sábado, 19 de abril de 2008

RELIGIÃO NÃO, VIDA SIM

Por: Julio Cesar Lucarevski
30/03/2008

Respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo que , se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. João 3:3.


Não se pode negar que o Brasil tem passado por um período de avivamento. Segundo a revista "Visão Global" da Horizontes América Latina, cerca de 6.500 pessoas são convertidas a cada dia. Somando, são mais de dois milhões de novos cristãos por ano. De acordo com a SEPAL, o Brasil conta com mais de 37 milhões de evangélicos, distribuídos em mais de 180 mil congregações. Entretanto, à reboque deste fenômeno de expansão do Evangelho, surgem várias heresias, teologias antropocêntricas, além de aberrações como: teologia da prosperidade, mensagens de auto-ajuda, e promessas de "sinais e maravilhas". O resultado disso tem sido pseudo-cristãos aprisionados à sistemas religiosos, tanto pelas suas próprias necessidades como pelas "boas lábias" dos profissionais da religião. A verdade é que tem crescido o número de pessoas entediadas por um cristianismo domingueiro, legalista, sem propósito e sem sentido. Há muitas pessoas decepcionadas com uma religiosidade de fardos impostos pelo denominalismo, moralismo, misticismo ou personalismo. É comum ouvirmos pessoas criticarem "os crentes" que não tem vida e muito menos testemunho. Porém há pessoas que tem buscado uma experiência verdadeira e genuína com o Senhor Jesus. Querem encontrar em Jesus mais do que um simples mestre de valiosos ensinamentos. Querem conhecer o Cristo e ter um relacionamento pleno e dinâmico com Ele. Foi isto que aconteceu com um mestre da religião da época de Jesus, chamado Nicodemos. Este encontro marcante está relatado no livro de João capítulo 3.

Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus. Este, de noite, foi ter com Jesus e lhe disse: Rabi, sabemos que és Mestre vindo da parte de Deus; porque ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não estiver com ele. João 3:1 e 2. Nicodemos inicia o diálogo reconhecendo-o como Rabi e Mestre vindo da parte de Deus. Este homem ficou despertado em conhecer Àquele que tinha poderes sobrenaturais e que atraía tantas pessoas ao seu redor. Porém Jesus não estava preocupado com elogios ou com sua popularidade, mas sim com o que era essencial para Nicodemos e para todos os homens. A isto, respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus." João 3:3. A maior necessidade dele era de Vida, e não de mais religião.

O contexto aqui é importante. Em João 2:23-25 lemos: Estando ele em Jerusalém, durante a Festa da Páscoa, muitos, vendo os sinais que ele fazia, creram no seu nome. Ali as pessoas creram no Senhor apenas porque viram os milagres que Ele realizou. Contudo o Senhor não pode se comprometer com tais pessoas. O texto continua: mas o próprio Jesus não se confiava a eles, porque os conhecia a todos. E não precisava de que alguém lhe desse testemunho a respeito do homem, porque ele mesmo sabia o que era a natureza humana. João explica a razão porque Jesus não confiou naqueles que creram no seu nome, pois ele conhecia a natureza humana. É esta revelação a respeito de nós mesmos que carecemos.

Como os demais, Nicodemos também estava convencido por causa dos sinais e milagres. Apesar de ser noite, talvez para se precaver contra as opiniões das pessoas, o chefe dos judeus, se humilhou e foi até Jesus. Entretanto no diálogo, o Senhor Jesus nem sequer esperou Nicodemos fazer qualquer questionamento, pois ... Ele sabia o que era natureza humana. Jesus rapidamente apresentou o diagnóstico a respeito da condição do homem e qual o remédio para o seu deplorável estado. O tema Novo Nascimento, para muitos é perturbador, pois ele confronta o homem com, três princípios fundamentais : a real necessidade do homem, a suficiência de Cristo e a soberania de Deus. Esta abordagem sai da superficialidade de pensamento e do estilo de vida característico da pós- modernidade, ou seja, ela expõe a imagem do ser humano como corrompida e desfigurada em relação à sua condição original, trazendo à tona o lado obscuro de todos os homens. É uma mensagem centralizada em Deus e não no homem. A principal ação é de Deus, tendo como maior objetivo a salvação e restauração deste homem à Sua imagem e semelhança, onde o protagonista principal é Cristo. Além de tratar da soberania de Deus, assunto difícil pois o homem tem a tendência de ser independente e ter o controle de sua própria vida. Isto explica porque a mensagem do novo nascimento gera tanta inquietação e perturbação.

A principal declaração acerca da condição humana está no versículo 6: O que é nascido da carne é carne; e o que é nascido do Espírito é espírito. Sem o novo nascimento as pessoas, por mais bem intencionadas e religiosas que sejam, vivem na esfera da carne, ou seja, na dimensão da natureza humana. No jardim do Éden, a queda fez com que a vida humana se limitasse à dimensão terrena. O homem que tinha recebido o Espírito de Deus e estava ligado à fonte da Vida, perdeu a sua capacidade de percepção das coisas divinas e do próprio Deus. Nesta dimensão chamada "carne" é impossível que o homem possa satisfazer o coração de Deus. A Bíblia é categórica os que estão na carne não podem agradar a Deus. Romanos 8:8. Paulo também descreve a natureza humana quando afirma: Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem nenhum. Romanos 7:18. Pela própria natureza ,cada homem, é incuravelmente depravado. Quando Jesus, afirma: O que é nascido do Espírito é espírito, está dizendo que a pessoa não renascida está desprovida de vida no seu próprio espírito. O apóstolo Paulo descreve a condição dos pecadores antes de receber a vida de Deus. Ele nos deu vida, estando vós mortos em vossos delitos e pecados. Efésios 2:1 Como afirmou Tiffany. "Em seu estado natural o homem está entenebrecido no entendimento, corrompido nas afeições, e afastado de Deus." Além disso, o homem limitado a esfera da carne e separado de Deus, ele está sob influencia direta de Satanás, ou seja, fora do domínio ou reinado de Deus.

O novo nascimento é o cumprimento das promessas de troca de coração anunciadas no Velho Testamento. Dar-vos-ei coração novo e porei dentro de vós espírito novo; tirarei de vós o coração de pedra e vos darei coração de carne. Porei dentro de vós o meu Espírito e farei que andeis nos meus estatutos, guardeis os meus juízos e os observeis. Ezequiel 36:26-27 Conforme as palavras do Pastor Antonio Abuchaim: Novo Nascimento é Deus por sua graça, pelo Espírito Santo, em Cristo Jesus, tirando a nossa natureza terrena e dando-nos da sua natureza Divina… Concluímos que novo nascimento é Deus tirando a nossa natureza ou coração perverso e dando-nos da Sua natureza divina ou coração novo.

Este foi o meio que Deus escolheu para alinhar novamente a vida de cada pecador com Sua própria vida, e assim cumprir o propósito para o qual foi criado. Propósito este de sermos feitos Seus filhos, pela fé em Cristo Jesus. Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus. João 1:12-13.

Quando somos concebidos pelo Espírito Santo, compartilhamos da natureza divina. O primeiro nascimento faz com que vivamos a vida humana. O segundo nascimento faz com vivamos a vida espiritual. O primeiro nascimento amarra os nossos corações aos nossos pais terrenos. O segundo nascimento amarra os nossos corações ao nosso Pai Celestial. O primeiro nascimento transmite um impulso natural para amarmos a nossa vida. O segundo nascimento transmite um impulso sobrenatural para perdermos a nossa vida por amor a Cristo.

No primeiro momento Nicodemos pensou que nascer de novo tratava-se de voltar a ligar-se a sua mãe, que o gerou. Mas não tratava-se deste parto. Mas sim do parto espiritual, onde Deus é quem estava gerando o homem outra vez, agora com a sua natureza. E como todo parto este também foi com dor. A regeneração operada em Cristo na Cruz trouxe dor tanto para o Pai como para o Filho. A re-criação exigiu que o Filho de Deus fosse levantado em uma cruz. Mediante a pergunta de Nicodemos:Como pode ser isso? Parece que Jesus não gastou tempo lhe explicando, somente apresentou fatos para serem cridos. E, como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do Homem seja levantado, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. João 3:14. Jesus expõe a obra da cruz e ressalta o valor de crer. Há uma profunda ligação entre nascer de novo e crer. Aqui não se trata de apenas crer em Jesus, mas crer em tudo o que aconteceu na cruz, incluindo nossa identificação com Cristo.

A Bíblia apresenta claramente a doutrina da nossa identificação com Cristo. Essa identificação começou na encarnação, mas se consumou na crucificação, onde Cristo recebeu a nossa natureza caída e corrompida sobre si. Quando Cristo foi levantado na cruz, Ele, pela sua morte, pôde destruir o domínio de satanás, a antiga serpente. Visto, pois, que os filhos tem participação comum de carne e sangue, destes também ele, igualmente, participou, para que, por sua morte, destruísse aquele que tem o poder da morte, a saber, o diabo, e livrasse todos que, pelo pavor da morte, estavam sujeitos a escravidão por toda a vida. Hebreus 2:14-15. Cristo mediante a cruz nos livrou da escravidão do pecado, de Satanás e da morte.

Porém diferentemente da religião que quer apenas pecados perdoados e necessidades supridas, a regeneração significa muito mais. É receber a vida do próprio Cristo em nosso ser. Estou crucificado com Cristo e vivo não mais eu, mas Cristo vive em mim. Gálatas 2:20. Considerar a nossa identificação com Ele é o caminho seguro para o novo nascimento. Ao reconhecermos o amor de Cristo quando morreu por nós, somos constrangidos a reconhecer que fomos identificados com Ele em sua morte, que nele morremos, ressuscitamos e vivemos exclusivamente para Ele. Pois o amor de Cristo nos constrange, julgando nós isto: um morreu por todos; logo todos morreram. 2 Coríntios 5:14-15. Fomos identificados tanto no aspecto negativo, que é a sua morte, como no aspecto positivo, a sua ressurreição, ascensão e exaltação. Nos deu vida juntamente com Cristo, pela graça sois salvos, e, juntamente com ele, nos ressuscitou, e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus. Efésios 2:5-6

Repensar o novo nascimento é repensar a qualidade de nossas vidas e de nosso testemunho Muitas vezes queremos mais ganhar do que perder. Usufruir somente dos benefícios desta nova vida sem obedecer, pela graça, os imperativos de Jesus. Uma nova criatura experimenta a revitalização de todo o seu ser, a partir da vida de Cristo em seu interior. Conseqüentemente todos os membros de seu corpo são oferecidos a Deus como instrumentos de justiça. Os olhos passam a ter uma visão clara de Cristo, os ouvidos ficam atentos à voz do Espírito, as mãos são oferecidas para servir e tocar o outro , e os pés prontos para anunciar as boas novas em todo e qualquer lugar. ...oferecei-vos a Deus, como ressurretos dentre os mortos, e os vossos membros, a Deus, como instrumentos de justiça. Por que o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei e sim da graça. Romanos 6:13b e 14. Religião não, Vida sim.

0 comentários: