terça-feira, 29 de julho de 2008

Feriados e Celebrações

por Randall Watters

Avaliação Bíblica
Há vários grupos religiosos que reivindicam serem Cristãos que negam a celebração de feriados à seus membros, inclusive Natal, Páscoa, aniversários, Dia das Mães, etc. Este especialmente é o caso das Testemunhas de Jeová. Enquanto há algumas Testemunhas que celebram estes feriados secretamente com medo de serem pegas, a maioria se orgulham desta proibição. Pais estão dispostos a permitir que suas crianças sofram muita pressão e isolamento, e estão perfeitamente dispostos a se isolarem de suas famílias durante épocas de feriados, até mesmo tomando a oportunidade para ir de porta em porta durante estes períodos de celebração. Quais são as razões apresentadas para esta postura contra feriados? É errado celebrar feriados?

Consideremos as razões dadas pela Torre de Vigia. Eles dão três razões básicas:

1. Feriados normalmente têm origem pagã, não-Cristã e são acompanhados freqüentemente por práticas licenciosas, como embriaguez, fornicação, etc. (Certificai-vos de Todas as Coisas, pág. 241)

2. Não são mencionados feriados na Bíblia exceto debaixo de circunstâncias negativas, como festas de aniversários onde alguém foi morto. Também, não nos é ordenado que celebremos qualquer coisa senão a Refeição Noturna do Senhor (Ceia do Senhor). (ibid., pág. 235, 236)

3. Feriados idolatram algo ou alguém diferente de Deus, e a Bíblia diz para "Fugir da idolatria" e "Nós não fazemos parte do mundo." (ibid., pág. 241, 242)

Adicionalmente, como no caso do Natal, um argumento adicional é apresentado, aquele que Cristo não nasceu no dia 25 de Dezembro, então, por que celebrar uma data que coincide com o solstício de inverno e era celebrado no passado por adoradores do sol? (ibid., pág. 237)

Antes de considerar estas objeções, revisemos primeiro alguns princípios que as TJs e cristãos concordam como básicos e não abertos à argumentação. Então examinaremos a INTERPRETAÇÃO destes princípios com uma visão para revelar a inconsistência da Torre de Vigia e o fracasso deles em entender o Cristianismo.

A Bíblia é clara ao dizer que:

* Nós devemos "não fazer parte do mundo" (João 17:16).

* Nós deveríamos nos "abster do mal" (1 Tes. 5:22).

* Nós deveríamos deixar de compartilhar as "obras infrutíferas das trevas" (Ef. 5:11; Rom. 13:12).

* Não há "nenhuma associação entre a luz e a escuridão" (2 Cor. 6:14).

* Nós deveríamos nos "separar da idolatria" (2 Cor. 6:17).

Todos que reivindicam serem Cristãos realmente deveriam acreditar e viver pelo anterior. As controvérsias começam quando estes princípios são interpretados na vida cotidiana. Além disso, a inteira aproximação de estabelecer regras nesta consideração deve ser questionada. Desde que uma consideração das anteriores passagens requereria um livro em si mesmo, a discussão será limitada às três principais objeções da Sociedade Torre de Vigia.

Refutando as Testemunhas de Jeová
OBJEÇÃO #1: Feriados normalmente têm origem pagã, não-Cristã e são acompanhados freqüentemente por práticas licenciosas, como embriaguez, fornicação, etc.

É verdade que muitos feriados têm suas origens na idolatria ou práticas pagãs. Também é verdade que outras coisas que nós utilizamos têm suas origens no paganismo, como nosso calendário (dias da semana e meses tem seus nomes em homenagem a deuses pagãos). A celebração de aniversários de casamento e também a troca de alianças em matrimônios tem raízes pagãs. Símbolos usados no moderno mundo empresarial, nas artes, em exposições, em papel de parede, etc. são freqüentemente emprestados de fontes pagãs. É possível nos mudar para algum tipo de monastério ou comunidade privada onde sejam cuidadosamente escondidos de nossa presença todos os vestígios do paganismo?

Tal atitude traz a mente a lembrança dos Fariseus, que passavam longas horas discutindo o que que era "limpo" ou "sujo" e fazendo regras para as pessoas seguirem, como se tais regras as tornassem limpas. Qualquer um que toma tempo para examinar as tradições deles (como posteriormente contido no Talmude) notará como é absurdo procurar por pequenos detalhes do que é "certo" ou "errado." Por outro lado, se nós realmente acreditamos que Deus pretendeu que nós escrupulosamente observemos estes assuntos (como se o fracasso para fazer assim nos condenasse), então como os Fariseus, deveríamos nos ocupar de uma blindagem ininterrupta de todos os vestígios do paganismo em nossas vidas. Parar de eliminar qualquer vestígio disto seria hipocrisia, não seria?

Nem tanto, diz a Torre de Vigia. Eles reivindicam ter um equilíbrio neste assunto do que é pagão e do que não é. Veja estas declarações da Despertai de 1976, neste artigo relativo ao uso de símbolos pagãos, como o coração, a suástica, e a cruz,:


Qual deveria ser a atitude de um Cristão para formas e design que de alguma forma ou momento estiveram conectados com a falsa religião? . . .

. . . só porque adoradores de ídolos em algum momento ou lugar puderam usar um certo objeto ou design não significa que os verdadeiros adoradores automaticamente sempre tem que evitar isto. Por exemplo, figuras de árvores de palmeiras, romãs e touros estavam incorporados no design do templo de Jeová em Jerusalém. O fato de outras religiões poderem tomar estas coisas naturais que Deus criou e as usarem como símbolos em adoração de ídolos não tornou isto errado para verdadeiros adoradores os usarem decorativamente. Qualquer um ao visitar o templo poderia constatar que o povo de Deus não estava adorando estas decorações ou as venerando como símbolos sagrados.

Então, as necessidades Cristãs devem estar focadas principalmente sobre o que? Não sobre o que um certo símbolo ou design significou possivelmente milhares de anos atrás ou como pode ser encarado no outro lado do mundo, mas o que significa agora para a maioria das pessoas onde elas vivem.

Com tantos design diferentes que têm sido usados na falsa adoração, se uma pessoa tomar tempo, ela poderia achar uma conexão indesejável com quase todo design que se vê ao redor dela. Mas porque fazer isso? Não seria desnecessário? E isso é o melhor uso do tempo e atenção de uma pessoa? (Despertai!, 22 Dez.1976, pgs. 12-15)


Nós concordamos com eles que é certamente um desperdício de tempo procurar conexões pagãs em cada objeto. Note declarações semelhantes na Sentinela de 15 de Maio de 1972 (pág. 295):


Se um objeto é um ídolo ou não depende primariamente em como é visto. . . . o fato de várias criaturas, plantas e corpos celestes - todas partes do trabalho criativo de Deus foram e ainda têm tido determinada reverência, não os faz em si mesmos inaceitáveis para propósitos decorativos ou ornamentais. Muitas coisas que foram uma vez adorados pelos antigos perderam sua significação idólatra e geralmente são considerados como sendo meramente ornamental.


A Sentinela está enfatizando que (1) Design ou símbolos em si mesmos não são necessariamente errados de usar, até mesmo se uma vez usados por pagãos em falsa adoração. (2) É um desperdício de tempo e desnecessário se interessar com o que um objeto pode ter significado em tempos passados, ou mesmo em outro lugar na Terra em nossos dias.

A inconsistência da Torre de Vigia se torna manifesta agora, pois a maioria dos feriados celebrados no mundo ocidental perderam sua significação pagã original. Tome o Natal por exemplo. Muito antes do tempo de Cristo os pagãos adoravam o sol no dia 25 de Dezembro, na época do solstício de inverno (onde o sol fica mais distante da terra). Como em todos os feriados pagãos, era um período de generosidade e licenciosidade. Quando a Igreja Católica instituiu a celebração do nascimento de Cristo em 25 de Dezembro, próximo do ano 336 D.C., foi para substituir o festival do Sol Invictus introduzido pelo imperador Aureliano no 3º século. Foi considerado uma vitória do Cristianismo sobre o paganismo. A posterior canonização de St. Nicholas (Papai Noel) e a troca de presentes foi incorporado a história da igreja.

De acordo com o raciocínio da Torre de Vigia, a pergunta que nós deveríamos fazer é: O Natal significa para nós o que significou para os pagãos? As pessoas em nossa "parte do mundo" adoram o sol no dia 25 de Dezembro? A resposta é NÃO. Embora seja um período do ano que é abusado e explorado por muitos, isso não pode ser usado como um argumento contra o conceito Cristão do Natal. Embora a reclamação da Torre de Vigia que Cristo não nasceu no dia 25 de Dezembro seja verdade, uma celebração não necessita ocorrer exatamente no dia exato de seu memorial. A maioria de nós obtemos férias do trabalho em dias diferentes de sua data histórica, e nós não consideramos tal uma prática de injustiça!

A Páscoa tem uma história mais relacionada à igreja. Originalmente, a igreja primitiva celebrava o moderno equivalente da Páscoa (a ressurreição de Cristo) em todos os Domingos, em expectativa do retorno do Senhor. Depois, unindo a Paixão e a história da Ressurreição, esta comemoração foi agendada como Páscoa, o banquete judeu que celebra o êxodo do Egito. A data para a celebração foi finalmente fixada pelo Conselho de Nicéia em 325 D.C. como o primeiro Domingo depois da lua cheia que segue o equinócio de primavera. Já no oitavo século o nome "Páscoa" foi transferido pelos anglo-saxões para o festival Cristão. O próprio nome foi pedido emprestado de uma celebração à Astarte, deusa da fertilidade. Também pedido emprestado da celebração à Astarte foi o uso de coelhos e ovos, símbolos comuns da fertilidade na cultura pagã. (Para mais informações sobre o Natal e Páscoa, veja a Enciclopédia Britânica (1982 Ed.), Vol. 4, página 501.)

Enquanto os ornamentos tanto da história da igreja quanto dos feriados pagãos ainda estejam conosco, a significação deles mudou. Como na observância original da ressurreição, nós hoje não conectamos coelhos e ovos com ritos de fertilidade, e nem a maioria das pessoas consideram a Páscoa como um tempo para maior licenciosidade. Até mesmo os programas de televisão durante este período são mais engrenados para temas obviamente Cristãos.

Podem ser examinados outros feriados individualmente para averiguar qual é a significação moderna deles no Mundo Ocidental.

OBJEÇÃO #2: Não são mencionados feriados na Bíblia, exceto em senso negativo. Também, não é ordenado que celebremos qualquer coisa senão a Refeição Noturna do Senhor.

Embora a Torre de Vigia só admita dois aniversários que são mencionados na Bíblia, há de fato três que foram celebrados. Houve o aniversário do faraó (Gen. 40:20), Herodes (Mateus 14:6), e também o nascimento de Cristo, celebrado pelos anjos em canção e muita glória:


O anjo, porém, lhes disse: Não temais, porquanto vos trago novas de grande alegria que o será para todo o povo: que vos nasceu hoje, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor. E isto vos será por sinal: Achareis um menino envolto em faixas, e deitado em uma manjedoura. Então, de repente, apareceu junto ao anjo grande multidão da milícia celestial, louvando a Deus e dizendo: Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens de boa vontade. (Lucas 2:10-14) versão Almeida


Foi conveniente para a Torre de Vigia omitir este aniversário muito positivo e importante da consideração deles, pois isto destrói o ponto de dizer que todos os aniversários na Bíblia foram negativos.

A Torre de Vigia também mantém reivindicações que desde que a Bíblia não diz que celebremos certos feriados, nós não deveríamos ter nada que ver com eles. Esta é uma suposição errada em pelo menos dois pontos de vista. Em primeiro lugar, Jesus nem os apóstolos mencionam feriados modernos como nós os conhecemos, porque eles simplesmente não existiam então. Todos os feriados judeus eram feriados religiosos nacionais que lhes permitiram observar ATÉ MESMO DEPOIS DA VINDA DE CRISTO E DA ABOLIÇÃO DA LEI! (Col. 2:16,17) A Torre de Vigia deveria considerar Paulo um apóstata, porque ele disse que observar ou não observar dias especiais eram com o indivíduo (Rom. 14:5,6), e até mesmo CONTINUOU em certas práticas da Lei que tinham passado! (Atos 13:14,15; 21:20-26)

As Testemunhas de Jeová praticam muitas coisas que a Bíblia não diz que façam, como contar o tempo gasto no trabalho de livros, revistas e estudos bíblicos, enquanto fixando certos dias no calendário para ir esparramar a doutrina da Torre de Vigia, cantar canções do Reino, ter Assembléias de Circuito e Distrito, responder perguntas especificadas para o batismo, etc. Nenhuma destas elas consideram errados, contudo tais práticas se tornaram tradicionais para elas.

OBJEÇÃO #3: Feriados idolatram algo ou alguém diferente de Deus, e a Bíblia diz para "Fugir de idolatria" e "Nós não fazemos parte do mundo."

Adorar a Cristo é próprio de acordo com o NT. Não apenas os anjos o adoram (Heb. 1:6), mas também todas as criaturas tanto no céu e terra (Rev. 5:13,14). Além disso, devemos dar honra ao Filho tal como o Pai (João 5:23). adorar o Cristo em qualquer dia é próprio, inclusive 25 de Dezembro e Páscoa.

Até onde aniversários são concernentes, as pessoas geralmente não adoram seus amigos ou crianças em seus aniversários. O que está errado em fazer algo especial para alguém em um certo dia, ou até mesmo considerar alguém como especial durante um dia? Há uma real diferença entre considerar alguém especial e adora-lo ou idolatra-lo. Normalmente as Testemunhas celebram seus aniversários de casamento que são uma celebração do nascimento do matrimônio deles. Talvez eles não devessem considerar um ao outro especial, seja no aniversário ou em qualquer dia. Talvez o matrimônio seja ininteligente para eles, pelo mesmo raciocínio, um companheiro seria um risco por considera-lo "especial!"

Poucas pessoas na sociedade moderna são "pedras de tropeço" por celebrar o nascimento de Cristo, com exceção das TJs e alguns outros que são legalistas pela mesma natureza. O apóstolo Paulo não aplicou sua própria deliberação relativo ao tropeço de outros (Rom. 14:21), à seitas legalistas do Cristianismo, pois o legalismo delas invocou a ira de Deus (Gal. 5:14).

O REAL ASSUNTO RELATIVO A IDOLATRIA

A Lei de Moisés foi uma pedra para um entendimento maior da natureza de Deus e como Ele relaciona com o Homem em sua condição decaída (Gal. 3:24). Este mesmo princípio também deve ser entendido na área da idolatria e relativo à objetos usados em falsa adoração. Idolatria é um problema do coração - não há nada inerentemente mal em um objeto, como contas de rosário, pentagramas, quadros de Maria, etc. É o que humanos FAZEM com tais objetos e como eles VÊEM tais objetos que os tornam idólatras (Deut. 11:16; Jó 31:26-28). No AT, os Israelitas estavam geralmente muito entorpecidos de coração para entender esta verdade. Eles estavam proibidos de fazerem imagens de qualquer coisa no Céu ou Terra, ter relacionamento social com os pagãos ao redor deles, comer com os gentios, etc.

Porquê, então, são liberados os cristãos de tais leis? Simplesmente porque eles têm as leis de Deus (de fato, os princípios de raiz da Lei) inscritas em seus corações (Jer. 31:33; 2 Cor. 3:3; Heb.10:16). Eles reconhecem que a verdadeira idolatria é um problema com o coração. Como tal, realmente se privar do contato com objetos físicos não resolve o problema. Melhor, Cristo renova o coração deles interiormente, de forma que todas as formas de idolatria (inclusive amor pelo status, riqueza, poder, popularidade, etc.) serão superados, até mesmo o que não é mencionado na Lei de Moisés.

Se os cristãos entendem a idolatria de um ângulo diferente, objetos ou símbolos não terão nenhum poder sobre nós. Nós não temos que temer nenhum objeto, ou até mesmo o próprio diabo, como se ele tivesse poder sobre nós. Temeremos apenas a Deus (2 Reis 17:35-41).

O apóstolo Paulo deixa muito claro que um ídolo não é nada (1 Cor. 8:4), não tem nenhum poder exceto aquele que você concede por seus próprios temores e superstições. Se você temer um objeto, então tem poder sobre você, e o diabo usará isto, você pode estar seguro (Deut. 7:16). A Bíblia diz que pelo medo da morte, o Homem foi sujeito a escravidão por todos os dias de sua vida. Mas agora que Cristo morreu por nós, Ele tornou o diabo e seus objetos impotentes para os cristãos. (Heb. 2:14,15).

Isto realmente entrega o sopro da morte à Sociedade Torre de Vigia. Em lugar de ver Cristo como ganhando uma vitória sobre o medo e a morte, eles têm de fato medo de cruzes, tábuas de Ouija, espíritas, doutores, ex-TJs, e qualquer coisa que possa os fazer lembrar do diabo. Em lugar de ver como meros objetos físicos ou os indivíduos como pessoas "enganadas", eles se desviarão para evitar qualquer contato com eles. Isto nos faz lembrar de certos líderes religiosos que temiam a contaminação supostamente "mal" ou coisas idólatras (Marcos 7:1-23).

Similarmente, Jesus disse que o que você come não afetará sua espiritualidade. Paulo foi tão longe quanto dizer que ele poderia entrar no templo de um ídolo e poderia comer a carne oferecida ao ídolo, e não afetaria sua saúde ou espiritualidade nem um pouco. Mas ele menciona alguns, por causa de serem fracos na fé, comeriam tal carne e veriam isto como se realmente houvesse um deus para o qual foi oferecido, e a consciência deles ficariam maculadas (1 Cor. 8:7). Se Paulo tivesse encarado objetos e rituais idólatras como os Fariseus, e como fazem agora as TJs, ele nunca teria chegado perto de um templo idolatra, e sugerido comer a carne que foi oferecida em seu altar. Isto foi mais sério que "guloseimas ou travessuras" no Dia das Bruxas! Isto seria como comparecer em um banquete de adoradores de Satanás e ter uma participação em comer antes de você dar à uma Testemunha! Para Paulo, não havia simplesmente nada que temer, a não ser que tropeçasse o mais fraco na igreja (1 Cor. 8:9-13). Se a igreja inteira fosse forte na fé, eles poderiam ter saído para o local do restaurante no templo idolatra e poderiam ter tido um banquete juntos! Isto ilustra a vitória suprema do Cristianismo sobre o diabo e seu mundo. (Lucas 10:18-20; Atos 26:18).

Infelizmente as TJs são cegas para nossa liberdade em Cristo. Como os Fariseus, eles estão encadernados sobre regras e temores relativo à feriados, objetos e certas pessoas. Eles não entendem os princípios de raiz na carta de Paulo aos Colossenses, onde ele diz:

Se morrestes com Cristo quanto aos rudimentos do mundo, por que vos sujeitais ainda a ordenanças, como se vivêsseis no mundo, tais como: não toques, não proves, não manuseies (as quais coisas todas hão de perecer pelo uso), segundo os preceitos e doutrinas dos homens? As quais têm, na verdade, alguma aparência de sabedoria em culto voluntário, humildade fingida, e severidade para com o corpo, mas não têm valor algum no combate contra a satisfação da carne. (Col. 2:20-23)

Se você escolhe ou não celebrar feriados tradicionais, não sinta como se isso importasse de uma forma ou outra para Deus. O que importa para Ele é se você o ama de todo coração, e ama seu próximo. Entrar em escravidão religiosa nestes assuntos resultarão em regressão espiritual e orgulho, como Paulo disse acima. Crescer em Cristo significa uma liberdade para viver neste mundo pecador, e ainda não ser afetado por sua idolatria.

0 comentários: