sábado, 30 de abril de 2011

Dialogando com um adepto da Congregação Cristã no Brasil Final

(Francisco) – Depois eu te mostro o ministério de Cooperador na Bíblia. Eu estava me esquecendo de um assunto muito importante, o batismo em nome do Senhor Jesus. Em Atos 2.38 ordena que Batismo deve ser feito em nome do Senhor Jesus para sermos salvos.

(Lutero) –  Você muda muito de assunto... Irmão Francisco, nenhuma ‘forma’ ou ‘fórmula’ de batismo salva. Salvação está na Pessoa do Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, morto e ressuscitado pelos pecadores (João 3.16,36). Além do mais, a CCB não pratica o batismo em nome do Senhor Jesus, apenas. Numa invenção histórica*, a CCB acrescenta o batismo triúno de Mateus 28.19 junto ao batismo em nome de Jesus! Em toda história da igreja cristã encontramos o batismo em nome do Senhor Jesus Cristo, em especial em seus primeiros anos, depois encontramos unânimes o batismo triúno, mas NUNCA as duas ‘fórmulas’ juntas. A CCB faz isso sem nenhuma base bíblica ou mesmo histórica.

[*Obs: Para uma informação sobre onde esse batismo em um nome quadruplo pode ter iniciado veja
aqui.]

(Francisco) – Mas ambos são citados Lutero. Então a Congregação obedece, e batiza assim: “Em nome Jesus Cristo te batizo em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”!. Essa foi a revelação que Deus deu ao fundador da Congregação, o italiano Louis Francescon, ex-presbiteriano.

(Lutero) – Ao ler a história da CCB, o atual batismo da CCB não pode ser creditado a Louis Francescon. Nada disso é citado por ele no ‘Histórico’. Hoje os membros da CCB desconectam suas conclusões dos fatos históricos.

(Francisco) – Como assim Lutero?

(Lutero) – A Igreja Presbiteriana é uma das denominações protestantes que batiza por aspersão. O questionamento de Louis Francescon foi a ‘forma’, ou seja, de que modo deveria ser efetuado o batismo, por imersão ou por aspersão. Na verdade, a mesma discussão que históricamente tem os batistas com os demais cristãos. Nada de um batismo em nome de uma ‘quaternidade’, se é possível usar um termo assim para esse batismo da CCB.

(Francisco) – Eu vou verificar isso, mas sei que o batismo verdadeiro é o em nome do Senhor Jesus.

(Lutero) – O que discuti aqui não foi indagar ou reclamar o batismo ‘em nome do Senhor’. Mas sim, o ‘quadruplo’ nome usado no batismo da CCB e a ‘salvação batismal’ ensinado pela CCB.

[Para um estudo histórico e equilibrado sobre o assunto do batismo em nome de Jesus, acesse essa página
aqui.]

(Francisco) – Eu não me preocupo muito com essas coisas, busco mais a revelação, aquilo que Deus me mostra, do que ficar muito na letra.

(Lutero) – Olha Francisco, os Mórmons dizem a mesma coisa e milhões estão lá afirmando que receberam uma suposta ‘resposta divina’ que confirmou a eles que aquela igreja é ‘a verdadeira’.

(Francisco) – O diabo engana muitas pessoas Lutero.

(Lutero) – O que mais me preocupa em você Francisco, é que sua concepção da graça de Deus, está limitando-a na sua denominação.

(Francisco) – Nunca Lutero. Eu estou na graça e você é da lei, pois sua igreja tem que dar o dízimo e o dízimo é da lei, não da graça. A Congregação é o caminho para o Céu.

(Lutero) – Sim, o dízimo é da lei assim como a justiça, a misericórdia e a fé (Mateus 23.23).

(Francisco) – Mas o dízimo foi abolido, e quem está na lei está sob maldição.

(Lutero) – Acho que você precisa ver algo mais nesse assunto. O dízimo como era dado na antiga aliança, sem dúvida, foi abolido. Mas acontece que um princípio permanece com base naquele modo antigo de sustento para obra de Deus. E é esse princípio que precisamos ver o dízimo no Novo Testamento.

(Francisco) – Não adianta Lutero, o dízimo é do Velho Testamento e não existe esse mandamento no Novo. As igrejas usam uma lei que foi abolida para extorquir dinheiro das pessoas.

(Lutero) – Vejamos isso na Bíblia, irmão Francisco ... Novamente I Coríntios 9.6 ao 14. Observe o argumento do apóstolo para o sustento pastoral, é exatamente a lei de Moisés! Ele faz a transposição daquela antiga forma de ofertas/dízimos, de cereais e animais, e faz uma legitima aplicação a exatamente aquilo que você está criticando. Me parece que você tem um sério opositor. Embora ele não tenha feito uso desse direito ali, Paulo pressupõe sua legitimidade.

(Francisco) – Não admitimos isso na Congregação. Lei é Lei, Evangelho é Evangelho... é graça.

(Lutero) – Pois bem irmão Francisco, mas até agora você não teve uma reposta bíblica. Tem constantemente apelado para a autoridade que ‘a Congregação’ tem sobre suas opiniões. Lembra-me muito da autoridade Papal.

Tem uma informação sobre esse assunto no fim da postagem, que interessa aos Presbiterianos.

(Francisco) – Eu respondi sim. Mas é que você fica só na letra. Nós na congregação falamos muito no espírito, na revelação. Mas já que citou I Coríntios, o que me diz do véu?


(Lutero) – De fato o uso do véu é uma prática cristã. Não existe real motivo para achar que vocês estariam errados ter esse costume. Parece ser uma leitura direta de I Coríntios 11. Embora não exaustiva quanto se pinta, mas uma boa correspondência.

(Francisco) – Então, por que as igrejas não obedecem esse mandamento ? São desobedientes.

(Lutero) – Acontece que se tem notado que a cultura local, da cidade de Corinto, estava diretamente ligada a essa prática. Assim, de alguma maneira, o apóstolo teria orientado essa prática. Naquela localidade, geralmente prostitutas de templo ou mulheres imorais não usavam véu. Nessa linha, alguns estudiosos indicam o contexto do ensino apostólico.

(Francisco) – Está vendo Lutero como a letra mata? Temos que cumprir esse mandamento, desse jeito, para sermos Igreja de Cristo.

(Lutero) –  Observe que dentro do contexto de I Cor. 11, o apóstolo pressupõe uma reflexão local. Veja os versículos 13 e 16.

(Francisco) – Negativo Lutero. A mulher que ora sem véu desonra sua cabeça. Assim como não deve ter cabelo cortado, nem o homem ter cobertura com véu ou com cabelo comprido. É vergonhoso e Deus não aceita orações sob essas condições.

(Lutero) – Irmão Francisco, sendo a observação cultural a correta, isto era vergonhoso para eles naquela cultura! Lembre-se que Deus permitiu o nazireu usar cabelo cumprido, mesmo sendo homem, e no fim do voto ele rapava a cabeça, se fosse mulher teria a cabeça rapada. Note isso em Números 6.2,5,18.

(Francisco) – Mas essa lei era no Velho Testamento, agora estamos numa nova doutrina.

(Lutero) – Certo Francisco, mas isso ilustra que certas informações devem ser vistas dentro de seu contexto cultural e doutrinário, além do mais, o que ficou demonstrado foi o modo de Deus tratar os homens dentro de uma história especifica.

Mas eu preciso ir, tenho que visitar uma pessoa que se afastou da igreja...

(Francisco) – Mas ele pecou de morte? Na Congregação não há perdão para quem comete adultério ou fornicação, esse é o pecado de morte!

(Lutero) – Eu conheço a blasfêmia contra o Espírito Santo como pecado de morte. Por mais reprovável que seja os pecados sexuais, existe perdão.

(Francisco) – Então quer dizer que eu posso fazer e aprontar o que quiser, depois voltar para a igreja e está tudo certo!? Isso na Congregação não acontece.

(Lutero) – Não sei se com isso você revela o que está no seu coração... Mas o apelo de Cristo Jesus será sempre: NÃO FAÇA ISSO! (Ap 2.21,22; II Co 12.21).

(Francisco) – Lutero, você é meu amigo, vamos à minha igreja buscar a Palavra e Deus vai falar com você? A CCB é a graça de Deus.

(Lutero) – Não irmão Francisco, eu não vou à sua igreja buscar Palavra, pois eu já estou com ela na minha mão! Com a Bíblia não preciso de revelações extras. Até mais.



A oração do Francisco – Senhor, mostre ao Lutero que a Congregação é Tua graça na terra. Ele está enganado e não entende que a Congregação é único caminho para o Céu. Te peço isso em nome do Senhor Jesus Cristo.

A oração do LuteroPai Soberano, ajude o Francisco a ver e sentir que, somente em Teu Filho Jesus está a salvação eterna, somente Teu Filho é a manifestação de Sua bendita Graça. Liberte o Francisco da religiosidade estéril e sectária. Produza nele, ó Pai, amor pela Sua Palavra. Em nome de Jesus Cristo.



Conclusão

Quase o irmão Lutero perde a paciência!

Esse caso fictício demonstra com certo grau de precisão como pensam os membros da CCB. Minha esperança é que com esse ‘diálogo’, você possa se defender diante das  acusações dos adeptos dessa religião. Ainda que para muitos ela não é uma seita*, existe um perigo patente no bojo teológico deles.
Nos últimos anos a liderança da CCB tem diminuído o ataque a outras igrejas evangélicas, o que pode ser bom. Mas ainda o exclusivismo é a marca deles, a ponto de dizerem que a salvação está somente com os membros da CCB, por causa do seu batismo, entre outras coisas.

Precisamos fazer justiça também, que o Nosso Gracioso Deus está salvando muitas pessoas de uma vida de pecado, idolatria e espiritismo por meio deles. Felizmente ainda vemos no credo oficial da CCB os ideais do Protestantismo, e graças a esses vestígios da verdade, algo está sendo genuinamente realizado entre eles. Precisamos também nos resguardar de disseminarmos tal atitude exclusivista. Como humanos podemos cair nesse laço.

Que nosso trabalho seja o de  II Co 10.5.

_______

*
Para os Presbiterianos: Existe um documento do SC, que inclui a congregação cristã como igreja cristã evangélica, não sendo necessário o batismo. Alguns pastores já duvidaram dessa minha informação, outros ao depararem com ela, acharam que não era sobre a CCB que tal documento refere-se, pois está escrito com iniciais minúsculas, como comecei aqui. Pois bem, até que se resolva isso, qualquer membro da CCB que decida tornar-se da IPB, que não queira receber o batismo, não há razão autorizada para que o Conselho insista nisso. O documento diz assim: "SC-54-137 - Quanto às consultas dos Presbitérios de Niterói, de Sorocaba e da Igreja Presbiteriana Unida de São Paulo sobre como devem ser recebidos na IPB membros de igrejas pentecostais, congregação cristã ou Assembléia de Deus, bem como pessoas que professam a fé em igrejas reconhecidamente evangélicas mas que não pertencem à Confederação Evangélica do Brasil e também não concedem carta de transferência para outras denominações, o SC resolve responder que essas pessoas sejam recebidas por pública profissão de fé, independente de novo batismo." (negrito e itálico meu)

2 comentários:

PPP disse...

OS DOIS ESTÃO ERADOS O BATISMO NO NOME ,DO PAI,FILHO,E ESPIRITO SANTO NÃO BATISA EN NOME DE NINQUÉM,OU VCS CONHECEM ALGUEM COM O NOME PROPRIO DE PAI OU FILHO,ETC.ERA PRA BATIZAR N NOME DE ALQUÉM QUE SEJA PAI,FILHO E ESPIRITO SANTI JOÃO 1:1 NO PRINCIPIO ERA O VERBO ,O VERBO ESTVA COM DEUS .{[[O VERBO ERA DEUS]]]}.1:14 O VERBO(DEUS)SE FEZ CARNE E HABITOU ENTRE NOS APOCALIPSE 22:13 EU SOU O OMEGA E ALFA ,O PRICIPIO E O FIM , PRIMEIRO E O DERADEIRO. NÃO A NADA ANTES DO COMEÇO NENDEPOIS DO FIM OU JESUS DISSE QUE ERA O PROPRIO PAI(JOÃO 10:9 EU E O PAI SOMOS UM COLOSSENSES 2 :9 E NO CORPO DE JESUS HABITAVA TODA A ESSENCIA{GRANDEZA} DA CRIAÇÃO {DEUS} VER DICIONARIO BIBLICO) JOÃO 14 FELIPE PERGUTA MOSTRA NOS O PAI EO QUE NOS BASTA(QU SEJA; O SENHOR FALA TANTO NELE EU QUERO VER ELE0 JESUS DISSE ``ESTOU`´´CONTIGO A TANTO TEMPO E NÃO ME VIU. SENHOS CO CORPO DE JESUS ,COMO O NOSSO CORPO E PARA O NOSSO ESPIRETO ,ERA SO A CASA PRO ESPIRITO ESSE ERA O PRORIO DEUS.ELE TINHA DUAS NATUREZA HUMANA(SENTIA FOME,MEDO ETC ,DEUS ANDAVA SODRE AS AGUÁS RESUCITAVA S MORTOS ETC...NÃO E MARAVILHOSO QUE O NOSSO PROPRIO DEUS VEIO AQUI NA TERRA NOS RESGATAR.PAULO HENRIQUE LOURENÇO Á IGRJA DE DEUSNO BRASIL.

O Peregrino disse...

Grato por visitar meu blog Sr. Paulo Henrique Lourenço, pode me explicar João 14:16?