domingo, 1 de julho de 2012

Testemunhas de Jeová e Provérbios 8:22

Negar a eternidade de Jesus - sem princípio e sem fim - é um pilar doutrin[ário] do corpo governante TJ, o dito profeta semelhante a Ezequiel, mas para o cristão, um fals[ário]. E o arm[ário] de argumentos falsos para essa organização de luzes bruxuleantes vagueia pelo imagin[ário] mundo dos sonhos: 'Somos a única religião verdadeira desde 1874.'

A ideia do advers[ário] é provar um "jesus" criado. Mas eu não sou ot[ário]. Ao usarem Provérbio 8:22, argumentam:


                                                           Livro: Venha Ser Meu Seguidor, página 131, parágrafo 7.


Nas possibilidades de o verbo hebraico "qanah" ser traduzido na frase "o próprio Jeová me produziu como princípio do seu caminho" pode significar "criar" ou "produzir" e "possuir", cada um com seus sinônimos próximos.

Algumas versões bíblicas preferem usar "criar". Embora seria inconcebível imaginar a sabedoria de Deus sendo criada, pois Ele é Todo-Sábio, o texto poético apenas descreveria a sabedoria personificada de Deus se comunicando com os homens com termos e expressões conhecidas, visando apenas um único objetivo: Provar que a sabedoria de Deus existe antes de tudo, por isso, presta-se a dizer que foi criada como a primeira das suas obras (Almeida, Século 21). Aqui não é Jesus falando, mas a sabedoria qual uma mulher (no hebraico, os verbos e adjetivos estão todos no feminino, sendo que poderiam estar no masculino) anunciando sua primazia em relação a todas as coisas criadas. 

O texto é tão poético que na Tradução TJ Novo Mundo se diz que a sabedoria foi o princípio do caminho de Jeová. Mas o caminho de Jeová não tem princípio, pois Ele não tem princípio. Assim, a poesia não se preocupa em explicar a origem da sabedoria, muito menos dos caminhos de Deus. Então, poética e simbolicamente, interpretar que Jesus teria sido criado como a mais antiga das realizações de Deus conotaria apenas sua existência antes de todas as coisas. Seria um recurso de Deus de acomodar-se à linguagem humana para expressar um realidade divina. Por exemplo, faz-se isso com Deus, ao descrevê-lo como Ancião (ou Antigo) de Dias, em Daniel 7:9. Deus não é apenas antigo, mas sem princípio. Todavia, é um recurso linguístico para ensinar que Deus é eterno, ou é antes de tudo.

Outra possibilidade seria "possuir". Assim, Deus, que sempre possuiu sua sabedoria, a possui, em sentido poético, para criar todas as coisas. Assim, Deus possuiu Jesus para criar tudo. Alguns levam o texto poético ao pé da letra e raciocinam: "Se Deus possuiu, é porque antes não possuía, assim, Ele não possuía seu Filho Jesus, mas veio a possuí-lo quando o criou." Mas essa interpretação é absurda! Lembre-se de que aqui se refere á sabedoria de Deus, e Deus sempre a possuiu, nunca jamais vindo a possuí-la.

Na verdade, conforme comenta Charles G. Martin, na obra de F. F. Bruce:

"A ênfase, como aqui, está no fato de que a sabedoria pertence ao SENHOR, não em quando e como veio a pertencer a ele. A primazia da sabedoria em relação à criação (quando ainda não [...] quando não [...] antes de [...] ainda não) põe o universo numa nova perspectiva." - Comentário NVI, página 917, Editora Vida.

Assim, o texto poético de Provérbios 8:22-31 não foi escrito para provar como e quando a sabedoria veio pertencer a Deus, mas apenas mostrá-la como sempre pertencente a ele, antes de tudo! 

Agora, veja a incompetência intelectual de certas TJs, que se arvoram em comentar palavras hebraicas, ao tentar provar que a tradução o verbo "qanah" não pode ser aqui "possui-me", mas sim "produziu-me", na acepção de criar. O Sr. Rubens Dantas, professor de Hebraico, talvez o maior conhecedor hebraísta das TJs aqui no Brasil, em seu site Tradução do Novo Mundo Defendida, faz a brilhante argumentação:



Assim, para o nobre comentarista TJ de palavras hebraicas, assim como Eva não possuiu Caim, mas o produziu, assim também Deus não possuiu Jesus, mas o produziu. Em primeiro lugar, comparar Eva ter Caim (realidade humana, criada) com Deus possuir Jesus (e que seja criar) é bizarro! Argumento típico de quem usa o hebraico apenas com quem não o conhece. Infelizmente para o Sr. Rubens Dantas, que vive fugindo de debater comigo sobre a pior tradução já "produzida" na face da terra, eu não sou ignorante em hebraico, e muito menos em grego. Em segundo lugar, o leitor de Provérbios antes de Jesus vir à terra teria muita dificuldade de entender o texto. Raciocinaria ele que Deus possuía ou teria produzido sua sabedoria? Que o supracitado hebraísta responda.

Outros intérpretes das Escrituras, cristãos, afirmam que a sabedoria de Provérbios 8:22 não se refere a Jesus, pois em Provérbios 8:12 diz que a sabedoria habita com a prudência. Se a sabedoria refere-se a Jesus, então quem seria a prudência? Não deixa de ser interessante essa colocação, embora muito recente entre os teólogos cristãos para ser levada a sério.

Prefiro entender que realmente Provérbios 8:22 refere-se à sabedoria de Deus, e que desde a eternidade Ele a possuía, pois é o mais natural de se entender; é o óbvio. E que se aplicarmos essa sabedoria como sendo Jesus, teremos que forçosamente admitir sua relação de igualdade com Deus.

No caso das TJs, sua escravidão sincera às interpretações do seu corpo governante, criadores, possuidores, geradores de 317 mudanças de ensinos, faz-me ter dó delas. Veja como interpretam novamente Provérbios 8:22:


                                        A Sentinela de 15 de maio de 1987, página 28.


Se em Jesus se acham ocultos todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento humano, Ele é o próprio Deus! Por isso, como Deus, ele é o primogênito da criação porque a criou, ou seja, porque está acima dela. Primogênito seria, então, sinônimo de herdeiro que está acima de tudo, conforme usado no Salmo 89:27, quando se diz que Deus faria de Davi o seu primogênito, o mais elevado de todos os reis da terra.

Consulte qualquer dicion[ário] etimológico de palavras hebraicas, ou Coment[ário] cristão para ter ferramentas ao responder a cada question[ário] que as TJs desferirem contra você. Prepare-se. Se você for usu[ário] da Tradução do Novo Mundo, melhor ainda, pois poderá raciocinar com elas usando a "bíblia" delas.

Como foi maravilhoso ter sido liberto desse ninho de heresias! Eu cria num "outro Jesus". Hoje, creio no Jesus da Bíblia, Deus (João 1:1), Senhor (1 Coríntios 8:5, 6), O SENHOR DE MIM E O DEUS DE MIM (no grego) (João 20:28) e único Salvador (Atos 4:12).

Livre, sim, da seita que desde 1870 resgatou a heresia de Ário, dos séculos III e IV. Contra factum non est argumentum!
- Fernando Galli



0 comentários: