domingo, 25 de outubro de 2009

Mais sobre os Unicistas

Dentro da unidade do único Deus existem três pessoas distintas:
o Pai, o Filho e o Espírito Santo; e estes três compartilham da mesma natureza
e atributos; então, com efeito, estes três são o único Deus.
Há muitos cristãos evangélicos que consideram o movimento Pentecostal Unicista (também conhecido como “Só Jesus”) como um movimento cristão evangélico. A realidade é que este movimento está muito longe de ser considerado como cristão; está mais para uma seita. Uma das definições teológicas de seita é: Qualquer grupo que se desvia das doutrinas fundamentais do cristianismo, como a Trindade, a divindade de Jesus Cristo e a salvação pela graça, através somente da fé em Jesus Cristo.
Os mais conhecidos grupos que compõem o movimento Pentecostal Unicista são:
• Igreja Apostólica da Fé em Cristo Jesus
• Igreja Pentecostal Unida
• Igreja Pentecostal da Fé Apostólica
• Outros grupos independentes que também crêem na unicidade de Deus (como por exemplo, a Igreja Voz da Verdade, Igreja Pentecostal Unida do Brasil, Tabernáculo da Fé, Igreja de Deus do Sétimo Dia)
Os Pentecostais Unicistas negam uma doutrina fundamental do cristianismo: a doutrina da Trindade.
Este artigo foi escrito exclusivamente para alertar ao corpo de Cristo acerca deste movimento sectário e demonstrar à luz das Escrituras como os Unicistas estão equivocados sobre a verdadeira natureza de Deus. Seguimos a orientação de Judas cp. 3, que nos exorta a lutar ardentemente pela fé que uma vez por todas foi dada aos santos.


O ARGUMENTO UNICISTA
A doutrina Unicista está baseada no entendimento de duas verdades bíblicas. Estas bases bíblicas são usadas como fundamentos para sua visão de Deus e Jesus Cristo. A primeira verdade bíblica é que há somente um Deus e que Jesus é Deus. Destas duas verdades, os Unicistas deduzem que Jesus Cristo é Deus no sentido de ser a única pessoa da Divindade – Jesus tem que ser o Pai, o Filho e o Espírito Santo, rechaçando a doutrina da Trindade.


O ARGUMENTO TRINITÁRIO
A Igreja, através dos séculos, sempre ensinou que dentro da unidade da essência do único Deus existem três pessoas distintas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo; e estes três compartilham da mesma natureza e atributos; então, com efeito, estes três são o único Deus.
A teologia unicista ensina que Jesus Cristo é o Pai encarnado, e que o Espírito Santo também é Jesus Cristo. Estes ensinamentos são o pilar da teologia unicista. Vejamos se esta noção está em harmonia com as Escrituras.


É JESUS O PAI?
Versículos que os Unicistas usam para provar que Jesus é o Pai:
Isaías 9:6 — o “Pai Eterno”
Este versículo não ensina que Jesus é o Pai. O título “Pai eterno” refere-se ao fato de que Jesus é o Pai da eternidade; em outras palavras, Jesus sempre existiu (João 1:1); Ele não foi criado, não teve princípio (João 17:5).
O termo “Pai” não era o título que se costumava usar para dirigir-se a Deus no Antigo Testamento. Assim, este versículo não ensina que Jesus é o “Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo” (1ª Pedro 1:3); em outras palavras, Jesus não é seu próprio Pai.
João 10:30 — “Eu e o Pai somos um”
Se Jesus houvesse querido dizer que ele é o Pai, haveria dito: “Eu e o Pai sou um” ou “Eu sou o Pai”, que seria a expressão gramatical correta. Jesus não pode ser acusado de ter sido um mal comunicador.
“Somos” (gr. esmen), a primeira pessoa do plural. Jesus e o Pai são um em natureza e em essência, porque Jesus é Deus, como o Pai, mas não é o Pai.
João 14:8, 9 — “Disse Filipe: “Senhor, mostra-nos o Pai, e isso nos basta. Jesus respondeu: “Você não me conhece, Filipe, mesmo depois de eu ter estado com vocês durante tanto tempo? Quem me vê, vê ao Pai. Como você pode dizer: ‘Mostra-nos o Pai’?”
Jesus não disse a Filipe que era o Pai.
Jesus veio como representante do Pai; veio demonstrar-nos o caminho ao Pai (v. 6). Em João 5:43, Jesus disse: “Eu vim em nome de meu Pai [na autoridade do Pai, com as credenciais do Pai], e vós não me recebeis; se outro viesse em seu próprio nome [em sua própria autoridade, com suas próprias credenciais; como o anticristo], a esse receberíeis”.
Quantas vezes temos orado: “Pai, ajuda-me para que as pessoas te vejam em mim”. Acaso isso quer dizer que quando as pessoas virem você, estarão vendo literalmente ao Pai? Certamente que não, nem tampouco você estaria realmente pensando nisso, mas sim, estaria pedindo que Deus o ajude a representá-lo corretamente diante das pessoas para que possam ver a Deus através de sua vida. Por isso Jesus disse a Filipe: “O que me viu, viu ao Pai”, porque ver a Jesus, quem representou ao Pai foi como se estivesse vendo ao Pai. Mas Jesus não estava dizendo que ele era o Pai.


QUE DIZ A BÍBLIA ACERCA DE JESUS E O PAI?
Jesus é referido como “Filho” mais de 200 vezes no Novo Testamento e nunca é chamado de “Pai”.
Jesus referiu-se ao Pai mais de 200 vezes como alguém distinto dele.
Em mais de 50 versículos podemos observar o Pai e a Jesus, o Filho, lado a lado.
No Novo Testamento repetidamente encontramos expressões como estas:
Romanos 15:5–6 — “O Deus que concede perseverança e ânimo lhes dê um espírito de unidade, segundo Cristo Jesus, para que com um só coração e uma só boca vocês glorifiquem ao Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo”.
2ª Coríntios 1:3 — “Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, Pai das misericórdias e Deus de toda consolação...”
Filipenses 2:10–11 — “...Para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, no céu, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus Pai”.
1ª João 1:3b — “Nossa comunhão é com o Pai e com seu Filho Jesus Cristo”.
1ª João 2:1 — “Meus filhinhos, escrevo-lhes estas coisas para que vocês não pequem. Se, porém, alguém pecar, temos um intercessor junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo”.
2ª João 3 — Graça, misericórdia e paz da parte de Deus Pai e de Jesus Cristo, o Filho do Pai, estarão conosco em verdade e amor”.
No Evangelho de João, Jesus se diz ter sido enviado pelo Pai, mas nunca se referiu a si mesmo como o Pai que enviou ao Filho.
O Pai enviou a alguém separado dele, chamado Filho.
1ª João 4:9–10,14 — “Foi assim que Deus manifestou o seu amor entre nós: enviou o seu Filho Unigênito ao mundo, para que pudéssemos viver por meio dele. Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou e enviou o seu Filho como propiciação por nossos pecados. (...) E vimos e testemunhamos que o Pai enviou seu Filho para ser o Salvador do mundo”.


É JESUS O ESPÍRITO SANTO?

Versículos que os Unicistas usam para provar que Jesus é o Espírito Santo:
2ª Coríntios 3:17 — “Ora, o Senhor é o Espírito e, onde está o Espírito do Senhor, ali há liberdade”.
O texto não diz que “Jesus é o Espírito”. Se a passagem dissesse isto, talvez os Unicistas tivessem um ponto forte, mas como não diz isto, eles assumem que a palavra “Senhor” se refere a Jesus Cristo.
O “Espírito” aqui é chamado de Senhor no sentido de identificá-lo com Iavé (Jeová) ou Deus, e não com Jesus, já que o versículo 16 diz: “Mas quando alguém se converte ao Senhor, o véu é retirado”. Trata-se de uma referência a Êxodo 34:34: “Porém, vindo Moisés perante o SENHOR [Iavé] para falar-lhe, removia o véu até sair; e, saindo, dizia aos filhos de Israel tudo o que lhe tinha sido ordenado”.
O contexto sempre é que determina a quem se está referindo quando a palavra “Senhor” é usada. No versículo 17 a palavra “Senhor” está referindo-se a Iavé e não a Jesus, já que o versículo 16 e todo o contexto assim demonstra.
Se os Unicistas estivessem sempre corretos ao interpretar “Senhor” como “Jesus”, como ficaria Filipenses 2:11? O texto diz: “E toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus Pai”. Seguindo a linha de raciocínio dos Unicistas, teríamos de concluir erroneamente que: “E toda língua confesse que Jesus Cristo é o Jesus...”. Isto não é o que este versículo está dizendo, mas o que está ensinando é que: “E toda língua confesse que Jesus Cristo é Deus. Porém, não Deus, o Pai, porque no mesmo versículo diz que isso será feito ”para a glória de Deus Pai”.
Romanos 8:9 — “Entretanto, vocês não estão sob o domínio da carne, mas do Espírito, se de fato o Espírito de Deus habita em vocês. E, se alguém não tem o Espírito de Cristo, não pertence a Cristo”.
Este versículo não mostra que Jesus é o Espírito Santo. A única coisa que está dizendo é que se alguém não tem o Espírito que produz fé em Cristo e demonstra o caráter de Cristo, ou seja, “o Espírito de Cristo”, ele não é parte do corpo daquele que morreu por nossos pecados. Ele é todavia controlado pela “natureza pecaminosa”.
O versículo 11 faz distinção bem clara entre o Pai que levantou a Jesus dos mortos, o Espírito pelo qual Jesus foi levantado e Jesus, quem foi levantado. Não se pode ignorar a distinção de pessoas apresentada neste versículo.


QUE DIZ A BÍBLIA SOBRE JESUS E O ESPÍRITO SANTO?
Mateus 12:31–32 — O texto fala da blasfêmia contra o Espírito Santo. A conclusão lógica que é extraída deste texto é que se a blasfêmia contra o Espírito Santo não vai ser perdoada, mas a blasfêmia contra o Filho vai ser perdoada, então o Filho não é o Espírito Santo.
João 14:16 — O Espírito Santo é o “outro Consolador”.
João 15:26 — Jesus enviou o Espírito Santo.
João 16:13 — O Espírito Santo demonstra humildade e busca glorificar a Jesus.
Depois de termos visto que Jesus não é o Pai nem tampouco o Espírito Santo, podemos nos dar conta de que os Unicistas têm um conceito equivocado da verdadeira natureza de Deus.
Se Jesus não é o Pai, mas é Deus, e o Pai não é Jesus e é Deus, e o Espírito Santo não é Jesus e é Deus e a Bíblia diz que somente há um Deus, então isto significa que dentro da unidade do único Deus existem três pessoas distintas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo; e estas três compartilham a mesma natureza e atributos; então, com efeito, estas três pessoas são o único Deus.
Uma coisa é dizer “Eu não entendo a doutrina da Trindade” e outra coisa é dizer que “a doutrina da Trindade é falsa”, “pagã”, “diabólica”, “antibíblica”. A Bíblia faz uma advertência muito forte para esta classe de pessoas quando nos diz: “...Este é o anticristo: aquele que nega o Pai e o Filho. Todo o que nega o Filho também não tem o Pai; quem confessa publicamente o Filho tem também o Pai” (1ª João 2:22b–23).

Muitos não acreditam na trindade e negam a dinvidade de Jesus Cristo e negam o Espirito Santo achando que Ele é apenas uma força ativa, mas a Biblia é clara. A Trindade Revelada na Bíblia O Deus verdadeiro que adoramos subsiste em três pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo, iguais em natureza, poder e glória. Esta é a doutrina que encontramos na Bíblia e ela é fundamental para o entendimento de muitos outros fatos sobre Deus e sobre o Seu relacionamento com nossa pessoa.
São três pessoas reais, embora distintas por suas propriedades pessoais. O Pai é Deus, o Filho é Deus e o Espírito Santo é Deus. Deus é um só em Sua essência e em Seu ser.
Alguns trechos da Bíblia onde a doutrina da Trindade está revelada: Mt 3:16,17; Mt 28:19; Jo 1:1; Jo 3:18; Jo 10:30; I Jo 5:20; I Co 8:6; Hb 1:3; II CO 13:13.

O ESPÍRITO SANTO através da vida do homem de DEUS, apóstolo Paulo, deixou-nos registrado nas Sagradas Escrituras as seguintes palavras: “Porque as armas da nossa milícia não são carnais e sim poderosas em DEUS, para destruir fortalezas; anulando nós sofismas e toda altivez que se levante contra o conhecimento de DEUS, e levando cativo todo pensamento à obediência de CRISTO” (2Co10:4 e 5 – Almeida Revista e Atualizada).
Como os irmãos poderam notar, o SENHOR nos revestiu de poder e de autoridade, e nos deu as armas adequadas, para destruir fortalezas e anular sofismas, que são os fundamentos das enormes fortalezas do engano e da heresia. Afirmam-se duas verdades e, em seguida, tiram uma conclusão errada; isso é sofisma. Quando se trata desta matéria, a gente se lembra logo da doutrina dos unicistas. Eles afirmam duas verdades, a saber: Primeira, “Há um só DEUS”, a Bíblia confirma é verdade; segunda, “JESUS é DEUS”, outra verdade confirmada, mas aí eles concluem errado: “JESUS é o Pai”, errado. A Bíblia não confirma. JESUS é DEUS, mas não é o Pai. Olhando a grosso modo, parece que tudo isto é algo de menor importância, sem nenhuma relevância na vida prática cristã. Mas, veja que não é assim. O Senhor JESUS perguntou para os discípulos quem diziam eles que era Ele, ao que antecipando o apóstolo Pedro respondeu: “Tu és o CRISTO, o Filho do DEUS vivo”. JESUS então acrescentou: “Bem-aventurado és Simão Barjonas, porque não foi carne e sangue que to revelou, mas meu Pai que está nos céus”. Notou o detalhe? Ele disse: “Meu Pai que está nos céus”, ou seja, outra pessoa que está em outro lugar. Percebeu? Mas não é só isso não! O Senhor JESUS declarou que sobre a confissão de Pedro Ele edificaria sua Igreja. Vamos rever esta confissão revelada: Pedro disse: “Tu és o CRISTO”, ou seja, o Enviado, o Messias, o Ungido. Mas, Enviado e Ungido por quem? JESUS responde a esta pergunta: Pelo Pai (Lc4:18-21). E, “o Filho do DEUS vivo”, que JESUS confirmou: “O Pai que está nos céus to revelou.” JESUS é o Filho do DEUS Pai que está nos céus! Muito bem, mesmo antes de citarmos outras referências, ficou claro e provado que JESUS não é o Pai. Mas qual a importância de sabermos isto? Acontece que JESUS declarou que sua Igreja seria edificada sobre esta revelação, portanto, precisamos crer que Ele é o CRISTO e que é o Filho do DEUS vivo para sermos salvos. “Qualquer que nega o Filho também não tem o Pai; e aquele que confessa o Filho tem também o Pai. Quem é que vence o mundo senão aquele que crê que JESUS é o Filho de DEUS? Quem tem o Filho tem a vida; quem não tem o Filho de DEUS não tem a vida”(1Jo2:23, 5:5 e 12). Como os unicistas negam JESUS como o Filho de DEUS, então sua doutrina, sua religião e sua fé estão edificados sobre a areia movediça e não pode resistir à prova da verdade. Certamente sucumbirá!

Pequeno histórico

– No final do 1º século a Igreja travou forte batalha apologética contra o gnosticismo. Quem mais se destacou foi o Apóstolo João, como pode notar através de suas cartas e do Evangelho que escreveu o qual foi o último dos quatro Evangelhos e cujo propósito foi justamente combater a doutrina dos nicolaítas. A Igreja batalhou pela fé que uma vez foi dada aos santos e saiu vitoriosa. Mas, de resto, ficou os ebionitas de onde surgiram os monarquianistas modais, que criam num Deus de unidade absoluta (yachidh) e que se manifesta de diferentes modos. Também conhecidos como modalistas ou sabelianistas, pois o Bispo Sabélio foi quem mais se destacou na pregação desta heresia. Em 263 A.D., Dionísio de Alexandria enfrentou o próprio Sabélio, derrotando o sabelianismo. Em 1913 John Schepp fundou a seita “Só Jesus” trazendo à tona esta mentira hoje conhecida como unicismo. Daí veio a Igreja Pentecostal Unida do Brasil, Palavra Original e o grupo “Voz da Verdade” entre outros. O unicismo não faz parte do movimento evangélico, pois nega uma doutrina fundamental do cristianismo: A Santíssima Trindade.
Quando Tertuliano, escritor cristão de língua latina, criou a expressão “Trinitas”, que significa Trindade, ele não estava criando a doutrina da Santíssima Trindade, pois esta doutrina é bíblica e está provada no contexto bíblico desde o Pentateuco que data de cerca de 1400 a. C. e em toda a Bíblia.

O “Shema”

– O texto clássico que denota a doutrina monoteísta de DEUS é Dt6:4-9 e é conhecido como o “Shema” e foi citado por JESUS em Mc12:29. O nosso DEUS é o único DEUS verdadeiro e é Onipotente, Onipresente e Onisciente. Interessante é que a palavra “DEUS” no original neste texto em hebraico é “Elohim” que é o plural de “Eloah” e denota uma unidade composta; isto nos ajuda a compreender porque na criação do homem, DEUS disse: “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança” Gn1:26, e também Is6:8, quando Isaías ouviu a voz do Senhor que dizia: “A quem enviarei, e quem há de ir por nós?” Em Mc1:11 aparece distintamente e ao mesmo tempo as três pessoas da Trindade Divina: JESUS saia das águas batismais, o ESPÍRITO SANTO veio sobre Sua cabeça na forma corpórea de uma pompa branca e o Pai falou dos céus: “Este é o meu Filho amado em quem tenho prazer.” Em Jo8:17 e 18, JESUS declara literalmente que Ele e o Pai são duas pessoas distintas e no capítulo 14:16 e26, que Ele e o ESPÍRITO SANTO e o Pai são três pessoas distintas. Em Ap4:8 - 5:14, JESUS claramente pega o livro da vida da mão do Pai que está assentado no trono. JESUS nunca disse que era o Pai, antes Ele sempre o honrou, reverenciou e fez a Sua vontade. JESUS dirigiu-se ao Pai em oração (e.g. João11:41 e cap. 17), mais de 200 vezes é referido como Filho, mais de 200 vezes referiu-se ao Pai como alguém distinto Dele, em mais de 50 versículos podemos observar JESUS e o Pai lado a lado. Será que JESUS estava fantasiando quando disse: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu Espírito”? Não são 3 deuses e nem é um DEUS de 3 cabeças, mas são 3 pessoas, o Pai, o Filho, e o Espírito Santo; da mesma substância, natureza e atributos, um só DEUS.

0 comentários: