sábado, 8 de outubro de 2011

A ORIGEM DO SÁBADO ADVENTISTA

Muitos ficariam surpresos ao descobrirem que os pioneiros dessa igreja nem sempre guardaram o sábado. Isto porque 99% dos mileristas, que segundo alguns escritores, havia chegado a cifra de 1 milhão, eram fiéis guardadores do domingo.
   Miller, o líder deste movimento era observador do domingo, assim como Tiago White e sua esposa Ellen G. White.
  Falando daqueles primeiros tempos de formação do movimento, certo escritor adventista comenta:
  Este grupinho de fiéis testemunhas, desapontadas, mas não desiludidas; foram aos poucos recebendo novas luzes. E assim, aceitaram o sábado como em vigor na dispensação cristã. Este mandamento da imutável lei de Deus foi introduzido no movimento pela senhora Raquel Preston, egressa da igreja Batista do Sétimo Dia, aceito e pregado veementemente por José Bates, e mais tarde ratificado através de visões celestiais, por Ellen G. White. Porém foi T.M Preble, o primeiro a comunicar esta grande verdade por meio da imprensa aos mileritas do advento (‘Assim Diz o Senhor’, Lourenço Gonzalez – ed. ADOS pág. 415).
   Em agosto de 1844, Thomas Preble, antes ministro batista, por si mesmo ou por influência de Rachel Oakes ou Frederick Wheeler, também aceitou a observância do sábado do sétimo dia. A Sra. Raquel Preston, batista do sétimo dia chegou a visitar a igreja de New Hampshire em Washingtom, conseguindo persuadir seus membros á observância do sábado. Tempos depois em meados de 1845, o sr. Joseph Bates visitou aquele grupo e foi influenciado por eles e pela leitura do artigo de T.M. Preble sobre a questão do sábado (Le Roy Edwin Froom – The Prophetic Faith of our Fathers, vol. IV, páginas 920 a 936 e 941).
  Bates começou a guardar o sábado em março de 1845, sendo assim o primeiro dos preeminentes guias pioneiros do povo adventista do sétimo dia a aceitar o sábado ( Fundadores da Mensagem, p. 98).
  Bates, posteriormente, publicou um folheto intitulado “The Seventh-day Sabbath”, que foi lido por Tiago e Ellen White. Assim ambos uniram-se em torno desta doutrina. Mais tarde a sra. White viria confirmar com suas visões a doutrina sabatista. Apesar de a idéia do sábado ter sido introduzida por outros sabatistas, quem maior labutou para sua propaganda no meio adventista foi o ex-marinheiro Joseph Bates.
   Um fato importante a ser observado é o seguinte: Quando Bates veio fazer parte do movimento adventista ele não cria nas visões e profecias de Ellen White. Observe as queixas que Ellen White fazia a este respeito:
   A primeira vez que me ouviu falar manifestou profundo interesse, Depois que eu acabara de falar, levantou-se e disse: ‘Eu duvido como Tomé. Não creio em visões...(Vida e Ensinos pág. 84).
   Ele não cria então inteiramente que minhas visões provinham de Deus. (Ibdem, p. 87)
   Por sua vez a senhorita Harmon não aceitava a doutrina do sábado, dizia ela:
   O pastor Bates guardava o sábado, sétimo Dia da semana, e para esse dia nos chamava a atenção como sendo o verdadeiro sábado. Eu não compreendia sua importância e achava que ele errava em ocupar-se com o quarto mandamento mais do que com os outros nove (Ibdem)
   É preciso ressaltar que ela veio atestar com suas "revelações" a doutrina do sábado, somente depois que ele (Bates) aprovou suas visões como sendo de procedência divina. Logo após esta concessão feita por Bates ela teve uma visão da arca, do propiciatório e do 4º mandamento. Assim ela recebia a luz concernente ao sábado:
   O Senhor, porém, me deu uma visão do santuário celestial...Jesus levantou a cobertura da arca e contemplei as tábuas de pedra...Fiquei aterrada quando vi o quarto mandamento mesmo no centro dos dez preceitos, com uma suave auréola de luz rodeando-o (Ibdem p.92).

   Depois deste “acordo” ela começou a pregar a doutrina sabatista.
   Nos primeiros anos de seu trabalho, numa ocasião em que ela, seu esposo e o pastor Bates eram quase os únicos que pregavam a verdade do sábado... (Vida e Ensinos p. 249)
COMO ELEN WHITE GUARDAVA O SÁBADO

   O que muitos ignoram, inclusive adventistas, é que EGW não guardava o sábado como o fazem atualmente a IASD.

   Vejamos: Na assembléia realizada em 1855, três pessoas em especial se manifestaram contra a guarda do sábado de pôr a pôr do sol: José Bates, Tiago e Ellen White: “As conclusões então apresentadas por Andrews convenceram a maioria dos presentes. Entretanto, o casal White, José Bates e outros mostraram-se recalcitrantes em aceitar a nova luz.” (A Mão de Deus ao Leme, pag. 57)

   Por fim, para não perder a direção do movimento, Ellen White teve outra visão. E é por isso que os adventistas batem nesta tecla do pôr do sol até hoje. Não por que seja normativo, mas por que a sra. White teve uma visão!

   O curioso de tudo isso é que em 1847 a Sra. White tem uma visão na qual lhe é revelada a importância do sábado. Aí em 1855, quase 10 anos depois, os adventistas descobrem que estão guardando o sábado de maneira errada, e então a Sra. White tem outra visão, na qual o tempo correto para se observar o sábado lhe é mostrado. Isso não é algo no mínimo curioso? Porque o anjo que lhe deu a primeira visão do sábado não lhe disse também o modo como guardá-lo? Por que somente depois de 10 anos, foi que o anjo voltou e completou o serviço?
   Isso mostra que a autoridade profética que conferia o carimbo de validade nas doutrinas adventistas era realmente a palavra de Ellen White! 

5 comentários:

Julymar disse...

Valentim
eu dei uma linda em seu texto e achei muito interesante .
Deus lhe abençoe amigo
muito criativo ( esclarecedor ) seu blog

A Bíblia Fala disse...

Novamente este seu estudo sobre a origem da guarda do sábado pelos adventistas, apesar de ter veracidade histórica, é explicada por você com viés preconceituoso e com ignorância. Não sei qual igreja o irmão congrega, mas faça uma análise de suas doutrinas e verás que sua igreja, como todas as outras igrejas, ditas evangélicas, não possuem nenhuma doutrina que seja descoberta, originada, criada por esta igreja. Para sua informação e enriquecimento espiritual, nós evangélicos herdamos as doutrinas, que são as verdades bíblicas dos pioneiros evangélicos, cujas origens vem de Cristo e os apóstolos, mas se você for mais estudioso da Bíblia, descobrirá que as verdades bíblicas tem começo no livro do gênesis. O sábado tem origem na criação do mundo, quando Deus criou tudo em seis dias e descansou, abençoou e santificou o sétimo dia, que é o sábado. Também o sábado é o 4º Mandamento da Lei de Deus, (Êxodo 20:8-11). Minha oração é que Deus tire a trave do preconceito de seus olhos, meu irmão. Abração.

O Peregrino disse...

Você sabia que a sua Igreja não era trinitarista? Que guarda do sábado adentrou na sua igreja por uma pessoa que era da batista? Analise os fatos e verá que sua igreja tem muitas coisas do homem e não da igreja primitiva.
Leia o livro A nuvem branca e verá do que estou falando, não se preocupe de onde vem o meu enriquecimento espiritual, de uma coisa é certa, não vem de EGW.

O Peregrino disse...

É só ler a artigo em lide e verá que o sábado não era guardado por sua igreja, seja honesto por favor. Vocês estão sendo enganados pelos livros da visionária EGW.

A Bíblia Fala disse...

Parabéns para você, em parte. Você sabe ler, mas não entende o que ler. Eu não neguei que os adventistas HISTÓRICAMENTE receberam a doutrina do sábado dos Batistas do 7º Dia, mas você não entendeu quando eu disse que a doutrina do sábado remonta à Bíblia (compare Gênesis 2:1-3 com Êxodo 20:8-11). Você gosta de polêmica. Eu estou fora. Também declarei, no comentário acima, que todas as igrejas herdaram suas doutrinas de outras igrejas através dos séculos, não há nenhum mal nisto, desde que a doutrina tenha fundamento bíblico. Veja o caso da doutrina do batismo por imersão, que foi defendida à custa de muitas vidas pelos anabatistas, que são os atuais batistas. Dou graças à Deus por ter preservado as verdades bíblicas através do custo da própria vida de seus filhos no transcorrer dos séculos. Isto não deve servir para lamentar ou servir de crítica preconceituosa, como as suas. Os Batistas do 7º Dia preservaram a verdade do sábado, nós adventistas descobrimos esta verdade através deles, isto não desmerece ninguém. A verdade bíblica sempre tem que ser enaltecida, jamais ridicularizada. Disse Jesus: "Conhecereis a verdade e ela vos libertará" Que Deus o liberte do preconceito. Que Deus o use para pregar o evangelho, sem desmerecer ninguém.Deus te abençoe.