sábado, 16 de maio de 2015

Os Padres Apostólicos e as doutrinas da graça

Recentemente irmãos do arraial arminiano tem alvorado a bandeira de que os ensinos calvinistas, especialmente relacionados aos chamados cinco pontos do calvinismo (ou Tulip), não era uma doutrina da igreja primitiva, portanto, não tem um amparo de uma interpretação antiga. O irmão Clóvis, editor do recomendável blog Cinco Solas, postou observações sábias a respeito dos pais e a doutrina da expiação (AQUI). 

Eu resolvi escrever algo a respeito, me concentrando, a princípio, nos Padres Apóstolicos. Considerados a primeira geração cristã de escritores, leigos e pastores, na geração imediata aos apóstolos. Devo também lembrar que estou refém da tradução que possuo da Editora Paulus. Qualquer imprecisão em meu julgamento, além de minhas próprias limitações, estou confiante na tradução que tenho em mãos.

Devemos dizer que de forma geral, os Padres Apostólicos não satisfazem o pensamento calvinista em seu conteúdo majoritário. Minha preocupação com essa postagem é julgá-los a partir do que escreveram que de alguma forma afeta o calvinismo e o arminianismo. Ao ler o livro, notei que em alguns pontos, o arminiano também terá que ficar com um pé (até dois) atrás.

Os Padres Apostólicos usam uma linguagem da vida prática, que é normalmente vista em arminianos e calvinistas – calvinista fala de perseverar na obediência, o arminiano fala de eleição, porém, tais termos, não raro, são mais identificados com o grupo oposto. O ponto em questão é que pouca reflexão houve em direção ao que Deus decidiu na eternidade e como ele aplicaria tal decisão. Eles dissertaram mais da vida do cristão do que das decisões eternas de Deus em relação a eles. Vejamos:

1. Clemente Romano:
Sua preocupação não foi dogmática, mas o que estava relacionado com a ‘vida, a fé, penitencia’, etc. (Aos Coríntios 62.1,2,3). Isso não significa que ao tratar de coisas práticas da fé, ele não tenha tido como pano de fundo a doutrina relacionada ao assunto em mira. No meu modo de ver, Clemente é um cristão ‘Arminiano’ (compreendam meu anacronismo). Ainda que em um momento ou outro, sua linguagem possa agradar algum calvinista, o uso que ele faz do termo eleito não é calvinista ao pesar toda sua carta. O uso que ele faz de eleito é sinônimo de cristão fiel, o que o calvinista não nega. Mas sem nenhuma construção mais refinada de ideia de eleição eterna ao olhar o indivíduo.

“Dia e noite, sustentáveis combate em favor da fraternidade, a fim de conservar íntegro, por meio da misericórdia e da consciência, o número dos eleitos.” (2.4)
“Nós, portanto, lutamos para sermos encontrados no número dos que o esperam, a fim de participarmos dos dons prometidos.” (35.4).
“Melhor seria para ele não ter nascido, do que escandalizar um só dos meus eleitos!” (46.8[nessa citação ele troca criança por eleito]).
“Serás inocente com o homem inocente, serás eleito com o homem eleito, mas com o perverso te perverterás [...]  Essa bem-aventurança é para os que Deus escolheu por meio de Jesus Cristo nosso Senhor. A ele, a glória pelos séculos dos séculos. Amém.” (49.5).
“Seus corações insensatos se endureceram, depois dos sinais e prodígios que Moisés, o servidor de Deus, tinha realizado no Egito.” (51.5)
“[...] pediremos que o Criador do universo conserve intacto o número dos seus eleitos no mundo inteiro, por meio do seu amadíssimo Filho Jesus nosso Senhor, por meio do qual nos chamou das trevas, da ignorância ao conhecimento do seu nome glorioso [...]” (52.2).
“Quanto ao resto, que o Deus que tudo vê e é Senhor dos espíritos e de todos os seres vivos – que elegeu o Senhor Jesus Cristo e, por meio dele, nos elegeu para sermos seu povo particular – conceda a toda pessoa que invoca o seu nome magnifico e santo, a fé, o temor, a paz e a perseverança.” (64.1).

2. Inácio de Antioquia.
Em Inácio nasce a supremacia de um bispo sobre os demais presbíteros. Embora notamos muitos dizendo que surgiu aqui o ‘clero’ Católico, é verdade também que surgiu o clero protestante. Provavelmente, temos aí, a mais antiga prova de que o batismo cristão deve ser realizado apenas por Ministros Ordenados (Esmirniotas 8.2). Inácio chama opositores da fé de ‘feras selvagens, cães raivosos’ (Efésios 4.1; 7.1). Foi um cristão que a bem dizer estimulou o martírio, sendo um dos tais. Tal como Clemente, mas com menos conteúdo, não se preocupou muito com doutrinas, mas com a vida piedosa. Jesus Cristo é chamado constantemente de “Nosso Deus”. Veja o que nos interessa:

“[...] à Igreja que foi grandemente abençoada com plenitude de Deus Pai, predestinada antes dos séculos para existir sempre, para uma glória que não passa, inabalavelmente unida, escolhida na paixão verdadeira, pela vontade do pai e de Jesus Cristo, nosso Deus. À Igreja digna de ser chamada feliz, que está em Éfeso [...]” (Efésios, Saudações).

A citação acima está em perfeita harmonia com a introdução da carta de Paulo aos mesmos destinatários. Pode ser alvo de interpretação arminiana e calvinista, tanto quando o é a carta inspirada. O grande ponto é – a igreja em mente aí são as pessoas ou a instituição espiritual? Creio, que se Inácio repete apenas os dizeres de Paulo, ele precisa pensar nas pessoas que, como igreja, foram escolhidas. Deus não escolheu vagas. Ele escolheu pessoas para preencher as vagas (Jo 14.1,2).

“Agatópodo, homem eleito que, tendo renunciado à vida, me acompanha desde a Síria [...]” (Aos Filadelfienses 11.1).

3. Policarpo.
O grande mártir cristão [Diferente de seu mentor, Inácio, ele não faz distinção entre o bispo e os presbíteros] Ele pode também nos revelar como não é possível encontrar uma definição para o veio a ser o calvinismo, ainda que apareçam lampejos que possam apontar nessa direção – ainda que seja muita escassa qualquer coisa que precisamos para construir uma afirmativa. A igreja que testemunhou a vida e morte de Policarpo, parece usar eleito na mesma concepção dos demais Padres, porém, com o viés de que foram fieis até a morte.

“as quais são os diademas daqueles que verdadeiramente foram escolhidos por Deus e nosso Senhor.” (II Filipenses 1.1).

A igreja que testemunhou  o martírio de Policarpo escreveu:

“Toda a multidão admirou-se de ver tão grande diferença entre os incrédulos e os eleitos” (16.1).
“Com ele glória a Deus Pai e ao Espírito Santo, para a salvação dos santos eleitos.” (22.1).
“Que o Senhor Jesus Cristo me reúna também com seus eleitos na glória do céu.” (22.5).

4. Hermas
Sofrível ler as visões de Hermas. Ele não foi instruído na doutrina bíblica. Demonstra pouco, ou quase nenhum conhecimento da Palavra (Um exemplo: 32.2 ele pergunta na visão se viúvo pode casar novamente). Seu conceito de salvação e perdão, é péssimo. Ele limita a graça ao batismo, e se pecar o crente com uma penitencia subsequente, pode receber perdão depois de um tempo. Um anjo da penitencia está envolvido nisso. Em um sentido doutrinário ele não é cristão. Sua cristologia é herética (78.1; 89.2). Apesar de demonstrar algum credo cristão correto e uma confissão de salvação do nome do Senhor (26.1; 23.4). Se seus erros são frutos de sua ignorância, deixemos nas mãos do Senhor que tudo julga justamente. Porém, não podemos concordar com o pensamento de Hermas e suas visões. Ele agradaria mais um semi-pelagiano. Não agradaria um arminiano, muito menos um calvinista.

Ele usa o termo eleito várias vezes (3.4; 5.3; 16.3; 17.9) como sinônimo de crente. E em uma dessas vezes, está claro que ele não compartilharia do credo calvinista também:

“O Senhor jurou por sua glória a respeito de seus eleitos: se depois deste dia [da conversão, ou da penitencia], fixado como limite, ainda se cometer um só pecado, eles não obterão a salvação, pois a penitência para os justos tem limite.” (6.5).

Hermas, portanto, não se qualifica para ser representante do pensamento da época a respeito das doutrinas da graça. Ele não seria arminiano, calvinista – ele não seria cristão ortodoxo.

5. Barnabé.
Esse cristão segue um padrão de interpretação altamente alegórico do VT, e essa sua preocupação inicial. Algumas de suas objeções ao judaísmo são bem duras.  Ele por fim se preocupa com a vida piedosa. Não há também uma doutrina refinada a respeito da polêmica em mira. Assim como os demais era ‘mais arminiano’ na maioria dos casos. Vejamos:

“tomais cuidado para não ficardes como certas pessoas, que acumulam pecados, dizendo que a Aliança está garantida para nós.” (4.6)

Na sequencia Barnabé reafirma que a Aliança é da Igreja como corpo, mas não como indivíduos. E aparentemente mostra que o que crente salvo, pode perder a salvação:

“Tomemos cuidado para não ficarmos tranquilos como chamados, adormecendo sobre nossos pecados, de modo que o príncipe do mal se apodere de nos e nos afaste do reino do Senhor.” (4.13).

Obs: Essa é uma linguagem bíblica. Os calvinistas não têm problemas com ela. Os crentes devem cuidar de si mesmos tendo certa a condenação se não permanecerem na graça. Porém, não percebemos que Barnabé em outro momento faça alguma descrição de uma segurança eterna.

“Ele, portanto, circuncidou nossos ouvidos, para que escutemos a palavra e creiamos.” (9.3).

Aqui percebemos a graça de Deus capacitando o homem para entender o Evangelho – que arminianos e calvinistas creem. A grande questão é se essa circuncisão atingiu seu objetivo – “para que creiamos”.

6. Didaquê.
Um documento cristão muito antigo, que servia de catecúmeno para iniciantes na fé. É como os demais escritos, totalmente prático, e pouco teológico, mas teologicamente satisfatório. Não trata de nada do tema. Nem em favor do arminianismo nem em favor do calvinismo.  É um documento que incomoda os imersionistas, pois chama de batismo o “derramar água”, não apresenta algo que os pedobatistas esperariam, pois fala apenas do batismo de adultos. É um bom testemunho em favor da doxologia do Pai Nosso, e do batismo trinitário (Mt 6.13; 28.19).

CONCLUSÃO
Os Padres Apóstolicos precisariam de uma refinada para entrarem na escola arminiana, mas pertenceriam a esse seguimento, com certeza. Evitando alguns termos que poderiam dar alguma margem para especulações. Da mesma forma eles não apresentaram uma doutrina a respeito da justificação, nos termos teológicos e bíblicos que conhecemos. A doutrina da trindade era presente, mas também não possuía uma definição tão aguçada quanto apareceu em Nicéia e Atanásio, que satisfez plenamente os dados bíblicos. Enquanto a eclesiologia era problemática na maioria dos casos, especialmente com forte tendências a um conceito de sacramentos que agrada mais aos católicos.


Podemos dizer que enquanto os Credos encontrou a seiva bíblica da divindade com mais precisão, a Reforma cuidou das doutrinas da graça, o que foi parcialmente trabalhado por Agostinho, mas redundou na doutrina da justificação bíblica, anteriormente esquecida. E os que fizeram isso, possuíam uma concepção mais calvinista.


Fonte: MCA

0 comentários: