terça-feira, 8 de setembro de 2009

Rock Cristão?

Ric Llewellyn
Publicado pela Fundamental Evangelistic Association

Este ensaio explica em detalhes quais são os “filtros bíblicos” através dos quais qualquer música tem que passar antes de chamar-se “Cristã” (Efésios 5:18-19; Colossenses 3:16), ou seja, a música deve que conter a correta doutrina e: (a) seus versos deveriam ser edificantes, orientados espiritualmente, claros, de acordo com as verdades bíblicas e apontar ou focalizar a Jesus Cristo; (b) sua partitura (o arranjo das notas musicais) não deveria encobrir a mensagem conduzida pelos versos, mas deveria enriquece-la e (c) seu caráter (as "atitudes" da música e seus executantes) deveriam ser consistentes com a pureza da mensagem que ele pretende conduzir (reverência, adoração, etc.). (Cada um dos filtros acima deve ser estabelecido por si mesmo; ou seja, um aspecto "bom" da natureza da música não pode santificar os outros aspectos.) (Por favor, leia Efésios 5:18-19 e Colossenses 3:16 ao final deste estudo.)

a) Os versos - Nossos cânticos espirituais devem ser suficientemente claros, de forma a comunicar a verdade de forma distinta e devem ser coerentes com a revelação bíblica (a sã doutrina) - as palavras devem estar centralizadas no Senhor Jesus Cristo e deverão encorajar a submissão prática aos mandamentos de Deus em todas as nossas atividades pessoais. A maior parte da música contemporânea cristã pode ser rejeitada apenas com base nos versos – mesmo quando os versos são claramente audíveis, a preeminência das falsas doutrinas e/ou a visão pouco profunda da pessoa e da obra de Jesus Cristo é, para dizer pouco, terrível.

b) A melodia e o arranjo – O significado da palavra Salmo designava, originalmente um beliscar ou golpear com os dedos (nas cordas de um instrument); somente mais tarde assumiu o significado de canção sacra, cantada com acompanhamento musical (Vinés Expository Dictionary of New Testament Words). Nossos salmos, ou os arranjos das notas musicais, são ingredientes vitais daquilo que, em termos gerais, chamamos de “música”. Isto acontece porque esta é a área na qual geralmente somos mais ignorantes. A pesquisa médica apóia claramente a argumentação que os tons musicais e os ritmos por si mesmos (ou seja, sem a letra), podem causar reações físicas e “emocionais”, sobre as quais o ouvinte tem pouco ou nenhum controle. Como os arranjos da música cristã contemporânea, com seus tempos sincopados e suas notas indistintas, são virtualmente impossíveis de ser diferenciados da música secular, devemos nos perguntar se a espiritualidade está sendo corrompida, e a carnalidade sendo propagada. (As pessoas deveriam sempre se perguntar isto, quando está para escutar uma música cristã: estimula a “carne” à “diversão” ou estimula o espírito a louvar ao Senhor?)

c) O caráter – Em nossos hinos, o caráter da música é o componente mais obscuro. O caráter de muito daquilo que é chamado de música “cristã” pode ser definido como carismático, irreverente, universalista, idealista de uma utopia social, superficialmente religioso, neo-evangélico, expressionista, ostentoso, e em muitos outros contextos. (por exemplo, qual é o caráter da música em uma apresentação “cristã”, onde qualquer mensagem que seja apresentada vem pontuada por guitarras estridentes, bombas de fumaça e uma atmosfera geral de frivolidade?) E como o caráter da música nem sempre é prontamente aparente ao ouvinte, ela pode ter um efeito ainda mais insidioso sobre um crente, ou seja, a tolerância ou a aceitação das falsas doutrinas pode surgir pela exposição contínua às atitudes deficientes e impróprias na música. O caráter da música “cristã” é facilmente assimilado pelos ouvintes e isto pode atrai-los para longe da sólida base da Palavra. A música digna do nome de “cristã” deve, ao contrário, estimular e simular as emoções compatíveis com a verdadeira espiritualidade, a resposta apropriada a Deus e à Sua Palavra.

A Origem da Música Rock

A origem da música rock e do termo “rock ‘n’ roll” são muito interessantes. Nos primeiros anos da década de cinqüenta, um disc-jóquei chamado Allan Freed foi uma das primeiras pessoas brancas a se envolver com o “rhythm & blues”, que foi o predecessor direto do rock. A genealogia completa do rock é: do voodoo, para o jazz e blues, para o rock. (David Tame, O Poder Oculto da Música, Ed. Cultrix - SP, p. 205). O “rock ‘n’ roll” foi um tipo de fusão entre o “rhythm & blues” e a música “country & western” Fred foi um dos primeiros brancos a tocar este tipo de música em seu programa radiofônico, e estava muito perplexo, sem saber como chamá-lo, porque obviamente necessitava um novo nome. Ele havia recebido algumas notícias estranhas, de como os jovens reagiam a este novo tipo de música e então decidiu denomina-la usando o termo que as pessoas de cor usavam nos guetos o sexo pré-marital feito no banco de trás dos automóveis. E assim foi cunhado o termo rock ‘n’ roll.

Contraste a verdadeira origem da música rock, citada acima, com aquela que nos foi contada pelo grupo musical “cristão” Petra, nos versos de uma de suas canções, ou seja, que Deus foi a fonte do rock ‘n’ roll:

Deus te deu o rock ‘n’ roll
O colocou no coração de todos
Se você ama o seu som
Não se esqueça de sua inspiração
Você pode voltar atrás
Você pode mudar o caminho

Parece haver um paralelo entre a intenção de “cristianizar” a música rock e a de “cristianizar” as várias práticas pagãs na Roma do quarto século depois de Cristo. As religiões de mistério babilônicas foram introduzidas pelo imperador Constantino em 313 D.C., em suas tentativas de incorporar os pagãos ao Santo Império Romano, recentemente constituído. A igreja romana, guiada por Constantino estava disposta a adaptar e adotar as práticas pagãs, de forma a tornar o cristianismo mais aceitável para os pagãos As festas pagãs foram adotadas no cristianismo e, eventualmente, muitos dos símbolos e ritos pagãos associados a elas foram reinterpretados e adaptados para a fé e práticas cristãs. A cristianização dos costumes, símbolos e ritos pagãos aconteceu enquanto que o cristianismo teve que sofrer uma transformação, de forma que os pagãos pudessem se “converter” sem deixar seus ritos e velhas crenças.

Não haverá a igreja de hoje feito, talvez, a mesma adoção, reinterpretação e “cristianização” daquilo que é chamado de “música rock” de forma a tornar mais aceitável o cristianismo para os jovens perdidos? E esta abordagem não se compara ao método tradicional Católico Romano de converter os pagãos – primeiro adotar as práticas pagãs e então reaplicar um significado bíblico a elas? Desta forma, os antigos pagãos podem manter sua herança idólatra simplesmente renomeando os ídolos e mudando a terminologia usada na sua adoração.

Aqueles que hoje são capazes de ver claramente o erro e a futilidade da “cristianização” da psicologia e das psicoterapias seculares meramente pela rotulagem destas como psicologia “cristã” e clínicas psiquiátricas “cristãs”, são incapazes, de alguma forma, de ver que têm incorporado o mesmo processo errôneo de rotulagem, tomando a música rock secular, adotando versos cristãos e rotulando-a como rock “cristão”. Desde quando alguma coisa se torna cristã simplesmente pela “cristianização” da terminologia e com a colocação do nome de Cristo na frente? Não devemos nós chamar aos não convertidos para fora do secularismo e leva-los ao arrependimento e justiça, em lugar de imitar sua cultura?

(a) “[A música] rock ‘cristã’ é filha do rock mundano. Pretende tornar a mensagem cristã mais palatável ao mundo, usando um meio mundano. Os carismáticos e neo-evangélicos tem tentado cristianizar a música rock demoníaca, misturando o sagrado com o profano, para alcançar os jovens de hoje. Eles dizem: ‘para ganha-los, temos que falar o mesmo idioma’. Mas quando os ganham, para que coisa os ganham? Qualquer tênue mensagem de salvação [que pudesse estar presente] se perde neste processo. Podemos, de forma similar, “cristianizar” o álcool, imprimindo uma mensagem do evangelho nos rótulos das garrafas de bebida e fazer com que os cristãos as comprem e as promovam, para alcançarmos os bêbados para Jesus. Um bom fim não justifica o uso de meios não escriturísticos.” (8/15/89 Calvary Contender).

(b) “Para aqueles cujos olhos não viram e os ouvidos não ouviram, a Música Cristã Contemporânea, ou MCC como é chamada pelos iniciados, é essencialmente rock convencional ou música pop com os versos alterados para proteger os inocentes” (James Chute, The Milwaukee Journal).

(c) “... o que muitos na igreja hoje parecem crer é que é necessário ter um ‘ângulo’ correto de apresentar o evangelho a um mundo hostil. ... Isto tem aberto as portas a algumas estratégias evangelísticas bizarras. A igreja imita quase todas as modas da sociedade seculare. O rock pesado, o rap, o graffiti, a dança break, o fisiculturismo, o quebrar tijolos, a ginástica aeróbica, a dança interpretativa, o espetáculo de comédia, todas estas coisas se têm agregado ao repertório evangelístico. ... Isto não é outra coisa além de puro hedonismo, sob o disfarce da religião. Muitos assumem que sem o uso de algum recurso, a mensagem evangelística não alcançará as pessoas e a menos que nos adaptemos à moda de nossos dias, não podemos esperar que ela seja eficaz. ... Desta forma, as igrejas modernas sentem que é necessário planejar e programar estas coisas para atrair aos descrentes, os quais não podem ser persuadidos com a verdade revelada...” (John MacArthur, Our Sufficiency in Christ, pp. 145-146). (Ênfase acrescentada.)

Os grupos que fazem rock “cristão” quase sempre dizem que o propósito de sua música é evangelizar e/ou entreter. Embora as Escrituras descrevam diversas canções populares, ou de trabalho, ou de batalha, etc., a Bíblia ensina que o propósito que Deus aprova para o uso da música é principalmente para o louvor e a adoração e para a edificação e o ensino da doutrina (Êxodo 15:1-2, 20-21; I Crônicas 15:27-28; 16:9,23; II Crônicas 20:21-22; Salmos 95:2; 105:2; Atos 16:25; Efésios 5:18-19; Colossenses 3:16). Mais de cinqüenta salmos foram dedicados ao chefe dos músicos para serem usados na adoração a Deus e, nos céus, os vinte e quatro anciãos e os seres angelicais também usarão a música na adoração (Apocalipse 5:8).

Embora a música sacra possa ter um propósito evangelístico (Salmos 96:1-3; 108:3), nas Escrituras não é usada principalmente com este propósito. De fato, não existe versículo algum que declare “canta o evangelho de Cristo”. Ela fala para pregá-lo. Deus certamente pode usar a música para trazer alguém para Cristo mas, em algum ponto, deve haver a apresentação do evangelho. Nossa música é, principalmente, a expressão de uma vida plena do Espírito Santo e não é feita para o uso e consumo do mundo. Parecemos estar tão desejosos de cantar nossos hinos ao mundo que não hesitamos em coloca-los em sua língua vernácula, pensando que tudo é evangelístico.

Assim, mesmo se não houvesse nada de mal nos versos, no arranjo ou no caráter, ou nos efeitos produzidos pelo rock “cristão”, devemos nos perguntar porque os auto-proclamados evangelistas-entretenedores de hoje persistem no uso de sua música em esforços para os quais não existe um precedente bíblico claro, ou seja, embora seja mencionada mais de 800 vezes Escrituras, a música nunca foi utilizada para o entretenimento ou para a evangelização diretamente ou para algum outro propósito equivalente. Na Bíblia, a música é principalmente usada para o louvor e adoração a Deus (I Crônicas 16:9, 23; II Crônicas 29:30; Salmos 30:4; 33:2-3; 47:6; 135:3; etc..), ou a Satanás (Daniel 3:4-5, 7, 10, 15; Êxodo 32:17-18).

Além disso, uma vez que os roqueiros religiosos dizem quase sempre que estão simplesmente pretendendo atrair aos não crentes, por que então não vão diretamente ao campo secular, deixando de apelar à igreja? Por que preocupar-se com a multidão dos que já estão salvos? (Naturalmente, como cerca de 80 por cento de seus ganhos provêem de fontes cristãs como livrarias, igrejas, etc., já sabemos a resposta a esta pergunta) É a nossa convicção de que os roqueiros religiosos não estão alcançando os perdidos, mas em vez disso estão fazendo discípulos para a sua música rock dentre os jovens da igreja que assistem aos seus concertos e ouvem seus discos. De fato, há uma boa chance de que a igreja possa estar perdendo os “convertidos”, por trazer a música rock para dentro do santuário.

Jesus disse que, quando fosse levantado, atrairia todos os homens a Si mesmo. Então por que o Espírito Santo precisaria da ajuda da música do mundo para atrair as pessoas a Cristo? Por que os “músicos ganhadores de almas” crêem que podem atrair as pessoas para Deus usando a música e os métodos do mundo, quando o único efeito desta música é estimular a carne e as emoções em lugar de estimular o amor a Deus?

Quando as pessoas em geral falam do mal produzido pelo rock secular, normalmente se referem às mensagens satânicas que sutilmente são incutidas nas mentes dos ouvintes, através de um processo chamado "back-masking". A teoria por trás deste procedimento é que as mensagens gravadas por baixo do sinal normal de áudio (neste caso, mensagens ao contrário), são percebidas pela "mente inconsciente", não se sujeitando à mente racional e então, em algum ponto no futuro, podem afetar o comportamento do ouvinte. Esta idéia do inconsciente receber diretamente mensagens através de mecanismos perceptivos mais sutis do que aqueles à disposição da mente consciente está baseada na teoria, totalmente sem crédito, de Freud. Sem qualquer crédito, porque nunca foi apoiada, nem neurologicamente, nem praticamente. Além disso, a teoria do inconsciente de Freud está em conflito direto com a Palavra de Deus, que é conscientemente e volitivamente orientada.

Não duvidamos que se tenham gravado mensagens em back-masking, mas como não existe qualquer prova de que a mente humana seja capaz de recebe-las, seu efeito sobre o comportamento humano é, obviamente, inexistente. (De fato, em um processo judicial há alguns anos atrás contra o grupo de rock britânico “Judas Priest”, o grupo foi acusado de haver causado o suicídio de dois jovens que aparentemente se suicidaram depois de haver escutado às mensagens “subliminares” gravadas em seus discos. O grupo não foi condenado, não porque as mensagens em back-masking não estavam gravadas (de fato, elas estavam gravadas), mas porque a evidência científica apresentada na corte provou de forma contundente que tais mensagens não têm qualquer efeito!)

Em vista disso, é muito inquietante o fato de que alguns grupos de rock “cristão” tenham se envolvido com a gravação em back-masking de “mensagens cristãs”, sob a desculpa de “evangelismo subliminar”. Alguns têm até mesmo declarado que, sem seu conhecimento, o próprio Espírito Santo introduziu a mensagem em seus discos! Mesmo assumindo a sua ignorância do fato de que o back-masking não funciona, não estão estes músicos declarando praticamente que o Espírito Santo tem que recorrer a estes subterfúgios para salvar aos pecadores? Crêem que a Palavra de Deus, pregada claramente, perdeu sua capacidade de salvar aos pecadores? (Veja PsychoHeresy Update, inverno de 1991, para uma discussão mais detalhada acerca de mensagens subliminares e back-masking.)

O fato de que a música possa ser usada para o mal é claro nas escrituras. Lúcifer foi criado com uma grande abundância de talentos musicais, os quais evidentemente deveriam ser usados na direção das criaturas angelicais na adoração a Deus (Ezequiel 28:13). A queda de Lúcifer (Ezequiel 28:11-19) evidentemente levou à perversão à música, de maneira que o uso impróprio da mesma pudesse ser em realidade ofensivo a Deus (Amós 5:23; 6:5). O fato de que a música pode ter uma notável influência nas emoções, humor e no estado de ânimo de uma pessoa é ensinado claramente nas Escrituras (I Samuel 16:15-17, 23; II Reis 3:15).

Apesar disto, alguns estudiosos da Bíblia continuam dizendo que a música é amoral (em vez de moral ou imoral), e que não pode, por si mesma, induzir alguém a pecar. Cada um tem o direito a opinião própria, mas a pesquisa científica indica que a questão é exatamente o oposto (sem mencionar as Escrituras citadas acima). Mesmo Allan Bloon (um não crente), em seu livro The Closing of the American Mind, faz algumas observações interessantes sobre os efeitos morais da música nas pessoas (pp. 68-81).

(a) “Nada é mais singular a respeito desta geração que a dependência da música.... Hoje, uma grande parte de jovens entre as idades de dez e vinte anos vivem para a música.... A música rock incita as paixões e propõe modelos de vida que não tem qualquer relação com a vida cotidiana destes jovens.... Suspeito que a dependência de música rock, particularmente no caso da ausência de uma forte atração contrária, tenha um efeito similar ao exercido pelas drogas.”

(b) Platão teria muito a dizer acerca da moralidade da música, do ponto de vista filosófico. Em seu livro República, Platão dedica um espaço considerável ao papel da música na vida política e moral. “O ensinamento de Platão diz simplesmente que o ritmo e a melodia, acompanhadas pela dança, são as expressões bárbaras da alma. Bárbaras, não animais. A música constitui a expressão da alma humana em sua condição mais extática de assombro e terror. ... A música é a fala primitiva e primária da alma e seu alogon, sem fala ou raciocínio articulado. Não apenas é irracional, mas é hostil à razão. Mesmo quando a fala articulada [versos] é agregada, ela é totalmente subordinada e determinada pela música e pelas paixões que ela expressa. ... Armado com a música, o homem domar o pensamento racional. A partir da música nasceram deuses compatíveis com ela e eles educam aos homens com seu exemplo e com seus mandamentos.” (Ênfase acrescentada.)

(c) “Portanto, para os que estão interessados na saúde [espiritual], a música é o centro da educação, tanto para das às paixões um canal apropriado quanto para preparar a alma para o uso desimpedido da razão.”

(d) “Este é o significado da música rock. Não estou sugerindo que ela provenha de quaisquer altas fontes intelectuais. Ela se elevou até as alturas atuais na educação dos jovens sobre as cinzas da música clássica, e em uma atmosfera na qual não existe resistência intelectual às tentativas de liberar as paixões mais abjetas. ... a música rock tem somente um apelo, um apelo bárbaro, ao desejo sexual – não o amor, não o Eros, mas um desejo sexual subdesenvolvido e irrefreado.”

De fato, na Roma antiga, Platão pediu certa vez que a música fosse censurada, porque temia que os “cidadãos sejam corrompidos por erros fracos e voluptuosos e sejam levados a serem indulgentes com suas emoções imorais.” (Note que Platão estava falando a respeito da música, não dos versos.)

David Tame, outro não crente, em seu livro O Poder Oculto da Música (Ed. Cultrix – SP), não apenas demonstra a natureza moral da música, mas revela uma intensa pesquisa médica que demonstra os efeitos destrutivos da música rock, tanto na mente quanto no físico. [Veja a bibliografia abreviada fornecida ao final para materiais adicionais de referência que detalha mais algumas das pesquisas extensas (inclusive científicas) que têm sido conduzidas a respeito dos efeitos da música.]

(a) Comentando sobre a origem moral da música rock, Tame diz: “A esta altura, já se tornava aparente certa fecundação cruzada entre a ‘nova música’ e o estilo geral do jazz e do rock. Constatou-se que as diferenças técnicas entre a música ‘séria’ e o jazz, rock ou qualquer outra forma de música moderna eram menos importantes do que o fator unificador de terem todas uma base filosófica mais ou menos igual: hedonismo e anarquia.” (pág. 111). (Ênfase acrescentada.)

(b) “Na indústria do rock, o dinheiro é, basicamente, a única coisa que importa; e, nessas circunstâncias, dirige-se a música não para cima (desenvolvendo a mente das pessoas e expandindo-lhes a consciência), mas para o mínimo denominador comum. A pergunta das perguntas é a seguinte: Venderá? O padrão do talento artístico não poderia ser menos importante.” (pág. 124)

(c) “Se esquadrinhássemos o globo em busca da música mais agressiva e indisfarçavelmente perniciosa que existe, é mais do que provável que nada encontrássemos, em parte alguma, que sobrepujasse o vodu nesses atributos. Ainda praticada na África e no Caribe, especificamente, como acompanhamento rítmico de rituais e orgias satânicas, o vodu é a quinta-essência do mal tonal. ... Seus múltiplos ritmos, em lugar de se unir num todo integrado, são executados como se conflitassem entre si. ... O certo é que ouvir esta música é tornar-se instantaneamente envolvido pelo som de seu poder lívido e cru. ... Musicólogos e historiadores não têm dúvidas de que os ritmos de tambores da África foram transportados para a América e ali transmitidos e traduzidos no estilo de música que veio a ser conhecido como jazz. Visto que o jazz e o blues foram os pais do rock and roll, isso também significa que existe uma linha de descendência direta entre as cerimônias do vodu africano, através do jazz, e o rock and roll e todas as outras formas de música rock hoje existentes.”(pág. 205)(Ênfase acrescentada.)

(d) “Num canto: os antigos e tradicionalistas; a convicção de que a música afeta o caráter e a sociedade e que, portanto, ao artista cabe a obrigação de ser responsavelmente moral e construtivo, e não imoral e destrutivo. No outro canto: os materialistas, repudiando a responsabilidade e a necessidade de julgamentos de valor, não dando atenção ao resultado de seus sons. O segundo campo contém não só a vanguarda radical, mas também toda a massa de músicos muito mais populares e culturalmente significativos do jazz e do rock. Quem, então, está certo? ... Os padrões da vida seguem, ou não, os padrões da música?”(pág. 146). Tame cita então uma exaustiva pesquisa que apóia completamente a tese dos tradicionalistas: que a música, em geral, pode ser e que o rock, especificamente é, uma influência negativa, tanto sobre o corpo quanto sobre a natureza moral do homem.

(e) “À pergunta: ‘A música afeta o corpo físico do homem?’, a pesquisa moderna replica de maneira claramente afirmativa. É difícil encontrar uma única fração do corpo que não sofra a influência dos tons musicais. ... Mostrou a investigação que a música influi na digestão, nas secreções internas, na circulação, na nutrição e na respiração. Verificou-se que até as redes nervosas do cérebro são sensíveis aos princípios harmônicos” (pág. 146-147). (Ênfase acrescentada.)

(f) “Descobriram os pesquisadores que acordes consonantes e dissonantes, intervalos diferentes e outras características da música exercem todos um profundo efeito sobre o pulso e a respiração do homem – sobre a sua velocidade e a regularidade ou irregularidade de seu ritmo. A pressão sanguínea é abaixada pelos acordes ininterruptos e elevada pelos acordes secos, repetidos” (pág. 147). [Descobriu-se também que a laringe é influenciada pelas melodias, que alguns estímulos musicais tem efeito negativo sobre os músculos esqueléticos, que o ritmo do rock pode causar a perda do perfeito ritmo cardíaco e que alguns ritmos podem causar uma doença rara conhecida como “epilepsia musicogênica” (existiam 76 casos documentados até o final de 1984), que causa um tormento tal que tem levado suas vítimas ao suicídio ou homicídio] (pág. 150-151). Podemos ver claramente que a música influi sobre o corpo de duas maneiras diferentes: diretamente, com os efeitos que o som produz sobre as células e órgãos e indiretamente, influenciando as emoções, as quais voltam a influenciar numerosos processos biológicos e corporais.

Julius Portnoy também descobriu que a música não apenas é capaz de “modificar o metabolismo, elevar ou diminuir a pressão sangüínea e influir na digestão”, mas que ainda “pode fazer todas essas coisas com maior sucesso e de maneira bem mais agradável do quaisquer outros estimulantes capazes de produzir as mesmas alterações em nosso corpo.” (pág. 149)

(g) Foi conduzida uma exaustiva pesquisa para examinar os efeitos da música na vida não humana: ou seja, animal e vegetal. Paradoxalmente como possa parecer, as experiências com as plantas a respeito dos efeitos da música sobre a vida são mais convincentes que as experiências sobre os seres humanos; a música tem influência sobre a vida biológica, que inclui a humana. Isto acontece porque, nas experiências com as plantas, os efeitos do pré-condicionamento subjetivos da mente têm a sua reação subjetiva à música, ou aos sentimentos pela música, ou aos gostos pessoais, são, evidentemente removidos. Se for possível demonstrar que a música (os arranjos) pode influenciar as plantas, então tais efeitos devem ser a causa direta da atuação dos tons e ritmos diretamente sobre as células e sobre os processos biológicos da vida (Também é evidente que é muito mais fácil manter um experimento controlado com plantas do que com seres humanos).

Os resultados das pesquisas com as plantas são solidamente a favor dos tradicionalistas. Não apenas a música rock detêm o crescimento de uma variedade de plantas mas, se tocado durante muito tempo, produz a sua morte. Mais extraordinárias ainda são as descobertas do Dr. T. C. Singh, responsável pela seção do Departamento de Botânica da Universidade de Annamalia, na Índia. Suas experiências não apenas tem mostrado que as formas musicais e alguns instrumentos (especificamente a música clássica e o violino) causam um veloz crescimento nas plantas, mas que as gerações seguintes das sementes destas plantas incorporam tais características em seus componentes genéticos (tamanho maior, maior número de folhas etc.). Presumivelmente o mesmo resultado pode resultar da música má, obviamente em sentido oposto. O possível significado desta descoberta do Dr. Singh deve colocar em alerta os fãs da música rock. (págs. 152-157).

(h) “Como a própria natureza humana, a música não pode, de maneira alguma, ser neutra em sua direção espiritual. ... basicamente, todos os empregos do tom [música] e todas as letras musicais podem ser classificadas de acordo com a sua direção espiritual, para cima ou para baixo. ... Para dize-lo com maior franqueza, a música se inclina a ser ou da treva ou da luz” (pág. 202) Em sua famosa obra As Leis, Platão lamentava a revolução musical de seu tempo e a sua “anarquia dissonante”: “Néscios, iludiram-se pensando que não havia certo nem errado em música – a qual seria julgada boa ou má pelo prazer que proporcionasse. Através de sua obra e sua teoria, eles infectaram as massas com a presunção de se considerarem juízes adequados. ... Acontecia que o critério não era a música, mas uma reputação de esperteza promíscua e um espírito de transgressão das leis.” (pág. 204)

(i) Em seus comentários finais sobre as raízes dos estilos e ritmos musicais, David Tame, um não crente, com uma perspicácia "espiritual" freqüentemente não encontrada em muitos crentes atuais, toma posição contra a música rock: “Mais do que qualquer outra forma de uso indevido do som, é com o rock que temos que nos confrontar hoje. ... Trata-se de um fenômeno global; um compasso destrutivo, que bate e bate, repetidamente, e se ouve da América e da Europa Ocidental até a África e a Ásia. O seu efeito sobre a alma consiste em tornar quase impossível o verdadeiro silencio interior e a paz necessária à contemplação das verdades eternas. ...Quão necessário, nesta época, é terem alguns a coragem de ser os ‘diferentes’ e apartar-se da súcia que, há muito, vendeu a vida e a personalidade a este som... Creio inflexivelmente que o rock e todas as suas formas são um problema crítico que a nossa civilização precisa enfrentar... se quiser sobreviver...” (pág. 222) (Ênfase acrescentada)

Para o mundo é impossível separar-se das ilusões dos prazeres carnais; não existe o desejo e nem o poder para faze-lo, mesmo que o desejasse. Mas que razão temos nós, como cristãos, para ignorar a ordem do Senhor, para sairmos do mundo e permanecermos separados? Temos adotado a música do mundo em todas as suas formas destrutivas (no arranjo e no caráter), adicionamos versos cristãos a ela e pensamos que estamos prestando um serviço a Deus e que somos um testemunho de santidade a um mundo descrente.

Mais recentes pesquisas médicas (além das citadas por Tame) apóiam o conceito da suposta "neutralidade" da música:

(a) O Dr. John Diamond, conduziu uma exaustiva pesquisa dos efeitos médicos causados pela música. Ele notou que o homem é um ser rítmico no que diz respeito à respiração, à pulsação cardíaca, o pulso, a linguagem e o caminhar e, quando o ritmo da música corresponde ao natural deste corpo, produz sentimentos de êxtase, de prontidão e de paz e que fornece energia à mente e ao corpo, facilitando o equilíbrio e o autodomínio (Estas descobertas seculares também são apoiadas pela Bíblia – I Samuel 16:15-17 e 23).

(b) O Dr. David Nobel, outro doutor e uma autoridade reconhecida no campo da música, conduziu uma extensa pesquisa sobre a correspondência dos ritmos musicais e os do corpo humano. Ele escreve que: “Nenhuma dessas qualidades se harmoniza com o som do rock. Ao contrário, o rock contêm dissonâncias harmônicas e desarmonia melódica, enquanto o ritmo é acentuado com uma batida forte. De fato, o ritmo chamado de ‘anapéstico’, formado por duas batidas breves e uma longa, seguida de uma pausa, usado pela maior parte dos músicos de rock, é diretamente o oposto do ritmo natural cardíaco e arterial do homem [causando, desta forma uma imediata perda de energia muscular].”

[O Dr. Diamond confirma as descobertas do Dr. Nobel e acrescenta que o ritmo “anapéstico” potencializa a ira, baixa o rendimento, aumenta a hiper-atividade e debilita a força muscular. (Admitindo que a capacidade tecnológica para a medição objetiva da ira e do stress seja no mínimo problemática, a medição da força muscular, ao contrário, é muito precisa e atende todos os requisitos da confiabilidade científica e significância estatística.)]

(c) O poder da música para comunicar está demonstrado em um artigo de David Mazie, “Music's Surprising Power to Heal”, publicado no número de agosto de 1992 na revista Reader's Digest. “A música reduz a tensão do pessoal na sala de cirurgia, diz o Dr. Clyde L. Nash Jr, ... e ajuda o paciente a relaxar.” Ele usa música clássica, como Vivaldi e Mozart. O Dr. Nash é um dentre vários médicos que estão descobrindo que a música, utilizada ao lado das terapias médicas convencionais, pode ajudar o enfermo em seu processo de recuperação.

Os pesquisadores clínicos da Escola de Enfermagem da Universidade U.C.L.A. (Los Angeles) e do Centro Médico Batista em Atlanta, Geórgia, descobriram que os recém-nascidos prematuros aumentavam de peso rapidamente e eram capazes de utilizar o oxigênio de forma muito mais eficiente quando eram expostos a uma música relaxante, misturada com vozes ou ruídos do ventre materno. No Memorial Regional Medical Center em Tallahassee, Florida, recém-nascidos prematuros ou com pouco peso, expostos a uma hora e meia de música vocal relaxante a cada dia, ficavam apenas 11 dias, em média, no centro de cuidados intensivos, comparado com 16 dias do grupo de controle, que não era exposto. No Hospital St. Agnes de Baltimore, foi experimentada a música clássica no setor de tratamento intensivo. “Meia hora de música produziu os mesmos efeitos de 10 miligramas de Vallium”, declarou o Dr. Raymond Bahr, chefe da unidade de tratamentos cardíacos. Outros estudos sugerem que a música pode ajudar a aumentar a produção de endorfina e de S-IgA (Imunoglobulina Salivar A). A S-IgA aumenta a velocidade da recuperação, reduz o risco de infecções e controla o ritmo cardíaco. Estudos indicam que os dois hemisférios cerebrais são envolvidos no processamento da música. O Dr. Sacks explica que “A base neurológica das reações à música são sólidas e pode, de fato, permanecer depois de lesões nos dois hemisférios,” (Reader’s Digest, Agosto 1992).

“Em conclusão, podemos dizer que, até agora, no que concerne ao corpo físico, a noção de que a música não exerce efeito algum sobre o homem, ou de que ela é inofensiva, deve ser posta de lado por ser totalmente errônea”, (Tame, pág. 152). (Ênfase acrescentada) Os músicos modernos já não poderão proclamar que a música seja uma questão de ‘gosto’, ou que ao músico deva ser concedido o direito de tocar o que bem entende. ... Todo momento de música a que nos submetemos pode estar intensificando ou consumindo ... nossa clareza de consciência, pouco a pouco” (Tame, pág. 155-156)

Em essência, o que estes especialistas médicos estão dizendo é que o som do rock atual (sem considerar os versos agregados a ele para classifica-lo como sendo secular ou “cristão”), luta contra a natureza rítmica da criação do homem. Diante de tais evidências, é realmente difícil compreender como alguns podem dizer que a música seja, por sua natureza, neutra.

Em seu livro de 1985 “Set the Trumpet to Your Mouth”, o carismático David Wilkerson disse: “uma das razões pelas quais Deus retirou Seu Espírito do 'Movimento de Jesus'[não que Ele tivesse estado ali] foi a sua negativa em abandonar a sua velha música. Eles abandonaram a maconha, a heroína, o álcool, o sexo promíscuo e até mesmo o estilo de vida pervertido que praticavam até então. Mas se negaram a abandonar seu tão amado rock. ... Incrível. Eu digo que o seu poder é mais forte do que o das drogas, do álcool ou do fumo. É a maior dependência em massa da história mundial. O rock, na forma em que é usado e apresentado nos círculos cristãos é da mesma natureza satânica de onde provêm o punk e o heavy metal, que são tocados em concertos demoníacos por todo o mundo.”

Assistindo a esses concertos de rock “cristão” o crente não se identifica com estas doutrinas falsas e se torna participante de suas obras más? (A Bíblia ensina claramente a doutrina da “culpa por associação” – veja II João 1:10-11). E uma vez que todos nós prestaremos contas ao Senhor diante do Trono pela nossa mordomia para com os recursos que Ele nos confiou sobre a terra, como pode alguém justificar a alocação de quaisquer recursos para a música rock?

O rock “cristão” não oferece qualquer esperança – uma vez que não possui o Espírito, não pode oferecer coisa alguma. Ela não oferece o céu, pois a música, por si mesma, produz um vácuo de som e fúria, mas nenhuma substância. Não provê qualquer fundamento ao crente porque seu nascimento foi a partir do rock ‘n’ roll secular, o qual não tem qualquer base em Deus. Todas os argumentos dos roqueiros religiosos parecem sugerir que “Precisamos nos tornar do mundo para ganhar o mundo”. Este método nunca funcionará porque simplesmente está fora do plano de Deus para o equilíbrio apropriado de formas bíblicas de evangelismo com princípios bíblicos de separação do mundo. Se alguém acredita na doutrina bíblica da “separação” do mundo (Romanos 12:2), não seria lógico incluir a música cristã?

Gordon Sears, em seu livro “Is Today’s Christian Music Sacred?”, coloca seis perguntas àqueles que pensam que a música cristã contemporânea é aceita por Deus:

1-Por que esta música está causando tanta confusão e divisão na igreja?

2-Por que não é aceita por todas as igrejas que possuem suas doutrinas fundamentadas na Bíblia?

3-Por que é aceita prontamente pelos não crentes? O mundo nunca aceitou os velhos hinos cristãos.

4-Por que universidades americanas que negam a bíblia e shows seculares de televisão estão convidando artistas cristãos famosos para apresentarem a música cristã contemporânea?

5-Por que existem centenas e centenas de igrejas na América, dirigidas por pastores tementes a Deus, que proíbem e refutam esta música em suas igrejas?

6-Por que esta música tem um efeito tão forte sobre o corpo humano?

Que tipo de música realmente glorifica a Deus? Ernest Pickering faz uma lista de dez itens das diretrizes básicas que se seguem em seu livro “The Kind of Music that Honors God”, (pág.11-12).

1-Sua mensagem é bíblica (Colossenses 3:16). A boa música cristã deve apresentar uma música que seja fiel à Palavra de Deus e, portanto, doutrinariamente saudável e correta.

2-Deve nos levar a pensar nos padrões bíblicos e não sugerir o mal, seja na mensagem, seja nos arranjos musicais. (Filipenses 4:8) O texto e a música não devem ser comuns ou vulgares.

3-Deve conduzir-nos a honrar a Deus com nossos corpos (I Coríntios 6:19-20). Música que pretende imitar os efeitos do rock pagão sobre o corpo humano ou que causa dano ao ouvido não é música cristã.

4-Deve manter um equilíbrio entre “espírito” e “entendimento” (I Coríntios 14:15). Música que seja basicamente de cunho emocional não preenche este requisito.

5-Deve conter palavras que sejam cheias de beleza, dignidade, reverência e simpicidade, palavras dignas de serem usadas na adoração de um Deus Santo (Isaías 6:1-6)

6-Deve ser livre das ligações com os estilos musicais do mundo e deve evidenciar um caráter santificado e consagrado. (Romanos 12:2; I João2:15). Música que pretende copiar os estilos do mundo não honra a Deus.

7-Deve expressar a paz que acompanha a vida cristã, não o clamor, a confusão, o fracasso e a agitação do mundo. (Colossenses 3:15-16). As várias formas da música rock não contribuem para a paz interior, mas ampliam o constante ressonar do mundo pecaminoso. (João 14:27)

8-Deve ser caracterizada pela precisão musical e fineza de técnica poética e evidenciar uma estrutura de harmonia e ordem. Deus é um Deus de ordem e não de desordem. (I Coríntios 14:40)

9-Deve promover e acompanhar um estilo de vida, de bondade, modéstia e paz interior e não de modas momentâneas, atos sugestivos e agressividade sexual (I Pedro 1:16; Tito 2:11-12).

10-Não deve contribuir para a tentação dos crentes novos ou fracos. (Romanos 14:13, 21; 15:2). Música que leva os novos convertidos a se lembrar de seu velho modo de vida deve ser rejeitada e descartada.

A erosão dos padrões musicais entre os cristãos de hoje é paralela à erosão das convicções e práticas em outras áreas da cristandade. Ela denota um espírito de compromisso com o mundo que deve ser fortemente denunciado e ao qual devem se opor todos os líderes cristãos conscientes. Como em todas as outras coisas da vida, os crentes devem seguir as advertências de Paulo: “Portanto, quer comais quer bebais, ou façais, qualquer outra coisa, fazei tudo para glória de Deus.” (I Coríntios 10:31).

É nossa convicção que a música rock não pode ser usada para comunicar verdades espirituais. Freqüentemente a melodia no rock “cristão” é obscurecida e sufocada pelo ritmo forte – o acompanhamento é tão predominante que sobrepuja qualquer mensagem que possa estar presente.) Como pode a música rock, com sua origem e raízes em atividades demoníacas e com seus comprovados efeitos adversos médicos e “emocionais”, ser aplicada ao Evangelho do Senhor Jesus Cristo?

As convicções devem ser baseadas na Palavra de Deus e não nos gostos pessoais, naquilo que se gosta ou não se gosta. Uma vez que a maior parte do rock religioso, ou a chamada Música Cristã Contemporânea tem suas raízes e tira a sua inspiração do rock ‘n’ roll secular, o resultado é o mundanismo na música e até pior, mundanismo através da música invadindo a igreja. Além disso, isto autentica o som do rock, por haver professos cristãos tocando esta música. Quando se aplica os padrões das Escrituras a esta forma de mundanismo (por exemplo, II Coríntios 6:17; I Tessalonicenses 5:21-22; Romanos 12:2; I João 2:15-16; Tiago 4:4; etc.), o erro de tal música deveria ser óbvio a todos os que verdadeiramente desejam agradar ao seu Senhor.

video

(A inclusão do vídeo é minha)

“Retendo firme a palavra fiel, que é conforme a doutrina, para que seja poderoso, tanto para exortar na sã doutrina como para convencer os contradizentes.”(Tito 1:9)


Fontes Bibliográficas:

1. Cyril Scott. Music, It's Secret Influence Throughout the Ages. (1958)
2. Ceril Scott. The Influence of Music on History and Morals. (1933)
3. Ceril Scott. The Philosophy of Modernism in its Connection with Music. (?)
4. Paul Griffiths. A Guide to Electronic Music. (1979)
5. Podolsky. Music For Your Health. (?)
6. Gilman and Paperte. Music and Your Emotions. (?)
7. Lionel Stebbing. Music Therapy, A New Anthology. (1963)
8. Frank Tirro. Jazz, A History. (1979)
9. Orbis Publishing. The History of Rock. (1982)
10. Egon Wellesz (Ed.). Ancient and Oriental Music. (Vol. I of The New Oxford History of Music.) (1957)
11. J. Machlis. Introduction to Contemporary Music. (1980)
12. Peter Yates. Twentieth Century Music. (1968)
13. Paul Henry Làng. Music in Western Civilization. (1941)
14. Francis Routh. Contemporary Music, An Introduction. (1968)
15. Julius Portnoy. Music in the Life of Man. (1963)
16. Ernest Pickering. The Kind of Music That God Honors. (1988)
17. John Ankerberg, John Weldon, Eric Holmberg. Rock Music's Powerful Messages. (1991)
18. Ken Lynch. Gospel Music: Blessing or Blight? (1987)
19. Church of the Open Bible (Burlington, MA). Music That Pleases the Lord. (1993)
20. Jeff Godwin. The Devil's Disciples: The Truth About Rock. (?)
21. Jeff Godwin. What's Wrong With Christian Rock? (?)
22. John MacArthur. Living in the Spirit Bible Study Guide (Eph. 5:18-20). (?)
23. Gordon E. Sears. Is Today's Christian Music "Sacred"? (1993)



Efésios 5:18-19 - "E não vos embriagueis com vinho, no qual há devassidão, mas enchei-vos do Espírito, falando entre vós em salmos, hinos, e cânticos espirituais, cantando e salmodiando ao Senhor no vosso coração,"

Colossenses 3:16 - "A palavra de Cristo habite em vós ricamente, em toda a sabedoria; ensinai-vos e admoestai-vos uns aos outros, com salmos, hinos e cânticos espirituais, louvando a Deus com gratidão em vossos corações."


0 comentários: