sexta-feira, 13 de junho de 2008

OVOS DE SERPENTE
Por: Tomaz Germanovix
25/05/2008

Chocam ovos de áspide e tecem teias de aranha; o que comer os ovos dela morrerá; se um dos ovos é pisado, sai-lhe ao encontro uma víbora. Isaías 59:5.



O profeta maior estava trazendo uma mensagem de exortação ao povo de Deus. Isaías havia recebido do Senhor, por revelação, a causa da bancarrota espiritual do povo escolhido. É importante sabermos que esta palavra não foi dirigida aos egípcios, babilônios ou a qualquer outro povo, mas sim ao povo da aliança. No capítulo precedente, encontramos a seguinte ordem divina: Clama a pleno pulmões, não te detenhas, ergue a voz como a trombeta e anuncia ao meu povo a sua transgressão e à casa de Jacó, os seus pecados. Mesmo neste estado, ainda me procuram dia a dia, têm prazer em saber os meus caminhos; como povo que pratica a justiça e não deixa o direito do seu Deus, perguntam-me pelos direitos da justiça, têm prazer em se chegar a Deus. Isaías 58:1-2.

Os versos posteriores mostram o queixume do povo, e a pronta resposta de Deus: Por que jejuamos nós, e tu não atentas para isso? Por que afligimos a nossa alma, e tu não o levas em conta? Eis que, no dia em que jejuais, cuidais dos vossos próprios interesses e exigis que se faça todo o vosso trabalho. Eis que jejuais para contendas e rixas e para ferirdes com punho iníquo; jejuando assim como hoje, não se fará ouvir a vossa voz no alto. Isaías 58:3-4.

Por que Deus não estava atendendo as orações de seu povo e nem atentando para os constantes jejuns? Segundo o texto lido, eles procuravam a Deus dia a dia, tinham prazer em conhecer os caminhos do Senhor e perguntavam pelos direitos da justiça. Então, o que havia de errado com aquele povo? Por que Deus não atentava para os seus clamores? O verso anterior já nos mostrou algo, mas Isaías 59:1-2 complementa: Eis que a mão do Senhor não está encolhida, para que não possa salvar; nem surdo o seu ouvido, para não poder ouvir. Mas as vossas iniqüidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que não vos ouça.

Está claro que o povo escolhido servia a Deus de modo externo e aparente. Mostravam-se muito obedientes e religiosos; por fora cumpriam com todos os seus deveres, porém, internamente alimentavam os seus pecados secretos. Eram escravos de sua própria hipocrisia. Diante desta triste realidade, Deus envia o seu profeta para denunciar o pecado do povo, e chamá-lo ao arrependimento.

Por boca de Ezequiel, muito tempo depois, Deus novamente faz um lamento contra o povo da promessa: Quanto a ti, ó filho do homem, os filhos do teu povo fala de ti junto aos muros e nas portas das casas; fala um com o outro, cada um a seu irmão, dizendo: Vinde, peço-vos, e ouvi qual é a palavra que procede o Senhor. Eles vêm a ti, como o povo costuma vir, e se assentam diante de ti como meu povo, e ouvem as tuas palavras, mas não as põe por obra; pois, com a boca, professam muito amor, mas o coração só ambiciona lucro. Eis que tu és para eles como quem canta canções de amor, que tem voz suave e tange bem; porque ouvem as tuas palavras, mas não as põe por obra. Ezequiel 33:31-32.

A iniqüidade sempre afastou e afasta Deus de seu povo. Todas as vezes que a nação escolhida se afastava de Deus, colhia amargamente as conseqüências de seu pecado. Hoje em dia não é diferente, apesar de vivermos debaixo do novo concerto, todas as vezes que pecamos contra Deus, a não ser que haja um arrependimento real, é certo que colheremos os frutos de nossa rebeldia. O livro de Gálatas 6:7 exorta os santos: Não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará.

Deus chamou o povo de Israel para que este expressasse a Sua santidade. Podemos conferir esta verdade, lendo Levítico 11:44a e 19:1e2: Eu sou o Senhor, vosso Deus; portanto, vós vos consagrareis e sereis santos, porque eu sou santo. Disse o Senhor a Moisés: Fala a toda a congregação dos filhos de Israel e dize-lhes: Santos sereis, porque eu, o Senhor, vosso Deus, sou santo.

Na nova aliança, Deus também conclama seu povo, a Igreja do Senhor, a viver em santidade. No livro de 1 Tessalonicenses 4:3-7 está registrado: Pois esta é a vontade de Deus: a vossa santificação, que vos abstenhais da prostituição; que cada um de vós saiba possuir o próprio corpo em santificação e honra, não com desejo de lascívia, como os gentios que não conhecem a Deus; e que, nesta matéria, ninguém ofenda nem defraude a seu irmão; porque o Senhor, contra todas estas coisas, como antes vos avisamos e testificamos claramente, é o vingador, porquanto Deus não nos chamou para a impureza, e sim para a santificação.

Encontramos outra exortação a este respeito no livro de Hebreus 12:14: Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor. O texto é claro, por um lado temos a orientação de buscarmos a santificação, por outro há uma palavra de alerta. Leiamos também o que Paulo escreveu aos Efésios: Que, quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano; e vos renoveis no espírito da vossa mente; e vos revistais do novo homem, que segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade. Efésios 4:22-24.

Destacamos nesse momento que, santidade é a formação de Cristo no salvo. Todo aquele que foi regenerado no espírito, pelo novo nascimento, é um predestinado a ser santo, ou seja, o que nasceu de novo será conformado à imagem de Cristo, em sua alma. Paulo trata deste assunto em Romanos 8:29: Porquanto aos que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos.

Verdadeiramente Deus quer que a Igreja expresse a vida de seu Filho, ou seja, a santidade, porém, qual é a realidade do povo de Deus hoje em dia? Será que o mundo tem visto Cristo através de nosso testemunho? A Igreja do Senhor tem trilhado os caminhos da santidade? O que infelizmente temos assistido no meio do povo de Deus? Adultério, fornicação, corrupção, fofoca, crítica, busca desenfreada por riquezas, mentira, palavras torpes, malícia, desprezo às autoridades... . Soma-se a tudo isto, o terrível pecado da falta de temor a Deus. Com certeza, a Noiva que está sendo preparada para se encontrar com Cristo nos ares em nada se assemelha com a Igreja atual.

A mesma hipocrisia que havia no povo da antiga aliança é vista hoje entre os que fazem parte do novo pacto. A nação escolhida servia a Deus externamente, e o que se pode dizer de cada um de nós que fazemos parte da Igreja de Cristo? Temos buscado ao Senhor de todo o coração? De fato, Ele é o nosso tudo? Como interpreto a graça de Deus? Cuidado! Não faça da preciosa graça de Deus uma licença para legitimar o seu imundo pecado. Não se esqueça que: importa que todos nós compareçamos perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo. 2 Coríntios 5:10.

No que concerne ao povo da aliança, levantamos uma pergunta: Qual foi o pecado que provocou a separação entre Deus e o seu povo? Foi o pecado de chocar ovos de áspide e tecer teias de aranha. Sabemos que Deus não julga segundo a aparência, mas Ele considera o coração. Aquele povo servia a Deus maquinalmente, apenas de forma teatral. Eles se alimentavam de todo tipo de iniqüidade. Armazenavam os pecados prediletos no íntimo e ocultavam os seus maus pensamentos, entretanto, assim fazendo, na verdade estavam chocando ovos de serpente em seus próprios corações.

A nação eleita honrava a Deus apenas de lábios: O Senhor disse: Visto que este povo se aproxima de mim e com a sua boca e com os seus lábios me honra, mas o seu coração está longe de mim, e o seu temor para comigo consiste só em mandamentos de homens, que maquinalmente aprendeu. Isaías 29:13. Davam um fervoroso amém toda vez que eram chamados a uma vida de santidade, no entanto, os seus corações eram verdadeiros ninhos de ovos de serpentes.

Tinham mentes envenenadas, seus pensamentos eram maliciosos e interesseiros, amavam secretamente seus ídolos e se nutriam de seus pensamentos lascivos. O incrível é que eles teciam teias de aranha como desculpas de sua iniqüidade: As suas teias não se prestam para vestes, os homens não poderão cobrir-se com o que eles fazem, as obras deles são obras de iniqüidade, obra de violência há nas suas mãos. Isaías 59:6.

Aquele povo vivia em freqüente derrota porque amava chocar ovos de serpentes em seu íntimo. Estes ovos eram pecados escondidos que carinhosamente eram afagados por aqueles rebeldes. Todo jejum, oração, clamor a Deus, desempenho religioso não podia livrar o povo de sua iniqüidade. Somente um arrependimento genuíno pode purificar o povo de Deus de sua iniqüidade: Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e me buscar, e se converter dos seus maus caminhos, então, eu ouvirei dos céus, perdoarei os seus pecados e sararei a sua terra. 2 Crônicas 7:14.

Qual tem sido a causa dos sofrimentos da Igreja hoje? Infelizmente, a grande maioria dos cristãos está chocando ovos de serpente. Para tristeza do Senhor, o íntimo de muitos regenerados foi transformado numa cova de víbora. Quantos cristãos que lêem ou ouvem esta mensagem não têm armazenado no mais profundo de seu ser pensamentos de mágoa, lascívia, amargura, falta de perdão, sentimentos de autocomiseração, vitimismo, crítica, julgamento, partidarismo... ? Tudo isto se constitui em ovos de áspide.

Para vergonha nossa, há muitos cristãos que não se falam, e até mesmo se odeiam. Estes são do tipo que ficam “cozinhando” os malignos pensamentos em seu íntimo. Quantos não se aferram em sua justiça e vivem doentes por causa da falta de perdão? Na verdade, todos eles chocam ovos de serpentes, e elas agora correm livremente através de suas mentes. São almas escravas de sua própria iniqüidade. Só para que saibamos, os ovos são colocados na mente do homem pelo próprio diabo, porém, o cultivo é particular.

E os cristãos repetem a mesma cena já vista na velha dispensação. Chegam confortavelmente para participar das reuniões. Buscam a Deus, oram, choram, louvam, tocam seus instrumentos, dirigem grupos de música, ministram a palavra, no entanto, lá no íntimo há muitos ovos de serpentes armazenados. Deus pode se agradar deste tipo de reunião?

O que Deus requer da Igreja, de cada um de nós? Um profundo e genuíno arrependimento. Precisamos reconhecer e confessar que temos pecado contra o Senhor. Que o Espírito Santo possa verdadeiramente quebrantar a Igreja, e que o Senhor conquiste o nosso coração, de tal modo que possamos expressar a Sua santidade. Que assim seja!

0 comentários: