segunda-feira, 14 de novembro de 2016

BÍBLIA – O LIVRO INCOMPARÁVEL!

Alguém disse: “Se o homem tivesse querido por sua própria capacidade escrever a Bíblia, não teria conseguido. Se ele pudesse ter escrito a Bíblia por usa própria capacidade não teria querido”.

Por que? Porque ela é perfeita. Seria impossível ao homem pecador ter conseguido escrever algo perfeito que se encaixa nos mínimos detalhes. Se ainda assim, lhe fosse possível escrever a Bíblia por sua própria capacidade, por ser pecador jamais escreveria um livro que constasse de leis e normas tão severas para o pecador. Se já é natural do ser humano burlar as leis estabelecidas, quanto mais não o é fazer leis que lhe sejam favoráveis?!

Algumas informações sobre a Bíblia:

1) Ela foi escrita num espaço de 1.600 anos aproximadamente. Desde o primeiro escritor (Moisés) até o último (Apóstolo João) passaram-se mais ou menos 1.600 anos. Ela começa falando de um paraíso no Éden (Gn 2.1-15), e termina falando de um paraíso na glória eterna (Ap 21); ela começa falando de um animal inocente (talvez um cordeiro) que morreu para que a sua pele servisse de roupa para cobrir não só a nudez de Adão e Eva (Gn 3.21), mas, a vergonha que o pecado deles lhe trouxe, e termina falando do Cordeiro de Deus que foi morto desde antes da fundação do mundo para revestir o pecador com a justiça de Deus e assim torná-lo aceitável aos olhos de Deus e verdadeiramente salvo (Ap 13.8).

2) Mais ou menos 36 pessoas das mais diferentes ocupações e formação foram usadas por Deus para escrevê-la, porém, em todos estes havia algo em comum: eram homens santos (separados por Deus) e movidos pelo Espírito Santo (2Pe 1.21). Deus usou quem Ele quis e capacitou a todos direcionando cada um a escrever o que Ele quis que fosse escrito.
3) Ela é dos escrito antigos o que mais tem cópias de seus originais. E todas essas cópias são idênticas em 99,9% dos dados. Então você me pergunta: “Ah, mais e esse 0,1%? Se há alguma divergência, como ela pode ser perfeita?”. Essas poucas divergências se dão por questões temporais e ocasionais. Por exemplo: em 2Sm 24.1 a Bíblia diz que Deus incitou Davi a levantar o censo em Israel, e em 1Cr 21.1, diz que Satanás foi quem o incitou. Há sem dúvida alguma uma discrepância absurda, não é mesmo? Se nos prendermos às palavras “Deus” e “Satanás” sem dúvida alguma diremos que isso não é só uma discrepância, mas, um erro muito sério. Contudo, observe que esta é a primeira vez que a palavra “Satanás” aparece na Bíblia. isso é muito importante porque o segundo livro de Samuel foi escrito por volta do ano 1.010 A.C., enquanto que o primeiro livro das Crônicas foi escrito por volta de 400 A.C., ou seja, um pouco depois dos cativeiros assírio e babilônio, nos quais a influência religiosa destes povos foi muito forte sobre os judeus, que embora já tivessem a concepção de um arque-inimigo espiritual que vinha atuando desde o Éden, somente nessa época é que o chamaram de Satanás. Mas, como essa informação resolve a aparente discrepância destes dois textos? Em toda a Bíblia Satanás não é um soberano a parte. Ele é um subalterno de Deus, ou como disse Martinho Lutero: “O diabo é diabo de Deus”. Tudo o que ele intenta fazer só o pode se Deus o permitir, e, mesmo assim para que os santos propósitos de Deus sejam cumpridos na História. O diabo não passa de um fantoche nas mãos de Deus. Então afirmar que foi Satanás quem incitou Davi a levantar o censo, é reconhecer que Deus usou Satanás para cumprir o Seus propósitos.

Por fim, quando você estiver lendo a Bíblia, primeiramente clame ao Espírito Santo de Deus que abra os seus olhos para ver o que Deus quer para sua vida, e toque em seu coração levando-o a não somente crer, mas, também se submeter humildemente a Ele. Não tenha dúvida de que Deus falará ao seu coração, e textos que hoje lhe parecem absurdos na Bíblia serão para você esclarecidos e esclarecedores, inspirados e inspiradores.

Rev. Olivar Alves Pereira


Fonte: http://www.noutesia.com.br

0 comentários: