terça-feira, 5 de abril de 2016

A Bíblia e a Homossexualidade

Jesus Cristo ensinou que o casamento é uma união de carne e sangue entre um homem e uma mulher por toda a vida: "Vocês não leram que, [em Genêsis 1:27 e 2:24], no princípio, o Criador ‘os fez homem e mulher’ e disse: ‘Por essa razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e os dois se tornarão uma só carne’? Assim, eles já não são dois, mas sim uma só carne. Portanto, o que Deus uniu, ninguém o separe" (Mt 19:4-6). Da mesma forma, o sexo entre um homem e uma mulher antes do casamento (fornicação), ou entre uma pessoa casada e alguém que não seja seu cônjuge (adultério), ou entre um homem ou uma mulher e um animal (bestialidade), ou entre dois homens (sodomia), ou ainda entre duas mulheres (lesbianismo), é algo pecaminoso. Se Cristo chegou a declarar que "qualquer que olhar para uma mulher para desejá-la, já cometeu adultério com ela no seu coração" (Mt 5:28), dois homens se deitarem juntos também é algo perverso.

Depois da sua morte expiatória e sua ressurreição, o Cristo glorificado comissionou seus apóstolos a declararem a sua Palavra para as nações e a escreverem a inspirada Escritura. Paulo, "servo de Jesus Cristo" (Rm 1:1), fala das "paixões infames" do lesbianismo — "até suas mulheres trocaram suas relações sexuais naturais por outras, contrárias à natureza" (v. 26), e da sodomia — "da mesma forma, os homens também abandonaram as relações naturais com as mulheres e se inflamaram de paixão uns pelos outros. Começaram a cometer atos indecentes, homens com homens, e receberam em si mesmos o castigo merecido pela sua perversão" (v. 27). "Não se deixem enganar", escreve o apóstolo, "[...] os adúlteros, os homossexuais passivos ou ativos" (sodomitas) "não herdarão o Reino de Deus" (1Co 6: 9-10). Estas não eram meras especulações de Paulo, pois ele declara: "as coisas que vos escrevo são mandamentos do Senhor" (1Co 14:37).

Todos os pecados que não foram expiados pelo sangue de Cristo e dos quais não houve arrependimento trazem sobre si o castigo eterno no inferno, mas a homossexualidade é uma transgressão especialmente grave.

Primeiro, ela é "contra a natureza", uma vez que é contrária à criação de Deus, que nos criou homem e mulher (Rm 1:26-27). Em segundo lugar, é em si mesma um juízo de Deus sobre os homens e mulheres pela sua idolatria (Rm 1:18-25): "Por isso Deus os entregou à impureza sexual" — ao lesbianismo e a sodomia (Rm 1:26-27). Deus entregar alguém a homossexualidade é um exemplo da "ira de Deus [...] revelada do céu" neste mundo (Rm 1:18). Em terceiro lugar, a sodomia é o pecado central que trouxe fogo do céu: "Sodoma e Gomorra [...] entregaram-se à imoralidade e a relações sexuais antinaturais [v. Gn 19:4-5], [e] estando sob o castigo do fogo eterno, elas servem de exemplo" (Jd 1:7). Deus ter feito chover fogo e enxofre sobre Sodoma e Gomorra (Gn 19:24) retrata o fogo do inferno que espera por homossexuais impenitentes, e que, de fato, espera todos os pecadores impenitentes (2Pe 2: 6). Em quarto lugar, a homossexualidade, uma vez que ganha a aprovação da sociedade (como em nossos dias), desfila descaradamente: "mostram seu pecado como Sodoma, sem nada a esconder" (Is 3:9). Deste modo, eles "se gloriam [...] em sua vergonha" (Fp 3:19) com todos os deboches de suas paradas do orgulho gay.

Contudo, a homossexualidade não é o pecado imperdoável. Depois de listar várias iniquidades, incluindo sodomia (os homossexuais), o apóstolo declara aos crentes de Corinto: "Assim foram alguns de vocês. Mas vocês foram lavados, foram santificados, foram justificados no nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito de nosso Deus" (1Co 6:9-11). Este é o caminho da libertação para o homossexual — a única forma de libertação para todos nós.


Autor: Rev. Angus Stewart
Fonte: Covenant Protestant Reformed Church
Tradução: Lidi Cecilio

Via: Veritas

0 comentários: