sábado, 23 de novembro de 2013

“Perguntas aos TRINITÁRIOS!” – Respondidas!

Diante de tantas verdades a respeito das Testemunhas de Jeová, que vieram ao conhecimento do público desde o advento da internet, alguns em suas fileiras dedicaram-se na defesa da Organização Torre de Vigia. Obviamente, não em consentimento dos próprios líderes que eles tanto defendem, visto que os tais proíbem tal comportamento.

Devemos reconhecer que essa nova postura é corajosa e com um certo grau de superioridade ao que a maioria das Testemunhas de Jeová apresenta em diálogos pessoais, com  quem lhes apresentam argumentos mais pesquisados.

No site Tradução do Novo Mundo Defendida, (que agora terá que reformular muito de seus argumentos, já que seus líderes lançaram uma Nova Tradução do Novo Mundo contendo os elementos que eles criticaram nas versões tradicionais!!!) entre seus vários links, vi um que me despertou um interesse maior. São algumas perguntas ao trinitarianos, que pelo que parece, a intenção do site é trazer problemas, racionais e bíblicos, para a principal doutrina do cristianismo. Tanto, que o editor do site ao introduzir as perguntas, diz: “Gostaríamos de propor aos defensores da doutrina da trindade que respondessem cada pergunta abaixo que escolher, sem se desviar do texto ou questão proposta.” 

Tentarei responder, dentro de minhas limitações:

1. “Se Deus é uma trindade, porque Jesus disse que devemos adquirir conhecimento do pai e do filho, mas não do “Espírito Santo” ? – João 17:3”

O argumento é muito falho, pois é baseado no silêncio. A omissão da informação é tida como prova contrária. Poderíamos incluir que não precisamos conhecer a vontade de Deus, seus mandamentos, sua Palavra, visto que ali não estão incluídas, tais exigências! Além disso, seria desnecessário o batismo em Nome do Espírito Santo.

Mas Deus no-las revelou pelo seu Espírito; porque o Espírito penetra todas as coisas, ainda as profundezas de Deus. Porque, qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o espírito do homem, que nele está? Assim também ninguém sabe as coisas de Deus, senão o Espírito de Deus. Mas nós não recebemos o espírito do mundo, mas o Espírito que provém de Deus, para que pudéssemos conhecer o que nos é dado gratuitamente por Deus. As quais também falamos, não com palavras que a sabedoria humana ensina, mas com as que o Espírito Santo ensina, comparando as coisas espirituais com as espirituais. Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente.  1 Coríntios 2:10-14

2. “Porque todas as coisas [Deus] sujeitou debaixo de seus pés. Mas, quando diz que todas as coisas lhe estão sujeitas, claro está que se excetua aquele que lhe sujeitou todas as coisas”  (1 Coríntios 15:27) De acordo com este texto, existe alguém que não está sujeito a Cristo, se não está sujeito, por que então?”

A princípio, essa objeção parece ser um grande obstáculo para a definição histórica da trindade, que segundo os termos do credo de Atanásio, diz que ‘nenhum é maior ou menor’ na Trindade. Tal objeção, porém, é desconecta, e só logra êxito nos menos informados.

Primeiro, os intérpretes cristãos nunca negaram o ensino bíblico da sujeição de Cristo ao Pai, essa é uma sujeição funcional. Na natureza do Verbo, isto é do Filho, é o que a Bíblia diz: “O Verbo era Deus.” (Jo 1.1). Segundo, em sua função, relacionada ao que o texto de I Co 15.27 está dizendo, é tudo que ele qual Messias cumprirá até os fins dos tempos, daí para toda eternidade, O Filho nunca deixará de ser Cristo, o homem glorificado.

As Testemunhas de Jeová não lidam com o versículo 28, pois seguindo sua linha de argumentação, Jesus então não estaria HOJE  sujeito ao Pai!?

“E, quando todas as coisas lhe estiverem sujeitas, então também o mesmo Filho se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou, para que Deus seja tudo em todos.1 Coríntios 15:28

Perceba que o que a Palavra está dizendo é sobre os ofícios do Redentor de nossas almas, em relação ao plano salvífico e universal de Deus (Cl 1.20).

3. “Se Jesus era Deus, porque Satanás iria perder o seu tempo tentando-o? Será que Deus é vulnerável?”

Satanás está perdendo o seu tempo mesmo consciente disso (Ap 20.10)!!!

Diferentemente do pressuposto da indagação, os cristãos ortodoxos concluem que Jesus não podia pecar, por causa da sua natureza divina e sua humanidade santa (Cl 2.9; Lc 1.35).

A tentação, no entanto, levou ele a experimentar a provação tal como homem, levando o Redentor presenciar o que cada homem e mulher enfrentam diante de provações/tentações, para habilitar Jesus, qual Mediador humano, a ser nosso Sumo Sacerdote (Hb 7.26). O erro do argumento TJ está na concepção errada que eles tem a respeito de uma faceta da doutrina trinitariana; a união das duas naturezas.

4. “Se Jesus é Deus, porque é que Estêvão viu duas pessoas no céu? Estêvão “fitou os olhos no céu e avistou a glória de Deus, e Jesus em pé à direita de Deus.” (Atos 7:55) Claramente viu duas pessoas distintas. Estêvão menciona que Jesus está à direita de Deus e não simplesmente à direita do Pai. E se Jesus é parte de uma divindade trinitária, porque é que Estêvão não viu também o espírito santo ou três pessoas?”

Repetem dois erros cometidos nas perguntas anteriores. Argumento do silêncio e falta de conexão com a real interpretação trinitariana.

Muitas respostas podem ser dadas a esses argumentos fragilizados: A Bíblia diz que os serafins e querubins estão dia e noite diante da face de Deus dizendo santo, santo, santo... e Estevão não viu? Perceba que a omissão de uma informação não deve ser usada como prova, afinal em outras descrições celestiais, tais seres estão ali (Is 6.2; Ez 1; Ap 4.6).

A incoerência da pergunta está na falta de compreensão de que a visão não é uma demonstração exaustiva de como é o céu (se é que existe algo com “como é o céu” que possa ser compreensível a nós se não for por analogias), ou mesmo como são postas as pessoas da divindade ali, antes é uma mensagem para a ocasião em tela (At 7.55,56). Por último, João viu o Espírito Santo no céu (Ap 1.4;3.1;4.5;5.6).

A outra falha da pergunta está quando o TJ destacou que Lucas não registrou apenas o Pai, mas que Jesus estaria do lado de DEUS, pensou ele, ‘sendo Jesus Deus não podia estar ao lado de Deus!?’

O NT usa de forma sinônima, o nome Deus para o Pai. Algumas vezes encontramos Jesus ser chamado de Deus, mas o que é recorrente no NT é que o Pai é chamado de Deus. Portanto, é uma questão de uso, visto que o Pai é O Deus Todo-Poderoso, tal como é o Filho, não existe restrições no uso do termo.

5. “Se Jesus é parte de uma Trindade, então como entenderíamos o texto de Gálatas 3:20 que diz: “Não há mediador onde apenas uma pessoa está envolvida, mas Deus é apenas um.”, visto que Hebreus 12:24 diz que Jesus é ‘o mediador dum novo pacto’?

 “Se Jesus é parte de uma trindade”, provavelmente não entenderíamos mesmo!Eis aí o problema. Na Trindade não existe parte. A pessoa é tudo que a essência é e a essência é tudo que cada pessoa é. Mas como cada pessoa é completa em si e por si, e sendo uma pessoa com atributos que a distingui de ‘outra’, a pessoa do Filho é o mediador do texto e o Pai é o Deus do texto.

6. “Se Jesus é Deus, quem é o Deus de Jesus? Com quem ele falava antes de morrer? Com ele mesmo? Leia Mateus 27:46:   ”Por volta da nona hora, Jesus exclamou com voz alta…”Deus meu, Deus meu, por que me abandonaste?”

O Pai é o Deus de Jesus, segundo a Bíblia. A religião TJ não conhece os ensinos bíblicos a respeito desse assunto, por isso acha que para os trinitarianos isso é um problema. Como que se O Pai chamar Jesus de ‘Deus e Senhor’ (Hb 1.8,10) excluiria o Pai de ser quem ele é!

O filho no exercício de sua função messiânica teve que experimentar em sua humanidade a rejeição do Pai, qual substituto do pecado dos eleitos. Jesus disse que o Pai estava nele, e mesmo ali, a Bíblia diz que Deus estava reconciliando o mundo. Porém, na faceta punitiva da expiação o Cordeiro foi morto pelo Pai, e nesta completa punição pelos pecados, Jesus sentiu até mesmo como o pecador perde a comunhão com Deus.

Conclusão

Entre as Testemunhas de Jeová impera o conceito de que a doutrina trinitariana é a doutrina mais absurda do cristianismo tradicional. Eles acham que existe apenas uma resposta para seus poderosos questionamentos: “isso é mistério!” Respondem os trinitarianos...

Certa vez conversando com um TJ sobre as falsas profecias da Torre de Vigia, (me informaram de maneira antecipada que ele era muito sábio), ele disse-me que preferiria tratar de questões doutrinárias como a Trindade. Ele estava muito seguro de que podia deslocar o assunto para um que ele tinha certeza que teria maior êxito...


O conhecimento que as Testemunhas possuem a respeito dessa doutrina é muito confuso, pois eles só conhecem tal doutrina sob a ótica que seu Corpo Governante coloca. A maioria esmagadora dos membros dessa religião não possuem nenhuma obra teológica que poderia apresentar a doutrina com propriedade bíblica e definição ortodoxa.

Fonte: MCA

0 comentários: