pelo nosso trabalho......O 2º grau da Maçonaria Universal, através dos seus símbolos e alegorias, é o primeiro passo real para o desenvolvimento das faculdades intelectuais e psíquicas, representadas aqui pelo Esquadro formado pelo Nível e o Prumo juntos..........Em nome do Grande Arquiteto do Universo e de São João (da Escócia), nosso padroeiro, está fechada a Loja de Companheiro.....”

Obs.: Novamente, que aperfeiçoamento interno a Maçonaria pode dar que a Palavra de Deus não consegue? Ou, por que os demais são chamados de seres inferiores? Por que, também, a aproximação a Deus só pode ser feita pelo esforço e trabalho maçônico? Não é Jesus que une todos ao Pai (João 14:6)?

MESTRE MAÇOM, ou 3º GRAU (rito escocês antigo e aceito, Grande Loja): O Painel que adorna a loja de mestres maçons se compõe de um caixão, uma caveira (ou esqueleto humano), ramos de acácia, entre outros símbolos. Neste grau, o Companheiro aprende que a missão do mestre maçom é “encontrar a Palavra Perdida que opera o Milagre da Ressurreição”. As Lojas de Mestres são chamadas de Câmara do Meio. Suas paredes são completamente pretas, semeadas de espaço de lágrimas prateadas, agrupadas em 3, 5 e sete; e de tíbias cruzadas encimadas por uma caveira humana.....é iluminada por nove velas de cera amarela; três no trono do Venerável Mestre e três em cada um dos altares dos Vigilantes. Uma lâmpada fosca tênue penderá do centro do teto da Loja, por sobre o caixão. No Altar dos Juramentos estará o Livro da Lei (que poderá ser a Bíblia ou O Corão, ou outro livro sagrado), sobre o qual descansarão o Compasso e o Esquadro.......No centro do Templo, um esquife (caixão) com pano preto e por sobre este um ramo de acácia (Ritual do Mestre Maçom, da Grande Loja do Estado do Rio de Janeiro, ed. 1988- Loja nº. 6678). A preparação do candidato ao terceiro grau é feita com o candidato de braço e pé esquerdo nus. Na mão direita um Esquadro e em torno da cintura uma corda branca dando três voltas e o avental de Companheiro-Maçom. Então ouvirá este discurso: “Ao serdes recebido Maçom, fostes encerrado em uma Câmara, onde o símbolo da Morte se vos manifestou por várias formas como que a vos dizer que era morrendo para os vícios, preconceitos e o obscurantismo, que poderíeis alcançar a iniciação maçônica. Hoje,........permitem-nos que vos iniciemos no grau de Mestre, talvez entre todos, o que representa com mais propriedade e perfeição os antigos Mistérios do Egito. Outrora, os iniciados nos Mistérios de Osíris aprendia que além da existência das forças misteriosas que vos foram reveladas no grau de Companheiro, havia para o homem a possibilidade de viver uma vida diferente da vida física......(idem). Agora meus irmãos, compreendereis a razão de ser dos Mistérios de que ides participar, e sabereis por que a Maçonaria deve respeitar a tradição e os símbolos que foram confiados aos Mestres Iniciadores (idem)”.

OBS.: Até aqui, podemos ver que os rituais dos três primeiros graus obrigatórios a todo maçom, tanto do ‘Grande Oriente’ quanto das ‘Grandes Lojas’ , seguem ritos das religiões de mistério do antigo Egito que simbolizavam o renascimento cíclico do sol e da própria natureza. O simbolismo dos esqueletos e caixões, nos graus de Mestre Maçom, representa o renascimento cíclico da alma, ou seja, sucessivas encarnações que elevariam à perfeição final do homem. Isto não é ensinado diretamente aos membros, pois toda sociedade hermética ensina através de símbolos e da percepção individual, mas a cada elevação de grau o candidato perde a sua capacidade arbitrária e passa a receber passivamente tudo o que lhe é transmitido.

Voltando ao “Ritual do Mestre Maçom”, vemos a pergunta que o Venerável Mestre faz ao ‘Guarda do Templo’: “(Com voz forte) _ Por que o Venerável irmão Mestre de Cerimônia vem perturbar a nossa dor? Ela deveria induzi-lo a afastar daqui qualquer irmão, principalmente um Companheiro (2º grau). Meus Veneráveis Irmãos, talvez esse Companheiro seja um dos que causaram nossa dor! Armemo-nos! (todos empunham as espadas).....etc., etc.,”

Obs.: A dor que se refere o Venerável é simbólica. Ela representa a condição sofrida pelos antigos mestres pelo assassinato de seu mestre maior: Hirão Abif, (pela lenda maçônica judaica), ou Osíris (pela lenda egípcia) morto por um companheiro de obra para descobrir a Palavra de Passe que levaria a um salário, ou pagamento, melhor. No caso de Osíris, segundo a lenda, ele foi morto pelo próprio filho que desejava conhecer o segredo da imortalidade que repousava no falo (órgão genital masculino), representado entre os maçons pelo ramo de Acácia, símbolo de vitalidade e eternidade devido as suas folhas se manterem sempre verdes, mesmo numa região árida do deserto. É por isso que os mestres maçons dizem procurar a Palavra que se perdeu, ou seja: a genitália de Osíris e/ou a palavra passe que só Hirão Abif conhecia!
Para nós cristãos, a Palavra é Jesus. Nós é que estávamos perdidos no pecado e Jesus veio nos resgatar! Mesmo que se diga ser tudo isso um simbolismo da busca pelo conhecimento, contudo detrai a pessoa de Jesus Cristo como Único Mestre e Senhor.

Ainda com relação à exaltação ao grau de mestre maçom, pergunta o Venerável ao 2º Vigilante: “_Qual é a V(iúva) de que os MM(açons) se dizem F(ilhos)? Resposta do 2° Vigilante: “_É Ísis, personificação da Natureza, a Mãe Universal, V(iúva) de Osíris, o deus invisível, que ilumina as inteligências”.

OBS.: Note que ao ser perguntado sobre sua filiação espiritual simbólica, o 2º Vigilante, também Mestre Maçom, se diz filho de Ísis, viúva de Osíris. Assim, seguindo a lenda, o Mestre Maçom seria uma personificação de Hórus, o filho de Ísis e Osíris que luta com o irmão Seth, assassino de seu próprio pai! Na luta, Hórus tem seu olho arrancado por seu irmão Seth mas é curado por seu pai, Osíris. Então Hórus passa a ser o “Olho que tudo Vê”.
Contudo, sabemos que nos tornamos filhos de Deus através de nossa fé em Jesus Cristo (João 1: 9-14) e somos iluminados pelo Espírito Santo (João 16:7,13) e não pela sabedoria de Hórus, Ísis, Osíris ou outros deuses falsos do antigo Egito. Deste modo:

a)O pastor que alega não ‘conhecer a matéria’, ou não está sendo sincero ou estudou num Seminário ou Faculdade Teológica muito precária. Ou, ainda, não gosta de ler e se informar, dado o vasto universo de livros sobre o assunto;

b)Quanto a dizer que a Bíblia nada diz sobre o assunto também é outra falácia, pois o Velho Testamento é rico em conselhos quanto ao envolvimento com povos pagãos. O SENHOR manda que Moisés e os demais profetas se livrem de toda forma de ocultismo e envolvimento com a magia dos egípcios e demais povos idólatras (Veja o exemplo de Ezequiel, entre inúmeros outros, no capítulo 8. Um verdadeiro ritual de maçonaria!);

c)Pelo fato da Maçonaria prestar-se à filantropia não justificaria o ingresso de crentes cristãos nela, pois outras fraternidades místicas também praticam a filantropia. Por exemplo: a espírita agremiação da LBV, de Alziro Zarur e Paiva Neto. As demais agremiações espíritas Kardecistas, etc. e nem por isso diz-se que é própria ao cristão;

d)Se há perigo para o crente? Sim, há. O perigo do crente não mais ver em Jesus o “Único Caminho que leva à Salvação” (João 14: 6). O perigo de associar-se a jugos desiguais com incrédulos (II Cor. 6: 14-18), já que os próprios maçons chamam os demais crentes, que não pertencem aos quadros da Maçonaria, de ‘profanos’! O perigo da terceirização da salvação, já que para os maçons isso se dará com o ‘progresso na escalada do conhecimento’, simbolizado pela escada de 14 degraus de Jacó. O perigo de ter que dividir o próprio salvador de nossas almas (Jesus Cristo) com outros sábios antigos e ter como padroeiro um “São João da Escócia”!

e)Objetivo para os crentes? Nenhum; já que a Igreja de Jesus é completa em todos os sentidos em que a Maçonaria possa alegar deficiência: inclusive a filantropia! Com os dízimos e ofertas que são depositados nas igrejas locais pode-se fazer muito mais que qualquer “tronco de solidariedade”; bastando que seus crentes sejam fiéis. Quanto à ajuda entre si, isto a Igreja do Senhor sempre fez e ainda faz, independente da corrente denominacional. Já os maçons auxiliam primeiramente seus pares!

f)Proveito? Também nenhum, já que terão que sentar à mesma mesa crentes e incrédulos e todos terão que se conhecerem como “irmãos unidos pela Acácia”, e não por Jesus Cristo. Não poderão discutir sobre religião alheia e terão que considerar todas as demais religiões, inclusive as esotéricas, como meios de se atingir a divindade maior: “G.A.D.U.” (ou, Grande Arquiteto do Universo) que poderá ser qualquer uma espécie de deus, segundo a crença individual;

g)Embora alguns afirmem que a Maçonaria não é Religião, ainda assim podemos perceber inúmeros elementos religiosos nela, inclusive seus ritos e juramentos;

h)Finalmente, quanto aos primeiros missionários que, para fugirem das perseguições católicas dos séculos passados, também se tornaram maçons (que também eram perseguidos pelo catolicismo romano), não justifica, como também não justificou na época, o ingresso numa sociedade hermética de cunho esotérico apenas para se protegerem, ‘sob o manto da invisibilidade’, das perseguições inimigas. Com toda a vênia aos nossos pioneiros missionários, mas o “nosso socorro vem do Senhor” (Salmos 121 e 125) e não dos ‘toques, palavras de passe ou sinais de socorro em nome da Viúva de Osíris’ (ou da mãe de Hiram Abib)!
Aos colegas pastores que só sabem fazer filantropia nos “troncos da solidariedade”, ou que se socorrem de seus ‘irmãos esotéricos’ nos momentos de necessidade, ou que só obtêm iluminação ‘viajando do ocidente ao oriente maçônico’ em busca de Luz (ou Lucis), ou que precisam de um padroeiro São João e um outro supremo Mestre (Hirão Abib, ou Hórus, ou Osíris), ou que são como Tomé que ‘têm que ver (ingressar na Ordem) para crer’, deixo uma pergunta:
“Em quê, e em quem, vocês realmente crêem?”

Obs.: As pesquisas para o preparo deste “Guia Rápido sobre Seitas” foram feitas em literaturas originais das mesmas. Para o tema “Maçonaria” foram usados os ‘Manuais do 1º grau ao 3º grau’ da “Grande Loja do Rio de Janeiro” e também do “Grande Oriente do Rio de Janeiro”. Também não intencionamos revelar as palavras de passe ou toques secretos ou quaisquer outros sinais de identificação maçônica por questões de ética e por não servirem ao propósito deste folheto.

0 comentários: