domingo, 3 de outubro de 2010

Jesus ou Moisés: quem é "as primícias dos mortos"?

Moisés ressuscitou em glória antes de Jesus Cristo?

É notório que os Adventistas, como outras seitas e movimentos ateísticos, negam a vida após a morte. Um dos argumentos em favor da doutrina do “sono da alma” seria de que a doutrina da “imortalidade” é pagã. E isso poderia facilmente ser constatado pelos escritos de Sócrates e Platão (que teriam influenciado o cristianismo), filósofos helênicos que acreditavam piamente nessa cosmovisão. Diante desses fatos, argumenta o Adventismo que os cristãos deveriam negar veemente a doutrina da imortalidade da alma. Entretanto, se encararmos essa suposição como válida, também não poderíamos aceitar a doutrina do “sono da alma” pregada pelos “aniquilacionistas”, pois havia também filósofos pagãos que defendiam a mesma ideologia adventista da inércia após a morte. O filósofo Epecuro, por exemplo, acreditava em uma ideologia totalmente aniquilacionista – pra ele quanto alguém morria, morria completamente e plenamente (inclusive Paulo combate essa ideologia – I Co 15.32). Então podemos concluir que se acreditar na imortalidade da alma é invalido pelo fato de filósofos gregos assim contemplarem a vida, nós também teríamos que negar a teologia adventista pelo mesmo motivo, pois Epecuro acreditava em algo similar ao esquema doutrinário classificado como “sono da alma”. O que vemos é que o argumento adventista é anulado pelo seu próprio silogismo.

A Bíblia tem inúmeras passagens que mostram que a alma não dorme após a morte (Cf. Lc 16.19-31; Ap 6.9,10; Fl 1.21-24; Mt 10.28; etc...). Uma passagem que é bem problemática para os adventistas e para os “aniquilacionistas” são os textos de Dt 35.4 e Mt 17.1-3 – leiamos:

Assim morreu ali Moisés, servo do SENHOR, na terra de Moabe, conforme a palavra do SENHOR”. (Dt 34.5)

“Seis dias depois, tomou Jesus consigo a Pedro, e a Tiago, e a Joäo, seu irmäo, e os conduziu em particular a um alto monte, e transfigurou-se diante deles; e o seu rosto resplandeceu como o sol, e as suas vestes se tornaram brancas como a luz. E eis que lhes apareceram Moisés e Elias, falando com ele”. (Mt 17.1-3)


Os textos deixam explicitado que Moisés morreu e depois de morto apareceu para Jesus no monte da transfiguração.

Mas olhem o que dizem os adventistas sobre o porquê Moisés apareceu no texto de Mateus: “Moisés foi ressuscitado antes de ir ao céu – ver Judas 1:9” *. Ou seja, Moisés só pode aparecer para Jesus por estar vivo como estava vivo Elias (O profeta Elias foi levado ao céu sem ver a morte - Cf. II Rs 2).

Bem, mas por que esse pensamento sobre a ressureição de Moisés não é teologicamente correto?

Primeiro, o texto de Judas 1.9 não fala em nenhum momento que Moisés ressuscitou, diz apenas de uma disputa sobre o corpo de Moisés - "Mas o arcanjo Miguel, quando contendia com o diabo, e disputava a respeito do corpo de Moisés, näo ousou pronunciar juízo de maldiçäo contra ele; mas disse: O Senhor te repreenda".

Segundo, a Bíblia informa que o único que ressuscitou e está na glória é o Senhor Jesus, que foi feito “as primícias dos mortos” - veja: “E que foi sepultado, e que ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras... Mas de fato Cristo ressuscitou dentre os mortos, e foi feito as primícias dos que dormem.” (I Co 15.4,20). Mas ninguém ressuscitou ainda, além de Jesus – “Mas cada um por sua ordem: Cristo as primícias, depois os que são de Cristo, na sua vinda” (I Co 15.23).

Por último, Jesus Cristo é chamado de “primícias dos mortos” (I Co 15.23), mas se Moisés já estava ressurreto na glória então o apóstolo Paulo se equivocou, pois nesse caso Moisés deveria ser chamado de “as primícias” dos mortos.

O que percebemos é que a argumentação da ressurreição e ascensão de Moisés antes mesmo de Cristo não tem nenhum respaldo bíblico. É como diz a Bíblia – “um abismo chama outro” (Sl 42.7) e uma heresia fomenta mais heresia.

0 comentários: