sexta-feira, 1 de junho de 2018

Paulo Cadi: 20 questões relacionadas ao Juízo Investigativo

"Estas 20 questões relacionadas ao Juízo Investigativo eu tirei do livro "O Caso White"....... estão aí para os sabatistas se divertirem! Que eles façam bom proveito!

"Aqueles que desejam estudar mais sobre esse assunto encontrarāo bastante inspiraçāo nas 20 questōes seguintes oferecidas pelo ex-pastor Adventista Phillip Wilson.

1. Deve ser explicado por que o contexto de Daniel 8 não é considerado e por que a questão de Daniel 8:13 é ignorada, ao procurar interpretar sua resposta dada em Daniel 8:14.

2. Deve provar-se que 2300 tardes e manhãs são iguais a 2300 dias completos, quando não há provas conclusivas de Daniel 8:14 (e nenhum outro texto da Escritura para confirmar) que significam dias completos.

3. Não só deve ser provado que um dia é igual a um ano em profecia, mas que o sacrifício da tarde e da manhã são iguais a um ano.

4. Em face da implicação contextual de que o período de 2300 anos começaria quando o sacrifício diário foi suspenso, deve-se argumentar que começou, em vez disso, em 457 aC uma data que não teve nada a ver com a remoção do holocausto regular. Nota: Já que para os Adventistas o ano 457 aC marca o início das 2300 tardes e manhãs.

5. Deve provar-se que o santuário celestial é o mencionado quando o contexto se refere ao santuário terrestre e a atividade contra ele pelo pequeno chifre.

6. Deve provar-se que a limpeza do santuário significa limpá-lo dos pecados confessados
​​dos santos, quando o contexto se refere à limpeza da poluição pelas atividades desoladoras do pequeno chifre.

7. Deve provar-se que os pecados confessados
​​contaminam o santuário; e que o sangue das ofertas pelos pecados individuais era levado ao santuário, que tal sangue estava carregado de pecado e, portanto, contaminou os lugares sagrados.

8. Deve ser assumido que 490 anos são cortados dos 2300 anos, quando não há nada em Daniel 8 ou 9 que o exija.

9. Deve assumir-se que os 2300 anos e os 490 anos começam juntos, embora não haja prova disso.

10. Deve-se sustentar que a reconsagração do santuário em Daniel 8:14, bem como a unção da santidade em Daniel 9:24 não são as mesmas, mas são separadas por quase 2.000 anos.

11. Deve provar-se que existe uma ligação contextual e linguística entre Daniel 8:14 e Levítico 16.

12. Deve ser demonstrado que a palavra emitida em Daniel 9:25 refere-se ao decreto real e que Artaxerxes fez tal decreto para restaurar e reconstruir Jerusalém, quando não há provas de que ele fez.

13. Deve provar-se que a purificação do santuário começou não apenas em 1844, mas em 22 de outubro de 1844. Como esse detalhe não está na Bíblia, deve-se mostrar que os karaítas celebraram o dia da expiação em 22 de Outubro de 1844 e que seu calendário é mais confiável do que o calendário rabínico ortodoxo. Todo esse exercício depende, é claro, de provar que a limpeza do santuário em Daniel 8:14 é o mesma que a tipificada em Levítico 16.

14. Deve ser explicado por que, ao dar aos 2300 dias uma aplicação do Novo Testamento, é necessário incorporar o dia judaico da expiação, uma vez que os SDA ensinam após a cruz, o judaísmo como sistema, foi desqualificado; cessaram as práticas dos dias sagrados anuais; e que a Igreja é agora o verdadeiro Israel de Deus.

15. Deve mostrar-se que o dia antitípico da expiação começou em 1844; e deve ser explicado por que o grande ato de expiação de Cristo [no Calvário] não é o dia da expiação, mas está separado disso por 1 800 anos.

16. Deve provar-se que o esquema de dois apartamentos do santuário do Antigo Testamento é paralelo a um ministério de dois apartamentos por Cristo no santuário celestial, quando Hebreus não sugere tal conclusão.

17. Deve mostrar-se que há dois apartamentos no santuário celestial e que Cristo se mudou do lugar sagrado para o lugar santíssimo em 1844. É preciso explicar também como, quando o Novo Testamento diz que Cristo entrou na presença de Deus e sentou-se no trono no santuário celestial (como Hebreus 9: 1 2 diz), isso significa apenas o primeiro apartamento no Céu.

18. Deve mostrar-se ainda por que Cristo deve funcionar como sacerdote segundo a ordem de Arão, quando Hebreus ensina que Ele transcendeu esse sacerdócio e funciona como sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque.

19. Deve provar-se que o julgamento que começou em 1844 foi um julgamento investigativo apenas para o professo povo de Deus - não um julgamento do chifre perverso ou da Babilônia.

20. Deve mostrar-se que isto é o que descreve Apocalipse 14:7, embora não ofereça tais detalhes sobre este julgamento dos santos. Revelation 14:7 refere-se a este julgamento investigativo? Ou se refere à grande hora de julgamento de Deus que começou na cruz?"

Fonte: http://mcapologetico.blogspot.com.br



0 comentários: